Nossa rede

Mundo

Espanha vai impor quarentena e blindará fronteiras para desconfinamento

Publicado

dia

Governo adotou novas medidas após início do processo de saída do isolamento para não importar casos de países onde há transmissão do coronavírus

 

Espanha: Ministério da Saúde espanhol registrou 26.920 mortes e 228.030 casos (Europa Press News / Colaborador/Getty Images)

Para acabar com a pandemia de coronavírus e proteger o processo de desconfinamento, a Espanha vai impor uma quarentena de 14 dias, a partir de sexta-feira (15), a qualquer pessoa vinda do exterior e restringirá as chegadas marítimas e aéreas de países do espaço europeu Schengen – anunciaram as autoridades nesta terça (12).

O governo adotou essas novas medidas no dia seguinte ao início do processo de desconfinamento, no âmbito do qual, no momento, metade da população espanhola pode se deslocar dentro de sua província.

A flexibilização ainda não diz respeito a Madri, ou a Barcelona, duas das áreas mais afetadas pela epidemia.
A primeira das medidas anunciadas é que, a partir de 15 de maio, quem chegar do exterior deverá fazer uma quarentena de 14 dias em casa.

As pessoas envolvidas poderão sair apenas para comprar produtos de primeira necessidade, ir a centros de saúde, ou por motivos de força maior, de acordo com a ordem do governo.

As autoridades de saúde poderão contatá-las para acompanhamento.

Além disso, “todos os deslocamentos serão feitos com uma máscara”, acrescenta a ordem, publicada no Diário Oficial do Estado (BOE).

Trabalhadores transfronteiriços, transportadores, tripulantes de companhias aéreas, ou pessoal médico, estão isentos de quarentena, desde que não tenham tido contato com pessoas infectadas com coronavírus.

Mais restrições às chegadas da UE

A segunda medida é que, a partir do mesmo dia, as chegadas por via marítima e aérea dos países Schengen, o espaço europeu de livre-circulação, serão restritas.
Isso significa que de países como França, Alemanha ou Bélgica, apenas cidadãos espanhóis, residentes na Espanha, trabalhadores transfronteiriços, profissionais da saúde, ou aqueles que documentam causas de força maior, poderão entrar de navio e avião.

Essa restrição é adicionada ao fechamento das fronteiras terrestres com França e Portugal, em vigor desde 17 de março, e às restrições para viajantes vindos de fora do espaço Schengen, aplicadas desde 23 de março.
“A evolução favorável da situação epidemiológica em nosso país e o início do desconfinamento tornam necessário reforçar as medidas de controle”, explica o governo no BOE.

Ambas as medidas permanecerão em vigor enquanto durar o estado de emergência pela pandemia, ou seja, até 24 de maio. Poderão ser prolongadas, se o referido dispositivo excepcional for estendido.
Os estrangeiros que possuem casas na Espanha – como acontece na ilha de Maiorca, onde milhares de alemães passam o verão – não poderão viajar, já que “o simples fato de possuir uma casa não prova residência na Espanha”, afirma o Executivo.

Além disso, essas chegadas seriam uma “contradição” quando os próprios espanhóis são proibidos de ir para suas residências secundárias, se estiverem localizadas em outra província, argumenta.
No início de maio, a França anunciou a exigência de quarentena para quem chegar do exterior, mas 24 horas depois afirmou que a medida não se aplicaria a viajantes no espaço Schengen.

O Reino Unido também anunciou que o isolamento de 14 dias será estabelecido para as pessoas que chegarem do exterior.

176 mortos

A Espanha é um dos países mais afetados pela pandemia no mundo, com 26.920 mortes registradas até agora pelo Ministério da Saúde, 176 a mais do que na segunda-feira.

Os casos confirmados totalizam 228.030, ou seja, 426 a mais em 24 horas.

Ambos os dados mantêm a tendência dos últimos dias, segundo o diretor do Centro de Emergências em Saúde, Fernando Simón, afirmando que “a evolução da epidemia está sendo muito boa” no país.

Simón defendeu as restrições de viagem, explicando que “precisamos fazer um exercício de prevenção” e evitar a importação de casos de países “onde continua havendo transmissão” do vírus.

Clique para comentar

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Mundo

Google, Microsoft e Facebook se juntam contra nova regra de vistos dos EUA

Publicado

dia

Novas regras do governo Trump barram a entrada de alunos se as respectivas instituições de ensino realizarem aulas exclusivamente online durante a pandemia

Aeroporto: há mais de 1 milhão de estudantes estrangeiros em universidades e faculdades dos EUA (Kate Munsch/Reuters)

Estudantes estrangeiros já foram impedidos de ingressar nos Estados Unidos devido às novas regras do governo Trump que barram a entrada de alunos no país se as respectivas instituições de ensino realizarem aulas exclusivamente online durante a pandemia de coronavírus, de acordo como um documento judicial registrado no domingo.

O documento assinado por dezenas de universidades e faculdades foi apresentado em apoio a uma ação civil da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) que tenta derrubar as novas regras de imigração emitidas no dia 6 de julho, que pegaram instituições acadêmicas de todo o país de surpresa.

O texto afirma que as autoridades imigratórias “já estão impedindo que estudantes em retorno reentrem no país” e citou o caso de um aluno da Universidade DePaul que voltava da Coreia do Sul e foi barrado no Aeroporto Internacional de San Francisco.

A Universidade DePaul não quis liberar o aluno para conceder entrevista. Um porta-voz da Agência de Proteção da Alfândega e da Fronteira dos EUA não comentou sobre os estudantes cujo ingresso está sendo negado em respeito às novas regras.

O comunicado foi somente um de uma série de documentos apresentados por várias associações comerciais, sindicatos trabalhistas e empresas de tecnologia, como Google, Microsoft, Facebook e Twitter, para apoiar a ação civil. Estes foram seguidos por mais de duas dúzias de cidades grandes e pequenas e condados que repudiaram a regra do governo Trump.

Há mais de 1 milhão de estudantes estrangeiros em universidades e faculdades dos EUA, e muitas escolas dependem da renda destes, que muitas vezes pagam mensalidades integrais.

Ver mais

Mundo

Por que a África do Sul voltou a proibir bebida alcoólica na pandemia

Publicado

dia

Por que a África do Sul voltou a proibir bebida alcoólica na pandemia

Por que a África do Sul voltou a proibir bebida alcoólica na pandemia

O presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, anunciou nesta segunda-feira (13) uma série de medidas para conter o avanço do coronavírus no país. Entre elas, a proibição de consumo de bebidas alcoólicas e toque de recolher noturno.

A África do Sul registra 4079 mortes e 276 mil casos de covid-19 desde o início da pandemia, de acordo com os dados da Universidade Johns Hopkins.

A proibição do consumo de álcool voltou apenas três semanas após ter sido proibida. O objetivo é conter as internações em emergências e a violência doméstica.

“Atualmente, existem evidências claras de que a retomada das vendas de álcool resultou em uma pressão substancial nos hospitais, incluindo unidades de trauma e UTI, devido a acidentes de trânsito, violência e trauma relacionado”, disse Ramaphosa.

O governo também disponibilizou 28 mil novos leitos hospitalares para pacientes do covid-19. Entretanto, o presidente enfatizou que o país ainda enfrenta “uma grave escassez de mais de 12 mil profissionais de saúde, principalmente enfermeiros, médicos e fisioterapeutas”.

Ramaphosa observou que a taxa de infecções no país fica em torno de 12 mil casos por dia, mas afirmou que a África do Sul tem uma das mais baixas taxas de mortalidade no mundo, em cerca de 1,5% em comparação à média global de cerca de 4,4%.

Ver mais

Mundo

Europa discute relação distante com Turquia e América Latina

Publicado

dia

Os ministros de relações exteriores da UE se reúnem para debater a relação com dois aliados cada vez mais distantes: a Turquia e a América Latina

A BASÍLICA DE SANTA SOFIA: novo palco de distancialmente entre a Turquia e a União Europeia (REUTERS/Murad Sezer/Reuters)

Os ministros de relações exteriores da União Europeia se reúnem nesta segunda-feira (13) para debater a relação com dois aliados cada vez mais distantes: a Turquia e a América Latina.

O encontro ocorre dias depois de o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, decidir converter a basílica de Hagia Sophia (“Santa Sofia”) em uma mesquita, causando consternação entre líderes europeus. O comissário de relações exteriores da União Europeia, Josep Borrell, considerou a decisão da Turquia “lamentável”.

O monumento construído no ano 532 durante o Império Bizantino é considerado um patrimônio histórico da humanidade. Ele foi um importante templo da igreja católica romana e da igreja ortodoxa durante séculos e, em 1453, foi convertido em uma mesquita durante o Império Otomano. Em 1935, a basílica foi transformada em um museu.

A mudança de status do templo é apenas o mais recente movimento do governo de Ancara para se distanciar dos valores e das políticas defendidos pela União Europeia. Desde o ano passado, a Turquia tem promovido atividades de perfuração no Mar Mediterrâneo em uma área que a Grécia e Chipre consideram fazer parte do seu território. O caso levou a União Europeia a adotar sanções contra a Turquia em novembro.

Outro foco de tensão foi uma recente provocação de navios turcos contra uma fragata da França no mês de junho. A embarcação francesa operava em uma missão da Otan e tinha ordens para inspecionar um navio de bandeira da Tanzânia suspeito de contrabandear armas para rebeldes da Líbia.

Os navios da Turquia – que também é membro da Otan – impediram a ação e provocaram a fragata francesa. Por causa do incidente, a França pressiona para que novas sanções contra a Turquia sejam aplicadas pela União Europeia e pretende colocar o tema em discussão na reunião ministerial desta segunda-feira.

Durante anos a Turquia foi uma potencial candidata a se juntar à União Europeia. Mas as negociações estão estagnadas desde que um golpe de Estado frustrado contra o presidente Recep Erdogan levou a uma escalada autoritária do seu governo. Erdogan também vem se aproximando cada vez mais do presidente russo Vladimir Putin. Recentemente, a Turquia finalizou um acordo com a Rússia para comprar mísseis antiaéreos do modelo S-400, capazes de derrubar caças americanos.

Entretanto, a dependência econômica da União Europeia limita as ações do presidente da Turquia. Os países do bloco europeu são o destino de metade das exportações da Turquia e fornecem 36% dos produtos importados pelo país. Além disso, as empresas europeias correspondem a 65% dos investimentos estrangeiros diretos na Turquia. E, apesar de a pandemia ter interrompido o fluxo de turistas, a Turquia recebe todos os anos milhões de turistas de países da União Europeia, especialmente da Alemanha. O custo da briga com a Europa, portanto, tende a ser alto para o governo Erdogan.

No caso da América Latina, a discussão da UE é sobre uma ajuda ao combate à Covid-19. Os europeus até agora pouco cooperaram no combate à pandemia fora de suas fronteiras. “A China, primeiro epicentro da crise, tem sido mais solidária”, diz o ex-secretário de comércio exterior Welber Barral. Sinal disso é que o principal bilionário chinês, Jack Ma, fundador do comércio eletrônico Alibaba, se comprometeu a enviar máscaras e luvas a profissionais de saúde de países latinos severamente atingidos pela pandemia, inclusive o Brasil.

Para além da apatia, os europeus olham os governos da América Latina com desconfiança cada vez maior, em particular o do Brasil. “A imagem do País está muito abalada por causa da política ambiental equivocada do governo Bolsonaro”, diz Carlos Braga, professor de economia internacional na Fundação Dom Cabral e mediador de negociações com a UE quando trabalhou no Banco Mundial, nos anos 2000. “Essa situação atrapalha a cooperação inclusive em outras áreas, como o combate à Covid-19”.

Ver mais

Mundo

Andrzej Duda, líder conservador, é reeleito presidente da Polônia

Publicado

dia

Com uma vitória apertada, Duda consolida a posição do partido Direito e Justiça (PiS), que está no poder desde 2015

Com 51,21% dos votos, Andrzej Duda, foi reeleito para um novo mandato de cinco anos (Maja Hitij/Getty Images)

O presidente conservador da Polônia, Andrzej Duda, foi reeleito para um novo mandato de cinco anos, anunciou nesta segunda-feira a Comissão Eleitoral, após a apuração quase total das urnas.

Duda obteve 51,21% dos votos, contra 48,79% para o opositor liberal e prefeito de Varsóvia, Rafal Trzaskowski, de acordo com a apuração de 99,97% das urnas no segundo turno da eleição presidencial.

“Os resultados que ainda aguardamos das últimas cinco circunscrições não mudarão o resultado final das eleições”, declarou o presidente da Comissão Eleitoral, Sylwester Marciniak.

O resultado consolida a posição do partido Direito e Justiça (PiS), que está no poder desde 2015.

“O presidente Duda foi reeleito. Mas não é uma vitória forte”, declarou à AFP o cientista político Stanislaw Mocek, presidente do Collegium Civitas. “Os poloneses não optaram pela mudança proposta por Rafal Trzaskowski”, acrescentou.

O governo conservador nacionalista do PiS é acusado pelos rivais de ter reduzido as liberdades democráticas conquistadas há três décadas, após a queda do comunismo.

“O resultado forte de Rafal Trzaskowski lhe dá a possibilidade de virar uma figura chave da oposição liberal”, declarou ao canal TVN24 o cientista político Andrzej Rychard.

Trzaskowski pertence ao principal partido de oposição centrista, Plataforma Cívica (PO).

A eleição estava programada para maio, quando Duda tinha uma liderança folgada nas pesquisas, mas teve que ser adiada devido à pandemia de coronavírus.

O índice de participação no segundo turno foi de 67,9%, considerado elevado para a Polônia.

Ver mais

Mundo

Bill Gates se declara otimista com a luta contra pandemia

Publicado

dia

Ele disse que cientistas estão fazendo grandes progressos e que será preciso ficar atento ao preço das vacinas e ao seu acesso amplo às populações carentes

Melinda Gates e Bill Gates durante o evento “One World: Together At Home” em 18 de abril de 2020: casal otimista com luta contra pandemia (AFP/AFP Photo)

O bilionário americano Bill Gates se declarou otimista a respeito da luta contra a COVID-19 e defendeu a distribuição de remédios e vacinas aos que precisam, e não os que pagam as maiores quantias.

“Se deixarmos que os medicamentos e as vacinas sigam para os que oferecem os maiores preços, ao invés das pessoas que mais precisam, teremos uma pandemia mais longa, mais injusta e mais letal”, afirmou o fundador da Microsoft, em uma mensagem de vídeo em uma conferência virtual internacional sobre a COVID-19.

“Precisamos de líderes para tomar decisões firmes para uma distribuição baseada na equidade e não apenas em fatores relacionados com o mercado”, completou.

O filantropo, dedicado à luta contra as epidemias, destacou que a pandemia interrompeu as cadeias de abastecimento de remédios, incluindo os medicamentos de combate à aids, o que poderia “privar centenas de milhares de pessoas dos tratamentos que precisam, e não apenas na África subsaariana”.

Mas continuo otimista”, completou Bill Gates. “Vamos derrotar a COVID-19 e seguiremos avançando contra a aids e outras crises de saúde”.

Ele disse que os cientistas “estão fazendo grandes progressos. Melhores ferramentas de diagnóstico estão sendo desenvolvidas para identificar os infectados. Os investimentos vão para bancos de medicamentos antivirais, um ramo da ciência onde havia subinvestimento”.

A segunda razão de seu otimismo, completou, é a solidariedade em escala mundial, já manifestada na luta contra a aids, com o Fundo Mundial criado em 2002, e o programa de ajuda americano PEPFAR, lançado por George W. Bush e destinado sobretudo à região da África subsaariana.

Ver mais

Mundo

Califórnia irá a Justiça contra decisão de Trump que expulsa de estudantes

Publicado

dia

Governo anunciou que não permitirá que detentores de vistos de estudo continuem no país se seus cursos forem realizados online no próximo semestre

Donald Trump: Califórnia tinha quase 162 mil estudantes estrangeiros em 2019 (Andrew Harrer-Pool/Getty Images)

O Procurador-Geral do Estado norte-americano da Califórnia irá protocolar uma ação na Justiça nesta quinta-feira buscando anular uma regra de imigração imposta pelo governo Trump que poderia forçar dezenas de milhares de estudantes estrangeiros a deixarem os Estados Unidos se suas instituições de ensino passarem a realizar aulas pela Internet por causa da pandemia do coronavírus.

O Procurador-Geral Xavier Becerra diz que as novas regras podem forçar os estudantes internacionais a colocarem a si mesmos e a outros em riscos ao comparecerem às aulas presencialmente.

A Agência de Imigração e Fiscalização Aduaneira dos Estados Unidos (ICE, na sigla em inglês) anunciou na segunda-feira que não poderá permitir que alguns detentores de vistos de estudo continuem no país se seus cursos forem realizados online no próximo semestre, um anúncio que surpreendeu as instituições acadêmicas e as forçou a revisar suas diretrizes.

A Universidade de Harvard e o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) entraram com uma ação contra as novas regras na quarta-feira, argumentando que elas não parecem levar em consideração a saúde dos estudantes e funcionários e provocariam o caos nas universidades e faculdades por todo o país.

O sistema da Universidade da Califórnia também anunciou na quarta-feira que planejava entrar na Justiça contra o decreto.

A Califórnia tinha quase 162 mil estudantes estrangeiros em 2019, segundo um relatório do Departamento de Estado e do Instituto Internacional de Educação.

Ver mais

Hoje é

terça-feira, 14 de julho de 2020

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?