Nossa rede

Política BSB

Polícia Federal cumpre mandados em endereços ligados a Fernando Pimentel

Publicado

dia

Ação faz parte da Operação Monograma, que investiga crimes eleitorais e lavagem de dinheiro

Pimentel é investigado pela suspeita de caixa dois na campanha de 2014 que o elegeu governador de Minas
(foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)

O ex-governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), é um dos alvos da operação Monograma, desdobramento da Acrônimo, comandada pela Polícia Federal em 2015. A PF cumpre na manhã desta segunda-feira (12/8) dois mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao ex-governador.

A operação Monograma investiga crimes eleitorais e lavagem de dinheiro. A suspeita recai sobre empresas de consultoria que teriam simulado a prestação de serviços para o recebimento de vantagens ilícitas em montante superior a R$ 3 milhões.

“Corroboradas por colaboração premiada, as provas indicaram que os valores recebidos decorreram de atuação de agente político em benefício de negócios de empresa brasileira no Uruguai. Em razão de novo entendimento jurisprudencial, as investigações, que anteriormente eram conduzidas pelo Superior Tribunal de Justiça, passaram a tramitar na 32ª Zona Eleitoral em Belo Horizonte a partir de em junho de 2019”, informa nota da PF.

Em nota, o advogado Eugênio Pacelli, que faz a defesa de Fernando Pimentel, criticou a nova operação da PF: “Estranhamos a medida, que se refere a fatos de 2014. E a Operação Acrônimo já adotou todas as medidas possíveis. Estamos contribuindo, colocando tudo à disposição, apesar do excesso que carateriza essa busca e apreensão”.

 

Comentário

Política BSB

”Não quero tomar o partido de ninguém”, diz Bolsonaro sobre PSL

Publicado

dia

Presidente comentou que, por enquanto, ”está tudo em paz” entre ele e o partido. Chefe do Executivo federal voltou a defender transparência dentro da sigla

foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil )

O presidente Jair Bolsonaro disse, na manhã desta quarta-feira (16/10), que não pretende promover mudanças dentro da Executiva nacional do PSL. Desde a semana passada, o chefe do Palácio do Planalto está em pé de guerra com o partido que o elegeu, e tem cobrado que a sigla seja mais transparente com a utilização dos recursos públicos que recebe mensalmente.

“O partido tem que fazer a coisa que tem que ser feita, normal. Não tem que esconder nada. Eu não quero tomar partido de ninguém. Agora, transparência faz parte, o dinheiro é público, R$ 8 milhões”, declarou Bolsonaro, em frente ao Palácio da Alvorada.

O presidente negou que esteja “tumultuando a relação” com o partido. De acordo com Bolsonaro, pelo menos por enquanto, “está tudo em paz” entre ele e o deputado federal Luciano Bivar (PSL-PE), presidente da sigla. Ele também disse não guardar mágoa de ninguém. Contudo, reforçou o desejo por transparência.

“Ah, o presidente falou em transparência. Eu falei, sim, em transparência. Então, vamos mostrar as contas e não ficar, como a gente vê notícias por aí, expulsa de lá, tira da comissão, vai retaliar”, criticou. “Não defendo nada, não quero saber de nada. Eu só quero transparência”, acrescentou.

Na última sexta-feira (11/10), Bolsonaro assinou um requerimento no qual pede que Luciano Bivar apresente a prestação de contas do partido nos últimos cinco anos para tornar públicas informações relevantes sobre as finanças do PSL. Além dele, 21 parlamentares assinaram o documento, como o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

O requerimento será submetido a uma auditoria externa. Dessa forma, os deputados federais do partido poderiam se basear em eventuais irregularidades para solicitar desfiliação da sigla por justa causa, sem que haja perda de mandato.

Em retaliação aos deputados federais que firmaram o documento, o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (PSL-GO), formalizou na quinta-feira da semana passada (10/10) o desligamento de alguns parlamentares do partido de comissões que integravam na Casa. Os afastados foram Filipe Barros (PSL-PR), Carlos Jordy (PSL-RJ), Bia Kicis (PSL-DF), Carla Zambelli (PSL-SP), Bibo Nunes (PSL-RS) e Alê Silva (PSL-MG).

Bivar e Polícia Federal

Ao mesmo tempo que enfrenta a desconfiança de uma parte do PSL, Luciano Bivar é alvo de investigação do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Pernambuco. Na terça-feira (15/10) o órgão autorizou nove mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao presidente do PSL, como a casa dele em Jaboatão dos Guararapes (PE) e a sede do partido em Recife, foram cumpridos pela Polícia Federal.

A operação, intitulada Guinhol, investiga esquema de candidaturas laranjas e de desvio do fundo partidário destinado a candidaturas femininas do partido nas eleições de 2018 no estado nordestino. “Tendo em vista que ao menos 30% dos valores do Fundo Partidário deveriam ser empregados na campanha das candidatas do sexo feminino, há indícios de que tais valores foram aplicados de forma fictícia objetivando o seu desvio para livre aplicação do partido e de seus gestores”, informou a Polícia Federal, em nota.

Em nota, o escritório do advogado Ademar Rigueira, que faz a defesa de Luciano Bivar e do PSL em Pernambuco, disse ver com “estranheza” o momento em que a operação foi realizada, tendo em vista que o partido passa por um momento de conflito com o Poder Executivo. “A busca é uma inversão da lógica da investigação, vista com muita estranheza pelo escritório (de defesa), principalmente por se vivenciar um momento de turbulência política”, destacou um trecho do documento.

 

Ver mais

Política BSB

Confusão na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara

Publicado

dia

Bate boca na CCJ suspende sessão nesta terça-feira (15/10) à tarde

Presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara (CCJ), Felipe Francischini (PSL-PR) em sessão
(foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados)

O presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara (CCJ), Felipe Francischini (PSL-PR), suspendeu a sessão extraordinária após um bate boca com a vice-líder do PT, Maria do Rosário (RS) em que ele a chamou de “chata”. A expectativa é que o assunto seja retomado após a ordem do dia no plenário da casa. A reunião da comissão debatia a proposta de emenda á Constituição (Pec) 410 de 2018, que visa autorizar a prisão após julgamento em segunda instância.

A confusão começou quando parlamentares petistas insistiram que Francischini não ignorasse um requerimento com assinaturas à mesa. Ele disse que o número de assinaturas era insuficiente, mas ignorou quando Maria do Rosário, a vice-líder da oposição na Câmara, Talíria Petrone (Psol-RJ), e o líder do PSol na Casa, Ivan Valente, pediram a palavra. Após uma série de protestos, o presidente deu prioridade à fala de Ivan Valente. Maria do Rosário sentiu-se ofendida e o chamou de machista.
Cedendo aos apelos dos parlamentares de oposição, Francischini disse que, aos gritos, não conseguiria entender o que era dito. “Parece que estão matando um bezerro”, disse. Em seguida, afirmou que a vice-líder do PT, Erika Kokay, ja tinha sido respondida. “Não cabe mais, porque já foi sua questão de ordem e eu já respondi. Deputado Ivan Valente usará o tempo, respeitem o deputado Ivan Valente que utilizará o tempo de líder do PSol para falar”, disse.

Ivan Valente pediu questão de ordem e, na sequência, Alencar Santana (PT-SP) e Maria do Rosário também solicitaram questões de ordem. O presidente atendeu a fala de Alencar. “O Alencar sim, porque é machismo”, protestou a vice-líder. Claramente desconcertado, Francischini disparou. “Você é chata demais, deputada, por favor”, exclamou. Nesse momento, o presidente da sessão perdeu o controle e começou uma gritaria.
O presidente da comissão ainda insistiu. “Tudo é machismo? Eu respeito. Porque toda hora é acusação que eu sou machista, que eu sou homofóbico, e não sei o quê. Vocês só sabem gritar. Ganhem no argumento. Ganhem no regimento”, insistiu. Ele ainda tentou continuar com a sessão, mas em seguida, suspendeu. Maria do Rosário, finalmente com a palavra, disparou contra o pesselista.
“Vossa excelência não sabe o que faz nessa comissão. Vossa excelência não está a altura”, afirmou. Francischini tentou interrompê-la, mas ela insistiu que tinha um minuto para responder à ofensa e ele assentiu. “Senhor presidente, vossa excelência aprendeu de forma tão ruim com o canalha que está na presidência da república. Vossa excelência aprendeu com aqueles que batem em professores, com aqueles que jogam cachorros em educadores. Vossa excelência aprendeu com aqueles que torturam. Vossa excelência aprendeu com quem, a ser projeto de ditador?”, questionou Maria do Rosário.
“Vossa excelência nos chama na sua sala, e é cheio de mimimi. Pede desculpa. Tem sorriso de coitadinho. Mas quando aparece aqui, desmerece o nosso trabalho. Senhor presidente, eu lamento à sua impostura. Eu não sei se vou levar ao Conselho de Ética, mas eu vou pensar. O senhor acha que pode me julgar. Mas eu sou uma mulher digna e coloquei o seu presidente no banco dos réus”, avisou. Nesse momento, o presidete voltou a cortar a palavra da deputada, mas disse que concederia mais um minuto fora do regimento. Ela continuou. “Vossa excelência pensa que fala com quem? Fale com os deputados e deputadas dessa Casa com o respeito que o cargo lhe dá.”
O presidente voltou a cortar o microfone da deputada, dizer que a sessão estava suspensa e a sala se esvaziou.
Ver mais

Política BSB

PSL cancela reunião sobre possível expulsão de deputados bolsonaristas

Publicado

dia

O grupo aliado de Bolsonaro está em confronto com parlamentares ligados ao presidente da sigla, Luciano Bivar, que foi alvo de operação da PF nesta terça

Jair Bolsonaro: aliados do presidente no PSL tentam achar maneira de deixar o partido sem serem acusados de infidelidade (Marcos Corrêa/PR/Flickr)

A cúpula do PSL cancelou uma reunião que faria agora no começo da tarde na liderança do partido na Câmara. Na pauta, estava a possível expulsão de deputados da ala associada ao presidente Jair Bolsonaro.

O grupo bolsonarista está em confronto com os parlamentares ligados ao presidente da sigla, Luciano Bivar, que teve endereços como alvo da Polícia Federal nesta manhã.

O líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), negou, no entanto, que vai haver qualquer expulsão do partido.

“O seu adversário você mantém pertinho de você. Não mantém longe. Faz parte da guerra. Se você trabalha comigo e quer ser mandada embora, ai você briga comigo, eu te deixo de castigo. Agora, não vou dar de presente o que você quer”, afirmou.

O deputado sinalizou que a fala de Bolsonaro na semana passada sobre o partido, dita a um popular na porta do Alvorada, foi um sinal de que a operação da PF contra o presidente do partido deputado federal Luciano Bivar (PE), poderia acontecer.

“Só o Saci Pererê e o Papai Noel que não sabiam dessa operação da PF”, disse. “Todo mundo sabia depois da fala do presidente na semana passada. Ele deu o recado”, afirmou.

Na terça-feira passada, 8, ao ser abordado diante do Palácio da Alvorada por um apoiador que disse ser pré-candidato a vereador da legenda no Recife, Bolsonaro pediu a ele para “esquecer” o PSL e afirmou que Bivar “está queimado para caramba”.

“Nada é sem razão, sem motivo. Ok? Não viu o que eu disse? Bivar estava esperando a PF com cafezinho”, afirmou Waldir.

 

Ver mais

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade