Nossa rede

Tecnologia

Google escolhe startups do Brasil com esta tecnologia para programa global

Publicado

dia

No Google Launchpad Accelerator, o foco está na seleção de negócios que usem machine learning para solucionar desafios locais

 

Escritório do Google no Vale do Silício: gigante está há anos de olho em machine learning (Brooks Kraft LLC/Corbis/Getty Images)

O Launchpad Accelerator, programa de aceleração da gigante de tecnologia Google, está há tempos de olho nas aplicações da tecnologia de machine learning — desenvolver robôs que possam aprender sozinhos e, em algumas tarefas, superarem a eficiência dos humanos. Hoje, a empresa anunciou mais oito startups brasileiras em seu programa de mentorias e conexões globais.

É a terceira vez que o Launchpad Accelerator desenvolve uma seleção específica ao Brasil. Foram escolhidos negócios que aplicam o machine learning para resolver problemas locais. de forma “interessante”. As startups atuam em mercados como comércio eletrônico, finanças, educação e saúde. Elas começarão a trabalhar com o Google em abril e seguirão até o final de junho.

Veja as novas startups brasileiras selecionadas para o Launchpad Accelerator:

Startup O que faz
Accountfy Plataforma de software como serviço que hospeda balanços financeiros e permite construir relatórios contábeis simples
Agilize Empresa de contabilidade online para poupar custos e fornecer transparência a pequenas empresas, por meio de usabilidade e automação
Blu365 Plataforma de negociação de dívidas focada no consumidor e no uso de dados
Estante Mágica Site que transforma estudantes em autores, tornando crianças as protagonistas de suas próprias histórias
Gesto Empresa de tecnologia para a saúde que usa a ciência de dados para administrar seguros na área
Rebel Plataforma que quer empoderar consumidor por meio de serviços financeiros baseados em dados.
Smarttbot Robôs de investimento focados no mercado de ações, com o objetivo de permitir o acesso de mais investidores a esse mercado
Social Miner Tecnologia para predizer se um visitante de um comércio eletrônico irá comprar ou não e criar experiências baseadas em sua jornada de compra

O Google Launchpad Accelerator

Criado em 2013, o Launchpad Accelerator Global chegou ao Brasil, à Índia e à Indonésia dois anos depois, com participantes como Nubank, Love Mondays e Quinto Andar. Desde o ano passado, criou-se o Launchpad Accelerator Brasil, versão mais regionalizada do programa. Nas edições global e local, o programa de aceleração já está presente em mais de 40 países e acelerou 41 startups brasileiras, sem contar as da nova turma.

O objetivo do Launchpad Accelerator é ajudar startups locais a criarem tecnologias atraentes, escaláveis e impactantes com o uso de tecnologias do próprio Google, além de conectá-las com negócios parecidos ao redor do mundo.

Em três meses, os negócios receberão mentorias e suporte técnico contínuos para desenvolver um projeto específico, definido no começo do programa. Alguns temas trabalhados serão a implementação das tecnologias de inteligência artificial e machine learning; práticas de liderança; e acesso a capital global. As startups também receberão entre 20 mil e 100 mil dólares em créditos de produtos Google.

Diferentemente da residência no Google Campus, as startups selecionadas para o Launchpad Accelerator já estão em estágio de negócio mais avançado. Os empreendimentos devem ter um modelo de negócio validado, em estágio de pós-aceleração; enfrentar desafios relativos à tração do seu produto e crescimento no mercado-alvo; apresentar interesse em desenvolver produtos com Android, Google Cloud Platform, inteligência artificial, machine learning e web; e possuam disponibilidade de um líder ou um membro da equipe de tecnologia ou produto participar das atividades do programa.

Histórico

No ano passado, o Google Launchpad Accelerator Brasil selecionou seis startups brasileiras que também trabalhavam com machine learning: a Contentools, que oferece um software para equipes de marketing; a Docket, que resolve a burocracia em documentações empresariais; a JetBov, plataforma em nuvem para pequenos e médios pecuaristas; a Liv Up, marca de refeições saudáveis prontas para aquecer; a Mandaê, plataforma digital que organiza a cadeia de encomendas; e a Vérios, startup de gerenciamento inteligente de investimentos.

A segunda turma do Google Launchpad Accelerator Brasil contou com as startups EasyCrédito, de cartão de crédito e empréstimo pessoal; Fhinck, focada em operações de backoffice; IDWall, de identificação de fraudes de identidade; Looqbox, que oferece buscas inteligentes para empresas; Marmotex, de marmitas corporativas; N2B, que dá dicas de nutrição por meio de um aplicativo; Nagro, focada em serviços financeiros para o setor agricultor; e TerraMagna, que realiza o acompanhamento inteligente de colheitas.

“Hoje em dia, a vantagem competitiva está nos dados obtidos por trás de um produto atraente e seu melhor uso, por meio de tecnologias como inteligência artificial e machine learning”, afirmou na época Roy Glasberg, líder global do Google Launchpad, ecoando modelos de negócio como o do Facebook e o do próprio Google.

Para Glasberg, toda startup deveria pensar em aplicar o aprendizado automático das máquinas em seu negócio – um dos negócios selecionados, por exemplo, atua no setor alimentício. “Machine learning não é uma moda, e sim um combustível para seu empreendimento. É uma tecnologia que está por aí há décadas, mas só agora ficou acessível. Todo usuário é exposto a diversos processos de machine learning ao longo de sua rotina. Se sua startup não a possui, já está perdendo no mercado.”

Fone Exame

 

Comentário

Tecnologia

Google Maps faz 15 anos com novidade para quem não tem carro

Publicado

dia

Serviço de localização adiciona novas cidades na função que traça rotas utilizando o transporte público

Google Maps: serviço do Google completou 15 anos nesta quinta-feira (Google Maps/Divulgação)

São Paulo – Como forma de comemorar os 15 anos do Google Maps, a empresa de Mountain View está ampliando o número de cidades brasileiras que passam a contar com informações de trajetos que podem ser feitos com transporte público. Antes disponível somente em algumas capitais, o recurso agora estará disponível em mais de 60 municípios.

Ao todo são 61 novas cidades que serão atendidas pela plataforma que agora passa a informar a previsão do horário de partida e chegada de ônibus municipais. Entre as regiões atendidas, destaque para Recife, Salvador, Maceió e Brasília.

Para utilizar a função basta abrir o aplicativo ou o site do Google Maps e selecionar a opção de transporte público ao buscar por uma rota. O serviço de GPS então vai indicar qual linha de ônibus é adequada e os horários previstos de partida e chegada. As informações levam em consideração o trânsito da região.

Confira abaixo as cidades passam a ser atendidas pelo serviço:

  • Águas de Lindóia
  • Além Paraíba
  • Aracaju
  • Barueri
  • Bebedouro
  • Belford Roxo
  • Brasília
  • Caieiras
  • Cajamar
  • Camaçari
  • Caruaru
  • Colatina
  • Cotia
  • Diadema
  • Franco da Rocha
  • Guararema
  • Guarulhos
  • Ilhabela
  • Itaperuna
  • Itapevi
  • Itapira
  • Itaquaquecetuba
  • Itatiba
  • Jacareí
  • Jaguariúna
  • Jandira
  • Jarinu
  • Juazeiro
  • Juiz de Fora
  • Jundiaí
  • Linhares
  • Macapá
  • Maceió
  • Mauá
  • Mogi das Cruzes
  • Mossoró
  • Natal
  • Niterói
  • Nova Iguaçu
  • Osasco
  • Parnamirim
  • Pelotas
  • Petrolina
  • Pinheiral
  • Recife e região metropolitana
  • Resende
  • Ribeirão Preto
  • Rio Grande
  • Salto
  • Salvador
  • Santa Rita
  • São Caetano do Sul
  • São Carlos
  • São Gonçalo do Amarante
  • São João da Barra
  • São Sebastião
  • Simões Filho
  • Sorocaba
  • Taubaté
  • Vitória da Conquista
  • Volta Redonda
Ver mais

Tecnologia

Anatel aprova proposta de edital para o leilão do 5G

Publicado

dia

O texto passará agora por uma consulta pública de 45 dias antes da publicação oficial

5G: o governo pretende licitar três blocos de espectro para a introdução da tecnologia no Brasil (Sergio Perez/Reuters)

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) aprovou nesta quinta-feira a proposta de edital para o leilão do 5G. O texto ainda passará por consulta pública, durante 45 dias, antes da sua publicação oficial. A decisão atende ao governo, que quer fazer a licitação até o fim deste ano.

A proposta aprovada pela Anatel está em linha com portaria do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, publicada nesta semana, com as diretrizes para o leilão. O governo pretende licitar três blocos de espectro para a introdução da tecnologia 5G no Brasil. Os valores envolvidos no leilão ainda não foram definidos.

Um acordo entre empresas de radiodifusão e de telecomunicações permitiu acréscimo de mais 100 megahertz (MHz) na faixa de 3,5 gigahertz (GHz) – considerada como porta de entrada dos serviços 5G no Brasil. Junto com os blocos que já estavam previstos para serem negociados, a inclusão dessa faixa – que será desocupada pelas TVs – no edital fará o Brasil ter um dos maiores leilões de espectro do mundo.

O edital prevê a oferta de três licenças nacionais e duas regionais em 3,5 GHz, a faixa mais importante. Uma dessas licenças regionais seria reservada exclusivamente aos pequenos provedores. Porém, se não aparecer interessado numa primeira rodada, o bloco volta a ser oferecido novamente sem a exclusividade para operadoras menores.

O texto prevê como compromissos dos blocos nacionais a instalação de fibra em municípios sem essa infraestrutura. Para os blocos regionais, o compromisso é o atendimento a municípios abaixo de 30 mil habitantes e de municípios ainda sem a tecnologia 4G.

Esse desenho pode fazer com que uma das quatro grandes operadoras nacionais (Vivo, TIM, Claro e Oi) receba uma licença menor que as demais. A aposta do setor, segundo fontes do mercado, é que esta posição que possivelmente será ocupada pela Oi, devido à condição financeira ainda delicada da tele.

O edital apresenta ainda uma divisão do país para definir os lotes regionais. O desenho será feito por meio de sete grandes áreas: as cinco regiões do país, excluindo o mercado paulista; o Estado de São Paulo; e um bloco com o Triângulo Mineiro e cidades do interior de São Paulo, Goiás e Mato Grosso do Sul.

A ideia é combinar áreas consideradas mais e menos atrativas. Se não houver interessado no Norte, essa região seria agrupada com o estado de São Paulo.

A portaria do ministério traz uma solução para o destino das antenas parabólicas usadas na recepção da TV aberta, que interferem no sinal da quinta geração da internet móvel. O documento aposta na convivência entre o 5G e as antenas parabólicas.

As teles e os radiodifusores concordam com o uso de filtros nas antenas, para eliminar as interferências. Essa solução, assim como os custos dela decorrente, só será estabelecido no edital definitivo. Os valores, estimados em R$ 500 milhões, serão pagos pelas empresas vencedoras do leilão.

O edital ainda não define, porém, uma solução para a participação da chinesa Huawei na construção da infraestrutura das redes no Brasil. A participação da empresa chinesa no desenvolvimento da tecnologia no país é um assunto que ainda não está totalmente pacificado no governo. Não há, no entanto, predisposição do Brasil em vetar a Huawei, como pressionam os Estados Unidos.

O leilão é apenas o primeiro passo para a implementação do 5G no Brasil, que ainda dependerá da expansão da infraestrutura das operadoras de telefonia. Nesse leilão, as teles vão disputar o direito de operar as bandas de frequência nas cidades e começar a oferecer a tecnologia no Brasil. Não há data para a entrada em operação do 5G no país.

Mais que uma internet de altíssima velocidade para celulares, a quinta geração de redes móveis de telefonia representará um novo marco para indústria, para agricultura de precisão, na criação de tecnologias para cidades inteligentes, segurança pública e internet das coisas.

Após a consulta pública, o edital ainda será novamente analisado pela Anatel e, na sequência, passará pelo Tribunal de Contas da União (TCU) antes de ser publicado e o leilão ser marcado.

Ver mais

Tecnologia

Celular com tela dobrável Motorola Razr chega ao Brasil por R$ 9 mil

Publicado

dia

Conhecido como “Novo V3”, smartphone com sistema Android tem tela de 6,2 polegadas que se dobra ao meio

Motorola: novo Razr tem tela dobrável de 6,2 polegadas (Lucas Agrela/Site Exame)

O primeiro celular com tela dobrável da Motorola, chamado Razr, chega ao Brasil nesta semana com preço sugerido de 8.999 reais. O produto é uma nova edição do aparelho que vez sucesso no começo dos anos 2000, sob o nome Razr V3.

O Motorola Razr é o segundo smartphone com tela dobrável a chegar ao mercado nacional. O primeiro foi o Galaxy Fold, da Samsung, que tem preço sugerido de 13 mil reais e cujas vendas aconteceram apenas via internet e por um dia no mês passado. O Razr chega com maior abrangência ao mercado e poderá ser encontrado em lojas físicas e digitais, bem como em operadoras de telefonia móvel.

O Razr, também chamado de Novo V3, tinha previsão de lançamento para janeiro deste ano no mercado brasileiro. Após atraso, o produto chega efetivamente ao mercado em meados de fevereiro, quando as entregas de produtos comprados via internet tem previsão de chegada.

Vendido a 1,5 mil dólares nos Estados Unidos, o aparelho da Motorola tem tela de 6,2 polegadas que se dobra ao meio. A proposta é que o aparelho fique menor para caber confortavelmente no bolso de uma calça ou em uma bolsa. Quando dobrado, o produto tem uma tela secundária, de 2,7 polegadas, que mostra notificações e permite interagir normalmente com aplicativos. A ideia é um pouco diferente da apresentada pelo Galaxy Fold, que tem tela de 7,3 polegadas que se dobra ao meio para ficar com tamanho de um celular comum.

O novo Razr vem com processador Snapdragon 710, um chip intermediário-avançado da Qualcomm, um dos segredos da Motorola para deixar o produto com preço inferior ao da rival Samsung. Outro é a capacidade da bateria, que é de 2.510 mAh contra os 4.380 mAh do Fold.

Segundo a previsão da consultoria americana ABI Research, as vendas de smartphones com telas dobráveis, flexíveis ou enroláveis devem chegar a 228 milhões de unidades em 2028.

A aposta no Motorola Razr é uma volta da fabricante ao segmento de smartphones topo de linha. Nessa faixa de preço, a Motorola irá brigar com aparelhos como o iPhone 11 Pro e o Galaxy Fold. Os demais celulares avançados, como o LG G8S e o Galaxy Note 10 custam menos da metade do Razr atualmente. A combinação de nostalgia e inovação será o suficiente para ajudar a Motorola a avançar no segmento de smartphones no Brasil, onde ocupa o segundo lugar em vendas? O Razr pode atrair o consumidor por ter uma proposta exclusiva — ao menos por enquanto.

 

Ver mais

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade