Nossa rede

Brasília

Viagem no tempo: peças de cada década para ter um guarda-roupa antenado

Publicado

dia

Dizem que a moda anda em círculos, então nada mais comum do que revisitar algumas décadas em diferentes temporadas. No entanto, algumas peças são para usar sempre: descubra os clássicos que são versáteis e que vale ter no armário para criar looks incríveis.

1920: CASAQUETO

Fotos: REPRODUÇÃO/INSTAGRAM @TWEEDYSTORE; iconogenic/iStock; Thinkstock

A década de 1920 trouxe itens considerados masculinos direto para o guarda-roupa feminino, algo que continua muito atual. “Essa foi a época das roupas mais larguinhas, do casaqueto (casaco estruturado e que termina na linha da cintura) e do blazer, que são atemporais. São peças MUITO PRÁTICAS E QUE VÃO PARA TODAS AS SITUAÇÕES E ROUPAS. É bom ter em um bom corte e tecido, e é possível encontrar alguns com detalhes bem femininos para equilibrar”, explica a consultora de imagem e estilo FÊ BASTOS.

1930: CALÇA CROPPED

REPRODUÇÃO/INSTAGRAM @YOURBESTSTYLE; @ALEXCLOSET; SANNEBERG/ISTOCK

A calça cropped surgiu lá nos anos 1930, e nesta temporada voltou com tudo para os looks. “Ela é bem interessante e temos visto novamente. E é uma modelagem que pode até ir para o trabalho, se ele não for muito formal. Uma boa ideia é TER EM UM TECIDO MAIS RETO E SOFISTICADO, COMO A ALFAIATARIA, QUE TE DEIXA MUITO ELEGANTE”, aconselha.

1940: VESTIDO CHEMISE

Fotos: Reprodução/Instagram @bangkoksoda; @mazeazia; @ellyclothing

Vestidos que imitam camisas são muito simples de usar, já que garantem versatilidade e funcionam para todas: “Esses modelos se usavam muito na época, que era bem utilitária e com uma estética mais militar. É muito útil de ter no armário, porque DEIXA A SILHUETA FEMININA, É DEMOCRÁTICO E FUNCIONA EM QUALQUER OCASIÃO, especialmente se for em uma cor neutra, como o verde militar, preto ou bege”.

1950: SAIA MIDI

Fotos: REPRODUÇÃO/INSTAGRAM @MARYORTON; @KRISTINCLARKFSU; @EMILYIJACKSON

E que tal se jogar na tendência da saia midi? Típica dos anos 1950, ela está de volta e promete ser destaque do verão. “A saia com cintura bem no lugar e um pouco mais rodada em comprimento midi é dessa época e muito feminina, TE DEIXA BEM VESTIDA EM QUALQUER SITUAÇÃO”, aponta. Aqui você aprende truques para usar sem achatar a silhueta.

1960: VESTIDO TUBINHO

Fotos: Reprodução/Instagram @maryorton; @the_i_lookbook; @thedressbar_aus

Acredite, quando se pensa em vestido não existe nenhum tão atemporal – e elegante – quanto o tubinho. “Ele é muito fácil de usar, e sE ESTÁ NA ALTURA DO JOELHO É ÓTIMO PARA TRABALHAR, um verdadeiro clássico. Se quiser deixar mais moderno é só trocar os acessórios. O cuidado está em adaptar as cores, estampas e decotes de maneira que o corte te favoreça mais”, esclarece. Com o passar dos anos, o modelo foi ficando mais justo e sensual, marcando mais a cintura do que na época em que surgiu.

1970: CALÇA FLARE E DECOTE OMBRO A OMBRO

Fotos: Reprodução/Instagram @beyonce; @brittanybenjaminofficial; @alessandraambrosio

Os anos 1970 também costumam ser inspiração constante, e um de seus maiores hits nunca chegou a cair de moda. “A CALÇA FLARE É DESSA DÉCADA E PODEMOS CONSIDERAR UM ÓTIMO INVESTIMENTO, porque valoriza o corpo feminino, equilibrando as formas, e ainda dá para ir do trabalho à festa com uma boa camisa de seda. Outra tendência da temporada de calor que vem da época é o DECOTE OMBRO A OMBRO, e é muito gostoso e fresquinho de usar. Só fique atenta, porque ele evidencia muito os ombros largos”, conta.

1980: LEGGING E ACESSÓRIOS DIVERTIDOS

A década de 1980 foi divertida e ousada, e alguns de seus sucessos podem – e devem – ser revisitados: “ A legging era muito usada e continua no nosso repertório, e vale ter porque ela marca bem o corpo para sair, mas com uma pegada mais esportiva, que estamos vendo bastante agora. OS ACESSÓRIOS DE ACRÍLICO TAMBÉM ESTÃO VOLTANDO, ASSIM COMO OS GRANDES E COLORIDOS, que deixam a produção bem a cara do verão”.

1990: CAMISA XADREZ

Fotos: reprodução/Instagram @@luanna90; @sonali_dhingra; @_kellymariephotography

Os anos 1990 dominaram a moda das últimas duas temporadas, e se você já tem uma JAQUETA JEANS (um básico do guarda-roupa que era queridinho da década) a dica é investir em uma boa camisa xadrez: “A de flanela sempre vai bem, porque ela pode ser amarrada na cintura para fazer um charme ou ser usada como um agasalho quando esfria, é bem-vinda. O top cropped é outro destaque interessante para o verão, porque ele é sensual e marcante e também não sai de moda”.

Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Comentar

Brasília

Vacinas; Pontos de vacinação nesta sexta (24/09/2021)

Publicado

dia

Por

Pontos de vacinação específicos para aplicação da segunda dose conforme o fabricante da vacina, além de locais para que idosos com 85 anos ou mais tomem a dose de reforço, veja abaixo.

Segunda dose

Pontos de vacinação da segunda dose da Pfizer nesta sexta-feira (24/9)
Pontos de vacinação da segunda dose da Pfizer nesta sexta-feira (24/9)(foto: Divulgação/SESDF)
Pontos de vacinação da segunda dose da Astrazeneca nesta sexta-feira (24/9)
Pontos de vacinação da segunda dose da Astrazeneca nesta sexta-feira (24/9)(foto: Divulgação/SESDF)

Pontos de vacinação da segunda dose da Coronavac nesta sexta-feira (24/9)
Pontos de vacinação da segunda dose da Coronavac nesta sexta-feira (24/9)(foto: Divulgação/SESDF)

 

Dose de reforço de idosos com 85 anos ou mais

Pontos de vacinação da dose de reforço nesta sexta-feira (24/9)
Pontos de vacinação da dose de reforço nesta sexta-feira (24/9)(foto: Divulgação/SESDF)

Jovens entre 13 e 17 anos

Pontos de vacinação da D1 para jovens entre 13 e 17 anos nesta sexta-feira (24/9)
Pontos de vacinação da D1 para jovens entre 13 e 17 anos nesta sexta-feira (24/9)(foto: Divulgação/SESDF)

 

Adultos com 18 anos ou mais

Pontos de vacinação da D1 para adutos com 18 anos ou mais nesta sexta-feira (24/9)
Pontos de vacinação da D1 para adutos com 18 anos ou mais nesta sexta-feira (24/9)(foto: Divulgação/SESDF)

Ver mais

Brasília

Polícia investiga suposto superfaturamento no serviço de lavanderia em hospital público do DF

Publicado

dia

Por

Suspeita é de que peso da roupa, do Hospital de Sobradinho, era alterado para aumentar valor pago a empresa. Servidores e empresários são investigados; Secretaria de Saúde disse que vai colaborar com apuração.

Polícia Civil deflagra operação que investiga superfaturamento em lavanderia do Hospital Regional de Sobradinho, no DF — Foto: PCDF/Divulgação

A Polícia Civil do Distrito Federal deflagrou, nesta sexta-feira (24), uma operação que investiga superfaturamento na prestação do serviço de lavanderia do Hospital Regional de Sobradinho. A suspeita é de que o peso da roupa estava sendo alterado para beneficiar a empresa.

Ao todo, os policiais cumpriram nove mandados de busca e apreensão na capital e em Goiás. Os investigadores estiveram na Secretaria de Saúde, na casa de servidores públicos, de empresários e na sede da lavanderia.

Os investigadores informaram que receberam denúncia anônima em junho. Segundo os policiais, funcionários públicos e administradores da lavanderia são suspeitos de participação no esquema.

Em nota, a pasta disse que vai colaborar com as investigações, “disponibilizando toda as informações solicitadas pela polícia, de maneira transparente e de acordo com a legislação”. A operação foi batizada de “Roupa Suja”.

Policial civil em operação que investiga fraude em lavanderia de hospital do DF — Foto: PCDF/Divulgação

Policial civil em operação que investiga fraude em lavanderia de hospital do DF — Foto: PCDF/Divulgação.

A investigação, da Delegacia de Repressão à Corrupção (DRC), identificou que as roupas tinham o peso aumentado, para que o valor cobrado na lavanderia fosse maior que o normal. Com o pagamento maior, ocorria o desvio das verbas públicas.

Segundo os policiais, há indícios de que a pesagem era feita de forma “absolutamente irregular e precária”, sem “as devidas cautelas formais”. A falta dos procedimentos, de acordo com os agentes, “viabiliza adulteração de valores”.

Aumento de valores

 

Policiais civis investigam lavanderia de hospital público do DF — Foto: PCDF/Divulgação

Policiais civis investigam lavanderia de hospital público do DF — Foto: PCDF/Divulgação

Além da alteração no peso das roupas para a lavagem, os policiais também identificaram que o serviço sofreu aumentos progressivos, “bastante significativos e aparentemente irrazoáveis”. Por exemplo, o montante desembolsado pelo poder público para custear a lavanderia subiu 300% de 2018 para 2019.

Em 2020, o valor subiu novamente, aproximadamente 60%. Segundo os policiais, o aumento chama a atenção mesmo que seja considerado os índices regulares de inflação.

De acordo com a Polícia Civil, o contrato vigente entre a Secretaria de Saúde e a lavanderia é de R$ 3 milhões. Entretanto, o termo aditivo atual é o terceiro e o montante movimentado pela pasta é de R$ 6 milhões para custear o serviço.

Ver mais

Brasília

Hospital de Santa Maria reativa atendimento médico domiciliar

Publicado

dia

Por

Parado há dois anos, o serviço voltou a funcionar em agosto e já foram feitas mais de 260 visitas a pacientes

Desde que foi reativado em 2 de agosto, depois de ficar paralisado durante dois anos, o Núcleo Regional de Atendimento Domiciliar (Nurad) do Hospital Regional de Santa Maria (HRSM) já prestou mais de 260 serviços médicos e assistenciais para pacientes em suas residências, atingindo, nesta quinta-feira (23), a média de seis visitas por dia.

A equipe, formada por dez profissionais de saúde do HRSM, faz atendimentos semanais ou mensais, dependendo do estado clínico do paciente | Fotos: Ascom/ Iges-DF

Com a reativação do Nurad, voltaram a ser atendidos, em suas próprias residências, bebês prematuros ou abaixo do peso, além de pacientes com doenças agudas, crônicas ou degenerativas e enfermos que já não têm cura, mas que continuam a receber assistência para aliviar o sofrimento físico e mental que enfrentam.

Também voltaram a receber assistência os pacientes cadastrados no Programa de Oxigenoterapia Domiciliar da Secretaria de Saúde (SES), parceira do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde (Iges-DF) nesse e em outros projetos. A SES fornece oxigênio e os materiais necessários para os enfermos, enquanto a equipe do Nurad presta atendimento a esses pacientes.

O Nurad foi desativado em agosto de 2019 e retomou as atividades neste ano a partir da mobilização da superintendência do HRSM, da Diretoria de Atenção à Saúde e da Assessoria de Planejamento do Iges-DF, que administra a unidade hospitalar.

O serviço é prestado por dez profissionais de saúde do HRSM, entre médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem, fisioterapeutas e assistentes sociais. Dependendo do estado clínico do paciente, o atendimento é semanal ou mensal.

Para o superintendente do HRSM, Ubiraci Nogueira, a retomada dos serviços do Nurad é importante porque, além de levar assistência aos pacientes, contribui para desocupar diversos leitos no hospital. “Dessa forma, podemos atender um número maior de pacientes sem perder a qualidade dos serviços prestados”, explica.

*Com informações do Iges-DF

Ver mais

Brasília

Covid-19: DF começa nova antecipação da segunda dose da Pfizer

Publicado

dia

Por

Expectativa é atender até 240 mil pessoas

© Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil.

O governo do Distrito Federal (DF) realiza, a partir de hoje (23), uma nova antecipação de segunda dose da vacina contra a covid-19, voltada a pessoas que tomaram a primeira dose do imunizante da Pfizer/BioNTech.

Quem tomou a primeira dose da vacina e teve a previsão da segunda dose marcada para até o dia 27 de outubro poderá ter o complemento da imunização a partir desta quinta-feira.

A expectativa é atender até 240 mil pessoas nessa condição. Os locais de vacinação estão listados no site da Secretaria de Saúde do Distrito Federal. Não há necessidade de agendamento.

Ontem, o DF começou a aplicar a dose de reforço para pessoas com 85 anos ou mais, desde que tenham pelo menos seis meses da primeira dose ou da dose única (no caso da Janssen). Também ontem teve início o agendamento da dose de reforço para imunossuprimidos, cuja aplicação começará na segunda-feira (27). Agência Brasil

Ver mais

Brasília

Hran é referência em atendimento a pessoas com síndrome de Down

Publicado

dia

Por

Serviço contempla mais de 1,8 mil pacientes e familiares com acolhimento multidisciplinar, que deve ser agendado por telefone

Equipe do hospital atua com cerca de 30 profissionais

O Centro de Referência Interdisciplinar em Síndrome de Down (CrisDown) do Hospital Regional da Asa Norte (Hran) é referência não apenas no Distrito Federal e região do entorno, mas para outros estados do país, no atendimento a pessoas com síndrome de Down. São cerca de dois mil pacientes cadastrados, contemplando desde gestantes que recebem o diagnóstico da trissomia do cromossomo 21 a outras faixas etárias de público.

Crianças de diferentes idades encontram acolhimento e serviço especializado no Hran | Foto: Davidyson Damasceno/Iges-DF

Assim, bebês, crianças, adolescentes, adultos e idosos encontram atendimento humanizado e interdisciplinar no local. Segundo a coordenadora do CrisDown, a terapeuta Carolina Vale, o serviço atende atualmente 1.878 pacientes. A equipe possui em torno de 30 profissionais, entre fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, fonoaudiólogo, psicólogo, nutricionista, assistente social, geneticista, pediatra, cardiopediatra, neuropediatra e clínico geral.

A coordenadora do serviço explica que o trabalho é interdisciplinar e foi pensado assim para proporcionar um olhar integral aos pacientes: “O intuito do CrisDown, quando construímos o serviço, foi facilitar essa interlocução entre as áreas e evitar que os pacientes ficassem andando na rede em busca de atendimento com diversos profissionais”.

Um dos pacientes atendidos é o pequeno José Pedro, de 3 anos e 8 meses. Acompanhado da mãe, a professora Eliane Dourado, ele foi acolhido no serviço assim que nasceu e passa por sessões semanais de fisioterapia e terapia ocupacional, além de ter acompanhamento com o ortopedista e a pediatra. “A equipe é muito acolhedora e o atendimento é sempre muito humanizado. Os profissionais são muito comprometidos e solícitos com as nossas necessidades”, avalia Eliane.

A também professora Ana Lúcia Silva de Souza, mãe de Rafael, de 2 anos e 4 meses, leva o filho ao CrisDown desde quando ele tinha dois meses de vida e diz estar satisfeita com o acolhimento recebido. “Viemos participar de uma palestra e, desde então, ele está aqui sendo atendido. O desenvolvimento dele tem sido surpreendente. Ele já está andando, já fala algumas palavras”, comemora.

Pandemia

“Empoderamos as famílias para acreditar que é possível que no futuro esses pacientes se tornem pessoas capazes de desenvolver habilidades essenciais para autonomia e independência”Carolina Vale, coordenadora do CrisDown

Carolina Vale lembra que, com a pandemia, foi necessário repensar a forma de atendimento. “A gente precisava fazer alguma coisa, pois os pacientes tinham perdido muito em termos de desenvolvimento global – motor, cognitivo e de fala – e isso nos angustiava”, relata.

“São seis pacientes pela manhã e seis à tarde”, detalha a terapeuta. “Geralmente, os pais entram junto para acompanhar as atividades e poder auxiliar em casa, mas cada família fica distante, dentro da sala, seguindo os protocolos recomendados”. Mesmo com as dificuldades impostas pelo momento, diz Carolina, o serviço acolheu quase 100 pacientes em 2020.

O serviço

O CrisDown nasceu em 2013 e funcionou primeiramente na Unidade Básica de Saúde (UBS) da 905 Norte. Atualmente, o serviço está disponível no Hospital Regional da Asa Norte (Hran), onde era a creche. A entrada é separada do hospital, proporcionando mais tranquilidade aos pacientes.

É preciso entrar em contato por WhatsApp (99448-0691) e agendar. “Antes era acolhimento aberto, era possível receber muitas pessoas. Hoje, em função da pandemia, isso mudou. Passamos a trabalhar com agendamento e atendemos três famílias às sextas pela manhã”, esclarece a coordenadora. Quando chegam ao CrisDown, as famílias conversam com a equipe. Após esse acolhimento, é feita a estratificação de risco.

Após essa etapa, explica a gestora, o paciente é classificado de acordo com o risco. “Os vermelhos [marcados com identificação dessa cor] possuem prioridade, e então é feito o agendamento de acordo com a necessidade”, explica.

“Aqui, investimos no presente para modificar o futuro. É preciso oferecer oportunidade e possibilidade para que [os pacientes] possam se desenvolver. Empoderamos as famílias para acreditar que sim, é possível que no futuro [esses pacientes] se tornem pessoas capazes de desenvolver habilidades essenciais para autonomia e independência”, salienta.

*Com informações da Secretaria de Saúde

Ver mais

Brasília

Saúde disponibiliza 11.936 vagas para o reforço em pessoas imunossuprimidas

Publicado

dia

Por

Agendamento começa nesta quarta-feira, às 14h, e a vacinação a partir da próxima segunda-feira (27)

Começa nesta quarta-feira (22) o agendamento da dose de reforço contra covid-19 para pessoas com alto grau de imunossupressão. O agendamento deve ser feito no site vacina.saude.df.gov.br por aqueles que se enquadram nos critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde. A vacinação começará na próxima segunda-feira (27) e vai até sexta-feira (1º/10) em 19 pontos específicos que poderão ser escolhidos no ato do agendamento. Ao todo, serão disponibilizadas 11.936 vagas, e haverá aplicação das doses em todos os dias da próxima semana.

Antes de agendar, é necessário se cadastrar no mesmo site. Veja o passo a passo e os critérios para agendamento na arte abaixo:

Arte: Secretaria de Saúde do DF

O sistema irá reconhecer se quem preencheu faz tratamento no SUS. Neste caso, no cabeçalho do comprovante de agendamento constará a informação se é preciso, ou não, apresentar laudo médico. Serão aceitos laudos com validade de até seis meses.

Reforço

“A imunização desse grupo será por agendamento, pois, neste momento, o Ministério encaminhou doses apenas para a metade desse público. É necessário comprovar a situação de saúde. Estão aptos a tomar a dose de reforço todos aqueles acima de 18 anos que tenham tomado a segunda dose ou dose única há mais de 28 dias e que se enquadrem na descrição proposta pelo Ministério da Saúde”, destaca o diretor da Vigilância Epidemiológica, Fabiano dos Anjos.

A vacina a ser utilizada para a dose adicional deverá ser, preferencialmente, do laboratório Pfizer-BioNTech ou, de modo alternativo, do laboratório Janssen ou AstraZeneca.

*Com informações da Secretaria de Saúde do DF

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade
Publicidade

Viu isso?