Nossa rede

Mundo

Manifestantes de Hong Kong tem um novo alvo: o filme “Mulan”

Publicado

dia

Campanha de boicote ao filme “Mulan” está entre os assuntos mais comentados do Twitter e surgiu após declarações da atriz sobre protestos em Hong Kong

Atriz que interpreta a personagem Mulan, no filme da Disney (Facebook/Divulgação)

São Paulo – Os protestos pró-democracia em Hong Kong, que acontecem há cerca de dois meses e frequentemente se tornam violentos em razão dos confrontos com a polícia local, tem agora um novo alvo: a nova edição do filme “Mulan”, da Disney. A cidade está vivendo sua maior crise política desde a sua devolução à China pelo Reino Unido, em 1997.

A polêmica envolvendo o clássico “Mulan”, que ganhará uma versão com personagens reais em 2020, começou na última quinta-feira, 15 de agosto, quando Liu Yifei, atriz que irá interpretar o papel da heroína Mulan, se manifestou sobre os protestos na cidade. Nascida na China, mas residente dos Estados Unidos, ela publicou uma mensagem de apoio à polícia de Hong Kong, gerando uma campanha de boicote ao filme.

“Eu apoio a polícia de Hong Kong. Vocês podem me atacar agora. Que vergonha para Hong Kong”, escreveu ela numa rede social chinesa. A atriz prontamente recebeu mensagens de apoio de muitos chineses usuários da plataforma, mas também muitas críticas. Agora, uma campanha de boicote ao filme ganha força no Twitter e está entre os assuntos mais comentados do dia.

“Liu é naturalizada americana. Deve ser ótimo. Enquanto isso, ela enfurece as pessoas que estão lutando pela democracia”, debochou um usuário. Outro, em tom de apoio às declarações da atriz, pediu que as pessoas “acreditem no governo, acreditem na China, acreditem no país”.

Protestos em Hong Kong

Os protestos de Hong Kong começaram há cerca de dois meses em razão de uma lei de extradição que poderia enviar criminosos para julgamento na China. As demandas dos manifestantes, no entanto, se ampliaram, tornando-se críticas ao governo chinês e sua autoridade em Hong Kong, bem como contra o governo local, escolhido por Pequim.

A tensão na cidade não deve terminar em breve, avaliam analistas, e cresce a expectativa de que o governo chinês possa enviar tropas para tentar conter as paralisações. Tal possibilidade fez gerar o temor de que um novo episódio como o massacre na Praça da Paz, em 1989, quando centenas de pessoas morreram em confrontos com soldados, se repita.

Os protestos revelaram mais do que uma insatisfação da população de Hong Kong com o governo da China, mas uma crise de identidade. Pesquisas recentes, conduzidas pela Universidade de Hong Kong, revelaram que 71% dos cidadãos de Hong Kong não se identificam como chineses e 53% enxergam como negativas as políticas do governo central na cidade.

Comentário

Mundo

Nos 75 anos de Auschwitz, sobrevivente comemora vitória contra o nazismo: ‘Eu to vivinho’

Publicado

dia

A estimativa é de que mais de 6 milhões de judeus foram mortos durante a Segunda Guerra Mundial sob as ordens do líder nazista Adolf Hitler

A pele preserva a marca que a mente tenta apagar. Aos 97 anos, a memória de Kiwa Kozuchowicz falha, mas a tatuagem não o deixa esquecer.

Depois de passar por três campos de concentração, Kiwa foi levado a Auschwitz em 1944. Lá perdeu o nome. Ele passou a ser o prisioneiro B513, número inscrito no braço esquerdo. “Fomos escolhidos uma parte para viver e outra para morrer. Mas a maior parte era para morrer.”

Foi num 27 de janeiro como está segunda-feira, há 75 anos, que o terror de Auschwitz-Birkenau, na Polônia, chegava ao fim. A data marca o Dia Internacional da Lembrança do Holocausto.

A estimativa é de que mais de 6 milhões de judeus foram mortos durante a Segunda Guerra Mundial sob as ordens do líder nazista Adolf Hitler. Mais de 1,1 milhão somente no campo polonês.

Em 1942, Joshua Strul, de 86 anos, foi levado, ainda menino, a uma estação de trem na Romênia para embarcar para Auschwitz. “Guardas da Gestapo, armados até os dentes com subetralahadores, cercando toda a estação com cães rosnando e latinod. Mulheres com filhos no colo gritando de frio e fome.”

Uma nevasca e o frio cortante adiaram o embarque para o dia seguinte, mas nunca ocorreu. Vivendo num gueto na cidade romena de Bacão, Joshua percebeu cedo que o antissemitismo havia sido incorporado pela sociedade da época.

“Me cercaram, dois garotos mais velhos do que eu. Vendo que eu tava portando a estrela amarela, simbolo do judaísmo, me bateram e me chamaram de assassino de Jesus Cristo.”

Para o presidente da Associação dos Sobreviventes Vivos do Holocausto no Brasil, Tomas Venetianer, o ódio ao povo judeu tem aumentado nos últimos anos.
Ele afirma que uma das piores faces do antissemitismo hoje é o movimento que nega a existência do holocausto.

“Alguém vir e de repente dizer que inventamos isso para ganhar dinheiro, isso machuca muito. Cada vez são menos sobreviventes que podem dizer. Podem falar o que quiser, mas eu estive lá. Eu sofri, eu passei fome, eu vi cadáveres na rua.”

Para Tomas, a missão da comunidade judaica é não deixar que a verdade sobre o holocausto se perca, mesmo que provas vivas da história como ele não estejam mais entre nós.

O professor de História Contemporânea da Universidade de São Paulo, Alexandre Hecker, ressalta que a existência do holocausto é incontestável. “Há milhares de evidências que ocorreu esse genocídio, apesar de que existam historiadores que querem negar.”

Andor Stern escapou de Auschwitz aos 13 anos. Hoje, aos 91, volta à cidade do campo de concentração para prestigiar as celebrações pelo Dia Internacional da Lembrança do Holocausto.

Depois de tantos anos, Seo Andor lida com a situação com leveza e debocha de todo o mal que viu e viveu ali. “O Hitler se fu, eu to aqui vivinho da Silva. Um abraço.”

 

Ver mais

Mundo

Trabalho provisório é maneira paliativa de resolver situação, diz diretor-geral da OMC

Publicado

dia

Para ele, alguns assuntos podem ser discutidos com maior celeridade e outros não

Representantes do Brasil e outros 16 países se reuniram na última sexta-feira (24) para defender um trabalho provisório na OMC com o objetivo de resolver acordos comerciais após uma paralisação do presidente dos EUA, Donald Trump.

Em entrevista ao Jornal da Manhã, o diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo, falou sobre a ação e as perspetivas de crescimento do comércio mundial para 2020. Ele deve se reunir em breve com o presidente norte-americano para resolver a situação.

Azevêdo vê a criação de uma instância provisória como positivo. “É um direito deles, na verdade. É uma maneira pragmática de tratar uma situação. Não é o idela porque os EUA estariam de fora, mas é apenas um mecanismo interino.”

O diretor-geral da OMC deixou claro que essa não é uma determinação definitiva. “Nós não abandonamos os esforços de encontrar uma solução permanente. Esse é um mecanismo paliativo enquanto não encontramos um entendimento definitivo.”

Ele não faz previsões de como será o encontro com Trump. “Não quer especular como essas conversas vão avançar, nem a velocidade. O contato em Davos foi muito bom. Tivemos uma conversa muito honesta, mas genérica e superficial. Ele colocou as dificuldades dele, as críticas que já conhecemos em relação a OMC e ao próprio compromisso.”

“Ficou clara uma vontade política dele de encontrar soluções para fazer mudanças necessárias na OMC — e isso muitos membros concordam, ela precisa de reformar e se modernizar. Mas o que é modernização para uns, é retrocesso para outros. Tem que ser discutido entre todos os membros para chegar em um entendimento.”

Para ele, alguns assuntos podem ser discutidos com maior celeridade e outros não. “Acho que seria razoável uma abordagem pragmática. A exemplo do acordo da China, dividido em fase um e fase dois. Talvez seja uma coisa mais ou menos assim que precisamos fazer com a OMC.”

Projeções

De acordo com o Roberto Azevêdo, as projeções para o comércio mundial para 2020 não são as mais otimistas. “Os números de 2019 ainda não foram confirmados, mas estão por volta de 1,2% de crescimento. Isso está muito abaixo do crescimento médio histórico — que é de aproximadamente 5%. Para este ano prevemos algo em torno de 2,7%.”

Isso acontece porque, segundo ele, há uma incerteza muito grande no meio dos negócios por conta de guerras comerciais, tarifas. “O clima de investimento não é muito propício e sem investimentos não crescimento, criação de empregos.”

Em relação ao Brasil, Azevêdo acha que o Brasil faz muito bem em estabelecer vínculos mais estreitos com mercados consumidores. “A economia brasileira tradicionalmente se comporta de maneira fechada e isso leva a ineficiências. No longo prazo, uma abertura maior é um passo positivo.”

 

Ver mais

Mundo

Reino Unido lança moeda especial para marcar Brexit

Publicado

dia

Cerca de três milhões de moedas serão distribuídas a bancos, correios e lojas a partir de sexta-feira

Moeda comemorativa para a saída do Reino Unido da União Europeia, dia 26/01/2020 (HM TREASURY/Divulgação)

Londres – O Reino Unido lançou neste domingo uma nova moeda de 0,50 libra esterlina cunhada para marcar a saída do país da União Europeia, que traz a inscrição “Paz, prosperidade e amizade com todas as nações” e a data do Brexit de 31 de janeiro de 2020.

Cerca de três milhões de moedas serão distribuídas a bancos, correios e lojas a partir de sexta-feira, informou o governo, com outros sete milhões entrando em circulação no final do ano.

O ministro das Finanças, Sajid Javid, que também comanda a Casa da Moeda, recebeu o primeiro lote de moedas.

“Sair da União Europeia é um momento decisivo em nossa história e esta moeda marca o início deste novo capítulo”, afirmou.

O Ministério das Finanças planejava cunhar uma moeda inscrita em 29 de março de 2019, a data original do Brexit antes que a Reino Unido pedisse para estender sua participação na UE.

Javid depois ordenou a produção para comemorar um novo prazo de 31 de outubro, mas outro atraso cancelou o lançamento e cerca de um milhão de moedas tiveram que ser derretidas.

O projeto de lei que implementa a saída do Reino Unido do bloco europeu tornou-se oficialmente lei na quinta-feira.

Depois de mais de três anos de disputas amargas sobre como, quando e se o Brexit deve acontecer, o Reino Unido deixará a UE às 23:00 GMT na sexta-feira.

 

Ver mais

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade