Nossa rede

Ciência

Nasa encontra moléculas orgânicas de 3 bilhões de anos em Marte

Publicado

dia

Descoberta é a mais forte evidência já detectada de que o vizinho da Terra pode ter abrigado vida

A Nasa anunciou nesta quinta-feira (7) que seu robô de exploração Curiosity encontrou moléculas orgânicas formadas há mais de 3 bilhões de anos em rochas de Marte, uma descoberta que pode indicar a existência de vida fora da Terra.

“Essa é uma descoberta muito emocionante, mas não podemos ainda confirmar a origem destas moléculas. Pode ser uma prova de vida, mas também pode pertencer a um meteorito ou outras fontes”, disse o diretor da divisão de Exploração do Sistema Solar da Nasa, Paul Mahaffy, no site oficial da agência especial dos Estados Unidos.

Três tipos diferentes de moléculas orgânicas foram descobertas quando a sonda cavou apenas 5 centímetros em argilito de 3,5 bilhões de anos, uma rocha sedimentária de grãos pequenos, na cratera Gale, aparentemente o local de um grande lago quando Marte era mais quente e úmido do que o planeta desolado que é hoje.

Moléculas orgânicas contém carbono e hidrogênio, e podem também incluir oxigênio, nitrogênio e outros elementos. Elas são comumente associadas com a presença de vida, mas podem também ser criadas por processos não biológicos.

Também em seu estudo, os cientistas da Nasa descobriram variações sazonais do nível de metano na atmosfera de Marte ao longo de três anos do planeta, que são quase seis anos na contagem da Terra. O metano pode ter origem biológica.

Sinal positivo

Ainda que não seja possível determinar que houve vida em Marte, as descobertas são um sinal positivo para futuras missões de exploração da superfície do planeta. “Com essas novas descobertas, Marte está nos dizendo para ficar neste caminho e continuar procurando por evidências de vida”, disse Thomas Zurbuchen, administrator associado da sede da Nasa em Washington.

Apesar de a origem das moléculas ainda não estar clara, a Nasa destacou que esse tipo de partícula pode ter sido a fonte de alimento de uma hipotética vida microbiana em Marte.

“Sabemos que na Terra os micro-organismos comem todo tipo de produtos orgânicos. É uma fonte de alimento valioso para eles”, afirmou Jennifer Eigenbrode, do Centro Espacial Goddard da Nasa.

Dessa forma, a descoberta não confirma a existência de vida no planeta, explicou a especialista, mas mostra que os organismos podem ter sobrevivido em Marte graças à presença dessas moléculas.

Eigenbrode explicou que apesar de a superfície de Marte ser inóspita atualmente, os indícios apontam que, no passado remoto, o clima marciano dava as condições propícias para a existência de água líquida, um fator essencial para a vida como conhecemos.

A missão do robô Curiosity, que em 2013 descobriu os primeiros indícios da existência de água em Marte, também determinou que a concentração de metano na atmosfera do planeta muda de acordo com as estações. Ela é mais alta perto dos equinócios (primavera e outono) e mais baixa nos solstícios (verão e inverno).

A origem do gás continua sendo desconhecida. Uma das principais teorias sustenta que ele estava armazenado em reservatórios subterrâneos, batizados como “clatratos”.

(Com Reuters, EFE e Agência Brasil)

Comentário

Ciência

Estudo aponta meditação como eficaz frente estresse pós-traumático

Publicado

dia

A meditação pode ser tão eficaz quanto as terapias que já são usadas atualmente, de acordo com um estudo realizado com ex-soldados americanos

Meditação

Paris – A meditação pode ser tão eficaz para tratar as vítimas de estresse pós-traumático (ESPT) quanto as terapias que já são usadas atualmente, de acordo com um estudo realizado com ex-soldados americanos publicado na revista científica Lancet Psychiatry nesta sexta-feira (16).

O ESPT pode ocorrer depois que uma pessoa vive uma experiência traumática relacionada, por exemplo, com a morte, a violência, ou uma agressão sexual.

Caracteriza-se, sobretudo, por recordações repetitivas, pesadelos, tentativas de evitar tudo o que possa lembrar o acontecimento, estado de irritabilidade e depressão.

Acontece principalmente entre vítimas de atentados e soldados, e calcula-se que 14% dos militares americanos que serviram no Iraque ou Afeganistão sofram de ESPT.

Entre os tratamentos atuais destaca-se a terapia por exposição. Esta consiste em expor gradualmente o afetado a situações, lugares, imagens, sensações, barulhos e cheiros associados ao evento traumático para que o seu organismo “se acostume” a não reagir de maneira tão intensa, reduzindo pouco a pouco o estresse.

Mas esta técnica é dolorosa para as vítimas de ESPT e entre 30% e 45% dos pacientes abandonam o tratamento, segundo o estudo.

Os pesquisadores de três universidades americanas testaram a meditação em um estudo com 203 ex-soldados afetados.

Os militares, mulheres e homens, foram distribuídos em três grupos: um praticou a meditação, o segundo a terapia por exposição e o terceiro recebeu um curso teórico sobre ESPT.

Dos ex-soldados que praticaram 20 minutos de meditação diariamente, 60% registraram uma melhora significativa dos sintomas, e este grupo foi o que mais pessoas chegaram até o final do estudo em relação aos que foram submetidos à terapia por exposição.

A meditação consiste em concentrar o espírito em algo concreto, como a respiração ou um objeto, para conseguir se concentrar no presente, que é denominado estado de plena consciência. Desta maneira, pode-se afastar de pensamentos ou sentimentos dolorosos.

Esta prática “pode ser feita sozinho, em praticamente todos os lugares e a qualquer momento, sem necessidade de um equipamento especializado ou de um apoio personalizado”, indicou à AFP Sanford Nidich, autor principal do estudo.

“Diante do crescente problema que o ESPT apresenta em Estados Unidos, Grã-Bretanha e outros lugares do mundo, as terapias alternativas, como a meditação, devem fazer parte das opções oferecidas pelas autoridades de saúde”, afirmou.

Ver mais

Ciência

Genética influencia preferência por café ou chá, aponta estudo

Publicado

dia

De acordo com o estudo, pessoas geneticamente predispostas a preferir gostos amargos, em geral escolhem café por seu maior teor de amargor

Grãos caídos de café

Café: Participantes do estudo geneticamente mais sensíveis ao gosto amargo eram mais propensos a preferir café

Paris – Chá ou café? O gosto parece estar determinado parcialmente pela genética, como aponta um estudo feito com britânicos e publicado no periódico “Scientific Reports”, ligado ao grupo Nature.

De acordo com o estudo, pessoas geneticamente predispostas a preferir gostos amargos, em geral escolhem café por seu maior teor de amargor.

Com a evolução humana, desenvolvemos a capacidade de detectar o amargor como um sistema natural de alerta para proteger o corpo de substâncias danosas.

Em termos evolutivos, portanto, deveríamos querer rejeitar um café mais amargo.

Participantes do estudo geneticamente mais sensíveis ao gosto amargo eram, porém, mais propensos a preferir café a chá.

“Seria esperado que pessoas que são particularmente sensíveis ao gosto amargo da cafeína beberiam menos café”, ressaltou a professora de Medicina Preventiva Marilyn Cornelis, também coautora do estudo.

“Os resultados contrários do nosso estudo sugerem que consumidores de café adquirem um paladar, ou uma habilidade, para detectar cafeína, devido ao aprendizado do reforço positivo provocado pela cafeína”, disse ela.

“Isso sugere que os consumidores de café desenvolvem um gosto, ou uma capacidade maior para detectar a cafeína”, afirmou Marilyn.

Então, completou a pesquisadora, indivíduos geneticamente pré-programados para gostar do amargor do café aprendem a associar “coisas boas com isso”.

Liang-Dar Hwang, do Diamantina Institute, da Universidade de Queensland, coautor do estudo, disse à AFP que o fato de algumas pessoas preferirem café mostra como as experiências do dia a dia podem superar tendências genéticas, quando se trata de paladar.

A percepção dos gostos também está influenciada por nossos comportamentos.

Pessoas mais sensíveis aos sabores amargos da quinina e a um paladar relacionado aos componentes dos vegetais são mais propensos a evitar o café em favor de seu contraparte mais doce, o chá.

“Mesmo que, de forma natural, os humanos não apreciem o amargor, podemos aprender a gostar, ou a apreciar, os alimentos amargos, depois de expostos a fatores ambientais”, afirmou o pesquisador.

Os bebedores de café são, geralmente, menos sensíveis do que os bebedores de chá ao amargor, o que os torna menos propensos a rejeitar outras comidas também amargas, como as verduras, completou Hwang.

Baseado nos dados genéticos de cerca de 438.000 participantes britânicos, o estudo por enquanto “não é generalizável para outros países e culturas”, advertem os autores. Fonte: Exame

 

Ver mais

Ciência

Comunidade científica altera padrão para pesar 1 quilograma

Publicado

dia

A partir de 20 de maio de 2019, a unidade básica de peso será medida por uma fórmula matemática em relação à chamada “constante de Planck”

A comunidade científica mundial aprovou nesta sexta-feira a maior revisão do Sistema Internacional de Unidades (SI) desde sua instauração, em 1960, com a redefinição de quatro de suas sete unidades e o abandono do padrão físico do quilograma.

A partir de 20 de maio de 2019, Dia Mundial da Metrologia, quando entrará em vigor o novo sistema, a unidade básica de peso não estará definida pelo cilindro guardado há 130 anos nos arredores de Paris, que será substituído agora por uma fórmula matemática.

A resolução foi aprovada por unanimidade pelos delegados dos 60 Estados-membros do Escritório Internacional de Pesos e Medidas com direito a voto no fechamento da 26ª Conferência Geral, após três dias de debates.

“Este congresso ficará na história como o maior evento para a metrologia porque marca uma transformação radical no sistema-base para a ciência e o intercâmbio econômico global”, afirmou durante a conferência o presidente da Academia de Ciências da França, Sébastien Candel.

O quilograma era o último sobrevivente definido por um objeto físico, um cilindro de platina e irídio conhecido como o “Grande Quilo” que, segundo os cientistas, tinha perdido, por motivos desconhecidos, 50 microgramas.

A partir de agora, o quilo será definido em relação à constante de Planck, central na teoria da mecânica quântica e que deve o nome a um de seus pais, o físico e matemático alemão Max Planck.

Junto à unidade básica de massa, o congresso também acordou a redefinição de outras três unidades em função de constantes universais invariáveis: o ampère, o kelvin e o mol, enquanto o metro e a candela não mudam, mas terão suas definições reformuladas.

A revisão adotada hoje fornecerá maior precisão em âmbitos como a administração de remédios, análises médicas, sistemas de navegação por satélite e competições esportivas e garantirá trocas comerciais mais equitativas no mercado mundial.

Fonte: Portal Veja

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade