Nossa rede

Política BSB

Com recusa de Josué, posto de vice de Alckmin pode ser do DEM

Publicado

dia

Até agora, o DEM – que comanda a Câmara – obtém a preferência de Alckmin, mas, oficialmente, o tucano diz que a escolha deve ser feita pelo bloco.

Depois de o empresário Josué Gomes (PR) ter recusado o convite para ser candidato a vice na chapa presidencial do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), os partidos do Centrão saíram em busca de um plano B. Até agora, o DEM – que comanda a Câmara – obtém a preferência de Alckmin, mas, oficialmente, o tucano diz que a escolha deve ser feita pelo bloco.

Embora integrantes do grupo formado por DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade ainda tentem convencer Josué a aceitar a vaga de vice, a chance de o recuo ocorrer é considerada remota. Em conversas reservadas, dirigentes do Centrão já admitem que a indicação pode recair sobre o deputado e ex-ministro da Educação Mendonça Filho (DEM-PE).

Amigo de Alckmin, Mendonça Filho é visto como curinga pelo bloco. O ex-governador de São Paulo sempre quis fazer dobradinha com ele, que agrega pontos por ser do Nordeste, região onde o tucano enfrenta resistências, mas o DEM, à época, vetava a parceria. Além de Mendonça Filho, outro nome cotado para vice é o do ex-ministro Aldo Rebelo, que ficou 40 anos no PCdoB e hoje está no Solidariedade.

Antes de o Centrão indicar Josué – dono da Coteminas e filho do ex-vice-presidente José Alencar, morto em 2011 -, Alckmin chegou a convidar Aldo para o posto. O ex-ministro ainda não retirou sua pré-candidatura ao Palácio do Planalto.

“Vice é construção coletiva. Gostei quando me indicaram o Josué. Se for ele o nome, ótimo. Se não for, vamos buscar outro”, amenizou Alckmin. “Josué está na nossa campanha. Se vai ser vice ou não, vamos ver.”

Com ou sem a chapa pronta, porém, o Centrão vai anunciar na quinta-feira, 26, o apoio oficial a Alckmin. Nesta quarta, seus dirigentes vão se reunir, em Brasília, para acertar a divisão de tarefas e a coordenação da campanha, além da vice. Com a adesão, o tucano terá, no mínimo, mais 4 minutos no horário eleitoral.

Questionado se o PRB poderia sugerir o empresário Flávio Rocha para vice, o presidente do partido, Marcos Pereira, respondeu que “ainda” não trabalhava com a hipótese. “Ainda confiamos que poderá ser Josué”, disse Pereira, que é ex-ministro.

Em nota divulgada nesta terça-feira, 24, a Executiva do PR disse que não havia, até o momento, qualquer decisão por parte do empresário. A reportagem apurou, no entanto, que o movimento é parte da estratégia para tentar reverter o “não” de Josué. Políticos do PR diziam nesta quarta que “não se pode trocar a noiva antes de consumada a desistência do compromisso”.

Nas duas conversas que manteve com Alckmin, porém, o empresário alegou questões pessoais – como a sucessão na própria empresa e a oposição da família – para recusar o convite.

Josué se filiou ao PR de Valdemar Costa Neto em 6 de abril, em um arranjo político para ser vice do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Lava Jato. Antes, o empresário estava no MDB.

PT

Candidato a novo mandato, o governador de Minas, Fernando Pimentel (PT), se reúne nesta quarta-feira com Josué para oferecer a vice em sua chapa. Outra proposta prevê a candidatura ao Senado, ao lado da presidente cassada Dilma Rousseff. Ao que tudo indica, o empresário não aceitará nenhuma das ofertas.

Há duas semanas, o ex-governador da Bahia Jaques Wagner conversou com Costa Neto sobre a possibilidade de Josué ser o candidato à Presidência, apoiado pelo PT, caso Lula seja barrado pela Lei da Ficha Limpa. O chefe do PR disse a interlocutores não acreditar no cumprimento dessa proposta.

O presidente do MDB, senador Romero Jucá (RR), ironizou nesta quarta o vaivém do bloco, que na última hora isolou Ciro Gomes (PDT) para apoiar Alckmin. “O Centrão não tem dono. É uma manifestação política. Ali só tem gente esperta.”

Pré-candidato do Podemos, Alvaro Dias negou, por sua vez, que vá renunciar para apoiar o tucano. “O que estamos verificando é a reedição ampliada desse presidencialismo de coalizão, que fracassou. Eu não vou avalizar essa tragédia”, afirmou o senador. Ele, no entanto, também buscou, sem sucesso, o respaldo do bloco. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentário

Política BSB

Caiado decreta situação de calamidade financeira em Goiás

Publicado

dia

Assembleia vai aproveitar sessão extraordinária para votar orçamento

Caiado (/)

Ronaldo Caiado enviou à Assembleia Legislativa decreto que estabelece situação de calamidade financeira em Goiás pelo prazo de 180 dias.

A medida considera o “elevado e crescente déficit fiscal, expressiva e constante elevação de despesas públicas” e a baixa receita.

“O déficit fiscal acumulado previsto para o final do exercício de 2019 é de mais seis bilhões de reais, aí incluídos os quase dois bilhões de reais de despesas inscritos em restos a pagar, mais um bilhão de reais correspondentes à parte da folha dos servidores não empenhada no exercício de 2018”, diz o documento.

Nesta terça-feira (22), em sessão extraordinária, os deputados vão apreciar o decreto e votar o orçamento de 2019, que não foi feito sob a gestão do ex-governador José Eliton.

Fonte: Portal Veja

 

Ver mais

Política BSB

Planalto veta deputado ligado a LGBTs no governo, a pedido do PSL

Publicado

dia

Deputado tucano Floriano Pesaro foi indicado Secretário de Assistência Social

Pesaro atua na área há 26 anos (Gabriela Peres/Seds/Divulgação)

Um grupo de parlamentares do PSL, em especial de São Paulo, conseguiu vetar no Palácio do Planalto o nome do deputado federal  e sociólogo Floriano Pesaro (PSDB-SP) para a Secretaria Nacional de Assistência Social, vinculada ao Ministério da Cidadania. Seu nome foi até anunciado pelo ministro Osmar Terra no final do ano passado, mas sua nomeação não saiu até hoje. Deveria ter sido publicada no início do ano. O veto foi muito menos por Pesaro, que não se reelegeu, ser tucano, mas por suas ligações com movimentos LGBTs e Ongs.  Ele atua na área de assistência social há 26 anos, foi secretário municipal e estadual dessa área. No governo de FHC, trabalhou no MEC e ajudou na criação do Fies e do Bolsa Escola. Terra está tentando reverter o veto junto ao ministro Onyx Lorenzoni. Fonte: Portal Veja

 

Ver mais

Política BSB

“É um problema do Flávio. Ele vai resolver isso aí”, diz Mourão

Publicado

dia

Presidente em exercício negou que haja risco de o caso do filho de Bolsonaro impactar nas negociações da reforma da Previdência no Congresso

Brasília(DF), 7/1/2019 – Jair Bolsonaro, Hamilton Mourão. Posse dos presidentes do Banco Central, BB e Caixa Economica. Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

O presidente em exercício, Hamilton Mourão, desviou de questionamentos sobre a crise envolvendo o senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e procurou afastar o governo das denúncias sobre movimentações financeiras atípicas do filho do presidente Jair Bolsonaro.

À frente da Presidência por conta da viagem do titular a Davos, Mourão negou que haja risco de o caso impactar nas negociações da reforma da Previdência no Congresso.

“Já expliquei esse assunto. Esse assunto eu não comento mais. Não vem para cima do governo, é um problema do Flávio. O Flávio vai resolver isso aí”, afirmou Mourão a jornalistas, após deixar o gabinete no Palácio do Planalto para almoçar em sua residência oficial, no Palácio do Jaburu.

Sobre o exercício da Presidência, Mourão disse que não haverá mudanças em relação ao direcionamento dado por Bolsonaro. “Sem marola, só tocando a bola para o lado”, disse.

Fonte: Portal Metrópoles

 

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade