Nossa rede

Aconteceu

Suspeito de tentar invadir escola na Asa Norte é preso pela PMDF

Publicado

dia

A presença dele na vizinhança do colégio Pedacinho do Céu estava tirando o sono de moradores, pais, funcionários da escola e alunos

Um homem suspeito de tentar invadir uma escola infantil na Asa Norte foi detido pela Polícia Militar nesta sexta-feira (8/2) e levado para a 5ª Delegacia de Polícia (área central). A presença dele na vizinhança do colégio Pedacinho do Céu estava tirando o sono de moradores, pais, funcionários da escola e alunos.

A Polícia Militar informou que a detenção ocorreu próximo ao depósito do Departamento de Trânsito (Detran-DF), por volta das 10h, após o homem ser reconhecido. A reportagem aguarda informações da Polícia Civil sobre os procedimentos adotados.

Segundo o Metrópoles apurou, o homem que tentou invadir o colégio já foi condenado por ato obsceno e responde por estupro de vulnerável. A PCDF, entretanto, ainda não confirmou se o suspeito detido pelos militares é mesmo o ex-policial civil Edilson Menezes Cruz, que tentou invadir o colégio de ensino infantil na segunda-feira (4/2).

No dia seguinte, voltou a forçar a entrada. Na primeira ocasião, chegou a trocar empurrões com o porteiro ao ter o acesso impedido.

De acordo com o relato da mãe de um aluno, o homem disse que queria acessar o outro lado da quadra – o prédio é vazado e possui duas entradas –, mas não foi reconhecido pelo porteiro, que impediu sua entrada, e foi embora. No dia seguinte, foi visto usando o bebedouro do pátio. “Ele veio em uma van prata e chegou a abordar uma mãe puxando conversa”, conta.

Uma ocorrência foi registrada pela escola contra ele na 2ª Delegacia de Polícia (Asa Norte).

Problemas na Justiça
Edilson já foi condenado na Justiça e expulso da Polícia Civil. Em novembro de 2015, ele se dirigiu a duas meninas, uma de 11 e outra de 15 anos, em uma parada de ônibus na Via Estrutural e começou a falar sobre a própria vida sexual. Em seguida, tirou o pênis da calça, mostrou às crianças e disse: “Viu como é grosso?”. No dia seguinte, avistou uma das meninas novamente e insistiu que ela o acompanhasse até sua casa e lhe desse o número de telefone.

Na sentença que condenou o ex-policial por crime contra a dignidade sexual, o juiz fixou pena de 5 meses e 30 dias de prisão em regime aberto mais multa.

Em um dos vários processos aos quais já respondeu, ele chegou a ser classificado com “insanidade mental”. Ainda tramita contra Edilson, na Vara Criminal do Núcleo Bandeirante, uma ação na qual é acusado de estupro de vulnerável.A Pedacinho do Céu divulgou nota na qual informa ter contratado mais um porteiro e um segurança para fazer rondas ao redor da escola durante a semana. Também fechou o portão de acesso a 108/308 Norte. A porta principal da escola agora permanece trancada, exceto nos horários de entrada e saída dos alunos.

Expulsão da PCDF
Em 2001, Edilson Menezes Cruz foi expulso da PCDF por infringir a lei que dispõe sobre o regime jurídico dos policiais civis. A demissão foi publicada no Diário Oficial do Distrito Federal do dia 28 de janeiro daquele ano.

Conforme o processo que resultou na condenação considerou, ele havia cometido infração que prevê pena demissória,“visto haver praticado fatos que configuram comprometimento da função policial, descumprimento de lei, uso indevido de arma de fogo confiada para o serviço, exercício de atividade privada estranha ao cargo policial e improbidade administrativa”.

A reportagem não conseguiu contato com Edilson para comentar as denúncias.

Fonte Metrópoles

 

 

 

Comentário

Aconteceu

Fogo em vegetação: incêndios simultâneos atingem áreas diferentes do DF

Publicado

dia

Corpo de Bombeiros combate chamas no Paranoá, em Samambaia e no Taquari, na subida do Colorado, no dia em que o DF entrou em estado de alerta para baixa umidade

Incêndio na subida do Colorado, antes do Taquari, sentido Sobradinho
(foto: Divulgação/DER)

Três ocorrências de incêndios florestais ocorrem de forma simultânea na tarde desta segunda-feira (15/7). O Corpo de Bombeiros foi acionado para apagar as chamas no Paranoá, em Samambaia e no Taquari, na subida do Grande Colorado, próximo a Sobradinho. Equipes de diferentes regiões trabalham nos casos. Nas duas primeiras cidades, os militares precisaram pedir reforço após identificar chamas de média proporção.
No caso de Samambaia, os bombeiros identificaram a fumaça enquanto trabalhavam em outro chamado, em Ceilândia. Há uma coluna de fumaça grande na região da DF-180, no fim da cidade. Somente no Taquari há uma preocupação menor, porque, segundo os bombeiros, trata-se de um combate corriqueiro.
As ocorrências acontecem no dia em que o Distrito Federal entra em estado de alerta devido à baixa umidade da capital. O aviso, publicado pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), prevê que a umidade possa ficar abaixo dos 20%. A tendência é de que o tempo seco esteja apenas começando e dure até o fim de agosto.
Segundo levantamento dos bombeiros, até a primeira semana de julho, a corporação atendeu a 1.599 ocorrências de fogo em áreas verdes. A região queimada chega a 1.090,84 hectares — mais de mil campos de futebol. Para evitar devastação, especialistas têm adotado ações de prevenção, como a utilização da técnica do aceiro, que está sendo realizada hoje em Áreas de Proteção Ambiental.
Ver mais

Aconteceu

Acidente entre dois carros na Epig causa engarrafamento e complica trânsito

Publicado

dia

Dois veículos bateram e uma mulher foi atendida pelo Corpo de Bombeiros sentindo dores no tórax

Engarrafamento provocou lentidão de cerca de 30 minutos
(foto: Vicente Nunes/CB/D.A Press)

Um acidente na Estrada Parque Indústrias Gráficas (Epig) no início da tarde desta segunda-feira (15/7) deixou o trânsito impactado na via. Dois carros bateram por volta das 14h20 e o Corpo de Bombeiros foi acionado para atendimento dos envolvidos. Houve perícia no local, o que prolongou o engarrafamento.
A colisão ocorreu na altura do complexo da Polícia Civil. Uma mulher que estava em um dos carros foi atendida por sentir dores no tórax, mas não houve necessidade de transporte de nenhuma das vítimas ao hospital.
Ainda não há informações sobre quantos quilômetros de engarrafamento se formaram na via, mas motoristas relatam até 30 minutos de lentidão em frente ao Departamento de Polícia Especializada (DPE). Apenas uma pista ficou liberada para os carros.
Ver mais

Aconteceu

Polícia prende acusado de arrombar cofre de loja e levar quase R$ 150 mil

Publicado

dia

Segundo investigação, ele é acusado de integrar uma quadrilha responsável por roubar uma distribuidora de bebidas. Ao cometer o crime, grupo se passou por agentes da Polícia Civil

Um homem acusado de integrar uma quadrilha responsável por roubar uma distribuidora de bebidas acabou preso. O crime ocorreu em outubro de 2018, mas policiais civis chegaram ao suspeito na sexta-feira (12/7). À época, os criminosos agiram vestidos de policiais civis, enganando o vigilante da loja, que foi rendido. O caso ocorreu na madrugada do dia 15 de outubro do ano passado, em um estabelecimento no Setor de Armazenagem e Abastecimento Norte (Saan).

Conforme noticiado à época, um grupo de cinco homens chegou na porta da distribuidora e, disfarçados de policiais, levou um dos comparsas que se passava por um preso. O farsante estava alegemado. Os colegas, então, disseram ao vigilante que precisavam procurar uma arma que havia sido jogada na distribuidora pelo falso preso.
O vigilante abriu o portão para os bandidos e, neste momento, acabou rendido. Ele também teve a arma tomada pelos criminosos. Na ação, o grupo se direcionou ao interior da empresa. O suspeito detido pelos policiais, identificado como T.B.M., arrombou um cofre que tinha R$ 149,8 mil. O acusado utilizou uma mola de caminhão para a ação.
Além do dinheiro, os bandidos levaram um colete a prova de balas, um revólver calibre .38, e a arma do vigilante. Eles fugiram de carro do local. Agentes da Divisão de Repressão a Roubos e Furtos da Coordenação de Repressão aos Crimes Patrimoniais (DRF-Corpatri) identificaram T.B.M e realizaram a prisão dele.
Policiais também chegaram até outros dois integrantes do grupo: um morreu ainda no dia do crime, em Taguatinga; e W.C.T. que é considerado foragido. A investigação do caso continua, uma vez que dois dos bandidos ainda não foram identificados.
Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade