Nossa rede

Ciência

Pesquisadores encontram suposto material mais duro do Universo

Publicado

dia

MATERIAL MAIS DURO DO UNIVERSO SE ESCONDE DENTRO DAS material mais duro do Universo (FOTO: CASEY REED/PENN STATE UNIVERSITY, WIKIMEDIA COMMONS)

Pasta nuclear não é uma novidade gastronômica. Apesar do formato de espaguete, comer essa massa seria extremamente difícil, a não ser que você tivesse mandíbula super-humana. Ela é extremamente dura, provavelmente o material mais duro do universo.

Para se ter uma ideia, cortar essa massa requer 10 bilhões de vezes mais força que o necessário para quebrar o aço, de acordo com estudo publicado na Physical Review Letters. “Esta é uma imagem muito louca, mas o material é muito, muito denso, de modo que ajuda a torná-lo mais forte”, disse o co-autor e físico Charles Horowitz, da Universidade de Indiana, nos EUA.

Essa massa intragável, no entanto, fica muito longe, escondidas dentro de estrelas de nêutrons. Quando uma estrela morre e explode, deixa para trás um remanescente rico em nêutrons que é espremido a pressões extremas por forças gravitacionais poderosas, resultando em materiais com propriedades bizarras.

Os núcleos atômicos são espremidos tão próximos que se fundem em aglomerados de matéria nuclear, uma densa mistura de nêutrons e prótons. Eles descobriram que esses aglomerados se aglutinam de diversas formas, como gotas, tubos ou folhas. Os pesquisadores associaram o formato ao nhoque, espaguete e lasanha. O núcleo inteiro da estrela queimada é de massa.

QUANDO OS NÚCLEOS ATÔMICOS SÃO ESPREMIDOS DENTRO DE UMA ESTRELA DE NÊUTRONS, OS CIENTISTAS PENSAM A MATÉRIA NUCLEAR SE FORMA EM FORMAS QUE LEMBRAM VÁRIOS TIPOS DE MASSAS, INCLUINDO NHOQUE (À ESQUERDA NESSAS SIMULAÇÕES DE MASSAS NUCLEARES), ESPAGUETE (MÉDIO) E LASANHA (À DIREITA). (FOTO: M.E. CAPLAN AND C.J. HOROWITZ/REVIEWS OF MODERN PHYSICS)

A pasta nuclear é incrivelmente densa, cerca de 100 trilhões de vezes a densidade da água. É impossível estudar um material tão extremo no laboratório, então os pesquisadores usam modelos computacionais que simulam o que acontece em um lugar tão distante da Terra.

Outros estudos haviam revelado que a crosta externa de uma estrela de nêutrons também era muito mais forte que o aço. Mas a crosta interna, onde a massa nuclear espreita, era um território inexplorado. Agora descobriram que é ainda mais forte.

Tudo isso é teoria. Modelos computacionais, embora muitas vezes precisos, não servem como evidência científica. Mas os pesquisadores já sabem como obter a comprovação científica do estudo.

As estrelas de nêutrons tendem a girar muito rapidamente e, como resultado, podem emitir ondas no espaço-tempo chamadas ondas gravitacionais, que os cientistas poderiam detectar em instalações como o Observatório Avançado de Gravitação de Ondas Gravitacionais, LIGO. Mas as ondulações do espaço-tempo ocorrerão apenas se a crosta de uma estrela de nêutrons tiver “montanhas” de material denso na superfície ou dentro da crosta.

Uma crosta mais rígida e forte possibilitaria montanhas maiores, o que poderia produzir ondas gravitacionais mais poderosas.

“É aí que vêm essas simulações”, diz Brown. Os resultados sugerem que a massa nuclear pode suportar montanhas de dezenas de centímetros de altura – grande o suficiente para que o LIGO possa detectar ondas gravitacionais de estrelas de nêutrons. Se o LIGO captar esses sinais, os cientistas poderiam estimar o tamanho das montanhas e confirmar que as estrelas de nêutrons têm materiais super resistentes em suas crostas.

Fonte: Revista Galileu

Comentário

Ciência

Último livro do Stephen Hawking responde suas questões mais frequentes

Publicado

dia

Iniciado em 2017, a obra foi finalizada por parentes e amigos

São Paulo – Durante sua vida, o mais célebre astrofísico do século 20, Stephen Hawking, foi bombardeado com questões a respeito do universo e do futuro da espécie humana. Algumas das respostas podem finalmente ser encontradas no livro póstumo que acaba de ser lançado.

Intitulado “Breves Respostas para Grandes Questões”, o livro foi iniciado ano passado por Hawking, que faleceu em março deste ano, aos 76 anos de idade. Membros da família e amigos acadêmicos finalizaram a obra usando materiais de seu vasto arquivo pessoal.

Questões existenciais, tecnologia e universo

Na obra são abordadas questões diversas que habitavam a mente inquieta de Hawking, como a existência de Deus, o início de tudo, o que há dentro de um buraco negro, a possibilidade de prevermos o futuro ou viajar no tempo, se poderemos sobreviver no planeta Terra e se seremos superados pela inteligência artificial.

Algumas opiniões presentes no livro já eram de conhecimento do público que acompanhou a trajetória do astrofísico, como a de que os humanos não têm opção a não ser deixar a Terra. A obra pretende ser a junção de todos os pensamentos finais de Hawking sobre a humanidade, a tecnologia e o universo.

Para os acadêmicos saudosos, o cientista deixou um artigo sobre o cálculo da entropia de buracos negros, revisado por sua equipe de físicos e publicado no início deste mês.

O lançamento do livro no Brasil está previsto para o dia 14 de novembro e será publicado pela editora Intrínseca.

Ver mais

Ciência

Japoneses confirmam 1º caso de meteorito a atingir edifício em 15 anos

Publicado

dia

Meteorito de Komaki será agora enviado a uma organização com sede nos Estados Unidos para registro

Tóquio, 16 out (EFE).- Cientistas japoneses confirmaram o primeiro caso de um meteorito que atingiu um edifício no país asiático nos últimos 15 anos, anunciou o Museu Nacional de Ciências Naturais do Japão.

Trata-se de uma rocha do tamanho de uma mão e de aproximadamente 550 gramas, que foi batizada como “Meteorito de Komaki” em alusão à cidade do centro de Japão onde foi encontrado por um morador depois que o objeto atingiu o telhado de sua casa.

O meteorito caiu em Komaki em 26 de setembro e, desde então, foi analisado por cientistas do citado museu nacional para determinar sua origem e sua composição, conforme publicou nesta terça-feira o jornal japonês “Asahi”.

Os especialistas confirmaram que a rocha procede do espaço e que tem idade estimada em 4,6 bilhões de anos, similar à origem do sistema solar.

O último caso de um meteorito que caiu sobre um edifício no Japão aconteceu em 2003 em Hiroshima, no oeste do país.

Até o momento, caíram no total 52 meteoritos no arquipélago japonês que foram reconhecidos pela Meteoritical Society, a organização internacional de referência na matéria.

O Meteorito de Komaki será agora enviado a essa organização com sede nos Estados Unidos para que seja incluído no registro global de corpos celestes que caíram na Terra.

Ver mais

Ciência

Alunos da UFRJ criam bioplástico que muda de cor quando alimento estraga

Publicado

dia

Várias empresas e campanhas de conscientização vêm diminuindo o uso de sacolas, embalagens plásticas e outros derivados que causam grandes danos ao ecossistema e aos animais. Além disso, há um esforço mundial para reduzir o desperdício de comida e valorizar o uso dos recursos disponíveis.

Agora, uma iniciativa verde de estudantes de vários cursos da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) traz uma alternativa bastante interessante a esse contexto: um bioplástico que pode indicar se o alimento está estragado. “Fomos premiados como melhor projeto de sustentabilidade na área de alimentos e ganhamos a consultoria do Sebrae. A ideia é internacionalizar o projeto do bioplástico, que é biodegradável e inteligente”, diz Lorena Ballerini, de 26 anos, aluna do último período do curso de Nanotecnologia, em entrevista ao Extra.

O projeto foi desenvolvido e premiado durante um hackaton promovido pela própria UFRJ e pelo Sebrae, no campus Xerém, em Duque de Caxias. Um ano depois, ele se transforma na startup Plasticor, que pretende criar embalagens ou fitas capazes de mostrar se os produtos ainda estão próprios para consumo.

Os integrantes da equipe já registraram o bioplástico na vaquinha coletiva Kickante, com o valor total de R$ 10 mil — até a manhã desta segunda-feira (15), a arrecadação tinha R$ 500, a 57 dias de seu fim. Entre os apoiadores, os alunos têm o Sindicato de Alimentos da Baixada Fluminense (Simapan), que conta com mais de 5 mil empresas associadas, das quais são mais de 2,3 mil padarias na região.

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade