Nossa rede

Aconteceu

Mais estudantes relatam supostos casos de assédio em escola militarizada

Publicado

dia

Sargento de 54 anos é afastado após denúncias de importunar estudante em escola militarizada. Ele teria mandado a mensagem ”beijos no cantinho da boca” a celular de aluna de 17 anos. Outras relatam mais casos contra policiais que trabalham no colégio

Alunos exibem cartazes em protesto no interior do colégio público
(foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press)

“Beijos no cantinho da boca”. A mensagem enviada por um sargento da Polícia Militar ao telefone celular de uma aluna de 17 anos do Centro Educacional 3 (CED 3), em Sobradinho, levou os alunos da instituição a se manifestarem contra um possível série de assédios sexuais. A unidade é uma das quatro escolas com gestão compartilhada entre as secretarias de Educação e de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP-DF). Estudantes fizeram uma manifestação e cobraram medidas da direção. O caso, que veio à tona nesta terça-feira (4/6), é investigado pela Polícia Civil.
A receptora da mensagem que desencadeou a revolta é aluna do terceiro ano do ensino médio. Estuda no turno matutino, em seu primeiro ano no Centro Educacional 3. “Eu vim para cá quando fiquei sabendo que a escola iria ser militarizada. Mas esperava uma espécie de segurança aqui dentro, e não foi isso que aconteceu”, contou a menina ao Correio. Ela relatou o caso à direção do colégio na segunda-feira. No mesmo dia, o militar, de 54 anos, foi afastado da função. “Não vamos tolerar qualquer tipo de violência em nossas escolas, muito menos vinda de profissionais”, manifestou-se o secretário de Educação, Rafael Parente, no Twitter.

Também pela internet, outras alunas do CED 3 de Sobradinho divulgaram casos de assédio na escola. Apresentado-se como alunas do 6º e do 3º ano, três adolescentes afirmaram terem sido “assediadas por policiais”. “A militarização nas escolas públicas era para melhoria e até nossa segurança, até onde esperávamos. Porém, o que está acontecendo não é bem isso”, diz um dos relatos publicados. “Uma aluna foi assediada por um sargento, e a outra levou um tapa na bunda. O mesmo pegou seu número e o de sua irmã em arquivos escolares e, por meio do WhatsApp, incomodou-a com frases do tipo ‘Beijinhos no canto da boca’”, escreveu outra.

A vítima da mensagem disse que o texto não foi o primeiro ato de assédio do sargento. “Um dia, eu estava passando mal e ele disse que o único remédio que poderia me dar era uma respiração boca a boca. Depois disso, foi essa mensagem do beijo. Então, tudo isso me deixou indignada e com medo”, comentou a adolescente. Aos superiores da PM, o acusado tentou se defender alegando que queria escrever aquela frase para a esposa, mas cometeu um erro no celular.

A corporação informou que o afastamento é um procedimento padrão quando há abertura de inquérito de investigação de conduta. “O caso está sendo apurado pela Corregedoria e, até que se chegue a uma conclusão, o militar seguirá afastado”, comunicou a PM, por meio de nota.  “Sempre que há algo a ser investigado, distanciamos o envolvido para não prejudicar a apuração. Vamos colher novas provas e depoimentos para verificar se houve mesmo o assédio”, explicou o responsável pela diretoria disciplinar da instituição, major Gislando Alves. A apuração deve durar 30 dias.

Protestos

Cópia da imagem da conversa entre a garota e o sargento foi divulgada por meio das redes sociais e provocou indignação entre os alunos. Os estudantes expuseram, dentro do colégio,  cartazes com dizeres como “Basta!” e “Não ao assédio”. Para ouvir e orientar os alunos, representantes da Secretaria de Educação estiveram no CED 3 na manhã desta terça-feira (4/6). “A partir do momento em que ficamos sabendo que poderia ter tido um suposto assédio, começamos a verificar e tomar as providências”, afirmou Vanessa Garcez, secretária executiva de relações institucionais da pasta.

Um dos protestos foi marcado para o intervalo da aula, e a direção aproveitou o momento para dialogar com os estudantes. “Reunimos todas as turmas e deixamos claro que estamos abertos a receber qualquer tipo de reclamação. Em um primeiro momento, eles nos passaram que têm medo de realizar denúncias, mas dissemos que não devem se sentir coagidos ou amedrontados”, comentou a representante da educação.

Uma aluna do CED 3 relatou ao Correio ter presenciado mais de um assédio. “Eu mesma, a cada dia, fico mais desconfortável em ir para a escola. Uns policiais ficam olhando para a bunda (sic) das garotas e até fazem comentários machistas”, disse. Segundo ela, o problema acontece desde o começo do ano letivo. “A diretora falou que esse acusado que mandou as mensagens era um ótimo policial, só isso”, destacou a garota.

Responsável pela direção pedagógica da instituição, Andreia Martins garantiu ter feito todos os procedimentos necessários quando ouviu a denúncia da mensagem de assédio. “Falei à aluna envolvida que iríamos verificar tudo, conversar com as partes envolvidas e averiguar. Não consegui contato com os pais nem com a irmã responsável dela, então, pedi para ela aguardar. Até perguntei se poderia ser assim e ela concordou.” A garota afirmou que a direção só passou a dar importância ao depoimento após ver a proporção que o caso foi tomando nas redes sociais.

Mais uma manifestação está marcada para o intervalo de quarta-feira (5/6), no CED 3. “Estamos apoiando os manifestos deles, até pelo índice que temos no DF de violência contra a mulher. E também vamos trazer projetos para a escola para discutir o assédio”, disse Vanessa Garcez. O major Gislando Alves completou: “Eles deixaram claro que o protesto é contra o ato em si, não contra o modelo de gestão compartilhada.”

Depoimentos

Policiais da 13ªDelegacia de Polícia (Sobradinho) foram ao colégio, onde tomaram depoimentos. O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) divulgou em nota que “a Promotoria de Justiça de Defesa da Educação, no âmbito das suas atribuições, acompanhará o caso para verificar as medidas a serem adotadas”.

O deputado Fábio Felix (PSol) também esteve na unidade de ensino, representando a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da Câmara Legislativa. “A comissão tem atuado desde que recebeu relatos sobre a conduta de policial militar. Estamos acompanhando o caso de perto e elaboraremos relatório com as denúncias já registradas na CDH para que o GDF, a Corregedoria e o Ministério Público se pronunciem”, explicou o distrital.

Ampliação

Quatro escolas têm gestão compartilhada com a Polícia Militar no DF: os centros educacionais 3 de Sobradinho; 308 do Recanto das Emas; 1 da Estrutural; e 7 de Ceilândia. O governador Ibaneis Rocha (MDB) afirmou que o programa será continuamente ampliado. Até julho de 2019, serão 20 escolas da PMDF, número que vai dobrar até o fim do ano.
Ele prevê que, até o término de seu mandato, o DF terá 200 escolas militarizadas.

Memória: Agressão no pátio de escola

Outra instituição com gestão compartilhada entre as secretarias de Educação e de Segurança Pública foi palco de controvérsias recentes. Em 26 de abril, um policial militar foi filmado agredindo e imobilizando alunos na quadra de esportes do Centro Educacional 7, em Ceilândia. Segundo a corporação, a ação foi uma resposta para separar uma briga entre estudantes. Hoje, 40 dias após o caso, a PM disse que ainda apura se houve excesso.
Comentário

Aconteceu

Caso de vendedora arrastada pode evoluir para tentativa de homicídio

Publicado

dia

Delegado-chefe da 12ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Centro), responsável pela investigação, espera que o casal suspeito se apresente até terça-feira (18/6)

Vendedora precisava da renda dos balões para pagar contas
(foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)

O delegado responsável porinvestigar o caso da vendedora de balões arrastada por um carro na porta de uma festa junina espera que o casal suspeito pelo crime se apresente até terça-feira (18/6). A ocorrência é tratada, inicialmente, como uma lesão corporal, mas, segundo o chefe da 12ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Centro), pode evoluir até para uma tentativa de homicídio. “Somente as investigações vão poder dizer qual a proporção do fato”, explicou o delegado Josué Ribeiro.
Ele acredita que o motorista não tenha tido intenção de arrastar Marina Izidoro de Morais, 63 anos. “A passageira do carro puxou o balão da mão da vendedora, mas, possivelmente, pode não ter notado que eles estavam presos no pulso da vítima”, esclareceu o delegado.
Nas redes sociais, uma internauta contou ter visto o exato momento em que a vítima caiu no asfalto e foi arrastada pela força do veículo. A Polícia Civil tenta localizar a testemunha para colher depoimento formal dela.

Entenda o caso

Marina estava trabalhando na porta de uma escola particular de Taguatinga Sul no domingo (16/6), desde às 11h, vendendo balões. Por volta de 19h30, um casal em um carro de luxo parou na sua frente e pediu desconto nos produtos. Já na negociação eles ficaram irritados, mas pediram para levar três.

Braços ficaram com a marca da corda dos balões
(foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)

“Quando abaixei para pegar o balão para a mulher que estava no passageiro, ela puxou a corda que estava amarrada na minha mão. Quando fez isso, ele fechou o vidro e saiu me arrastando. Foi horrível, comecei a gritar por socorro. Vi a morte de perto”, lembrou a senhora.
O casal apontado como suspeito está foragido desde domingo. “Agora eu só quero justiça, eles têm que pagar pelo que fizeram. Porque eu fiquei toda machucada, quase não estou mais aqui para contar história, e vou ficar sem trabalhar, sem poder pagar minhas contas”, lamentou.
Ver mais

Aconteceu

Começam as inscrições para a castração de cães e gatos no DF

Publicado

dia

Ao todo, serão oferecidas 2 mil vagas para cadastros on-line e presenciais, que serão divididos em cinco endereços. Os interessados poderão cadastrar até três animais

Os cadastros podem ser feitos online e presenciais
(foto: Instituto Brasília Ambiental/Divulgação)

As inscrições para a castração de cães e gatos começam nesta segunda-feira (17/6) no Distrito Federal. Ao todo, serão oferecidas 2 mil vagas para cadastros on-line e presenciais. Os interessados poderão fazer a ficha de até três animais em cinco endereços diferentes: sede do Instituto Brasília Ambiental (Ibram) e nas administrações de Ceilândia, Paranoá, Taguatinga e São Sebastião.
Serão oferecidas 650 vagas pela internet a partir da 9h de desta segunda. Os interessados devem acessar o site do Ibram e realizar o cadastro. É necessário fazer o upload dos arquivos digitais contendo os dados pessoais. Confira toda a

documentação.
Já o cadastro presencial acontece na sede do Ibram nesta segunda. Serão oferecidos 250 vagas. As senhas do atendimento são distribuídas no local a partir das 8h. É necessário ter em mãos os documentos de identidade e comprovante de endereço do DF em nome do responsável ou declaração de residência.
Na terça-feira (18/6), os cadastros acontecem nas administrações de Ceilândia e Taguatinga. Ambos disponibilizarão 300 vagas de castração. Já na quarta (19/6), as inscrições são no Paranoá e São Sebastião, que vão cadastrar 250 vagas cada.
O resultado estará disponível a partir do dia 25 de junho no site do Ibram.

Serviço:

Campanha de castração de cães e gatos
Segunda-feira (17/6)- Site do Ibram disponibiliza 650 vagas e sede do Ibram, para atendimento presencial, 250 vagas
Terça- feira (18/3)- Administração Regional de Ceilândia (300 vagas) e Administração Regional de Taguatinga (300 vagas)
Quarta-feira (19/3)- Administração Regional do Paranoá (250 vagas) e Administração Regional de São Sebastião (250 vagas).
Ver mais

Aconteceu

Quase 50 municípios de Goiás enfrentam risco de desabastecimento de água

Publicado

dia

Entre eles, há oito vizinhos do DF e três que são destinos muito procurados por turistas brasilienses

Gado magro em pasto seco e queimado, durante período de estiagem em Alto Paraíso: município da Chapada dos Veadeiros é um dos que correm risco de ficar sem água este ano (foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)

 

Um ano após o fim da maior crise hídrica da história do Distrito Federal, municípios do Entorno enfrentam risco de desabastecimento de água. O alerta foi emitido pela Companhia Saneamento de Goiás (Saneago). O órgão elaborou uma lista das 46 cidades ameaçadas e apresentou ações para manter a regularidade do serviço. Entre elas, oito são vizinhas de Brasília e três, destinos muito procurados por turistas brasilienses em feriados e fins de semana.
O risco de desabastecimento tem relação com a redução do nível de capacidade dos mananciais e do período da estiagem. Para evitar impacto, o Centro de Apoio Operacional do Meio Ambiente e Urbanismo (CAO) do Ministério Público de Goiás (MPGO) enviou um ofício aos promotores das cidades pedindo que eles acompanhem e investiguem o caso.
Coordenador do CAO, o promotor Delson Leone Júnior cobra medidas de segurança, de emergência e de contingência por parte dos municípios, inclusive quanto a eventual racionamento. “O escopo da nossa ação foi levantar essas informações junto à Saneago e alertar os promotores para um cenário de desabastecimento. Sugerimos algumas providências, além de contar com a consciência da população para buscar alternativas”, contou Delson Júnior, em entrevista ao Correio.
O promotor aponta três medidas como urgentes: conscientizar a população para o uso racional da água, fiscalizar os mananciais para combater os usos irregulares e começar um processo de recuperação das bacias. “Temos recursos hídricos bastante degradados e isso impacta na qualidade e na quantidade de água. Fizemos sugestões para minimizar os impactos, e a expectativa é para que isso aconteça”, destacou Delson Júnior.
O promotor também alertou que o crescimento desordenado do Entorno aumenta a demanda por água e ultrapassa a disponibilidade. “Não se fala ainda em crise hídrica, mas de uma melhor gestão do recurso, em especial nesses municípios, cujos mananciais estão com redução da vazão. Existem medidas sendo adotadas, inclusive com apoio do Ministério Público, e verificaremos se elas serão suficientes ou não com o passar dos dias.”

Histórico de redução

Para elaborar a lista das cidades com risco de desabastecimento, a Saneago considerou o histórico do baixo nível dos mananciais. Mas só há monitoramento digital disponível para ser acessado pela população do manancial da Região Metropolitana de Goiânia. As outras bacias, principalmente as do Entorno, não têm dados on-line.
Diretor de Produção da Saneago, Wanir José de Medeiros Júnior garantiu providenciar a disponibilidade dos dados. “Desde 2015 os mananciais apresentam redução da vazão e temos feito ações para minimizar a escassez hídrica”, confirmou. O governo estadual tem investido em campanhas educativas e começou a fazer perfurações e interligação de poços artesianos, além de abastecer asilos, unidades de saúde e escolas com caminhão pipa e investir em melhorias nas estações de tratamento, segundo a Saneago.
“Assim como no Distrito Federal, em 2017 tivemos uma crise difícil com redução das vazões dos mananciais. Em 2018, essa situação foi minimizada e não houve problema de desabastecimento, mas, desta vez, o relatório demonstra risco com relação ao recurso hídrico”, reforçou Wanir Júnior.
Segundo o diretor de Produção da Saneago, servidores atuam para não haver racionamento nem rodízio de água. “Essa possibilidade sempre existe, mas, pela nossa expectativa, não deve acontecer. A probabilidade seria fazer uma manobra no sistema para reduzir a pressão (da água), o que não deve ocorrer por causa do histórico de 2018 e pelo índice pluviométrico”, explicou.
Entre as cidades do Entorno, o Novo Gama conta com apoio de abastecimento da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb). “Quando necessário, importamos água da adutora da Caesb que fica na região, mas revertemos a perda de água e reduzimos o volume importado. Com essa diminuição no prejuízo, praticamente não estamos mais contando com o recurso do Distrito Federal”, disse Wanir.
“Não se fala ainda em crise hídrica, mas de uma melhor gestão do recurso, em especial nesses municípios, cujos mananciais estão com redução da vazão. Existem medidas sendo adotadas, inclusive com apoio do Ministério Público, e verificaremos se elas serão suficientes ou não com o passar dos dias”, Delson Leone Júnior, promotor de Justiça.

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade