Nossa rede

Economia

Veja como os deputados votaram em 1º turno a reforma da Previdência

Publicado

dia

Texto-base foi aprovado em primeiro turno no plenário da Câmara, na noite desta quarta-feira, (10), por 379 votos a 131

Placar da Previdência no primeiro turno (Luis Macedo/Câmara dos Deputados/Divulgação)

São paulo – Por 379 votos a 131, o texto-base da reforma da Previdência foi aprovado em primeiro turno no plenário da Câmara, na noite desta quarta-feira, (10).

O texto ainda precisa ser votado em segundo turno, o que deve acontecer nesta quinta-feira, (11), após a análise de 20 destaques propostos pelos partidos. Só depois deve seguir para o Senado.

Veja como votou cada deputado:

Deputado Partido Voto Estado
André Janones Avante Não MG
Chiquinho Brazão Avante Sim RJ
Greyce Elias Avante Sim MG
Leda Sadala Avante Sim AP
Luis Tibé Avante Sim MG
Pastor Sargento Isidório Avante Sim BA
Tito Avante Sim BA
Alex Manente CIDADANIA Sim SP
Arnaldo Jardim CIDADANIA Sim SP
Carmen Zanotto CIDADANIA Sim SC
Da Vitória CIDADANIA Sim ES
Daniel Coelho CIDADANIA Sim PE
Marcelo Calero CIDADANIA Sim RJ
Paula Belmonte CIDADANIA Sim DF
Rubens Bueno CIDADANIA Sim PR
DEM Sim PA
Alan Rick DEM Sim AC
Alexandre Leite DEM Sim SP
Aníbal Gomes DEM Sim CE
Arthur Oliveira Maia DEM Sim BA
Bilac Pinto DEM Sim MG
Carlos Henrique Gaguim DEM Sim TO
David Soares DEM Sim SP
Dr. Zacharias Calil DEM Sim GO
Efraim Filho DEM Sim PB
Eli Corrêa Filho DEM Sim SP
Elmar Nascimento DEM Sim BA
Fernando Coelho Filho DEM Sim PE
Geninho Zuliani DEM Sim SP
Hélio Leite DEM Sim PA
Jose Mario Schreiner DEM Sim GO
Juninho do Pneu DEM Sim RJ
Juscelino Filho DEM Sim MA
Kim Kataguiri DEM Sim SP
Leur Lomanto Júnior DEM Sim BA
Luis Miranda DEM Sim DF
Norma Ayub DEM Sim ES
Onyx Lorenzoni DEM Sim RS
Paulo Azi DEM Sim BA
Pedro Lupion DEM Sim PR
Pedro Paulo DEM Sim RJ
Professora Dorinha Seabra Rezende DEM Sim TO
Rodrigo Maia DEM Sim RJ
Sóstenes Cavalcante DEM Sim RJ
Tereza Cristina DEM Sim MS
Alceu Moreira MDB Sim RS
Baleia Rossi MDB Sim SP
Carlos Bezerra MDB Sim MT
Carlos Chiodini MDB Sim SC
Celso Maldaner MDB Sim SC
Daniela do Waguinho MDB Sim RJ
Darcísio Perondi MDB Sim RS
Dulce Miranda MDB Sim TO
Elcione Barbalho MDB Sim PA
Fabio Reis MDB Sim SE
Flaviano Melo MDB Sim AC
Fábio Ramalho MDB Sim MG
Giovani Feltes MDB Sim RS
Gutemberg Reis MDB Sim RJ
Herculano Passos MDB Sim SP
Hercílio Coelho Diniz MDB Sim MG
Hermes Parcianello MDB Sim PR
Hildo Rocha MDB Sim MA
Isnaldo Bulhões Jr. MDB Sim AL
José Priante MDB Sim PA
João Marcelo Souza MDB Sim MA
Juarez Costa MDB Sim MT
Jéssica Sales MDB Sim AC
Lucio Mosquini MDB Sim RO
Marcos Aurélio Sampaio MDB Sim PI
Mauro Lopes MDB Sim MG
Moses Rodrigues MDB Sim CE
Márcio Biolchi MDB Sim RS
Newton Cardoso Jr MDB Sim MG
Raul Henry MDB Sim PE
Rogério Peninha Mendonça MDB Sim SC
Sergio Souza MDB Sim PR
Vinicius Farah MDB Sim RJ
Walter Alves MDB Sim RN
Adriana Ventura NOVO Sim SP
Alexis Fonteyne NOVO Sim SP
Gilson Marques NOVO Sim SC
Lucas Gonzalez NOVO Sim MG
Marcel van Hattem NOVO Sim RS
Paulo Ganime NOVO Sim RJ
Tiago Mitraud NOVO Sim MG
Vinicius Poit NOVO Sim SP
Alcides Rodrigues Patriota Sim GO
Dr. Frederico Patriota Sim MG
Fred Costa Patriota Sim MG
Marreca Filho Patriota Sim MA
Pastor Eurico Patriota Sim PE
Alice Portugal PCdoB Não BA
Daniel Almeida PCdoB Não BA
Jandira Feghali PCdoB Não RJ
Márcio Jerry PCdoB Não MA
Orlando Silva PCdoB Não SP
Perpétua Almeida PCdoB Não AC
Professora Marcivania PCdoB Não AP
Renildo Calheiros PCdoB Não PE
Afonso Motta PDT Não RS
Alex Santana PDT Sim BA
André Figueiredo PDT Não CE
Chico D`Angelo PDT Não RJ
Dagoberto Nogueira PDT Não MS
Damião Feliciano PDT Não PB
Eduardo Bismarck PDT Não CE
Flávia Morais PDT Não GO
Flávio Nogueira PDT Sim PI
Fábio Henrique PDT Não SE
Félix Mendonça Júnior PDT Não BA
Gil Cutrim PDT Sim MA
Gustavo Fruet PDT Não PR
Idilvan Alencar PDT Não CE
Jesus Sérgio PDT Sim AC
Leônidas Cristino PDT Não CE
Marlon Santos PDT Sim RS
Mário Heringer PDT Não MG
Paulo Ramos PDT Não RJ
Pompeo de Mattos PDT Não RS
Robério Monteiro PDT Não CE
Sergio Vidigal PDT Não ES
Silvia Cristina PDT Sim RO
Subtenente Gonzaga PDT Sim MG
Tabata Amaral PDT Sim SP
Túlio Gadêlha PDT Não PE
Wolney Queiroz PDT Não PE
Igor Kannário PHS Sim BA
Abílio Santana PL Sim BA
Altineu Côrtes PL Sim RJ
Bosco Costa PL Sim SE
Capitão Augusto PL Sim SP
Christiane de Souza Yared PL Sim PR
Cristiano Vale PL Sim PA
Dr. Jaziel PL Sim CE
Edio Lopes PL Sim RR
Fernando Rodolfo PL Sim PE
Flávia Arruda PL Sim DF
Gelson Azevedo PL Sim RJ
Giacobo PL Sim PR
Giovani Cherini PL Sim RS
Josimar Maranhãozinho PL Sim MA
José Rocha PL Sim BA
João Carlos Bacelar PL Sim BA
João Maia PL Sim RN
Junior Lourenço PL Sim MA
Júnior Mano PL Sim CE
Lauriete PL Sim ES
Lincoln Portela PL Sim MG
Luiz Nishimori PL Sim PR
Magda Mofatto PL Sim GO
Marcelo Ramos PL Sim AM
Marcio Alvino PL Sim SP
Miguel Lombardi PL Sim SP
Pastor Gildenemyr PL Sim MA
Paulo Freire Costa PL Sim SP
Policial Katia Sastre PL Sim SP
Raimundo Costa PL Sim BA
Sebastião Oliveira PL Sim PE
Sergio Toledo PL Sim AL
Soraya Santos PL Sim RJ
Tiririca PL Não SP
Vicentinho Júnior PL Sim TO
Vinicius Gurgel PL Sim AP
Wellington Roberto PL Sim PB
Zé Vitor PL Sim MG
Eduardo Braide PMN Não MA
Aluisio Mendes Podemos Sim MA
Diego Garcia Podemos Sim PR
Igor Timo Podemos Sim MG
José Medeiros Podemos Sim MT
José Nelto Podemos Sim GO
Léo Moraes Podemos Sim RO
Pr. Marco Feliciano Podemos Sim SP
Renata Abreu Podemos Sim SP
Ricardo Teobaldo Podemos Sim PE
Roberto de Lucena Podemos Sim SP
Adriano do Baldy PP Sim GO
Afonso Hamm PP Sim RS
Aguinaldo Ribeiro PP Sim PB
AJ Albuquerque PP Sim CE
André Abdon PP Sim AP
André Fufuca PP Sim MA
Angela Amin PP Sim SC
Arthur Lira PP Sim AL
Beto Rosado PP Sim RN
Cacá Leão PP Sim BA
Celina Leão PP Sim DF
Christino Aureo PP Sim RJ
Claudio Cajado PP Sim BA
Dimas Fabiano PP Sim MG
Dr. Luiz Antonio Teixeira Jr. PP Sim RJ
Eduardo da Fonte PP Não PE
Evair Vieira de Melo PP Sim ES
Fausto Pinato PP Sim SP
Fernando Monteiro PP Não PE
Franco Cartafina PP Sim MG
Guilherme Derrite PP Sim SP
Guilherme Mussi PP Sim SP
Hiran Gonçalves PP Sim RR
Iracema Portella PP Sim PI
Jaqueline Cassol PP Sim RO
Jerônimo Goergen PP Sim RS
Laercio Oliveira PP Sim SE
Marcelo Aro PP Sim MG
Margarete Coelho PP Sim PI
Mário Negromonte Jr. PP Não BA
Neri Geller PP Sim MT
Pedro Westphalen PP Sim RS
Pinheirinho PP Sim MG
Professor Alcides PP Sim GO
Ricardo Barros PP Sim PR
Ricardo Izar PP Sim SP
Ronaldo Carletto PP Sim BA
Schiavinato PP Sim PR
Átila Lins PP Sim AM
Aline Gurgel PRB Não AP
Amaro Neto PRB Sim ES
Aroldo Martins PRB Sim PR
Benes Leocádio PRB Sim RN
Capitão Alberto Neto PRB Sim AM
Carlos Gomes PRB Sim RS
Celso Russomanno PRB Sim SP
Cleber Verde PRB Sim MA
Gilberto Abramo PRB Sim MG
Hugo Motta PRB Não PB
Hélio Costa PRB Sim SC
Jhonatan de Jesus PRB Sim RR
Jorge Braz PRB Sim RJ
João Campos PRB Sim GO
João Roma PRB Sim BA
Julio Cesar Ribeiro PRB Sim DF
Lafayette de Andrada PRB Sim MG
Luizão Goulart PRB Sim PR
Manuel Marcos PRB Sim AC
Marcos Pereira PRB Sim SP
Maria Rosas PRB Sim SP
Milton Vieira PRB Sim SP
Márcio Marinho PRB Sim BA
Ossesio Silva PRB Sim PE
Roberto Alves PRB Sim SP
Rosangela Gomes PRB Sim RJ
Severino Pessoa PRB Sim AL
Silas Câmara PRB Sim AM
Silvio Costa Filho PRB Sim PE
Vavá Martins PRB Sim PA
Vinicius Carvalho PRB Sim SP
Acácio Favacho PROS Sim AP
Boca Aberta PROS Sim PR
Capitão Wagner PROS Não CE
Clarissa Garotinho PROS Não RJ
Eros Biondini PROS Sim MG
Gastão Vieira PROS Sim MA
Toninho Wandscheer PROS Sim PR
Uldurico Junior PROS Sim BA
Vaidon Oliveira PROS Sim CE
Weliton Prado PROS Não MG
Alessandro Molon PSB Não RJ
Aliel Machado PSB Não PR
Bira do Pindaré PSB Não MA
Camilo Capiberibe PSB Não AP
Cássio Andrade PSB Não PA
Danilo Cabral PSB Não PE
Denis Bezerra PSB Não CE
Elias Vaz PSB Não GO
Emidinho Madeira PSB Sim MG
Felipe Carreras PSB Sim PE
Felipe Rigoni PSB Sim ES
Gervásio Maia PSB Não PB
Gonzaga Patriota PSB Não PE
Heitor Schuch PSB Não RS
Jefferson Campos PSB Sim SP
Jhc PSB Não AL
João H. Campos PSB Não PE
Júlio Delgado PSB Não MG
Liziane Bayer PSB Sim RS
Luciano Ducci PSB Não PR
Luiz Flávio Gomes PSB Sim SP
Lídice da Mata PSB Não BA
Marcelo Nilo PSB Não BA
Mauro Nazif PSB Não RO
Rafael Motta PSB Não RN
Rodrigo Agostinho PSB Sim SP
Rodrigo Coelho PSB Sim SC
Rosana Valle PSB Sim SP
Tadeu Alencar PSB Não PE
Ted Conti PSB Sim ES
Vilson da Fetaemg PSB Não MG
Átila Lira PSB Sim PI
André Ferreira PSC Sim PE
Euclydes Pettersen PSC Sim MG
Gilberto Nascimento PSC Sim SP
Glaustin Fokus PSC Sim GO
Osires Damaso PSC Sim TO
Otoni de Paula PSC Sim RJ
Paulo Eduardo Martins PSC Sim PR
Valdevan Noventa PSC Não SE
Alexandre Serfiotis PSD Sim RJ
André de Paula PSD Sim PE
Antonio Brito PSD Sim BA
Cezinha de Madureira PSD Sim SP
Charles Fernandes PSD Sim BA
Danrlei de Deus Hinterholz PSD Sim RS
Darci de Matos PSD Sim SC
Delegado Éder Mauro PSD Sim PA
Diego Andrade PSD Sim MG
Domingos Neto PSD Sim CE
Edilázio Júnior PSD Sim MA
Evandro Roman PSD Sim PR
Expedito Netto PSD Não RO
Flordelis PSD Sim RJ
Francisco Jr. PSD Sim GO
Fábio Faria PSD Sim RN
Fábio Mitidieri PSD Sim SE
Fábio Trad PSD Sim MS
Haroldo Cathedral PSD Sim RR
Hugo Leal PSD Sim RJ
Joaquim Passarinho PSD Sim PA
José Nunes PSD Sim BA
Júlio Cesar PSD Sim PI
Júnior Ferrari PSD Sim PA
Marco Bertaiolli PSD Sim SP
Marx Beltrão PSD Sim AL
Misael Varella PSD Sim MG
Otto Alencar Filho PSD Sim BA
Paulo Magalhães PSD Sim BA
Reinhold Stephanes Junior PSD Sim PR
Ricardo Guidi PSD Sim SC
Sargento Fahur PSD Sim PR
Sidney Leite PSD Sim AM
Stefano Aguiar PSD Sim MG
Vermelho PSD Sim PR
Wladimir Garotinho PSD Não RJ
Adolfo Viana PSDB Sim BA
Aécio Neves PSDB Sim MG
Beto Pereira PSDB Sim MS
Bruna Furlan PSDB Sim SP
Carlos Sampaio PSDB Sim SP
Celso Sabino PSDB Sim PA
Célio Silveira PSDB Sim GO
Daniel Trzeciak PSDB Sim RS
Domingos Sávio PSDB Sim MG
Edna Henrique PSDB Sim PB
Eduardo Barbosa PSDB Sim MG
Eduardo Cury PSDB Sim SP
Geovania de Sá PSDB Sim SC
Lucas Redecker PSDB Sim RS
Luiz Carlos PSDB Sim AP
Mara Rocha PSDB Sim AC
Mariana Carvalho PSDB Sim RO
Nilson Pinto PSDB Sim PA
Paulo Abi-Ackel PSDB Sim MG
Pedro Cunha Lima PSDB Sim PB
Roberto Pessoa PSDB Sim CE
Rodrigo de Castro PSDB Sim MG
Rose Modesto PSDB Sim MS
Ruy Carneiro PSDB Sim PB
Samuel Moreira PSDB Sim SP
Shéridan PSDB Sim RR
Tereza Nelma PSDB Não AL
Vanderlei Macris PSDB Sim SP
Vitor Lippi PSDB Sim SP
Abou Anni PSL Sim SP
Alexandre Frota PSL Sim SP
Aline Sleutjes PSL Sim PR
Alê Silva PSL Sim MG
Bia Kicis PSL Sim DF
Bibo Nunes PSL Sim RS
Cabo Junio Amaral PSL Sim MG
Carla Zambelli PSL Sim SP
Carlos Jordy PSL Sim RJ
Caroline de Toni PSL Sim SC
Charlles Evangelista PSL Sim MG
Chris Tonietto PSL Sim RJ
Coronel Armando PSL Sim SC
Coronel Chrisóstomo PSL Sim RO
Coronel Tadeu PSL Sim SP
Daniel Freitas PSL Sim SC
Daniel Silveira PSL Sim RJ
Delegado Antônio Furtado PSL Sim RJ
Delegado Marcelo Freitas PSL Sim MG
Delegado Pablo PSL Sim AM
Delegado Waldir PSL Sim GO
Dr. Luiz Ovando PSL Sim MS
Dra. Soraya Manato PSL Sim ES
Eduardo Bolsonaro PSL Sim SP
Fabio Schiochet PSL Sim SC
Felipe Francischini PSL Sim PR
Felício Laterça PSL Sim RJ
Filipe Barros PSL Sim PR
General Peternelli PSL Sim SP
Guiga Peixoto PSL Sim SP
Gurgel PSL Sim RJ
Heitor Freire PSL Sim CE
Helio Lopes PSL Sim RJ
Joice Hasselmann PSL Sim SP
Julian Lemos PSL Sim PB
Júnior Bozzella PSL Sim SP
Loester Trutis PSL Sim MS
Lourival Gomes PSL Sim RJ
Luciano Bivar PSL Sim PE
Luiz Lima PSL Sim RJ
Luiz Philippe de Orleans e Bragança PSL Sim SP
Léo Motta PSL Sim MG
Major Fabiana PSL Sim RJ
Major Vitor Hugo PSL Sim GO
Marcelo Álvaro Antônio PSL Sim MG
Márcio Labre PSL Sim RJ
Nelson Barbudo PSL Sim MT
Nereu Crispim PSL Sim RS
Nicoletti PSL Sim RR
Professor Joziel PSL Sim RJ
Professora Dayane Pimentel PSL Sim BA
Sanderson PSL Sim RS
David Miranda PSOL Não RJ
Edmilson Rodrigues PSOL Não PA
Fernanda Melchionna PSOL Não RS
Glauber Braga PSOL Não RJ
Ivan Valente PSOL Não SP
Luiza Erundina PSOL Não SP
Marcelo Freixo PSOL Não RJ
Sâmia Bomfim PSOL Não SP
Talíria Petrone PSOL Não RJ
Áurea Carolina PSOL Não MG
Afonso Florence PT Não BA
Airton Faleiro PT Não PA
Alencar Santana Braga PT Não SP
Alexandre Padilha PT Não SP
Arlindo Chinaglia PT Não SP
Assis Carvalho PT Não PI
Benedita da Silva PT Não RJ
Beto Faro PT Não PA
Bohn Gass PT Não RS
Carlos Veras PT Não PE
Carlos Zarattini PT Não SP
Célio Moura PT Não TO
Enio Verri PT Não PR
Erika Kokay PT Não DF
Frei Anastacio Ribeiro PT Não PB
Gleisi Hoffmann PT Não PR
Helder Salomão PT Não ES
Henrique Fontana PT Não RS
Jorge Solla PT Não BA
Joseildo Ramos PT Não BA
José Airton Cirilo PT Não CE
José Guimarães PT Não CE
José Ricardo PT Não AM
João Daniel PT Não SE
Leonardo Monteiro PT Não MG
Luizianne Lins PT Não CE
Marcon PT Não RS
Margarida Salomão PT Não MG
Maria do Rosário PT Não RS
Marília Arraes PT Não PE
Natália Bonavides PT Não RN
Nelson Pellegrino PT Não BA
Nilto Tatto PT Não SP
Odair Cunha PT Não MG
Padre João PT Não MG
Patrus Ananias PT Não MG
Paulo Guedes PT Não MG
Paulo Pimenta PT Não RS
Paulo Teixeira PT Não SP
Paulão PT Não AL
Pedro Uczai PT Não SC
Professora Rosa Neide PT Não MT
Reginaldo Lopes PT Não MG
Rejane Dias PT Não PI
Rogério Correia PT Não MG
Rubens Otoni PT Não GO
Rui Falcão PT Não SP
Valmir Assunção PT Não BA
Vander Loubet PT Não MS
Vicentinho PT Não SP
Waldenor Pereira PT Não BA
Zeca Dirceu PT Não PR
Zé Carlos PT Não MA
Zé Neto PT Não BA
Eduardo Costa PTB Sim PA
Emanuel Pinheiro Neto PTB Sim MT
Luisa Canziani PTB Sim PR
Marcelo Moraes PTB Sim RS
Maurício Dziedricki PTB Sim RS
Nivaldo Albuquerque PTB Sim AL
Paes Landim PTB Sim PI
Paulo Bengtson PTB Sim PA
Pedro Augusto Bezerra PTB Sim CE
Pedro Lucas Fernandes PTB Sim MA
Santini PTB Sim RS
Wilson Santiago PTB Sim PB
Célio Studart PV Não CE
Enrico Misasi PV Sim SP
Leandre PV Sim PR
Professor Israel Batista PV Não DF
Joenia Wapichana REDE Não RR
Luiz Antônio Corrêa S.Part. Sim RJ
Augusto Coutinho Solidaried Sim PE
Aureo Ribeiro Solidaried Sim RJ
Bosco Saraiva Solidaried Sim AM
Dr. Leonardo Solidaried Sim MT
Dra. Vanda Milani Solidaried Sim AC
Eli Borges Solidaried Sim TO
Genecias Noronha Solidaried Sim CE
Gustinho Ribeiro Solidaried Sim SE
Lucas Vergilio Solidaried Sim GO
Marina Santos Solidaried Sim PI
Otaci Nascimento Solidaried Sim RR
Paulo Pereira da Silva Solidaried Não SP
Tiago Dimas Solidaried Sim TO
Zé Silva Solidaried Sim MG
Comentário

Economia

A estratégia do governo para seu pacote de privatizações ser bem aceito

Publicado

dia

Percepção do governo é de que, embora a resistência à privatização tenha diminuído, parcela da sociedade e do Congresso ainda se opõe

Paulo Guedes, ministro da Economia: Equipe do ministério deve anunciar plano com detalhes nas próximas semanas (Palácio do Planalto/Reprodução)

A equipe econômica se prepara para anunciar nas próximas semanas os detalhes de seu ambicioso programa de privatização, mas ainda estuda a melhor estratégia para divulgar o projeto e “desconstruir” a narrativa de que a venda de estatais vai contra os interesses e a soberania do País.

A percepção no Ministério da Economia é de que, embora a resistência à privatização tenha diminuído nos últimos anos, uma parcela da sociedade e do Congresso ainda se opõe ao programa, que poderá render até R$ 450 bilhões para os cofres do governo, de acordo com um levantamento feito pelo Estado com base nas participações diretas e indiretas da União e nas concessões que estão no radar.

Até uma alternativa à palavra privatização, que estaria “estigmatizada”, está em discussão no momento.

Em princípio, segundo uma fonte do ministério envolvida no projeto, a ideia é seguir o bem-sucedido modelo adotado para a reforma da Previdência, com a realização de uma grande entrevista coletiva em Brasília.

Outra possibilidade que está sendo analisada é “fatiar” o programa e anunciá-lo por etapas, para não criar resistências desnecessárias, com a divulgação de todos os detalhes de uma vez só.

Apesar de a privatização parecer algo distante do dia a dia da população, enquanto a reforma da Previdência mexe diretamente com o bolso e as expectativas do brasileiro, tudo indica que as dificuldades para o governo tocar o programa serão iguais ou maiores do que as que ele está enfrentando com a mudança nas aposentadorias.

Mesmo levando em conta que a privatização também deverá reduzir os gastos públicos, além de permitir ao governo se concentrar nas áreas de educação, saúde e segurança e de contribuir para a diminuição da corrupção e do tráfico de influência.

Resistência

Ainda que a esquerda se oponha à privatização de forma ideológica e mais ruidosa, a resistência engloba nacionalistas e desenvolvimentistas de direita e grupos saudosos dos tempos do regime militar, quando as estatais se multiplicaram em ritmo tão ou mais acelerado do que nos governos de Lula e Dilma.

Dentro do próprio governo, diversos ministros resistem abertamente à privatização de estatais ligadas às suas pastas ou à extinção de empresas deficitárias.

Para resolver o impasse e o programa de desestatização deslanchar, o próprio presidente Jair Bolsonaro, que apoiou medidas estatizantes ao longo de sua trajetória política, terá de mostrar que a sua propalada conversão ao liberalismo tem consistência.

Ver mais

Economia

Governo inclui usina de Angra 3 em Programa de Parcerias de Investimentos

Publicado

dia

A qualificação de Angra 3 no PPI torna a obra uma prioridade nacional; o governo busca retomar a construção da usina que se arrasta por décadas

Angra 3: as obras foram iniciadas nos anos 1980 e foi paralisada naquela década, retomada apenas em 2009 no governo Lula (Brazil Photos/Getty Images)

São Paulo — O presidente Jair Bolsonaro qualificou a usina nuclear de Angra 3, sob responsabilidade da estatal Eletrobras, ao Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) do governo federal, segundo decreto publicado no Diário Oficial da União desta quarta-feira.

Empreendimentos do PPI são tratados como prioridade nacional, o que segundo o governo agiliza processos e atos de órgãos públicos para viabilizar os projetos do programa. A qualificação de Angra 3 no PPI acontece em momento em que o governo busca retomar a construção da usina em Angra dos Reis (RJ), que se arrasta por décadas.

Iniciada ainda nos anos 1980, a implementação de Angra 3 foi paralisada naquela década e retomada no governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2009. Mas o projeto foi suspenso novamente em 2015, após uma das empreiteiras contratadas para a obra admitir irregularidades em meio às investigações da Operação Lava Jato, que descobriu um enorme escândalo de corrupção no Brasil.

Segundo o decreto de Bolsonaro, a viabilização de Angra 3 passará pela definição de um “modelo jurídico e operacional” para o empreendimento, bem como pela realização de “estudos de avaliação técnica, jurídicos e econômico-financeiros, que permitam a seleção competitiva de parceiro privado”.

A atração de um novo investidor para a usina nuclear tem sido colocada pelo Ministério de Minas e Energia como essencial para viabilizar a conclusão das obras, que ainda deve demandar mais de 15 bilhões de reais.

Antes da escolha de um sócio privado para a usina, no entanto, o modelo jurídico deverá ser submetido à aprovação do Tribunal de Contas da União (TCU), de acordo com o decreto.

Caberá ao Conselho do PPI deliberar sobre o modelo e aprovar os estudos, bem como acompanhar a implementação do empreendimento.

O decreto presidencial ainda institui um Comitê Interministerial para apresentar a proposta de modelo jurídico do projeto e acompanhar a elaboração de termos de referência para contratação de estudos e avaliações necessárias.

O grupo, com prazo de 180 dias para conclusão dos trabalhos, será formado por membros do Ministério de Minas e Energia, que o coordenará, e ainda do Ministério da Economia, do Gabinete de Segurança Institucional e da Secretaria Especial do PPI.

A Eletronuclear, subsidiária da Eletrobras que administra Angra 3, ficará responsável por obter as aprovações societárias e de órgãos de controle, caso necessário, para viabilizar o empreendimento.

Ver mais

Economia

Governo muda de tática e privatizará Eletrobrás com venda de ações

Publicado

dia

Modelo de participação será diferente do de Michel Temer; agora, governo irá diminuir sua participação para menos de 50% com venda de ações

Eletrobras: governo conta com essa arrecadação de R$ 6 bilhões para conseguir desbloquear parte do Orçamento (Brendan McDermid/Reuters)

O governo prepara um novo projeto de lei para enviar ao Congresso com o objetivo de viabilizar a privatização da Eletrobras. A ideia é que a União perca o controle acionário da empresa ao diminuir sua participação dos atuais 60% para menos de 50%.

Com o dinheiro que captar com a venda das ações na B3, a bolsa paulista, a Eletrobras vai pagar à União pelo direito de operar usinas hidrelétricas a preços de mercado (hoje, a empresa só recebe por seus custos). A previsão é de um pagamento de R$ 12 bilhões.

É essa receita — a chamada outorga — que o governo contabilizará no Orçamento assim que a remodelagem da operação ficar acertada e o novo projeto de lei autorizando for aprovado pelo Congresso.

Desde o início do governo Jair Bolsonaro, a privatização da estatal ficou em banho-maria enquanto os técnicos discutiam a possibilidade de revisão do modelo de venda anunciado na gestão anterior.

A necessidade de receitas novas para fechar as contas, no entanto, acelerou as discussões internas. A medida faz parte da agenda pós-reforma da Previdência, que começa a sair do forno.

O Estadão/Broadcast apurou que o governo reconhece as dificuldades para avançar com o projeto no Congresso, mas espera ter o apoio do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, principal articulador e responsável pelo êxito na tramitação da reforma da Previdência.

Maia, no entanto, disse ao Estado, no sábado, 13, que pautas sobre privatização têm pouquíssimas chances de obter votos. Ele deixou claro que está disposto a “abraçar” pautas de Estado, e não de governo. “Privatização é uma pauta de governo. Eu defendo mas é difícil ter voto para aprovar privatização nesse ambiente que ficou nos últimos meses na Câmara”, disse.

Com os recursos da operação, R$ 6 bilhões seriam devolvidos ao consumidor, por meio de descontos tarifários – os valores iriam para um fundo setorial que paga subsídios e programas sociais e hoje é uma das maiores despesas na conta de luz. No entanto, mesmo assim, como a Eletrobrás poderá vender sua energia a preços de mercado, os descontos não vão compensar o novo preço que a empresa cobrará pela energia, o que deve aumentar as tarifas finais para o consumidor e também a resistência no Congresso.

O governo conta com essa arrecadação bilionária para conseguir desbloquear parte do Orçamento, mas só pode fazer isso quando houver uma data concreta para a operação. Mesmo os mais otimistas, porém, não acreditam que isso possa ocorrer ainda neste ano.

A Eletrobras foi excluída do Programa Nacional de Desestatização (PND) por meio de lei. O entendimento jurídico do governo é o de que, para voltar a incluí-la no PND, seria necessário, novamente aprovar um novo texto . É a mesma situação de empresas como Petrobrás, Banco do Brasil e Caixa.

A ideia de enviar um novo projeto visa a dar legitimidade ao plano, deixando claro que o governo Bolsonaro o apoia, em vez de simplesmente “ressuscitar” o texto enviado por Temer. Há, porém, poucas diferenças em relação à proposta anterior, que chegou ao Congresso em janeiro de 2018 e foi arquivada.

Fontes da equipe econômica admitem que é preciso vencer resistências no próprio governo para privatizar a Eletrobrás. Uma proposta em avaliação previa a transferência das subsidiárias Eletronorte, Chesf, Furnas e Eletrosul para a Eletropar (empresa de participações da Eletrobrás). Outra ideia seria vender as empresas em separado. Os dois modelos foram considerados de difícil implementação.

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade