Nossa rede

Brasil

Casal mata mulher grávida enforcada e retira bebê da barriga, em MG

Publicado

dia

Caso aconteceu em João Pinheiro, na Região Noroeste do estado; casal envolvido na ocorrência foi preso pela polícia

Mara foi morta e teve a bebê arrancada à força.(foto: Reprodução/Facebook)

 

A Polícia Civil investiga o caso de uma jovem grávida que foi amarrada em um tronco, enforcada e, posteriormente, teve o bebê retirado da barriga e roubado. O crime bárbaro ocorreu na cidade de João Pinheiro, Região Noroeste de Minas Gerais. Segundo a Polícia Militar, Mara Cristina Ribeiro da Silva estava desaparecida desde segunda-feira e seu corpo foi encontrado na tarde de ontem por pessoas que passavam em um matagal próximo ao km 143 da BR-040, perto de um antigo posto da Polícia Rodoviária Federal. Uma mulher que no dia anterior tinha ido a um hospital com uma recém-nascida e terminou confessando que a criança não era sua foi presa. O marido da suspeita também está detido.

De acordo com a PM, às 19h30 da segunda-feira, policiais foram acionados por funcionários do Hospital Municipal de João Pinheiro, que relatavam a entrada de uma paciente bastante agitada, com uma recém-nascida no colo, afirmando que acabara de dar à luz. Entretanto, segundo os funcionários, ela caminhava normalmente e se recusou a ser atendida por um médico obstetra, situação incomum em casos de parto. Ela foi identificada como Angelina Ferreira Rodrigues, de 40 anos.

Ao chegar ao hospital, policiais militares encontraram familiares da vítima, que afirmaram que Mara estava grávida de oito meses e que a mulher que havia ido ao hospital morava com ela desde sábado. Além disso, uma testemunha, que seria vizinha das duas mulheres, disse que por volta das 13h30 daquele dia viu Angelina saindo com Mara e sua outra filha de 1 ano.

Conforme a PM, os militares conseguiram convencer a suspeita a ser atendida por um médico. Na consulta, Angelina teria confessado que a bebê não era sua filha e sim de um amigo, informação que foi repassada aos policiais. Ao ser questionada pela PM, Angelina teria confirmado a informação passada pela vizinha de que saiu com a vítima na tarde de segunda-feira.

Segundo ela, uma pessoa ligou para Mara, marcando um encontro no Bairro Água Limpa e ela decidiu acompanhá-la ao local, levando também a filha de 1 ano da amiga. Ainda segundo a suspeita, chegando ao local, as duas se depararam com uma mulher de baixo porte, morena e que aparentava ter 40 anos. Mara teria seguido a pé com ela, enquanto Angelina ficou com a filha da vítima.

Ainda de acordo com o relato da suspeita, pouco tempo depois, a mulher teria voltado sem Mara e com a recém-nascida no colo e pedido que ela levasse o bebê ao hospital. Angelina teria pedido que seu marido, Roberto Gomes de Souza, de 57, a acompanhasse e deixou a criança de 1 ano com uma vizinha. Sem provas de nenhum crime, o casal foi liberado pelos policiais.

Entretanto, segundo o delegado regional de Paracatu, Carlos Henrique Gomes Bueno, na manhã de ontem policiais civis chamaram a suspeita para que esclarecesse detalhes do boletim de ocorrência. Na delegacia, Angelina teria confessado todo o crime e dito que agiu sozinha. A polícia desconfia da versão de ação individual. Seu marido também prestou depoimento, mas se declarou inocente.

De acordo com o delegado, no início da noite de ontem, depois da descoberta do corpo, Angelina Ferreira Rodrigues teve a prisão decretada, assim como seu marido, Roberto Gomes de Souza. A recém-nascida foi atendida no Hospital Municipal de João Pinheiro e transferida para o Hospital São Lucas, em Patos de Minas, no Alto Paranaíba. Até o fechamento desta edição não havia detalhes sobre seu estado de saúde.

A criança foi transferida para o Hospital São Lucas, em Patos de Minas (Alto Paranaíba), onde se recupera de um corte na cabeça sofrido durante as agressões da mãe. O corpo da vitima foi necropsiado na noite desta terça e será sepultado na manhã desta quarta, em Joao Pinheiro.

Fonte: Pedro Lovisi/Estado de Minas
    Comentário

    Brasil

    Chuva em BH provoca duas mortes e um desaparecimento

    Publicado

    dia

    Em coletiva nesta sexta, Alexandre Kalil declarou: “o prefeito é culpado; não sabem como isso dói no coração do prefeito”

    Prefeitura da cidade anunciou medidas para reduzir danos de chuvas

    A forte chuva que atingiu Belo Horizonte no feriado de proclamação da República, nesta quinta-feira (15), causou duas mortes e um desaparecimento, além do desabamento de parte de uma casa. Todas as ocorrências foram registradas na região de Venda Nova.

    As duas vítimas fatais foram encontradas em um carro levado pela enxurrada na Avenida Vilarinho, em Venda Nova. Cristina Pereira Matos, de 40 anos, e a sua filha Sofia Pereira, de 6, não conseguiram sair de um automóvel levado pela enxurrada. A principal hipótese é que tenham morrido afogadas.

    Na mesma região, Anna Luísa Fernandes de Paiva Maria, de 16 anos, está desaparecida. Ela foi sugada por uma galeria da rede pluvial na Rua Doutor Álvaro Camargo.  Também em Venda Nova, parte de uma casa desabou no Jardim dos Comerciários. Cinco pessoas de uma família estavam no local, mas não sofreram ferimentos graves.

    Em coletiva de imprensa nesta sexta, o prefeito da capital mineira, Alexandre Kalil (PHS) declarou: “o prefeito é culpado por duas mortes e uma pessoa desaparecida. Vocês não sabem como isso dói no coração do prefeito”.

    A Prefeitura de Belo Horizonte divulgou nota com medidas para diminuir os alagamentos em Venda Nova, com a priorização de estudos para ampliar a macrodenagem da bacia do córrego Vilarinho, que corta o distrito.

    Confira a nota da prefeitura de Belo Horizonte na íntegra:
    Neste momento, a Prefeitura está priorizando a contratação de estudos de alternativas para ampliação da macrodrenagem da bacia do córrego Vilarinho. Desde 2017 foram feitos diagnósticos da bacia e estão em fase de orçamento, com previsão de licitação ainda este ano, os estudos para escolha da melhor solução técnica para o problema. A seguir vem a fase de detalhamento da solução escolhida e a viabilização das obras necessárias. Este ano também já foram licitadas na região de Venda Nova obras de tratamento de fundo de vale e controle de cheias no córrego do Nado – sub-bacias dos córregos Lareira e Marimbondo. Ao regular as cheias destes córregos, reduz-se a vazão do Córrego do Nado e melhora-se a vazão do Córrego Vilarinho. Além disso, foram intensificadas as ações de limpeza e desobstrução de bueiros na avenida e limpeza dos córregos e bacias de detenção na região.

    Fonte: Portal Veja

     

    Ver mais

    Brasil

    Governo prorroga por 180 dias apoio da Força Nacional em ações da PF

    Publicado

    dia

    O ministro da Segurança Pública prorrogou o uso da Força Nacional em atividades de prevenção e repressão de delitos nas fronteiras nacionais

    Soldado do Exército no Rio de Janeiro

    Soldado do Exército no Rio de Janeiro

    Brasília – O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, prorrogou por mais 180 dias o prazo para emprego da Força Nacional em apoio à Polícia Federal, nas atividades de prevenção e repressão aos delitos nas fronteiras nacionais, em caráter episódico e planejado.

    A autorização para emprego da Força Nacional tinha sido dada no final de maio pelo mesmo prazo, que se encerraria agora no final de novembro. Com a Portaria, publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira, 16,, esse período fica estendido por mais 6 meses.

    De acordo com a portaria, o contingente a ser disponibilizado obedecerá ao planejamento definido pelo Ministério da Segurança Pública. O prazo do apoio prestado pela Força Nacional poderá ser prorrogado, caso seja solicitado.

    Fonte: Portal Exame

     

    Ver mais

    Brasil

    Viaduto que cedeu na zona oeste de SP corre risco de desabar

    Publicado

    dia

    Segundo secretário, piorou a situação do viaduto que cedeu próximo ao Parque Villa-Lobos na madrugada de quinta-feira, 15

    Viaduto cede e interdita trânsito na Marginal Pinheiros, em São Paulo Reprodução/Youtube

    Viaduto cede e interdita trânsito na Marginal Pinheiros, em São Paulo. 15 de novembro de 2018 

    O secretário municipal de Infraestrutura e Obras, Vitor Aly, informou na manhã desta sexta-feira, 16, que piorou a situação de estabilidade do viaduto que cedeu próximo ao Parque Villa-Lobos e à Ponte do Jaguaré, na zona oeste de São Paulo, na madrugada de quinta-feira, 15.

    De acordo com Aly, subiu o índice de criticidade da estrutura e há possibilidade de ruína. “Nós pedimos à Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) para diminuir a velocidade dos trens perto do viaduto que cedeu, porque está vibrando e fazendo com que as estruturas se movimentem”, disse ele.

    Segundo o secretário, o processo de escoramento será acelerado para estabilizar a estrutura – e, após isso, dar seguimento aos trabalhos de segurança e recuperação do elevado.

    Fonte: Portal Exame

     

    Ver mais
    Publicidade

    Escolha o assunto

    Publicidade