Nossa rede

Saúde

Todos contaminados por covid-19? O risco da imunidade de rebanho

Publicado

dia

A estratégia funcionaria, em tese, para fazer o novo coronavírus parar de circular, mas ao custo de vidas e do colapso do sistema de saúde brasileiro

Coronavírus: o vírus teria que infectar 70% da população brasileira para parar de circular e, mesmo assim, poderia ter novos surtos no futuro (Yuichiro Chino/Getty Images)

No começo da pandemia do novo coronavírus no Reino Unido, o primeiro-ministro Boris Johnson acreditava que o fenômeno da “imunidade de rebanho” poderia ajudar a combater a doença a longo prazo. Ele logo mudou de ideia e, atualmente, o país é o terceiro no maior número de infectados, com 238.001 doentes.

A Suécia, que adotou um modelo mais flexível como prevenção à covid-19, tem tido resultados negativos: o número de mortes por milhão de pessoas é maior do que o do Brasil. Por lá, são 11 milhões de habitantes, mais de 3 mil mortes e 29.207 infectados, segundo o monitoramento em tempo real da Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos.

A teoria da imunidade consiste no efeito de proteção que surge nas pessoas quando grande parte se vacinou contra uma doença — assim, mesmo quem não tomou a vacina, fica protegido. Muitos acreditam que o indivíduo, ao contrair a SARS-CoV-2, se torna imune à ela. De tal forma, quanto mais gente for infectada, maior a chance de todos se tornarem imunes. É daí que vem o termo “imunidade de rebanho”. Com ele, todos estariam protegidos. No caso da covid-19, fica difícil imaginar que a situação possa ser resolvida dessa forma, já que ainda não existe uma vacina.

Nenhum estudo comprovou ainda se a imunidade após o contágio do novo coronavírus realmente acontece. Mesmo se acontecer, em outras variações do vírus (como a OC43 e a HKU1), as pessoas ficam imunes por um período determinado de tempo, uma vez que é a mutação é inerente aos vírus – o que nos faz pegar gripe mais de uma vez, por exemplo.

Fora isso, a estratégia da imunidade teria um custo social alta: a perda de vidas, não só de pessoas em grupos de risco, mas também de jovens e pessoas aparentemente saudáveis.

Em países como o nosso, o tamanho da população, de mais de 200 milhões, poderia causar um grande número de mortes, dada a atual taxa de letalidade de 6,7% do novo coronavírus no Brasil. Em um estudo no começo da quarentena, o Imperial College de Londres, um dos institutos de pesquisa mais respeitados do mundo, estimou que as medidas de distanciamento social poderiam poupar mais de 1 milhão de vidas no Brasil.

Além da atuação de profissionais de saúde qualificados, da infraestrutura de hospitais e do acesso a serviços de saúde em um país, outro fator que causa o aumento da taxa de mortalidade do vírus é a subnotificação de casos assintomáticos ou com sintomas leves, de acordo com o biólogo, pesquisador e divulgador científico Atila Iamarino, em entrevista concedida à exame. em abril.

Para médico sanitarista Gonzalo Vecina Neto, ex-presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), a estratégia da imunidade rebanho não funciona no Brasil porque o sistema de saúde não teria capacidade para lidar com o grande número de internações que seriam necessárias para que o vírus parasse de circular.

“Se toda a população de uma cidade, país, ou do mundo, tiver coronavírus, o vírus deixa de circular. Mas não é preciso  mundo que todos seja infectados. Há uma regra que existe que se o contágio chega a 70% das pessoas, o vírus não consegue achar os outros 30% e deixa de circular, desaparece. Mas ele pode voltar um tempo depois, quando aumentar a população, por nascimento ou imigração, que não foi infectada. Isso é o que se chama de imunidade de manada. No caso da covid-19, 40% de quem tem a doença nem percebe que teve, 15%  precisam de internação em hospital e 5% vão para a UTI. Se precisarmos internar 20% da população, seriam mais de 29 milhões de internações. Isso causaria colapso no sistema de saúde brasileiro”, afirma Vecina Neto.

“Se 0,36% pessoas morrerem, vão morrer mais de 529 mil pessoas no Brasil. A imunidade de manada é muito cara. No resto do mundo, o mesmo aconteceria”, diz.

Por conta do custo de vidas da estratégia, pesquisadores e médicos reforçam a importância da quarentena e das medidas de distanciamento social para evitar a propagação do vírus e causar um achatamento da curva no número de contágios para que o sistema de saúde global não enfrente um colapso, no qual os hospitais teriam que atender o máximo de pessoas possível e deixar as demais em uma fila de espera.

Portanto, a esperança para o fim da pandemia se concentra no desenvolvimento de uma vacina eficaz contra o coronavírus. Na revista exame. informamos que existem cerca 100 vacinas e 200 medicamentos em fase de testes no mundo. Ainda assim, a taxa de aprovação de novos medicamentos nos últimos anos foi de apenas 16%, o que demonstra a complexidade do desenvolvimento de estratégias eficazes no combate a novas doenças infecciosas.

Clique para comentar

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Saúde

Consumo de suplementos cresce na pandemia. Mas quando usar?

Publicado

dia

Pesquisa mostra que a procura por esses produtos aumentou no Brasil com a Covid-19 — muito pela alegação de que melhoram a imunidade

Investir em suplementos sem antes tentar acertar a alimentação é uma furada. Foto: Deborah Maxx/SAÚDE é Vital.

 

A pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2) pode ter contribuído para a população brasileira usar mais suplementos alimentares. Ao menos é o que sugere um levantamento encomendado pela Associação Brasileira da Indústria de Alimentos Para Fins Especiais e Congêneres (Abiad).

Foram realizadas 275 entrevistas no mês de maio nas cidades de Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Fortaleza, Brasília e Belém. Em todo os lares avaliados, pelo menos um morador recorria aos suplementos. O estudo indica que 48% desses usuários passaram a ingerir mais multivitamínicos e afins. Outros 47% mantiveram a mesma taxa de consumo, enquanto apenas 5% diminuíram.

De acordo com a engenheira de alimentos Tatiana Pires, presidente da Abiad, o crescimento era esperado. “Os respondentes já se preocupavam com a saúde. Na pesquisa que realizamos anteriormente, concluímos que eles mantêm um estilo de vida equilibrado e buscam informações sobre isso”, relata.

No período da pandemia, a maior justificativa para o aumento da busca foi melhorar a imunidade (63%), sendo que 9% dos indivíduos mencionaram especificamente a Covid-19. Os três tipos mais procurados foram multivitamínicos (28%), vitamina C (26%) e vitamina D (8%).

Mas atenção: não há evidência de que suplementos reduzam o risco de infecção pelo novo coronavírus. Em um documento que aborda diferentes tratamentos contra essa infecção, a Sociedade Brasileira de Infectologia afirma: “Não há comprovação de benefício do uso de vitaminas C ou D, nem de suplementos alimentares, como zinco, exceto em pacientes que apresentam hipovitaminose ou carência mineral”.

O recado, aliás, não vale apenas no contexto do Sars-CoV-2. De acordo com uma revisão de 29 estudos liderada pelo Instituto Cochrane, a suplementação de vitamina C não preveniu resfriados, por exemplo. A substância pode reforçar o sistema imune, mas em doses normais, que são atingíveis com uma alimentação minimamente balanceada.

No mais, extrapolar a dose diária preconizada de certos nutrientes por meio da suplementação pode aumentar o risco de problemas de saúde, como mostramos neste especial.

Chama a atenção o dado de que apenas 20% dos participantes do levantamento da Abiad consultaram profissionais da saúde antes de aumentar o consumo de suplementos na pandemia. Tatiana pondera que as pessoas avaliadas já eram acompanhadas por especialistas e que a suplementação não necessariamente precisa de endosso médico.

Antes da Covid-19, segundo dados da entidade, pouco mais da metade dos usuários de suplementos o fazia seguindo orientação de um médico ou nutricionista. A redução nas consultas observada agora é, de acordo com a Abiad, reflexo direto do isolamento social e do maior distanciamento dos profissionais no período. A questão é: como saber se você sofre alguma carência sem exames ou uma avaliação pormenorizada da dieta?

Por fim, o estudo revela que 70% daqueles que aumentaram o consumo desses produtos desejam manter o hábito após a pandemia. Para Tatiana, a ideia faz sentido se pensarmos que a maioria dos brasileiros não atinge a meta de ingerir pelo menos 400 gramas de frutas, verduras e legumes, como sugere a Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Os suplementos alimentares são aliados para fornecer nutrientes e complementar uma alimentação saudável. Ao longo dos últimos cinco anos, desde a primeira pesquisa sobre os hábitos de consumo no Brasil, houve um amadurecimento do uso da categoria, maior consciência do consumidor e segurança no uso”, analisa a presidente da Abiad.

Nutrientes em prol da imunidade
Ok, o excesso de uma ou outra vitamina pode não trazer proteção adicional contra o coronavírus. Mas, de fato, há substâncias presentes em alimentos que, na quantidade adequada, beneficiam o sistema imunológico de maneira geral.

O zinco (mineral encontrado em carnes, frutos do mar, peixes, cereais integrais) é um deles. A aclamada vitamina C, presente em frutas cítricas e famosa por seu potencial antioxidante, é outro. A capacidade antioxidante do selênio, abundante na castanha-do-Pará, também o coloca como aliado contra infecções.

Algumas pesquisas dão conta de que a vitamina D, obtida por meio da exposição aos raios solares e do consumo de certos pescados, favoreceria o trabalho das nossas células de defesa.

A melhor forma de obter quantidades adequadas dessas substâncias é através da dieta e de bons hábitos. Se houver carências, o profissional de saúde pode prescrever exames e suplementos para corrigi-las.

Ver mais

Saúde

Ameba “comedora de cérebro” gera preocupação nos EUA

Publicado

dia

Chamada de Naegleria fowleri, a ameba é encontrada normalmente em água morna e entra no corpo pelo nariz

 

Febre, naúsea, vômito, rigidez na nuca, perda de olfato e paladar e dor de cabeça — esses são os sintomas de muitas doenças, como gripe, resfriado e podem até sinalizar um quadro do novo coronavírus. Os Estados Unidos, epicentro do vírus no mundo, no entanto, estão vendo uma outra doença surgir em meio à pandemia da covid-19. Segundo autoridades de saúde do estado americado da Flórida, um caso raro de uma ameba “comedora de cérebro” foi confirmado recentemente.

Chamada de Naegleria fowleri, a ameba é encontrada normalmente em água morna e entra no corpo pelo nariz e assim viaja até o cérebro do infectado. Geralmente fatal, ainda não se sabe o estado de saúde do infectado.

A recomendação do Departamento de Saúde da Flórida para evitar novos contágios é para que os habitantes do estado evitem o contato nasal com água ao mergulhar em rios, lagoas e até mesmo com água encanada.

A infecção é mais comum no sul do país, mas, apesar disso, ainda é considerada rara. Desde 1962, a Flórida registrou 37 casos. Nos EUA, a doença já afetou 143 pessoas nos últimos 58 anos — dessas, apenas quatro sobreviveram. Em 2019, a ameba fez uma vítima fatal no país. Lily Avant tinha dez anos e contraiu a infecção ao nadar em um rio no Texas. Em 20 dias, a menina estava morta.

A maioria dos doentes morre em até uma semana e estimativas apontam que 97% deles falecem.

Não há casos recentes no Brasil.

O que é a “ameba comedora de cérebro”?

Naegleria fowleri é uma ameba microscópica e unicelular (ou seja, tem apenas uma célula). A infecção, segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) americano é responsável pela meningoencefalite amebiana primária (MAP), infecção cerebral “devastadora” e principal causadora da morte dos infectados.

A infecção ocorre, normalmente, quando as pessoas nadam em rios e lagos, mas também pode acontecer quando a pessoa tem contato com outras fontes contaminadas (até piscinas e água de torneira entram na lista). O CDC afirma que a pessoa não pode ser infectada pela ingestão.

A ameba, depois de entrar pelas vias nasais, começa sua viagem se alimentando dos tecidos do olfato — terminando de “comer” ao chegar no cérebro do doente. Daí, ele destrói o sistema de proteção em volta do sistema nervoso e, quando o corpo percebe que algo está errado, envia células imunes para combater a infecção, o que faz com que a área fique inflamada — o que contribui para os sintomas da naúsea, dor de cabeça, vômitos e dor no pescoço. Segundo a revista científica Scientific American, a rigidez na nuca acontece por conta do inchaço na medula espinhal, o que torna o flexionamento dos músculos impossível.

Assim, a N. fowleri vai comendo cada vez mais tecidos até se instaurar a fundo no cérebro, quando os outros sintomas começam, como delírio, alucinações, confusão e até mesmo convulsões. A causa da morte pela ameba, no fim das contas, se dá mais pela pressão extrema no crânio e no inchaço causado pela resposta imune do corpo.

Ver mais

Saúde

Enfermeira do Hran supera Covid-19 e enfrenta pandemia diariamente

Publicado

dia

Entre vitórias e perdas, Cleidy Crisóstomo conta sua experiência na linha de frente

Cleidy está entre os milhares de heróis da saúde que atuam na rede pública de saúde do DF: Foto: Breno Esaki/Agência Saúde

A capacidade de superar as dificuldades e se tornar mais forte descreve bem a enfermeira Cleidy Crisóstomo. Poucos dias após se tornar a gerente de Enfermagem do Hospital Regional da Asa Norte (Hran), ela precisou lidar de frente com o inimaginável: uma pandemia global, causada por um inimigo invisível. Desde então, tem enfrentado uma sucessão de desafios que marcaram sua vida profissional e pessoal, incluindo a vitória contra à Covid-19.

“É engraçado como nesses momentos damos mais valor as coisas simples. Quando eu estava de quarentena, perdi o olfato e não conseguia sequer espirrar direito. Sempre gostei de sentir o cheiro das coisas, e isso me fazia muita falta. Imagina então a saudade que sentia de dar um abraço na minha filha de 10 anos e nos meus pais”, conta a servidora.

Os 15 dias que precisou ficar em isolamento foram mais desafiadores do que Cleidy poderia imaginar. Principalmente porque, justamente nesse período, seu pai sofreu um derrame.

“Tudo isso mexe muito com o emocional. Fiquei muito apreensiva com tudo aquilo. Mas graças a Deus meu pai está bem agora. Minha filha chorou quando finalmente pode me ver”, lembra a enfermeira, emocionada.

Mas, infelizmente, a gerente também sofreu perdas na linha de frente contra o coronavírus. Entre elas, a morte de um colega técnico de Enfermagem que trabalhava no Hran, vítima da Covid-19. Ele foi o primeiro profissional de saúde do hospital a falecer devido ao vírus. “Foi uma perda trágica. Ele era muito humilde, tranquilo e deixou muitas saudades na equipe”, recorda.

Saudade
Outro tipo de saudade sentida por Cleidy é a de estar mais próxima da família. Assim como outros profissionais de saúde envolvidos no atendimento dos pacientes com coronavírus, ela precisou ficar hospedada no hotel Grand Bittar desde 22 de maio.

Apesar da falta que faz o abraço da filha, um sentimento de segurança tem sido constante para a enfermeira. “Mesmo sendo horrível ficar longe da família, no final é uma experiência boa, porque traz certo conforto sair do trabalho sem nos preocupar em expor nossos familiares ao vírus. Com a renovação recente da hospedagem, sinto que nosso trabalho está sendo reconhecido”, comenta.

Enquanto isso, de 15 em 15 dias ela tem passado pelas testagens para detectar a presença do vírus em seu organismo. Só assim consegue ter a certeza de poder visitar tranquilamente sua família e matar a saudade dos pais e da filha. Isso quando a correria do trabalho permite esses pequenos momentos.

“Além do desgaste de estar na linha de frente, os pacientes ficam dependentes e vulneráveis, porque é uma situação que afeta o emocional. É uma doença que evolui muito rápido e todo dia tem uma novidade. Em 20 anos de Hran, nunca tinha visto algo parecido”, avalia.

Enquanto a pandemia não termina, a profissional de saúde continua superando os desafios e pensando no futuro. “Ainda não dá pra prever como serão as coisas, mas torço para que tudo volte ao normal. Até o pronto-socorro lotado como era antes da pandemia tem dado saudades”, brinca a enfermeira.

*Com informações Secretaria de Saúde
Ver mais

Saúde

Coronavírus foi encontrado no esgoto de Florianópolis em novembro

Publicado

dia

Um estudo preliminar feito na UFSC traz o que pode ser a evidência mais antiga do vírus nas Américas

Coronavírus: o vírus pode ter chegado ao Brasil em novembro (Radoslav Zilinsky/Getty Images)

O novo coronavírus foi descrito cientificamente apenas em 31 de dezembro de 2019, mas algumas pistas indicam que ele pode ter surgido antes disso. No Brasil, pesquisadores encontraram o vírus em uma amostra de esgoto de novembro de 2019.  O estudo, ainda preliminar, indica que o vírus já estava em Florianópolis, Santa Catarina, mais de um mês antes de ser identificado e anunciado globalmente.

O estudo indica que o novo coronavírus chegou às Américas dois meses antes do que se sabia. O primeiro caso oficialmente reportado foi em 21 de janeiro de 2020, nos Estados Unidos. No Brasil, acreditava-se que o vírus teria chegado entre o fim de fevereiro e o começo de março deste ano.

A nova pesquisa é chamada SARS-CoV-2 in Human Sewage in Santa Catarina, Brazil, November 2019 e é assinada por 14 pesquisadores da Universidade Federal de Santa Catarina, da Universidade de Burgos, na Espanha, e da startup brasileira de saúde BiomeHub.

O estudo ainda precisa passar pela revisão de pares, uma validação da comunidade científica que atesta a credibilidade dos dados de uma pesquisa. Vale notar que um estudo semelhante com amostra de esgoto na China indica a presença do novo coronavírus em outubro do ano passado.

 

Ver mais

Saúde

EUA reserva 90% do estoque do redemsivir e acende alerta no resto do mundo

Publicado

dia

Remédio foi o 1º tratamento promissor na luta contra o novo coronavírus, da farmacêutica americana Gilead Sciences

Antiviral drug remdesivir FDA approved for treatment of novel coronavirus covid-19. The design created for photography purpose only

Os Estados Unidos compraram mais de 90% do estoque do remdesivir, primeiro tratamento promissor na luta contra o novo coronavírus, da farmacêutica americana Gilead Sciences — o que pode fazer com que os demais países, inclusive o Brasil, receba menos doses da medicação, pelo menos nos próximos três meses.

A Gilead concordou em vender mais de 500 mil tratamentos para os EUA até setembro, o que é quase toda a capacidade de produção da empresa. Em um comunicado publicado no site oficial do Serviço de Saúde e Humanidades (HHS, na sigla em inglês) americano, o diretor do órgão, Alex Azar, afirmou que “o presidente Donald Trump conseguiu um acordo incrível para assegurar que os americanos tenham acesso à primeira terapia para covid-19”.

Segundo o comunicado, a quantidade de remédios reservados significa “100% da previsão de produção da Gilead para julho, 90% da produção de agosto e 90% da produção de setembro”. O que deixa uma quantidade ínfima da medicação para os demais países gravemente afetados pela doença.

De acordo com o monitoramento em tempo real da universidade Johns Hopkins, mais de 10 milhões de pessoas estão infectadas pelo vírus no mundo e 511.909 morreram. Os Estados Unidos são o epicentro da doença, com mais de 2,6 milhões de doentes e mais de 127 mil mortes. Em segundo lugar no ranking está o Brasil, com 1.402.041 de infectados e mais de 59 mil óbitos.

As vacinas também têm preferência

O mesmo tem acontecido em relação às vacinas. Cerca de 136 estão em desenvolvimento atualmente, algumas mais avançadas do que as outras. A Coronavac, feita pela chinesa Sinovac, está entre as fases 1 e 2 de produção. Segundo a agência Bloomberg, mais de 90% das pessoas que receberam doses da vacina produzida pelo laboratório produziram anticorpos contra a covid-19 num intervalo de 14 dias. Outra que está tendo bons resultados é a da Universidade de Oxford, no Reino Unido, que está na fase 3 de testes.

E os países mais ricos estão investindo pesado para encontrar uma cura para a covid-19. Em maio, o Reino Unido investiu 79 milhões de dólares no programa de Oxford em troca de receber 30 milhões de doses. Já os Estados Unidos asseguraram 300 milhões de doses da mesma vacina ao assinar um acordo de até 1,2 bilhão de dólares com a farmacêutica britânica AstraZeneca.

A Alemanha, a Itália, a França e os Países Baixos também não ficaram para trás e assinaram um acordo com a mesma farmacêutica para receber 400 milhões de doses até o final de 2020. E em 17 de junho, a União Europeia criou uma Estratégia de Vacina Europeia para garantir o acesso à proteção para todos os integrantes do bloco econômico e 2,3 bilhões de dólares podem ter sido investidos nisso.

Ver mais

Saúde

Anticoagulante pode diminuir tempo de internação por covid-19

Publicado

dia

Rivaroxabana, remédio usado no tratamento da trombose, será testado em 600 pacientes em 40 hospitais no Brasil

Covid-19: coágulos e trombos podem complicar situação dos infectados (MR.Cole_Photographer/Getty Images)

Em maio deste ano, um  estudo observacional feito por especialistas do Hospital Mount Sinai, de Nova York (EUA), apontou que o uso de anticoagulantes no tratamento do novo coronavírus poderia melhorar o tempo de sobrevivência de pacientes graves infectados pela doença. A pesquisa foi realizada com 2.773 pacientes internados por covid-19. Destes, 28% (786) tiveram um tratamento com doses completas de anticoagulantes, uma dose maior do que é geralmente administrada em casos de coágulos sanguíneos. Foi observado, então, que o uso dos medicamentos melhorou as chances de sobrevivência dos doentes dentro e fora da UTI.

A formação de coágulos (ou trombos) é um dos principais agravantes da covid-19. Eles impedem que o sangue dos infectados circule e podem surgir em diversas partes do corpo, como os pulmões, nas pernas e no cérebro. Em muitos casos, os pacientes fatais do vírus passam pela formação de coágulos. É ai que os anticoagulantes entram: como uma opção de afinar o sangue e melhorar a circulação, evitando, assim, que um estado pró-trombótico se instaure e o infectado desenvolva um quadro mais grave.

Recentemente a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), em uma pesquisa feita em parceria com pesquisadores da Inglaterra e da Itália, testaram o anticoagulante heparina em casos de SARS-CoV-2. Os testes em laboratório se mostraram promissores e o remédio foi capaz de reduzir em 70% a infecção de células pelo novo coronavírus.

Agora se iniciam os testes clínicos de um novo anticoagulante em doses maiores. A rivaroxabana, medicamento oral usado para o tratamento de trombose venosa profunda, pode ser mais uma das opções no mercado para reduzir o tempo de internação dos pacientes por coronavírus.

A ideia do grupo brasileiro Coalizão é testar a eficácia da rivaroxabana em dose plena versus a da heparina (intravenosa) em doses menores e identificar se o primeiro será responsável por diminuir ainda mais a formação de coágulos. “A gente já conhece a eficácia e a segurança dessa droga. Mas agora queremos dar uma resposta muito importante que o mundo precisa hoje: será que se eu usar uma droga mais potente para diminuir a criação de trombos e coágulos isso pode melhorar a sobrevida dos doentes e o tempo de internação do hospital?”, questiona o doutor Renato Lopes, professor da Divisão de Cardiologia da Escola Paulista de Medicina (Unifesp), da Universidade de Duke, nos Estados Unidos, e líder da pesquisa no Brasil.

O objetivo é testar a droga em até 600 pacientes em 40 hospitais ao redor do Brasil e chegar a uma conclusão positiva em até quatro meses. Até o momento, 10 voluntários estão participando da testagem com a rivaroxabana. “Estamos muito no começo para garantir algo”, explica Lopes.

Para garantir a eficácia da pesquisa e evitar riscos (como o aumento de sangramento nos pacientes), um comitê internacional analisará todo o processo. Se algo não estiver certo na avaliação deste, o estudo será pausado.

Mas Lopes ressalta que o uso de anticoagulantes não é a cura para o novo coronavírus. “Isso é um tratamento para uma das complicações mais graves que os pacientes da covid-19 têm, que são as tromboses — que matam e deixam sequelas. Esse medicamento pode vir a salvar vidas. A gente não sabe ainda, por isso estamos estudando”, diz.

O grupo Coalização é formado pelas instituições Hospital Israelita Albert Einstein, HCor, Hospital Sírio Libanês, Hospital Moinhos de Vento, Hospital Alemão Oswaldo Cruz, BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, Brazilian Clinical Research Institute (BCRI) e Rede Brasileira de Pesquisa em Terapia Intensiva (BRICNet). O projeto conta com o apoio da farmacêutica EMS fornecendo os medicamentos hidroxicloroquina e azitromicina, da fabricante Aché fornecendo dexametasona e da gigante na área medicinal Bayer fornecendo a rivaroxabana.

Nenhum medicamento ou vacina contra a covid-19 foi aprovado até o momento para uso regular, de modo que todos os tratamentos são considerados experimentais.

De acordo com o relatório A Corrida pela Vida, produzido pela Exame Research, unidade de análises de investimentos e pesquisas da Exame, as pesquisas para o desenvolvimento de uma vacina já contam com o financiamento de pelo menos 20 bilhões de dólares no mundo. Desse valor, 10 bilhões foram liberados por um programa do Congresso dos Estados Unidos. Mais de 200 vacinas estão sendo desenvolvidas atualmente.

Segundo o monitoramento em tempo real da universidade Johns Hopkins, mais de 10 milhões de pessoas estão infectadas pelo vírus no mundo e 509.474 morreram, segundo o monitoramento em tempo real da universidade americana Johns Hopkins. Os Estados Unidos são o epicentro da doença, com mais de 2,5 milhões de doentes e mais de 129 mil mortes. Em segundo lugar no ranking está o Brasil, com 1.368.195 de infectados e 58.314 óbitos.

Ver mais

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?