Nossa rede

Aconteceu

Combate à dengue e aos escorpiões chega ao Park Way, no DF

Publicado

dia

Secretaria das Cidades fará remoção de entulhos, poda de árvores e desobstrução de bueiros. Operação tapa-buracos parte da ação que começa nesta segunda-feira.

A Secretaria das Cidades do Distrito Federal começa nesta segunda-feira (3) a operação Cidades Limpas no Park Way. A região vai ganhar ainda ações de combate à dengue e aos escorpiões. O trabalho vai até sexta (7).

Servidores da Diretoria de Vigilância Ambiental (Dival) da Secretaria de Saúde irão percorrer as casas para verificar possíveis criadouros do mosquito da dengue. Eles também vão mostrar aos moradores como prevenir a infestação de escorpiões.

Remoção de entulhos, poda de árvores e desobstrução de bueiros fazem parte do trabalho. Além disso, haverá operação tapa-buracos, reparos na rede elétrica e a instalação de postes de iluminação nas quadras 14 e 25.

Casos de dengue e ataques de escorpiões

O escorpião amarelo é a espécie mais comum encontrada em área urbana no DF  — Foto: Tony Winston/Agência Brasília

O escorpião amarelo é a espécie mais comum encontrada em área urbana no DF

O risco de contaminação pelo mosquito Aedes aegypti no Distrito Federal aumentou nos últimos meses. Segundo levantamento divulgado pela Secretaria de Saúde no final de novembro, 15 regiões administrativas estavam em situação de “alerta”.

Outras quatro regiões apresentavam situação ainda mais grave, considerada de “risco”. Apenas 12 apresentavam índice “satisfatório”. Em agosto, o mesmo relatório havia apontado 31 regiões em estado satisfatório e duas em situação de alerta.

O Park Way não aparece com altos índices de dengue. Segundo dados da Secretaria de Saúde, a região registrou 10 prováveis casos no ano passado e, no mesmo período deste ano, foram três casos. “Mesmo assim, é preciso prevenir”, alerta a pasta.

Os ataques de escorpiões também precisam ser prevenidos. De acordo com o Ministério da Saúde, os números cresceram muito no Distrito Federal na última década.

Em 2007 foram 124 registros de picadas, em 2017 foram 959. Uma média de 2,6 ataques por dia. Nesse período, três pessoas morreram por envenenamento.

Os escorpiões se reproduzem com facilidade e costumam se abrigar da luz escondidos sob pedras, entulhos, material de construção e encanamentos. Na época chuvosa, costumam sair em busca de alimentos e locais secos.

“Eles vivem o ano todo dentro de tubulações e galerias pluviais”, explica a agente de Vigilância Ambiental Adeídes de Macêdo. Chefe dos setor na Secretaria de Saúde, ela explica que com a chuva, esses locais ficam inundados e os animais “se veem desabrigados”.

Cidades Limpas

Caminhões usados no programa Cidade Limpa, no DF — Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília

Caminhões usados no programa Cidade Limpa, no DF

O programa Cidades Limpas foi criado em 2016 e envolve mais de 20 órgãos do GDF. Além das ações de urbanização, zeladoria e limpeza, o trabalho pretende sensibilizar a população para o descarte correto do lixo.

A redução da quantidade de entulhos e água parada, por exemplo, estão diretamente ligadas ao combate ao mosquito Aedes aegypti e também à proliferação de escorpiões.

Serviço

Lançamento da 52ª edição do Cidades Limpas

  • SMPW trecho 1 /quadra 14 / conjunto 5 (ao lado da Associação Comunitária do Park Way)
  • Segunda-feira, 3 de dezembro, às 8h30
  • Informações: (61) 3313-5910
Comentário

Aconteceu

Suspeito de matar ex-mulher após vê-la dançando com outro homem é preso no DF

Publicado

dia

Suspeito confessou crime aos policiais, segundo delegado de Goiás, responsável pela investigação do caso. Advogado de defesa afirma que ‘cliente está ciente do que fez’.

O suspeito de matar a ex-mulher após vê-la dançando com outro homem em um bar em Formosa, no Entorno do Distrito Federal, foi preso nessa quarta-feira (14) pela Polícia Civil do DF com a orientação de agentes de Goiás, que já investigavam o caso.

Alberto Pereira de Deus, de 57 anos, foi detido em outro bar, em uma área rural próximo a São Sebastião (DF). Posteriormente, ele foi levado à Casa de Prisão Provisória de Formosa, onde ficará à disposição da Justiça.

Ao G1, o delegado responsável, Danilo Meneses, disse que foi o Grupo de Investigações de Homicídios (GIH) de Formosa que localizou o suspeito no bar e acionou a polícia do DF para fazer a prisão.

Após ser detido, Alberto Pereira de Deus – conhecido como “Beto” – teria confessado o crime. Segundo a investigação, no dia 2 de junho, o suspeito passou diversas vezes pelo local do crime antes de agir.

Alberto Pereira de Deus, conhecido como "Beto" foi preso no DF — Foto: Polícia Civil de Goiás/Divulgação

Alberto Pereira de Deus, conhecido como “Beto” foi preso no DF — Foto: Polícia Civil de Goiás/Divulgação

Em depoimento à polícia, ele teria dito que viu Regina Braz da Costa, de 37 anos, dançando com outro homem. Pouco tempo depois, estacionou o carro e chamou a ex-mulher para conversar. Neste momento, teria dado uma facada entre o pescoço e o ombro dela.

Ainda de acordo com a polícia, a vítima ficou com o braço preso na janela do carro e acabou sendo arrastada por cerca de 20 metros.

O advogado de defesa, Paulo Henrique Meireles, disse que “o cliente está ciente do que fez”, mas informou que aguarda o recebimento da denuncia para apresentar os argumentos.

Alberto Pereira de Deus vai responder por feminicídio e, se for condenado, pode pegar até 30 anos de prisão.

Ver mais

Aconteceu

Polícia Civil investiga ameaça de atentado em escola particular da Asa Sul

Publicado

dia

Autor usou o Instagram para publicar ameaças de um massacre no colégio do DF em 23 de setembro. A página foi apagada e a polícia investiga para saber quem publicou as mensagens

A direção do colégio acionou a Polícia Militar
(foto: Divulgação/Whatsapp)

Agentes da 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul) investigam ameaça de ataque a um colégio particular da Asa Sul. O autor da ameaça publicou no Instagram ameaças de que ocorreria um massacre na escola em 23 de setembro. A direção da unidade de ensino acionou os investigadores nessa quinta-feira (15/8).
Após denúncia à polícia, a página com as ameaças ao colégio foi excluída. De acordo a direção da escola, o departamento de inteligência da unidade conseguiu identificar uma estudante que divulgou as postagens. “Contamos com a Polícia Civil para que achem o responsável pelas publicações”, frisou o diretor da instituição de ensino.
Ainda segundo a direção, além da Polícia Civil, o Batalhão Escolar da Polícia Militar e o Conselho Tutelar foram acionados. “Tomamos todas medidas preventivas para evitar que algo ruim aconteça. Também estamos em contato com a associação de pais do colégio, que também tralham junto aos outros responsáveis e, consequentemente, aos filhos, no sentido de alertá-los em relação ao assunto”, frisou.
Para os pais, as ameaças são motivo de preocupação. “Minhas filhas, de 14 e 16 anos, estudam no colégio e estão muito assustadas. Ontem, elas chegaram em casa com as imagens das ameaças, o que nos deixa muito preocupados”, conto um pai, que preferiu não se identificar. De acordo com ele, as filhas dele planejavam até rota de fuga com os colegas. “É triste ver um adolescente pensando esse tipo de coisa. Pode ser uma brincadeira de mau gosto, mas é sempre bom considerarmos qualquer possibilidade”, ressaltou.
No boletim de ocorrência registrado na delegacia, não há tipificação do crime ainda. No entanto, o Código Penal prevê o ato de ameaçar alguém no artigo 147. A depender do caso, o autor pode cumprir detenção de um a seis meses ou multa.
Ver mais

Aconteceu

Mulher de 42 anos é encontrada perto da UnB seminua e ferida

Publicado

dia

Segundo o Corpo de Bombeiros, a mulher foi encontrada em frente à estação de estudo de biologia do campus Darcy Ribeiro, na Asa Norte

A vítima apresentou ferimentos contusos profundos na face e hemorragia
(foto: CBMDF/Divulgação)

Uma mulher de 42 anos foi encontrada ferida e seminua em frente à estação de estudo de biologia da Universidade de Brasília (UnB). A vítima tinha ferimentos contusos profundos na face e hemorragia. Apesar dos machucados, o Corpo de Bombeiros informou que ela estava consciente, orientada e estável. O caso aconteceu por volta das 8h30 desta quinta-feira (15/8).
Os militares atenderam a mulher e a encaminharam para o Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF). Apesar de estar quase sem roupa, ela informou aos socorristas que não sofreu violência sexual. Policiais militares também foram acionados para acompanhar a ocorrência.
Ao Correio, testemunhas contaram que encontraram a vítima deitada no matagal. “O rosto dela estava sangrando muito. Ela não conseguia andar e engatinhava, pedindo ajuda”, contou. De acordo com a pessoa que encontrou a vítima, a mulher não disse o que aconteceu.
No local do crime, havia um colchão ensaguentado, onde a vítima estava deitada na hora da chegada dos bombeiros. Um cano, que teria sido usado nas agressões, também estava no lugar. As roupas da mulher estavam espalhadas pelo chão.

Morta ao sair para caminhar

Agentes da 27ª Delegacia de Polícia (Recanto das Emas) investigam a morte de uma empresária de 44 anos. Geralda dos Reis Ramires Azevedo saiu para caminhar por volta das 7h de sexta-feira (9/8), no Gama, e não voltou. Segundo informações da Polícia Militar, a vítima foi agredida na rua, foi levada com vida ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos.
Os policiais civis ressaltam que interrogaram pessoas próxima à vítima, mas ainda não têm suspeitos. O caso está registrado como homicídio e, segundo os agentes, as investigações estão em curso.
Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade