Nossa rede

Política SP

MPL marca data para novo ato contra aumento de tarifas em SP

Publicado

dia

Foi a primeira manifestação depois do decreto assinado pelo governador João Doria (PSDB) que proibiu o uso de máscaras ou outra forma de cobrir o rosto

Terceira manifestação do MPL (Movimento Passe Livre) contra o aumento do preço das passagens de ônibus, metrô e trem na avenida Paulista, em São Paulo (Kevin David/A7 Press/Folhapress/Folhapress)

O Movimento Passe Livre (MPL) fez nesta terça-feira, 22, a primeira manifestação em São Paulo depois do decreto assinado pelo governador João Doria (PSDB) que proibiu o uso de máscaras ou de qualquer outra forma de cobrir o rosto. O protesto, contra o aumento da tarifa do transporte público, teve início na Praça da Sé, no centro da capital.

Os manifestantes começaram a marchar por volta das 18h30, quando deixaram a Praça da Sé. A polícia estimava a participação de cerca de 500 pessoas. O ato subiu a Avenida Brigadeiro Luís Antônio com críticas às gestões João Doria e Bruno Covas, ambos do PSDB. Alguns comerciantes baixaram suas portas, por precaução.

Na esquina da Brigadeiro Luís Antônio com a Rua Treze de Maio, na Bela Vista, membros do MPL queimaram uma catraca como forma de protestar contra o aumento da tarifa. Foi um ato simbólico – as chamas duraram menos de dois minutos e não houve confronto. A polícia identificou alguns mascarados e pediu para os próprios organizadores do protesto solicitarem a retirada das máscaras.

Por volta das 19h30, os manifestantes chegaram à Avenida Paulista e, em um jogral, definiram a data do próximo protesto: 30 de janeiro, uma quarta-feira.

Parte dos manifestantes, porém, continuou a caminhada em direção ao Museu de Arte de São Paulo (Masp) acompanhados por agentes da Cia. de Ações Especiais (Caep), que têm o rosto coberto até a altura dos olhos. Em seguida, desceu pela Rua Augusta. A manifestação se dispersou em pequenos grupos.

Um desses grupos acessou a Rua da Consolação e, segundo a polícia, houve um princípio de tumulto, com manifestantes chutando lixeiras. Pelo menos uma bomba de gás lacrimogêneo foi lançada para dispersá-los. Outros manifestantes seguiram para a Praça da República, onde, de acordo com os policiais, atiraram objetos contra os agentes. Na República, também houve lançamento de uma bomba de gás. Não há informações de feridos nem de detidos.

Máscaras

Durante a concentração do ato, na Praça da Sé, mediadores da Polícia Militar comunicaram aos coordenadores do MPL que, de acordo com o decreto assinado no último sábado, não seria permitido o uso de máscaras ou qualquer outra cobertura no rosto. Os coordenadores do MPL consideram o decreto “inconstitucional” e uma forma de “proibir qualquer manifestação de rua”. O MPL disse que não reprimiria manifestantes que cobrirem o rosto.

Ainda na concentração, os policias recolheram ao menos uma máscara de gás que estava com um manifestante. A máscara foi retida em uma das bases policiais e poderá ser retirada nesta quarta-feira, de acordo com a PM. Sobre máscaras usadas pelos repórteres para acompanharem o protesto, a polícia informou que serão detidos apenas os mascarados que estiverem participando da manifestação. Os repórteres identificados poderão usá-las em caso de alguma eventualidade.Fonte: Veja

Comentário

Aconteceu

Feliciano vai insistir em impeachment de Mourão e diz que vice age como Temer foi com Dilma

Publicado

dia

Deputado, que apresentou um pedido de impeachment do vice-presidente, afirma que o plano do general é ‘roubar a cadeira’ de Bolsonaro

Em meio a conflitos quase diários entre as diversas correntes que compõem a gestão de Jair Bolsonaro —militares, olavistas, liberais, evangélicos, entre outros —,  o deputado Marco Feliciano (Pode-SP), vice-líder do governo no Congresso, apresentou formalmente um pedido de impeachment do vice-presidente Hamilton Mourão. Irritado com o que chama de “postura golpista” do vice, o parlamentar listou uma série de ocasiões em que Mourão se contrapôs a Bolsonaro, incluindo a ida a Washington para uma palestra— o convite do evento citava a “paralisia política” do governo e tratava o vice como a “voz da razão e da moderação” na administração. Em entrevista à ÉPOCA, por e-mail, o parlamentar subiu o tom e atacou Mourão , a quem chamou de “Judas”, “traidor” e “sem caráter”. Para Feliciano, o plano do vice é claro: “Roubar a cadeira do presidente”.

O que motivou o senhor a pedir formalmente o impeachment do vice-presidente Hamilton Mourão?

Eu pedi pelo bem do Brasil. Em favor da estabilidade das instituições e das reformas estruturais. Não é possível que o vice-presidente da República contradite diariamente o presidente em público. Não é possível que ele se coloque o tempo todo como alternativa de poder, em uma postura golpista à luz do dia. Isso gera instabilidade e mina a autoridade presidencial, mina a instituição Presidência da República, o que é ruim para o país e ruim para as reformas. Casa dividida não para em pé, e para aprovar a nova Previdência o governo tem que mostrar força e unidade. Mourão estava prejudicando muito isso.

No pedido, o senhor lista exemplos de vezes em que Mourão “contraditou” o presidente Jair Bolsonaro. O exercício do contraditório não é normal dentro de um governo? Ou o senhor avalia que o vice-presidente extrapolou?

A diversidade de opiniões é normal e saudável, mas o que é inaceitável é que sejam feitas quase que diariamente e em público, pois isso desgasta a imagem do governo e do presidente. Demonstrar publicamente desunião não é bom para nenhum time. Se o vice quer ajudar, porque não fala em privado com o presidente como todos os que o antecederam no cargo de vice-presidente? Além disso, o que causa estranheza é que muitas das contraditas do Mourão atacam promessas de campanha do presidente Bolsonaro. Promessas que Mourão defendeu também, o que o transforma em um estelionatário eleitoral. Quando ele desdiz o que o presidente sempre afirmou antes e por coerência mantém agora, isso o transforma em um traidor, um Judas.

Também no pedido, o senhor afirma que a atitude do vice-presidente é “claramente conspiratória”. O senhor acha que há uma intenção deliberada dele em contribuir para a queda do presidente?

Eu gostaria de saber qual dos dois é o Mourão verdadeiro? O brutamontes da campanha eleitoral, que pretendia acabar com o 13º salário e fazer uma nova Constituição sem o Congresso, ou esse moço bem-comportado que só fala o politicamente correto que o mais raso do senso comum quer ouvir? É uma mudança muito radical. Me parece evidente que ele está sendo instruído por um bom marqueteiro, justamente para antagonizar o presidente. Isso mostra não apenas que ele é um homem sem caráter, sem identidade, que fala o que as pessoas querem ouvir, como mostra que ele tem o plano de roubar a cadeira do presidente Bolsonaro. Mourão é apenas a ponta do iceberg, a parte visível de uma conspiração. Ele é o único que fala pois não pode ser demitido, mas a quadrilha é bem maior.

O senhor é vice-líder do governo no Congresso, uma função de confiança. Sendo assim, o senhor comunicou previamente o presidente Bolsonaro sobre a apresentação deste pedido de impeachment?

Mantenho contato em linha direta com o presidente, e sempre lhe informo sobre meus atos. Mas pedi o impeachment na condição de parlamentar, não enquanto vice-líder, apesar de essa função ser justamente a de defender o governo. E o governo estava sendo atacado todos os dias, por dentro. Pois no sistema presidencialista, quem encarna o governo é o próprio presidente, que depende de sua autoridade para cumprir seu papel. Vale lembrar que foi exatamente essa a tática de (Michel) Temer para desconstruir a autoridade de Dilma (Rousseff). Já vi esse filme e não vou deixar que façam isso com meu presidente, meu amigo pessoal há dez anos, com quem travo lutas contra a esquerda desde o dia em que pisei no Congresso. A ação deliberada de Mourão é no sentido de enfraquecer a autoridade presidencial. Ele está sendo bem instruído. Se fosse um fato isolado, tudo bem, mas a situação é diária, é só ler os jornais.

  O pedido cita o fato de o Mourão ter curtido, no Twitter, uma publicação em que uma jornalista tecia elogios a ele e criticava o Bolsonaro. Este foi o estopim para a decisão do senhor de apresentar a peça?

É o conjunto da obra, pois diariamente Mourão desdiz o presidente Bolsonaro, sendo de extrema deslealdade para com ele. Isso é indigno, é indecoroso, pois tem como finalidade usurpar a posição do presidente. É só verificar as notícias. Todo dia a mesma coisa. Mas, para mim, a gota d’água foi quando a imprensa apresentou prova documental do comportamento indigno e indecoroso do Mourão, que é crime de responsabilidade. Ele aceitou convite para palestrar em uma instituição estrangeira, na capital de outro país (Estados Unidos), e no convite para essa palestra Mourão era louvado como a “voz da razão e da moderação”, como o homem capaz de guiar o país tanto na agenda doméstica como na externa. No convite, o vice é descrito como o queridinho da imprensa e crítico frequente do próprio presidente. Com sua presença no evento, Mourão chancelou tudo o que ali se passava e dizia, inclusive o escrito no convite. A curtida no Twitter foi apenas mais um dos vários atos de deslealdade. Isso tudo é golpismo à luz do dia

O artigo da Lei do Impeachment citado para embasar a peça diz que é um crime de responsabilidade “proceder de modo incompatível com a dignidade, a honra e o decoro do cargo”. Não é um conceito muito amplo para propor uma medida grave como um impeachment?

Mas é justamente para ser amplo, é o que os juristas chamam de “cláusula aberta”, colocada na lei para facilitar o julgamento político. Segundo o saudoso ministro Paulo Brossard, o impeachment se presta para afastar o mau governante, e não para punir um criminoso. Se o exercício do cargo público por determinada autoridade está sendo ruim para o país, há a possibilidade de afastamento. Mas tem que convencer 2/3 da Câmara e do Senado.

O filósofo Olavo de Carvalho aconselhou ou mesmo incentivou o senhor a apresentar o pedido de impeachment?

O professor Olavo é um visionário. Ele enxerga longe. Como eu, ele também está preocupado com o movimento de setores que não aceitam o resultado das urnas, onde o povo elegeu um projeto conservador. Como perderam no voto agora se infiltram no governo e querem destruir a revolução conservadora por dentro. Não vamos permitir.

O senhor chegou a tratar diretamente do tema com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, depois de protocolar a peça? Qual foi a posição dele?

Apenas o comuniquei por telefone que estava protocolando. Ainda não falei com o Rodrigo pessoalmente. Vamos nos falar essa semana. Certamente ele tomará a melhor decisão para o Brasil, pois hoje ele é um dos fiadores da democracia em nosso país. Há muito tempo um presidente da Câmara não tem tanto prestígio entre os deputados.

Politicamente falando, é sabido que as condições para que este pedido prospere na Câmara são baixas. Por que protocolar o pedido mesmo assim?

A política é feita de símbolos. O tiro de alerta foi dado. Estamos de olho no vice e no seu entorno, e também em outros que o ajudam às escondidas. Não passarão.

Ver mais

Política SP

Alckmin: A princípio, todos do PSDB devem votar favoravelmente à reforma

Publicado

dia

Apesar da indicação favorável ao texto, ex-governador de São Paulo fez algumas críticas ao cenário atual e a pontos da proposta

São Paulo – O ex-governador de São Paulo e presidente nacional do PSDB, Geraldo Alckmin, afirmou que “a princípio, todos os parlamentares do PSDB devem votar a favor da reforma da Previdência”. A declaração foi dada nesta segunda-feira, 18, durante palestra em evento organizado pela Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing (ADVB).

“Tem que ter uma idade mínima e uma transição que não seja longa. Se (a equipe econômica do governo federal) fizer isso, será fundamental. E o PSDB votará favoravelmente”, acrescentou Alckmin.

Apesar da indicação favorável ao texto, Alckmin fez algumas críticas ao cenário atual e a pontos da proposta. Entre elas, o fim da PEC da Bengala, que abre caminho que o atual governo indique mais ministros ao STF, e o valor de apenas R$ 400 concedidos dentro de Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Fonte Exame

 

Ver mais

Política SP

João Doria afirma que Joice Hasselmann ‘seria muito bem-vinda ao PSDB’

Publicado

dia

Mas governador paulista explica que segue parceiro de Bruno Covas e diz que não articula para que a deputada saia como candidata à Prefeitura de São Paulo

Governador de São Paulo, João Doria, na Marquês de Sapucaí (João Batista Jr/VEJA.com)

Ao contrário das evidências, o governador paulista João Doria afirmou que segue parceiro do correligionário Bruno Covas e que não articula para que a deputada federal Joice Hasselmann saia como candidata à Prefeitura de São Paulo — no lugar de Covas.

“A Joice já desmentiu sobre isso (o desejo de se candidatar)”, diz ele, presente no camarote Número 1, na Sapucaí. Mas não é bem assim. Perguntado se ele gostaria que a deputada trocasse o PSL pelo PSDB, Doria é bem claro: “Ela seria muito bem-vinda”.

Além do Carnaval de São Paulo e Rio, o governador paulista irá ainda a Salvador na terça-feira, 5. Uma agenda de quem parece estar em campanha. No camarote carioca, ele é o único a não usar a camiseta-abadá e faz selfies com todos aqueles que pedem.

Fonte Veja

 

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade