Nossa rede

Brasil

Prédios precários são regra na Muzema

Publicado

dia

Baixo custo dos imóveis e falsa segurança prometida por milicianos levam pessoas de baixa renda a optarem por esse tipo de moradia

Muzema: prédios desabados na comunidade do Rio eram irregulares (Sergio Moraes/Reuters)

Rio de Janeiro – Prédios erguidos em tempo recorde junto a encostas, imóveis ocupados ainda em obras e precária infraestrutura são a regra no condomínio Figueiras do Itanhangá, na Muzema, zona oeste do Rio, onde na sexta-feira dois edifícios ruíram, matando pelo menos nove pessoas.

O baixo custo dos imóveis em comparação à média no mercado imobiliário e a falsa segurança prometida por milicianos que dominam a região acabam levando pessoas de baixa renda a adquirirem apartamentos no condomínio, que não tem autorização da Prefeitura do Rio.

Os moradores mais antigos dizem que, há menos de 20 anos, apenas casas com até dois andares eram permitidas no local. Hoje, elas são poucas em meio a dezenas de prédios erguidos em poucos meses, a maioria com o mesmo padrão – entre seis e sete andares, com quatro apartamentos por andar.

Os apartamentos de dois quartos, com cerca de 50 metros quadrados, são vendidos em média por R$ 60 mil. As condições de compra são convidativas: entrada de R$ 15 mil e o restante financiado em parcelas mensais de R$ 1 mil, sem juros. Os imóveis maiores, na cobertura dos edifícios, chegam a custar R$ 200 mil – e, também podem ser financiados sem juros.

Os prédios são construídos em questão de meses, a maioria sem nenhum tipo de laudo técnico. O novo morador recebe o imóvel pronto apenas do lado de fora. “Cada um é responsável por fazer a parte elétrica e hidráulica dentro de casa”, contou à reportagem um comprador, que pediu para não ser identificado.

Natural da Baixada Fluminense, mas hoje morando na Paraíba, ele adquiriu um apartamento em um edifício que fica a poucos metros de um dos dois que desabaram. Agora, está com medo que o imóvel seja demolido.

“Paguei R$ 18 mil de entrada, parcelado. Depois, já tinha pago mais seis parcelas. Quando soube do desabamento, vim pro Rio no mesmo dia”, narrou, explicando que conseguiu comprar uma passagem aérea em promoção. “Vou voltar de carona com um tio caminhoneiro.”

Ele disse que as condições de compra do imóvel “eram muito vantajosas, que não se encontram no mercado imobiliário”. O acordo foi feito diretamente com uma imobiliária da região. “Ela faz esse serviço para todo mundo do condomínio”, disse.

Ele falou com a reportagem em uma rua do Figueiras do Itanhangá. A via é uma das muitas que ruíram no local devido às chuvas que caíram no início da semana. O tráfego de veículos por lá é praticamente inviável.

“Parece que deu certo”

Mesmo se dizendo “conhecedor na construção civil”, o homem disse que não viu problemas quando resolveu comprar o apartamento, em meados de 2018. “Parecia que estava tudo em ordem. Olhei os prédios do lado e eram bonitos, pareciam seguros. Só que se fazem as coisas por osmose, né? Um cara constrói e parece que deu certo, aí o vizinho vai lá e faz a mesma coisa, e assim prossegue.”

Ele disse que também sabia que a área é controlada por milícias e que “tem uma taxa ‘de condomínio’ de R$ 50 por mês”, mas não viu problema nisso. “A gente sabe que tem, mas não é aquele miliciano que anda de fuzil pra cima e pra baixo”, minimizou. “Aqui os moradores dormem de janela aberta, então, e daí se é milícia. Eu quero segurança pra minha filha.”

A advogada e professora universitária Maíra Lima Vieira, de 36 anos, mora no condomínio há oito meses. Ela diz que está pagando R$ 200 mil por um apartamento de três quartos – metade foi de entrada e o restante, financiado em parcelas mensais de R$ 2 mil. Na manhã deste domingo, 15, Maíra foi ao apartamento retirar algumas roupas. O prédio em que ela mora fica na mesma rua dos dois que ruíram e está interditado, mas por ora não há previsão de que seja demolido – três prédios do entorno deverão ser derrubados pela Prefeitura quando terminar o trabalho de resgate.

Maíra diz acreditar que o edifício onde mora e outros logo abaixo são seguros. “Eles têm colunas, têm fundação, foram feitos por engenheiros, têm laudo. Os de cima que são mais precários”, pontuou. Ela defendeu o condomínio e criticou a atuação do Poder Público na região. “Existem construções irregulares na cidade inteira, no Estado todo. E alguns prédios aqui são legais, nem tudo é irregular.”

Comentário

Brasil

Câmara de SP aprova proibição de canudo plástico na capital

Publicado

dia

Projeto segue agora para sanção do prefeito; PL que proíbe que pessoas condenadas por corrupção sejam homenageadas com nomes de ruas também foi aprovado

Canudos de plástico: projeto diz que, no lugar deles, poderão ser fornecidos canudos de papel reciclável ou de material comestível ou biodegradável (Rosley Majid / EyeEm/Getty Images)

São Paulo – A Câmara de Vereadores de São Paulo aprovou nesta quarta-feira (17), em segunda votação, um projeto de lei que proíbe o fornecimento de canudos plásticos em estabelecimentos comerciais, como restaurantes, bares, padarias e hotéis. O projeto segue agora para sanção do prefeito Bruno Covas (PSDB).

O Projeto de Lei 99/2018 tem autoria do vereador Reginaldo Tripoli (PV). Pelas suas redes sociais, ele comemorou a aprovação. “Uma decisão muito importante para combater o excesso de lixo na cidade e criar uma nova visão sobre o consumo do plástico desnecessário. Agradeço à população engajada na questão, que já entendeu a urgência na mudança de hábitos.”

O projeto diz que, no lugar dos canudos, poderão ser fornecidos canudos de papel reciclável ou de material comestível ou biodegradável. Para quem descumprir o determinado, a multa imposta a partir da segunda autuação é de R$ 1 mil, e pode chegar até a R$ 8 mil em caso de reincidência, com fechamento administrativo do estabelecimento flagrado.

O vereador Fernando Holiday (DEM) votou contra o projeto, sustentando que a proibição “apenas esconde o problema real de descarte irregular de lixo”. São Paulo poderá se juntar a outras cidades que já proíbem o canudo, como o Rio de Janeiro.

Ruas

A Câmara também aprovou nesta quarta o Projeto de Lei 695/2017 que proíbe que pessoas condenadas por corrupção, entre outros crimes, possam ser homenageadas com nomes de ruas, avenidas, praças ou de equipamentos públicos como escolas e teatros na cidade de São Paulo.

“A Lava Jato vai criar uma velha geração de políticos condenados por crimes contra o Brasil, que assim que morrerem, poderão ser homenageados com nomes de ruas, já que a lei atual é subjetiva. Vemos nas ruas, pessoas defendendo condenados por corrupção e provas robustas, sem qualquer pudor”, disse o vereador Rinaldi Digilio (PRB).

 

Ver mais

Brasil

Morre catador baleado em ação na qual Exército disparou 80 tiros

Publicado

dia

Nove militares foram presos preventivamente por decisão da Justiça Militar depois que o Exército abriu investigação sobre o tiroteio

Tiros: Luciano foi baleado no dia 7 de abril, quando tentava ajudar o músico Evaldo dos Santos Rosa, de 51 anos (Nacho Doce/Reuters)

Rio de Janeiro — O catador de material reciclável Luciano Macedo, baleado durante ação de militares em Guadalupe, na zona oeste do Rio de Janeiro, morreu na madrugada desta quinta-feira (18), depois de 11 dias internado.

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, ele faleceu às 4h20, no Hospital Estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes.

Luciano foi baleado no dia 7 de abril, quando tentava ajudar o músico Evaldo dos Santos Rosa, de 51 anos, que estava dentro de seu carro e havia sido atingido por diversos tiros disparados por militares do Exército. O músico morreu no local.

Os militares também atingiram o sogro de Evaldo, Sérgio Araújo, que foi atingido nas costas, mas já recebeu alta hospitalar.

Em uma nota divulgada à imprensa, no dia da ocorrência, o Comando Militar do Leste disse apenas que um pedestre tinha sido atingido em um tiroteio, mas não assumiu a autoria dos tiros que atingiram o catador, apesar de ter assumido a responsabilidade pelos disparos que mataram Evaldo e feriram Sérgio.

Nove militares foram presos preventivamente por decisão da Justiça Militar depois que o Exército abriu investigação sobre o tiroteio, devido a inconsistências na versão dos militares envolvidos.

Segundo o Ministério Público Militar, “em tese” eles deverão responder por homicídio doloso e tentativa de homicídio. De acordo com o Comando Militar do Leste, foram constatadas inconsistências entre os fatos inicialmente reportados pelos militares envolvidos e as informações que chegaram posteriormente ao Exército.

Ação do Exército

No dia 7 de abril, militares do Exército mataram o músico Evaldo dos Santos Rosa, de 51 anos, depois de atirar 80 vezes contra seu carro. Segundo investigações, o veículo teria sido confundido com o de bandidos que estavam agindo na região.

Além do músico, também estavam no carro seu sogro, sua esposa e seu filho, de sete anos. A família estava a caminho de um chá de bebê, quando a ação começou.

Quase uma semana depois da operação, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que foi um “incidente” a morte do músico. Em entrevista, ele disse que o Exército “não matou ninguém” e que a instituição não pode ser acusada de ser “assassina”.

“O Exército é do povo. A gente não pode acusar o povo de assassino. Houve um incidente. Houve uma morte. Lamentamos ser um cidadão trabalhador, honesto”, afirmou.

 

Ver mais

Brasil

Número de mortos em desabamento de prédios no Rio sobe para 20

Publicado

dia

Corpo de Bombeiros busca por pelo menos três desaparecidos nos escombros. Os dois prédios desabaram na manhã de 12 de abril

Muzema: número de mortos no desastre chega a 20 pessoas (Sergio Moraes/Reuters)

Os bombeiros resgataram na manhã de hoje (18) o corpo de uma mulher dos escombros dos prédios que desabaram na comunidade da Muzema, na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro. Com isso, o número de mortos no desastre chega a 20 pessoas. Oito pessoas ficaram feridas.

O Corpo de Bombeiros busca por pelo menos três desaparecidos nos escombros. Os dois prédios desabaram na manhã de 12 de abril.

Os edifícios não tinham autorização da prefeitura e tiveram suas obras embargadas em novembro do ano passado. A Polícia Civil investiga agora os responsáveis pela obra e pela venda dos imóveis.

 

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade