Nossa rede

Tecnologia

Google mostra os produtos mais procurados na véspera da Black Friday

Publicado

dia

Levantamento realizado nesta quinta-feira mostra que moda permanece como a categoria de maior crescimento; acessórios eletrônicos também têm aumento

(SOPA Images/LightRocket/Getty Images)

 

Um estudo realizado pelo Google nesta quinta-feira mostrou que a categoria de roupas teve o maior crescimento em intenção de compras na Black Friday, com aumento de 237%. O segundo lugar fica com relógio inteligente, com 208% de aumento e, o terceiro, com laptop, com aumento de 165%.  O levantamento compara dados das 11h às 13h de hoje ante o período das 9h às 11h da mesma data.

“Há muitos produtos relacionados à retomada da vida social, como roupas e relógio para monitorar exercícios, por exemplo”, diz Rodrigo Chamorro, diretor de Insights e Analytics do Google. Impossível ignorar, também, o papel da inflação elevada correlacionado à busca dos brasileiros por itens de tíquete médio mais baixo no período.

Veja a lista completa:

1 – Roupas (+237%)

2 – Relógio inteligente (+208%)

3 – Laptop (+165%)

4 – Lâmpada inteligente (162%)

5 – Máquina de café(+158%)

6 – Vinho (+154%)

7 – Tênis (+154%)

8 – Cômoda de bebê (+153%)

9 – Chapéu (+148%)

10 – Smart TV 4k (+148%)

Dentro da categoria de moda, o Google detalhou quais os termos que têm destaque no volume de intenções de busca. “Botas femininas”, “Calça pantalona branca”, “sandálias femininas”, “vestido paetê” e até “croc” aparecem na lista.

Já em relação aos eletrônicos, os smartwatches têm destaque. O Galaxy Fit 2 tem o maior destaque em volume de buscas, junto ao Amazfit Band. “A maior busca por esses itens pode refletir dois tipos de comportamento. Ou as pessoas estão procurando itens de tíquete médio mesmo ou aguardam o ápice da BF pra ver se o tíquete médio aparece melhor amanhã”, diz Rodrigo. Olhando especificamente para produtos, dados do Google Shopping desta quinta-feira mostram aumento de buscas principalmente direcionado para o smartphone Samsung Galaxy S20, Galaxy M52 e  iPhone 11.

Por fim, eletrodomésticos e eletroportáteis também têm destaque no levantamento realizado pelo Google, com termos como “geladeira brastemp frost free”, “cervejeira electrolux”, lava roupas, dolce gusto e fritadeira sem óleo.

Em relação aos móveis, uma das principais categorias da Black Friday do último ano, há aumento de buscas em categorias como cama box e guarda-roupa. “Agora que as pessoas têm uma visão um pouco melhor do modelo de trabalho, elas estão tomando decisões mais acertadas do que elas precisam dentro de casa”, diz Rodrigo.

Ampliando o olhar para as buscas, o Google também mostra quais são as 10 categorias com maior crescimento de buscas na semana de 14 a 20 de novembro ante o mesmo período do ano anterior. Nesse sentido, o topo do ranking é ocupado mais uma vez por Moda (+34%), Esportes e Lazer (+23%) e Bebidas (+17%).

Semana de 14 a 20 de novembro vs. mesmo período do ano anterior

1 – Moda  (+34%)

2 – Esportes e Lazer (+23%)

3 – Bebidas (+17%)

4 – Eletroportáteis (+11%)

5 – Beleza e Saúde (+155)

6 – Alimentos (+9%)

7 – Perfumaria (+6%)

8 – Eletrodomésticos (+4%)

9 – Cama e banho (+3%)

10 – Bebê (+3%)

A Black Friday do cashback

Se em 2020 o frete grátis foi a “grande estrela”  da Black Friday, em 2021 é o cashback que mais está presente na mente dos consumidores na hora de procurar on-line por ofertas. Ainda olhando para os dados do Google de 14 a 20 de novembro versus o mesmo período do ano anterior, a procura por cashback cresceu 38%, superando todas as demais condições comerciais analisadas.

Ainda assim, o frete grátis tem alta em relação ao mesmo período do ano anterior, refletindo a preocupação dos brasileiros com custos para entrega em um momento de inflação elevada.

Busca por condições comerciais:

  • Promoção (-4%)
  • Cupom (+7%)
  • Frete grátis (+3%)
  • Cashback (+38%)
  • Retire na loja (+6%)
  • Frete rápido (-17%)

E o varejo físico?

Para monitorar as vendas nas lojas físicas, o Google conta com ferramentas que possibilitem à plataforma entender o fluxo de pessoas que vão para os locais físicos após verem um anúncio online. por exemplo. Para a Black Friday, algumas lojas específicas receberam uma nova função, em que é possível ter mais detalhes sobre geolocalização e o reflexo disso nas lojas físicas. “Por enquanto, não são todas as lojas, mas algumas para testar essa nova função”, diz André Silva, gerente de engenharia comercial do Google Brasil.

Além disso, a companhia realizou uma pesquisa recente com foco nas principais razões pelas quais consumidores vão às lojas físicas ou realizam uma compra on-line. Do lado presencial, os principais motivos apontados foram “não esperar tanto” ou “saber se o produto está em perfeitas condições”. Já do lado do varejo digital, prevalece a oferta exclusiva para o site — mostrando que o brasileiro já entendeu os esforços de marketing das marcas ao longo dos últimos anos para comprar de forma digital.

Tecnologia

Instagram vai mostrar quem visitou seu perfil? Entenda o rumor

Publicado

dia

Por

Entenda a função da rede social que viralizou nos últimos dias

(LightRocket/Getty Images)

Um rumor de que o Instagram mostraria quem visitou o seu perfil viralizou nos últimos dias. Isso por conta de um print de um celular, em inglês, que mostrava um número de acessos a um perfil aleatório.

Após o vazamento da imagem, muitos se questionaram se na próxima atualização do Instagram a função estaria disponível. Atualmente apenas o Linkedin possui essa utilidade, mostrando quem e quantas pessoas visitaram seu perfil.

Instagram irá mostrar quem visitou seu perfil?

Apesar da foto ter viralizado nas redes sociais, ela não passa de uma montagem. No print, é possível identificar que a fonte da frase “visited your profile”, é diferente da usada originalmente pela rede social em “liked your story”.

A Meta, empresa na qual pertence o Instagram, não se posicionou oficialmente sobre o assunto.

Ver mais

Tecnologia

Netflix fará excursões gratuitas em locações de filmes e séries

Publicado

dia

Por

As visitas guiadas gratuitas de 2 horas serão realizadas de 11 a 17 de julho, em Londres, Paris e Madri

(Reprodução/Getty Images)

Filmes e séries são capazes de transportar quem assiste para diferentes cidades e épocas. Seja na série Bridgerton, pela Londres do século XIX, ou a atual Paris, em que Emily Cooper circula na série Emily em Paris. Porém, em julho, fãs das séries poderão realmente conhecer a fundo suas séries preferidas com visitas guiadas aos locais de filmagem dos conteúdos da Netflix.

Durante o verão no no Hemisfério Norte, a Netflix fará parceria com a empresa de viagens Sandemans New Europe. Poderão ser visitadas três capitais europeias: Londres, Paris e Madri.

As visitas guiadas gratuitas de 2 horas serão realizadas por uma semana, de 11 a 17 de julho. Durante o trajeto, além de conteúdos sobre as produções, também serão informadas curiosidades sobre a história do cinema e do entretenimento nas cidades.

Em Madri, será possível conhecer os bastidores das séries Cable Girls, EliteMoney Heist e Valeria, em passeios pela Gran Vía, Callao e o distrito de Chueca.  “Os guias turísticos vão te ensinar sobre os estrondosos anos 1920, os glamorosos anos 1950 e o movimento Movida Madrileña dos anos 1980”, segundo a Netflix.

Em Paris, os passeios serão focados nas séries Emily em Paris, Lupin e a próxima produção Notre-Dame, incluindo os Jardins de Luxemburgo, o Panthéon, a catedral de Notre-Dame e a Ponte Neuf.

Já em Londres, os passeios cobrirão as séries Anatomy of a Scandal, Bridgerton, Enola Holmes, The Crown e Top Boy em locais como St. James’s, West End e Lancaster House.

Os tours em Madri e em Londres serão oferecidos em inglês e espanhol. Em Paris, os tours serão oferecidos em inglês, francês e espanhol.

Informações sobre os agendamentos podem ser encontrados em netflix.neweuropetours.eu/.

Ver mais

Tecnologia

Bancos adotam o WhatsApp para atrair clientes avessos a aplicativos

Publicado

dia

Por

Instituições financeiras miram o WhatsApp porque muitos clientes ainda não usam aplicativos de bancos

(Nasir Kachroo/NurPhoto/Getty Images)

Uma cena curiosa se repete nas portas de agências bancárias em dia de pagamento do INSS ou de auxílios do governo: pessoas fazem filas para entrar e sacar dinheiro, ao mesmo tempo que mandam e recebem mensagens por meio do WhatsApp. Para os bancos, isso significa que há uma parcela do público que usa smartphone, mas ainda não está em seus aplicativos. Por isso, as instituições financeiras miram o WhatsApp.

Uma das mais utilizadas do País, a plataforma da Meta é uma ponte entre os bancos e esse público, segundo especialistas, porque simplifica a linguagem do atendimento. No lugar dos menus dos aplicativos, entra uma conversa, como a que o cliente costuma ter na agência física. No “Zap”, porém, o papo é com a inteligência artificial.

O Bradesco, por exemplo, criou a BIA, que interage com o usuário em suas plataformas. “Para nós, o WhatsApp é um canal, mas o que estamos fortalecendo é a convergência do cliente”, diz Eder Lima responsável pela experiência digital de pessoas físicas do banco. Segundo ele, a intenção é acostumar o cliente a “falar” com a BIA em qualquer canal.

No Banco do Brasil, os usuários também conversam com uma máquina inteligente. “Exploramos a conversação. O nosso assistente no WhatsApp não tem cara de URA (atendente eletrônico que identifica dígitos) porque isso não é conversacional. Incentivamos a pessoa a falar”, diz César Caseiro, líder da escola de robôs do banco. “O conceito da linguagem no digital é ter o tom de voz (linguagem) do cliente”, observa Sergio Biagini líder de serviços financeiros da consultoria Deloitte.

Andrea Carpes, diretora de atendimento ao cliente do Itaú, diz que os primeiros serviços levados para o app foram os mais fáceis e de maior demanda, como a emissão da segunda via de boletos. “O primeiro critério foi incluir o que tinha mais volume nas centrais de atendimento”, diz. Hoje, é possível abrir contas correntes pelo WhatsApp.

São vários os motivos que afastam o cliente do app do banco, incluindo o receio de gastar parte do plano de dados. “Em geral, as pessoas de uma classe social mais baixa e que tendem a ser mais jovens têm necessidades financeiras mais simples. Eventualmente, o WhatsApp atende a essas necessidades”, aponta Silvio Marote, sócio da consultoria Bain.

DO SAC AO EMPRÉSTIMO

A experiência dos bancos é recente. O BB passou a atender por WhatsApp em 2018; o Itaú entrou em 2019; a Caixa Econômica Federal (CEF), em 2020, inicialmente para dar suporte aos clientes na pandemia da covid-19, durante a qual o banco distribuiu o auxílio emergencial pago pelo governo. O Santander também colocou o pé no acelerador devido à pandemia. “Vínhamos discutindo isso há bastante tempo e, com a pandemia, se tornou mais urgente acelerar essa agenda”, afirma Marcela Ulian, superintendente executiva de negócios digitais do banco.

O Santander tem 7 milhões de clientes que usam a plataforma, e identificou que parte deles tem celulares Android com baixa capacidade de armazenamento, o que com frequência os leva a optar pelo aplicativo de mensagens da Meta em detrimento de outras plataformas.

Pesquisa do WhatsApp encomendada à Kantar apontou que, no Brasil 47% dos adultos conectados à internet realizam transações bancárias via aplicativos de mensagem. “O WhatsApp é usado massivamente no Brasil, onde a população é aberta a novas tecnologias e o sistema financeiro é bastante avançado”, disse a empresa por escrito.

RECURSOS

Com os cinco maiores bancos por lá, a corrida é para agregar funções. O Santander, por exemplo, espera dobrar o número de serviços na plataforma até o fim do ano, para 80. Os empréstimos pessoal e consignado estão nessa lista.

No início do mês, o BB foi o primeiro grande banco do País a oferecer empréstimos pessoais, para correntistas com limites pré-aprovados. “Clientes que nunca haviam contratado crédito conosco foram predominantes (nos primeiros dias)”, conta Pedro Bramont, diretor de negócios digitais e open finance da instituição.

O BB já liberou mais de R$ 2,5 milhões pela plataforma, 75% para clientes que não tinham crédito pessoal com o banco. Neste ano, pretende levar todas as linhas voltadas a pessoas físicas ao app além de soluções de investimentos e agronegócio. Em paralelo, desenvolve o piloto do atendimento via Alexa, a assistente de voz da Amazon.

Algo que ainda está por equacionar é a análise de crédito. “Para poder dar todas as possibilidades de crédito, precisamos ter uma análise de crédito muito bem feita em um tempo muito curto”, afirma Andrea, do Itaú. É algo mais complexo do que emitir a segunda via de uma fatura – mas os bancos estão abraçando o desafio.

Parceria entre bancos e plataforma esbarra em clima de competição

Os maiores bancos do País ampliam a oferta de serviços no WhatsApp, ao mesmo tempo que o aplicativo de mensagens expande seu serviço de transferências. O momento é de cooperação, mas também de competição.

No ar desde 2021, o Pagamentos no WhatsApp é operado por meio do cadastro de cartões pré-pagos ou com função débito pelos usuários. São aceitos cartões de bancos como Bradesco, Itaú, Banco do Brasil, Nubank e Inter, com bandeiras Visa e Mastercard. A Cielo, controlada por BB e Bradesco, opera o serviço, que será estendido a pessoas jurídicas. “Faz parte da estratégia, pois sabemos que isso é muito valioso para os negócios”, disse um porta-voz do aplicativo.

Os bancos veem no WhatsApp um canal importante, mas não abrem mão de ter esse cliente nos aplicativos proprietários. “Se amanhã houver um novo canal (relevante), vamos interagir lá, mas lembrando que estamos fortalecendo a BIA (inteligência artificial do banco), e não o canal”, diz Eder Lima, responsável pela experiência digital de pessoas físicas do Bradesco. Hoje, de 30% a 40% das interações da BIA são feitas pelo “Zap”.

“Ainda que a experiência seja muito interessante, há soluções em que a integração de serviços financeiros vai ser mais adequada no nosso aplicativo”, diz Pedro Bramont, diretor de negócios digitais e open finance do Banco do Brasil. O BB tem 11 milhões de usuários, pelo critério de usuários únicos nos últimos 90 dias. No primeiro trimestre deste ano, foram 129,3 milhões de interações, mais que o dobro do mesmo período de 2021.

Marcela Ulian, superintendente executiva de negócios digitais do Santander Brasil, acha difícil o WhatsApp substituir os apps de banco. “Nosso serviço tem um nível de complexidade e exige um nível de segurança, para algumas coisas, muito relevante.” Ainda assim, o aplicativo tornou-se inescapável, em especial após a pandemia.

“Hoje em dia, se o cliente está lá, eu tenho de estar. Se eu falar que não estarei porque é um risco para mim, é porque ele virou um risco para mim”, diz Andrea Carpes, diretora de atendimento ao cliente do Itaú.

Sócio da consultoria Bain, Silvio Marote considera natural que os bancos estejam no WhatsApp, dado que empresas de vários outros setores também estão. “É uma questão de quão parceiro pode ser um concorrente. O WhatsApp está numa condição em que é difícil ficar de fora.”

Ver mais

Tecnologia

Instagram bugado? Usuários relatam problemas nos Stories

Publicado

dia

Por

O aplicativo aparenta estar com problemas desde terça-feira, 28

Instagram: app aparenta estar com bugs nos Stories (Lorenzo Di Cola/Getty Images)

Desde a noite de terça-feira, 28, usuários do Instagram estão reportando problemas no aplicativo. Os bugs persistem até a tarde desta quarta-feira, 29.

As reclamações são centradas na ferramenta de Stories, as publicações que duram 24 horas.

Problemas para tirar fotos

Usuários afirmam não conseguir tirar fotos e depois criar uma postagem, além de problemas na visualização dos Stories dos amigos, que ficam reaparecendo.

Alguns comentários no site Down Detector, que registra reclamações de páginas fora do ar, apontam problemas no carregamento do feed e nas mensagens diretas.

O Instagram ainda não se manifestou sobre os bugs. Por enquanto, não há previsão de quando os Stories devem voltar ao normal.

Ver mais

Tecnologia

Karaokê no Spotify? Plataforma testa função no aplicativo

Publicado

dia

Por

Alguns usuários foram ‘premiados’ com o recurso no app, mas empresa não dá esperanças de que ele estará disponível para todos no futuro

Spotify: plataforma pode estar testando função Karaokê (Christian Hartmann/Reuters)

Alguns usuários do Spotify, plataforma de streaming de músicas, já possuem a opção que permite que se cante junto com as canções reproduzidas, e até avalia a qualidade musical das “performances”. Trata-se de um momento de testes da nova funcionalidade de Karaokê, que deve ser oferecida a todos os usuários do aplicativo no futuro.

O modo karaokê permite que os usuários cantem junto com as músicas ao mostrar as letras e reduzir ou eliminar as vozes das canções. Aqueles que foram “premiados” com a nova funcionalidade no app e já resolveram testar, relatam que ao fim da experiência, há uma nota de zero a 100, presumidamente baseada no quão boa foi a cantoria da música – como é tradicional nos karaokês comuns.

Exemplos compartilhados pelos usuários mostram que o aplicativo disse a eles que estavam “80% corretos” na apresentação da música, com um recado de que estão “no caminho para a fama”.

Todos esses detalhes são partes do teste. Alguns podem encontrá-los no aplicativo, mas outros podem nunca obtê-los, uma vez que não houve um anúncio oficial. E, aparentemente, não há um critério para que a funcionalidade surja no aplicativo, restando apenas aguardar por uma atualização.

Usuários que não obtiveram o recurso lamentaram nas redes sociais, pedindo o acesso a ele o quanto antes.

O Spotify não deu informações detalhadas sobre a funcionalidade ou seu lançamento. Em comunicado ao The Independent, a empresa indicou que o recurso pode nunca chegar a todos os usuários de fato.

“No Spotify, é rotineira a condução de um certo número de testes, em um esforço para melhorar a experiência dos nossos usuários”, disse um porta-voz. “Alguns desses testes acabam pavimentando o caminho para uma experiência de usuário mais ampla, e outros servem apenas como aprendizados importantes. Nós não temos mais notícias para compartilhar sobre nossos planos futuros neste momento”, finalizou.

(Agência O Globo)

Ver mais

Tecnologia

5G será lançado em Brasília daqui alguns dias, diz presidente da TIM

Publicado

dia

Por

As operadoras que arremataram lotes no leilão do 5G têm até o fim de setembro para começar a ofertar os serviços em todas as capitais do País

5G: tecnologia estará disponível em Brasília daqui alguns dias, de acordo com presidente da TIM (Getty Images/Getty Images)

O presidente da Telebrasil e da TIM Brasil, Alberto Griselli, afirmou nesta terça-feira, 28, que em “alguns dias” a tecnologia 5G será lançada em Brasília.

“Estamos esperando a liberação. O 5G vai virar realidade no Brasil”, disse Griselli durante abertura do Painel Telebrasil 2022 Summit. Como mostrou o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), Brasília deve ser a primeira capital a ter o sinal liberado para a ativação do 5G no Brasil.

As operadoras que arremataram lotes no leilão da tecnologia no ano passado têm até o fim de setembro para começar a ofertar os serviços em todas as capitais do País.

Na palestra, Griselli listou o que chamou de conquistas do setor nos últimos 12 meses, como o leilão do 5G e a reorganização do mercado com a saída da Oi, que concluiu a venda de seus ativos móveis para a TIM, Claro e Vivo.

De acordo com o presidente da Telebrasil e da TIM Brasil, com a transação e o processo de migração dos clientes, os consumidores podem experimentar uma melhora significativa na qualidade dos serviços, do ponto de vista de cobertura e sinal.

“Essa reorganização é mais um passo na evolução do modelo de competição baseado em volume e em valor, e com mais atenção em inovação e na qualidade ao cliente”, disse.

Griselli afirmou ainda que o segmento de telecomunicação cresceu na geração de empregos diretos, e demonstrou resiliência “forte” e centralidade na economia brasileira nos últimos anos. “Lembrando que somos uma indústria antinflacionária”, disse.

(Estadão Conteúdo)

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?