Nossa rede

Aconteceu

GDF fecha clínica clandestina após jovem fazer bronzeamento e ter queimadura

Publicado

dia

Estabelecimento funcionava em uma casa na Colônia Agrícola Samambaia, em Vicente Pires. Secretaria de Saúde e Agefis encaminharam equipes ao local.

A Agência de Fiscalização do Distrito Federal (Agefis) interditou nesta segunda-feira (13) a clínica clandestina de estética denunciada por uma cliente que teve lesões após sessão de bronzeamento natural. O espaço funcionava em uma casa na Colônia Agrícola Samambaia, em Vicente Pires. Blenda Soares, de 26 anos, participaria de um concurso de beleza e sofreu queimaduras na barriga e entre o pescoço e os seios após o procedimento.

Entrada da clínica de estética 'Espaço das Divas', que funciona em uma casa da Colônia Agrícola Samambaia, em Vicente Pires, no Distrito Federal (Foto: Raquel Morais/G1)Entrada da clínica de estética 'Espaço das Divas', que funciona em uma casa da Colônia Agrícola Samambaia, em Vicente Pires, no Distrito Federal (Foto: Raquel Morais/G1)

Entrada da clínica de estética ‘Espaço das Divas’, que funciona em uma casa da Colônia Agrícola Samambaia, em Vicente Pires, no Distrito Federal 

Por e-mail, a Secretaria de Saúde informou que o local passou por inspeção recentemente. A pasta aguarda análise de um auditor da Vigilância Sanitária, que voltaria à clínica nesta segunda. A Administração Regional de Vicente Pires declarou que o estabelecimento não tem alvará de funcionamento. A Polícia Civil investiga as atividades realizadas no local.

A clínica, conhecida como “Espaço das Divas”, traz na fachada a lista de serviços oferecidos: estética corporal, estética facial, design de sobrancelhas, depilação, manicure, nutrição e dieta personalizada e bronzeamento natural. A dona, Darlane de Oliveira, nega se lembrar de ter atendido a candidata a miss e disse que vai acioná-la judicialmente.

Foto em rede social mostra várias mulheres passando por procedimento de bronzeamento em clínica de estética que funciona em casa de Vicente Pires, no Distrito Federal (Foto: Facebook/Reprodução)Foto em rede social mostra várias mulheres passando por procedimento de bronzeamento em clínica de estética que funciona em casa de Vicente Pires, no Distrito Federal (Foto: Facebook/Reprodução)

Foto em rede social mostra várias mulheres passando por procedimento de bronzeamento em clínica de estética que funciona em casa de Vicente Pires, no Distrito Federal 

Por telefone, Darlane não negou que o espaço não tenha alvará de funcionamento e questionou a necessidade do documento. “Nunca vi pedi autorização para bronzear. Nunca vi pagar imposto para governo por isso.”

Em imagens divulgadas em redes sociais, grupos de mulheres passam pelo procedimento no local. Uma das fotos traz a suposta proprietária do local fazendo “v de vitória”. Na descrição do perfil no Facebook, a dona diz que oferece o pacote de bronzeamento natural inclui esfoliação de pele e hidratação. “Usamos produtos próprios autorizados pela Anvisa e MS [Ministério da Saúde] que aceleram e ativam a melanina da pele. […] O bronze dura por tempo indeterminado. Já se vê resultado na primeira sessão.”

Marcas na barriga da ex-candidada a Miss Continente DF Blenda Soares após sessão de bronzeamento natural (Foto: Blenda Soares/Arquivo Pessoal)Marcas na barriga da ex-candidada a Miss Continente DF Blenda Soares após sessão de bronzeamento natural (Foto: Blenda Soares/Arquivo Pessoal)

Marcas na barriga da ex-candidada a Miss Continente DF Blenda Soares após sessão de bronzeamento natural

Queimaduras
Blenda, que se preparava para participar do concurso Miss Continente DF 2016 como representante de Brazlândia, soube do estabelecimento por meio de redes sociais. “Vi no Facebook de uma colega que também participava e aí marquei”, lembra.

Em depoimento, a jovem contou que marcou o procedimento para o dia 1º de abril – véspera de quando teria prova de biquíni. Ela foi atendida pela própria proprietária da clínica, que a conduziu, junto a outras clientes, para uma espécie de quintal. O grupo se deitou em colchonetes ao redor da piscina e recebeu o produto, que foi aplicado por todo corpo, exceto no rosto, com um pincel. Blenda diz não saber de que material o bronzeador era feito.

“Ela mandava virar, de um lado para o outro. Cheguei por volta de 11h e saí quase 14h. Quando acabou, ela pediu para eu me molhar. Já estava vermelho, queimando, ardendo. Eu coloquei a roupa, paguei em espécie e chamei o táxi”, lembra. A jovem diz não se lembrar quanto foi cobrado pela sessão, mas estima ter pago entre R$ 60 e R$ 80.

Blenda conta que, ao chegar em casa, notou que começou a ter bolhas no local onde o produto foi aplicado. “Fui tomar banho, não conseguia nem me molhar no chuveiro. Queimava, doía. Pensei: ‘isso está estranho’. Começou a coçar, coçar, coçar. Pensei que podia ser alergia ao produto. Quando foi passando o vermelhão, ficou uma manchona bem no meu pescoço, entre os peitos.”

Ela conta ter se assustado com a situação, especialmente depois de notar que era possível puxar a pele. A jovem diz ter procurado a dona da clínica no dia posterior, quando deveria ter feito a prova de biquíni. Como resposta, ouviu que a reação era “normal”.

“Ela só falava que ia passar, que ia passar. Aí eu peguei e não participei da prova, porque estava descascando e tinha parte do meu corpo que estava muito vermelha ainda, principalmente na barriga, na coxa e na lateral do bumbum”, lembra.

O caso só foi registrado duas semanas depois, e Blenda passou por exame no Instituto Médico Legal. O laudo apontou que a vítima sofreu “descamação da epiderme na face ântero-interna das coxas e na região infra-umbilical, compatível com queimadura de primeiro grau”. De acordo com a Polícia Civil, apesar disso, o resultado é inconclusivo em relação a lesão corporal. O caso segue sendo apurado pela 38ª Delegacia de Polícia.

“[A dona da clínica] Nunca deu assistência, nem ligou, falou comigo, nada. Ela não me deu explicação, não disse que produto usou. Foi a primeira vez que participei de concurso de beleza e que fiz bronzeamento. Para mim foi péssimo. Eu fiquei sem pontuação, porque essa prova minha de biquíni era a mais importante. Eu não pude participar. Eu só fui desfilar porque já tinha até alugado meu vestido. Não tive nota nenhuma”, conta a jovem.

“Tive depressão, tristeza. Não podia usar blusa, decote. Eu me sentia péssima. Hoje em dia tem duas marquinhas ainda, mas estão bem claras. Tem a mancha ainda. Tem na barriga e no pescoço. Foi o maior problema da minha vida. Eu só tive prejuízo, porque eu aluguei meu vestido, comprei sandália, maquiagem, cabelo, fora as outras coisas. Ainda tem a inscrição do concurso, que a gente paga, fora o investimento emocional”, completa.

Outro caso
Em setembro, uma jovem de 20 anos morreu depois de passar por sessão de bronzeamento em uma clínica que funcionava em uma casa na Asa Sul. Nara Farias Preto fez o procedimento estético por três horas a mais que o recomendado e teve três paradas cardíacas antes de morrer, segundo familiares. Após a morte, a suposta clínica clandestina foi desmontada.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia adverte que mesmo os produtos regulamentados e aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) devem ser utilizados sob prescrição médica e observados o modo de uso. Atualmente, há 831 produtos de bronzeamento registrados no órgão. A cada cinco anos eles têm de ter o registro renovado para comprovação da segurança e eficácia da formulação.

Desde 2009 os aparelhos de bronzeamento são proibidos no Brasil. “Estima-se que a exposição às máquinas de bronzeamento artificial aumente em 75% o risco de desenvolvimento de melanoma maligno, o mais agressivo dos cânceres de pele, além de favorecerem o desenvolvimento irreversível de manchas escuras, de rugas e ressecamento”, afirma o coordenador da Campanha de Câncer da Pele da Sociedade Brasileira de Dermatologia, Emerson Lima.

Clique para comentar

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Aconteceu

Colisão frontal deixa três pessoas feridas na BR-010, em Imperatriz

Publicado

dia

Por

Três pessoas ficaram feridas em um acidente de trânsito na BR-010, na cidade de Imperatriz, na Região Tocantina, envolvendo um carro de passeio e um caminhão.

Segundo informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), o acidente aconteceu, por volta das 11h50 dessa sexta-feira (23), na altura do Km 269 da rodovia, distante 9 km da Unidade Operacional da PRF na Lagoa Verde, sentido Açailândia.

Após a perícia realizada pelos policiais rodoviários federais, foi verificado que o veículo Fiat/Siena teria forçado uma ultrapassagem próximo à ponte do rio Barra Grande, colidindo frontalmente com um caminhão, que seguia de Imperatriz sentido Açailândia.

Além do caminhão e do Fiat/Siena, outros dois veículos foram envolvidos no acidente, uma motocicleta e uma caminhonete.

Três pessoas ficaram feridas, sendo que o motorista do Fiat ficou em estado grave.

Colisão frontal deixa três pessoas feridas na BR-010, em Imperatriz. — Foto: Divulgação/PRF.

Colisão frontal deixa três pessoas feridas na BR-010, em Imperatriz. — Foto: Divulgação/PRF.

Ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192) socorreram as vítimas, que foram encaminhadas para unidades hospitalares em Imperatriz.

Ver mais

Aconteceu

Jovem de 14 anos pega carro escondido dos pais e morre em acidente

Publicado

dia

Por

O carro bateu de frente com o caminhão e o garoto não resistiu. Colisão ocorreu no Mato Grosso

(crédito: Polícia Rodoviária Federal de Mato Grosso/Divulgação)

Um adolescente de 14 anos morreu após pegar o carro dos pais escondido e bater em um caminhão, na noite desta quarta-feira (21/10). O acidente ocorreu na BR-174, em Pontes e Lacerda, interior de Mato Grosso.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o carro atingiu o caminhão de frente e o garoto morreu antes da chegada do socorro. Ele estava sozinho no veículo.

O motorista do caminhão disse que tentou desviar do carro que vinha na contramão. Ele não se feriu.

A Polícia Civil vai investigar o caso.

Ver mais

Aconteceu

Morador de rua é vítima de agressão e tem 35% do corpo queimado

Publicado

dia

Por

Homem teve lesões de primeiro e segundo graus no tórax, membros superiores e face

(crédito: Breno Esaki)

Um homem em situação de rua foi alvo de agressão, na madrugada desta sexta-feira, enquanto dormia em Taguatinga. Os agressores usaram um líquido inflamável para atear fogo em Reginaldo dos Santos Nunes, de 42 anos, que teve 35% do corpo queimado.

Quando o Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF) socorreu a vítima, ele tinha lesões de primeiro e segundo graus no tórax, membros superiores e face. Reginaldo não viu os agressores.

Ele foi encontrado pelos militares embaixo da marquise do prédio da Caixa Econômica Federal, no centro de Taguatinga, e foi encaminhado ao Hospital Regional da Asa Norte (HRAN), que é referência nesse tipo de atendimento.

 

Ver mais

Aconteceu

Polícia Civil prende homem que se passava por juiz federal para aplicar golpes no DF

Publicado

dia

Por

Suspeito prometia registros de arma de fogo, mas ficava com dinheiro das vítimas. Investigação aponta que ele atuava em Minas Gerais e Goiás.

O suspeito usava uma camiseta e um documento falso — Foto: PCDF/Divulgação

A Polícia Civil do Distrito Federal prendeu um homem de 46 anos suspeito de se passar por juiz federal para enganar pessoas que tentavam adquirir registros de arma de fogo junto ao Exército Brasileiro. O investigado foi detido nessa quinta-feira (22), após denúncia de vítimas.

De acordo com a investigação, o suspeito usava uma camiseta com a identificação de juiz e com o brasão da República Federativa do Brasil. O caso é apurado pela 14ª Delegacia de Polícia (Gama).

Além do Distrito Federal, a suspeita é de que o homem tenha atuado em Goiás e em Minas Gerais. Ele cobrava valores das vítimas, porém, o processo de regularizar a aquisição das armas de fogo não acontecia.

Após os golpes, imagens do suspeito foram divulgadas nas redes sociais. Inconformado, ele chegou a ir até a delegacia. O homem usou a identificação de juiz para gravar um vídeo e informou que tomaria medidas necessárias para punir quem estava o difamando.

Os investigadores tiveram acesso ao vídeo e conseguiram identificar e localizar o suspeito. Ele ainda tentou se passar por membro da Justiça Federal na delegacia, entretanto, foi preso em flagrante.

O suspeito foi preso por policiais da 14ª Delegacia de Polícia, no Gama.  — Foto: Marília Marques/G1

O suspeito foi preso por policiais da 14ª Delegacia de Polícia, no Gama. — Foto: Marília Marques/G1

Após a prisão, o suspeito pagou fiança e deixou a prisão. A Polícia Civil informou que continuará as investigações para identificar possíveis outros delitos cometidos pelo homem. Ele vai responder por uso de documento ideologicamente falso e uso indevido de distintivo militar.

Falso site de leilão

Também nessa quinta, a Polícia Civil deflagrou uma operação para coibir uma organização criminosa mineira que aplicava golpes em compradores de veículos no Distrito Federal.

De acordo com a Delegacia de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC), os criminosos lucraram quase R$ 1 milhão. Cerca de 90 pessoas teriam caído no golpe.

A operação policial, chamada de “Falso Martelo” cumpriu três mandados de busca e apreensão com apoio da Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG). Conforme os policiais, a base operacional dos criminosos ficava no município de Carangola, em Minas.

Ver mais

Aconteceu

Polícia intercepta caminhão com 100 kg de cocaína que seria vendida no DF; 9 pessoas foram presas

Publicado

dia

Por

Carga era escoltada por outro veículo ‘batedor’, na BR-070. Investigadores da operação Fim da Linha cumpriram 18 mandados judiciais contra grupo.

Policiais apreenderam 100 kg de cocaína — Foto: PCDF/Divulgação

A Polícia Civil do Distrito Federal deflagrou, nesta sexta-feira (23), uma operação que resultou na prisão de nove pessoas e na apreensão de 100 kg de cocaína. A droga conhecida como “escama de peixe”, foi localizada dentro de um caminhão na BR-070.

Essa é a segunda fase da operação Fim da Linha. Com apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF), os agentes interceptaram um veículo próximo ao município Jussara (GO). Segundo a investigação, o entorpecente seria vendido no DF.

Além dos ocupantes do caminhão, os policiais prenderam o motorista de um automóvel, que agia como “batedor”, na escolta da carga. No DF, investigadores também cumpriram nove mandados de busca e apreensão em Ceilândia e Samambaia.

Durante a operação, os policiais apreenderam R$ 60 mil em espécie, uma máquina para contar dinheiro, mais 2,5 kg de cocaína, três balanças de precisão, 0,5 kg de insumo para preparo da droga, uma prensa para embalar a substância, além de uma arma de fogo e munições de vários calibres.

Entrega a traficantes

O delegado à frente do caso, Raphael Seixas, da 24ª DP (Ceilândia) explica que a droga seria misturada com outros materiais e que o valor de revenda, assim que finalizada, poderia chegar a R$ 15 milhões.

“A droga seria destinada a grandes traficantes, que a revenderiam para outros menores, principalmente aqueles que agem em Ceilândia e Samambaia”, disse.

Outras fases

A operação desta sexta-feira (23) é um desdobramento de outra ação da Polícia Civil, chamada de Provedor. A força-tarefa foi deflagrada pela 19ª Delegacia de Polícia, em Ceilândia Norte, em 27 de junho, e resultou na prisão de duas pessoas por tráfico e associação para o tráfico. À época, os policiais apreenderam 46 kg de cocaína, uma arma de fogo e um automóvel.

Na primeira fase da Operação Fim da Linha, deflagrada em 16 de julho, os agentes também apreenderam 50 kg de cocaína e um automóvel.

Durante a investigação, os policiais perceberam que os carregamentos interceptados pelas delegacias tinham a mesma origem. Eles vinham de Rondônia para a capital.

Ver mais

Aconteceu

Preso suspeito de matar esposa grávida em Mar Vermelho, AL

Publicado

dia

Por

Crime aconteceu na segunda-feira (19). Mulher estava no terceiro mês de gestação; família diz que ela já tinha passado por outros episódios de violência doméstica.

Ana Paula Santos, 37 anos, foi morta a golpe de faca na zona rural de Mar Vermelho — Foto: da Associação para Acolhimento de Mulheres Vítimas de Violência (AME)

A Polícia Civil prendeu Daniel Paulo Santanna, suspeito de assassinar a esposa grávida de três meses em Mar Vermelho, no interior de Alagoas, nesta quinta-feira (22).

Ana Paula de Oliveira foi morta na segunda (19). A prisão do suspeito foi requerida pela Promotoria de Justiça da Comarca de Viçosa, sob justificativa de que ele poderia fugir.

O delegado que investiga o caso, Guilherme Sillero, intimou testemunhas do crime para prestarem depoimento nesta quinta.

Familiares da vítima disseram aos policiais que ela já tinha passado por outros episódios de violência doméstica.

O casal vivia junto há cinco anos e tinha quatro filhos. A dona de casa tinha ainda outros três filhos de um relacionamento anterior. Todos estão sob cuidados de parentes.

A prisão teve participação de policiais civis e do grupamento aéreo da Secretaria do Estado da Segurança Pública (SSP). O suspeito foi levado para o Centro Integrado de Segurança Pública (CISP) da cidade, para registro da prisão.

Ver mais

Hoje é

sexta-feira, 23 de outubro de 2020

Publicidade

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?