Nossa rede

Aconteceu

Famílias do antigo lixão seguem com dificuldades para sobreviver

Publicado

dia

Fechado há mais de um ano, o aterro era fonte de renda de dezenas de famílias da Chácara Santa Luzia, que seguem com dificuldades para sobreviver no bairro de estrutura precária. Projeto da Codhab prevê construção de conjunto habitacional em 2020

Mãe de nove filhos, Eliete Dias sobrevivia do lixão e está desempregada: “Sonho de ter minha própria casa”
(foto: Vinicius Cardoso Vieira/Esp. CB/D.A Press )

A cada dois dias, Edimilson Gomes Nascimento, 54 anos, pedala mais de 2km em busca de água para a família. Morador da Chácara Santa Luzia, na Estrutural, ele, a mulher e os cinco filhos vivem sem saneamento básico em um barraco de madeira, no fim de uma rua estreita de chão batido. O sol castiga, mas o homem não desiste de equilibrar os 30 litros de água na bicicleta maltratada. “Essa é só para fazer comida. A gente tem cisterna para tomar banho. Busco água na torneira do galpão, já que aqui não tem”, desabafa.

Ex-catador, Edimilson está desempregado desde janeiro de 2018, quando o Aterro do Jóquei, mais conhecido como Lixão da Estrutural, fechou. “Espero conseguir trabalhar e ver meus filhos se formarem.” A história dele é mais uma na comunidade que se mantinha pelo maior depósito de lixo a céu aberto da América Latina.

Na Chácara Santa Luzia, as ruas, de terra batida, acumulam poeira na época da seca e viram rios de lama em tempos de chuva. Por estar em uma área de proteção ambiental, próxima ao Parque Nacional de Brasília, a cidade não conta com distribuição legal de água, energia ou saneamento básico. Na maioria das residências, há fossas para escoamento do esgoto, e os outros recursos são adquiridos por ligações irregulares. O transporte público não entra na região. Não há unidades de saúde, batalhões de polícia ou escolas. Apesar disso, o crescimento desordenado da população continua.

A Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (Codhab) estima que 11 mil pessoas vivam nas invasões do local. Mais de 90% das habitações estão em áreas irregulares. Muitos dos moradores vieram de outras unidades da Federação procurar no Lixão uma oportunidade de vida. Após o fechamento, muitos reclamam do desemprego. Alguns migraram para cooperativas de lixo, porém, reclamam dos baixos salários. “No Lixão, eu conseguia tirar até R$ 1 mil por semana. Nem almoçava. Fui trabalhar em uma cooperativa e tirava menos de R$ 200 semanalmente. Hoje, vivo de bicos”, relata Edimilson.

No início de 2018, 2 mil catadores viviam do Lixão da Estrutural. Após o fechamento, cinco galpões de triagem de lixo foram inaugurados para encaminhar esses trabalhadores, que, aos poucos, começaram a assumir o emprego, apesar de reclamarem da redução de remuneração.

Hoje, dezenas de cooperativas abriram as portas na Estrutural e em outras regiões administrativas. A Lei dos Grandes Geradores impulsionou esse tipo de mercado na cidade. No entanto, muitos catadores ainda vagam pelas ruas da capital em busca de material reciclável. É o caso de Eliete Dias Soares, 45, moradora da Estrutural há 22 anos. Desempregada, ela conta que, na época do Lixão, conseguia R$ 500 por semana. Atualmente, mãe de nove filhos, ela sobrevive de doações.  A piauiense, que era  empregada doméstica, não teve a oportunidade de estudar e acabou fugindo do emprego por conta de uma série de agressões. Morou na rua, se casou, mas foi expulsa do lar pelo marido. No segundo casamento, sofreu violência doméstica e uma tentativa de feminicídio.

Eliete mora com quatro filhos em um barraco alugado por R$ 150 ao mês. “Tenho o sonho de ter minha própria casa, para criar meus filhos e nunca mais morar de aluguel. Um trabalho também, para eu dar uma vida digna a eles”, conta, emocionada, olhando para a filha caçula.

Novas habitações

Os moradores da Chácara Santa Luzia poderão ser realocados nos próximos anos. Projeto criado pela Codhab, batizado de Orla Santa Luzia, prevê a criação de 13,2km de casas lajeadas. A ideia é construir 13 conjuntos, com 2.384 unidades habitacionais planejadas de acordo com o tamanho das famílias. A média é de 45 metros quadrados por apartamento.

O programa foi pensado na gestão passada e a companhia garante que ele terá continuidade. O projeto contará com sete unidades públicas, como postos de saúde e escolas. Tudo está orçado em R$ 90 milhões, e as obras devem começar no primeiro semestre de 2020. A Codhab adianta que os moradores passarão por filtro socioeconômico para avaliar quem será beneficiado.

Professor do curso de arquitetura da UnB, o pós-doutor em estruturas ambientais urbanas Luiz Alberto de Campos Gouvêa discorda do projeto urbanístico proposto pelo governo. Segundo o especialista, a região de Santa Luzia sempre teve dois grandes problemas: o Lixão da Estrutural e a proximidade com as nascentes do Parque Nacional. “A falta de saneamento básico e de descarte adequado do lixo produzido pela comunidade pode afetar mananciais de água do parque, que abastecem grande parte da população de Brasília. Existe um risco ambiental verdadeiro”, explica.

O administrador da Estrutural, Germano Guedes, afirma que, desde o início da gestão, busca discutir com diversos órgãos do GDF iniciativas para melhorar a vida dos habitantes de Santa Luzia. Uma das propostas dos líderes da comunidade é adicionar chafarizes ou até mesmo tambores para serem abastecidos com água potável do caminhão-pipa. “No entanto, as ruas estreitas de Santa Luzia dificultam a passagem dos caminhões”, afirma.

A Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb) informa que aguarda a realocação dos moradores de Santa Luzia ou a regularização da área para projetar e implementar as redes de água e de esgotos na região, assim como a Companhia Energética de Brasília (CEB). A Secretaria de Saúde esclarece que a Estrutural tem 100% de cobertura de Estratégia de Saúde da Família, e o atendimento na atenção primária é feito nas unidades básicas de saúde da região.

A Secretaria de Educação afirma não ter dados específicos da região de Santa Luzia, mas reforça que a Estrutural conta com seis unidades escolares da rede pública de ensino, que atendem 5.817 estudantes do ensino regular. Além disso, duas creches, geridas por instituições parceiras, atendem 275 crianças de 0 a 3 anos. Em relação ao transporte, o DFTrans respondeu que lançou, na última quinta-feira, uma nova linha de ônibus para os moradores da região, que tem como destino final a Rodoviária do Plano Piloto.

Responsabilidade pelo próprio lixo

Aprovada em 2016, a legislação prevê que comércios, restaurantes, terminais rodoviários e aeroportuários, além de órgãos públicos, façam destinação final do próprio lixo. Desde o início de 2018, o Serviço de Limpeza Urbana (SLU) parou de recolher os resíduos de quem produzisse mais de 120 litros por dia. Com a medida, cooperativas focadas no transporte dos rejeitos passaram a crescer e fazer o recolhimento. 

Sonhos e esperança

Uma outra moradora de Santa Luzia, Márcia da Silva Pinheiro, 31, viu na dificuldade uma forma de ajudar os vizinhos e amigos. Catadora de lixo durante mais de duas décadas, a mulher chegou menina na Estrutural, depois de sair da Bahia e vir para Brasília em busca de oportunidades de trabalho com o material reciclável.

“Quando cheguei aqui, com 8 anos, eu fazia sozinha R$ 200 a R$ 300 por dia”, lembra. Ela se casou, teve cinco filhos e construiu a vida com tudo que o ganhou do trabalho no Lixão da Estrutural. No entanto, em 2015, percebeu que não conseguiria mais pagar uma creche para os filhos e resolveu criar uma na região. “A do governo era longe e tinha uma fila de espera, à época, de 700 crianças. A nossa renda já havia diminuído bastante e eu não tinha mais como gastar R$ 400 para outras pessoas cuidarem dos meus filhos”, relata.

Dessa forma, Márcia transformou o espaço atrás da casa, no qual criava galinhas e cuidava dos cachorros, em uma creche: a Casa de Apoio Artes e Sonhos. Com a ajuda dos moradores, construiu o espaço de um cômodo com tapumes de madeira, azulejos e telhas de madeirite. A fundadora relata que enfrenta diversos problemas como a falta de saneamento básico e de água potável na região. “De dois em dois dias, eu compro dois galões de água para dar às crianças”, conta.

Falta muita coisa, mas alegria, não. O sorriso no rosto de Márcia não acaba durante nenhum momento ao relatar todas as histórias. Animada, ela explica que as atividades realizadas são focadas na diversão das crianças e, como a creche não tem condições de comprar livros e brinquedos, ela transforma o lixo em divertimento. “Tem pintura com material reciclável, papelão vira amarelinha no chão, garrafa de plástico faz chocalho. As crianças aqui, desde pequenas, aprendem que o material reciclável não é lixo e é possível fazer, sim, alguma coisa divertida com ele”, explica.

O sonho da ex-catadora é reformar a creche e ampliá-la para atender mais famílias, com a ajuda dos filhos. A motivação de acolher todos os dias 30 crianças em casa vem da própria história de vida. “Quero fazer por eles o que não fizeram por mim, isso me desperta todas as manhãs.”

Clique para comentar

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Aconteceu

Criança de 2 anos é atropelada por caminhão, no DF, e socorrida de helicóptero em estado gr

Publicado

dia

Acidente aconteceu na manhã desta sexta-feira (10), em Taguatinga. Em Santa Maria, carro da PM capotou.

Criança de 2 anos é atropelada por caminhão, no DF, e socorrida de helicóptero em estado grave — Foto: CBMDF/Divulgação

Uma criança de dois anos foi socorrida em estado grave após ser atropelada por um caminhão, na manhã desta sexta-feira (10), em Taguatinga. O menino foi levado ao Hospital de Base por um helicóptero do Corpo de Bombeiros.

Segundo os militares, a criança estava acompanhada da mãe e da irmã no momento do acidente, na Qs 7, próximo a um albergue. Com o impacto, o menino sofreu traumatismo craniano. No momento do socorro ele estava inconsciente.

Criança de 2 anos é atropelada por caminhão, no DF, e socorrida de helicóptero em estado grave — Foto: CBMDF/Divulgação

Criança de 2 anos é atropelada por caminhão, no DF, e socorrida de helicóptero em estado grave — Foto: CBMDF/Divulgação.

O motorista do caminhão não se feriu.

Ao todo, 12 bombeiros atuaram nos primeiros socorros ao menino. A dinâmica do acidente não foi informada.

Acidente com carro da PM

Carro da PM capotou em Santa Maria, nesta sexta-feira (10) — Foto: Arquivo pessoal

Carro da PM capotou em Santa Maria, nesta sexta-feira (10) — Foto: Arquivo pessoal

Em outro acidente, dessa vez em Santa Maria, um carro oficial da Polícia Militar capotou, na quadra QR 211. O veículo parou com as rodas para cima e ficou com a frente destruída.

Até a publicação desta reportagem, a PM não havia informado o estado de saúde dos militares que estavam na viatura.

Ver mais

Aconteceu

Cobras apreendidas após estudante ser picado por Naja ‘estão magras e com lesões’, diz Zoológico de Brasília

Publicado

dia

Polícia Civil suspeita que estudante de veterinária, que permanece hospitalizado, seria proprietário de 16 serpentes encontradas em haras. Três colegas de Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkul prestaram depoimento nesta sexta (10).

Serpente exótica apreendidas pelo Batalhão de Polícia Militar Ambiental, no Zoológico de Brasília — Foto: TV Globo/Reprodução

As 16 cobras apreendidas em um haras, na região de Planaltina, no DF, após um estudante de veterinária ser picado por uma naja “estão magras e com lesões nas escamas”. A informação é do Zoológico de Brasília, que vai ficar responsável pelas serpentes encontradas na quinta-feira (9).

Investigações da Polícia Civil apontam que Pedro Henrique Santos Krambeck Lehm, de 22 anos, é o proprietário dos animais. O jovem permanece internado em um hospital particular e deve ter alta da UTI até sábado (11).

Três colegas dele, incluindo o rapaz que teria abandonado a naja, na última quarta-feira (8), perto de um shopping, no Lago Sul, foram ouvidos pela 14ª DP, do Gama, nesta sexta (10). Pedro Henrique deve prestar depoimento “assim que estiver em condições” (veja detalhes abaixo).

De acordo com a gerente da clínica cirúrgica do Zoológico de Brasília, Fernanda Mergulhão, a equipe de medicina veterinária e de biologia fez a coleta de sangue e a análise clínica e comportamental das serpentes.

“Os animais provavelmente não viviam nas condições ideais para um réptil, com umidade adequada, com frequência de alimentação adequada, justamente, pela escore corporal desses animais”, disse a veterinária.

Segundo o zoo, a naja que picou o estudante não saiu da caixa. Conforme os biólogos, o animal está estressado e pode atacar de novo. “Como não tem soro contra o veneno da serpente no Brasil, a orientação, por enquanto, é ninguém mexer”, explicou a veterinária.

Fernanda Mergulhão disse também que as 17 serpentes, incluindo a naja, ficarão em quarentena por 20 dias, “para certificar que elas não apresentam nenhuma doença que possa ser transmitida aos outros animais”. Elas devem ficar no zoo até haver uma definição dos órgãos ambientais para o destino das serpentes.

Tráfico de animais silvestres

Serpente apreendida em haras passa por exames no Zoológico de Brasília — Foto: TV Globo/Reprodução

Serpente apreendida em haras passa por exames no Zoológico de Brasília — Foto: TV Globo/Reprodução

O acidente com o estudante de medicina veterinária Pedro Henrique Santos Krambeck Lehm revelou, segundo a Polícia Civil, um esquema de tráfico de animais silvestres no Distrito Federal. Segundo o delegado Ricardo Bispo, da 14ª Delegacia de Polícia, do Gama, o princípio da investigação começou para saber a origem da naja que picou Pedro Henrique.

Conforme os policiais, na casa do jovem, no Guará, foram encontrados objetos que indicavam que no local eram criadas outras serpentes. “A investigação revela um possível esquema de tráfico de animais. Vamos investigar a origem dessas cobras, como chegaram no Brasil”, disse o delegado.

Cobra Naja que picou estudante de veterinária é encontrada perto de shopping no DF — Foto: BPMA-DF/Divulgação

Cobra Naja que picou estudante de veterinária é encontrada perto de shopping no DF — Foto: BPMA-DF/Divulgação

Segundo o delegado Ricardo Bispo, da 14ª DP, os jovens são de classe média e classe média alta e cursam medicina veterinária em uma instituição particular. A Faculdade Faciplac, do Gama, confirmou ao G1 que Pedro Henrique estuda na instituição.

Em nota, a instituição disse que “o Centro Universitário do Planalto Central Aparecido dos Santos (UNICEPLAC), assim como a coordenação do curso de Medicina Veterinária, informam que não tinham conhecimento da posse de nenhuma cobra ou outros tipos de animais silvestres entre os alunos”.

Cobra encontrada em chácara, no DF, após denúncia anônima que envolve tráfico de animais silvestres — Foto: Afonso Ferreira/G1

Cobra encontrada em chácara, no DF, após denúncia anônima que envolve tráfico de animais silvestres — Foto: Afonso Ferreira/G1

Os pais do jovem chegaram a importar dez doses do soro antiofídico dos Estados Unidos. No entanto, não foi necessário usar a medicação que será doada, conforme afirmou a família.

Ver mais

Aconteceu

Homicídios no DF aumentam 36% em junho na comparação com maio de 2020

Publicado

dia

Por

Roubos em comércios, tentativas de latrocínio, furtos a pedestre e latrocínio também tiveram crescimento. Dados são da Secretaria de Segurança Pública.

Local onde idoso foi amarrado, assassinado e corpo foi deixado em porta-malas de carro no DF — Foto: TV Globo/Reprodução

O Distrito Federal registrou aumento de 36% no número de homicídios no mês de junho, em comparação com o mês de maio deste ano. De acordo com dados da Secretaria de Segurança Pública, foram 25 ocorrências em maio e 34 em junho.

O balanço, divulgado na última semana, aponta que roubos em comércios, tentativas de latrocínio, furtos a pedestre e latrocínio também tiveram crescimento no mês passado. Em junho foram 50 ocorrências de roubos a comércios, 11 tentativas de latrocínio, 107 furtos a pedestre e 2 latrocínios (veja tabela abaixo).

Ao G1, a Secretaria de Segurança Pública afirmou que cinco dos seis Crimes Contra o Patrimônio (CCP) monitorados pela pasta tiveram queda de 24,5% em 2020, na comparação com os números de 2019. A SSP diz que “o único tipo de crime que não apresentou redução, o roubo em residência, contabilizou número igual ao do mesmo período do ano passado, com 225 ocorrências” (leia íntegra da nota abaixo).

Crimes registrados em 2020

Crime Maio de 2020 Junho de 2020
Homicídio 25 34
Latrocínio 0 2
Lesão corporal seguida de morte 1 –
Roubo a pedestre 1.471 1.391
Roubo a veículo 155 140
Roubo a transporte coletivo 100 77
Roubo em comércio 41 50
Roubo em residência 26 17
Furto em veículos 472 375
Tentativa de homicídio 51 51
Tentativa de latrocínio 4 11
Estupro 45 32
Furto a pedestre 90 107
Total 2.481 2.287
Fonte: Secretaria de Segurança Pública

O que diz a Secretaria de Segurança

“A Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP/DF) informa que cinco dos seis Crimes Contra o Patrimônio (CCP) monitorados de forma prioritária pela pasta marcaram queda de 24,5%, no comparativo do primeiro semestre de 2020 e de 2019. Único tipo de crime que não apresentou redução, o roubo em residência, contabilizou número igual ao do mesmo período do ano passado, de 225 ocorrências cada.

Destaque para redução nos registros de roubo a transeunte, de 26,6%. Nos roubos de veículo e em comércio, por exemplo, a redução foi de 25,7% e 21,2%, respectivamente. O roubo a transporte coletivo obteve queda de 25,4%. Furto em veículo também, com 19% de crimes a menos registrados.

Houve redução de 11,2% nos registros de furtos em comércio em todo o DF. Sendo 1.777 ocorrências de janeiro a junho deste ano. Em igual intervalo do ano passado, 1.797 crimes da mesma natureza. Cabe destacar que esse cenário não representa somente casos de arrombamento, mas também de pequenos furtos.

As vítimas de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs), no comparativo do primeiro semestre, que agrupam o homicídio, o latrocínio e a lesão corporal seguida de morte, também marcaram queda de 6,5%. Homicídios caíram em 6,9%. As tentativas reduziram em 11%.

Feminicídios contabilizaram 15 casos, no primeiro semestre de 2019. Em igual intervalo de 2020, oito vítimas (sete vidas preservadas). O DF não registrou nenhum feminicídio nos meses de fevereiro e de maio deste ano.

Latrocínio foi a única natureza criminal, do hall de crimes analisados mensalmente pela SSP/DF, que apresentou aumento. Sendo de 12 ocorrências, de janeiro a junho de 2019, frente a 20 registros em 2020. Em contrapartida, tentativas de latrocínio caíram em 30,3%.

Cabe destacar que, para se ter um panorama mais preciso sobre a incidência criminal no DF, é importante que os dados estatísticos elaborados pela SSP/DF sejam comparados com o mesmo período dos anos anteriores.

É preciso levar em conta diversos fatores sazonais ao comparar meses diferentes, pois determinados crimes tendem a aumentar ou a diminuir em determinados períodos.

Com objetivo de reduzir índices de criminalidade, a SSP/DF coordenou mais uma fase da Operação Vita Salutem (Proteção de Vidas), no último fim de semana. Instituições, agências e órgãos nos eixos da segurança, mobilidade, fiscalização e prestação de serviços públicos participaram da ação. A operação ocorreu em Planaltina, Gama, Recanto das Emas e Santa Maria.”

Ver mais

Aconteceu

Estudante de veterinária é picado por cobra Naja e internado em estado grave no DF

Publicado

dia

Por

Suspeita é de que homem criava animal em casa; espécie é uma das mais venenosas do mundo. Soro para tratamento precisou ser encomendado de São Paulo.

Cobra da espécie Naja, em imagem de arquivo — Foto: Wikimedia Commons

 

Um estudante de medicina veterinária, morador do Distrito Federal, foi picado por uma cobra da espécie Naja, considerada uma das mais venenosas do mundo. O caso ocorreu nesta terça-feira (7) e o rapaz foi internado em estado grave em um hospital particular no Gama.

A suspeita é de que ele criava o animal em casa. A reportagem questionou o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) se o estudante tinha autorização para criar o animal, mas não obteve retorno até a última atualização desta reportagem.

A espécie Naja não existe na fauna brasileira, é natural da África e Ásia. Por conta disso, o hospital precisou encomendar o soro para tratamento da ferida do estudante. O pedido foi feito ao Instituto Butantan, em São Paulo.

O medicamento foi enviado da capital paulista para Brasília na noite de terça-feira (7) e já está sendo administrado à vítima.

Riscos

A infectologista Joana D’arc Gonçalves explica que a Naja “é um gênero que pode produzir acidentes graves”.

“[A espécie libera] uma neurotoxina que vai atuar no sistema nervoso central, que pode levar à paralisia respiratória”, disse.

Ainda de acordo com a especialista, o fato da espécie não ser brasileira faz com que seja “muito complexo fazer o diagnóstico e o tratamento adequado”.

Ver mais

Aconteceu

Motorista morre em acidente entre carro e caminhão na DF-150

Publicado

dia

Corpo de Bombeiros constatou óbito no local. Batida aconteceu na manhã desta terça-feira (7), na DF-150, próximo a Sobradinho.

Acidente na DF-150, próximo a Sobradinho — Foto: CBMDF/Divulgação

Um homem morreu após o carro que dirigia bater de frente contra um caminhão na DF-150, próximo a Sobradinho, no Distrito Federal. O acidente aconteceu por volta das 11h.

Segundo o Corpo de Bombeiros, que atendeu a ocorrência, o motorista do carro de passeio morreu no local. Após a batida, outro veículo também foi atingido.

Até a publicação desta reportagem, os militares não haviam informado o estado de saúde dos demais envolvidos e nem a identidade da vítima.

Por causa do acidente, uma mancha de óleo escorreu pela pista e, por isso, a rodovia foi interditada, no sentido Fercal. Por volta das 12h, o local ainda permanecia bloqueado. A perícia foi acionada para investigar as circunstâncias do acidente.

Esta reportagem está em atualização.

Ver mais

Aconteceu

Carro de subsecretário do GDF suspeito de participar de racha tem 5 multas por excesso de velocidade

Publicado

dia

Nomeação de Wesley Wenisgton Vieira dos Santos na pasta de Esportes foi tornada sem efeito nesta segunda (6). Motorista do outro carro permanece internado em estado grave.

Carro dirigido pelo subsecretário Wesley Wenisgton Vieira dos Santos — Foto: TV Globo/Reprodução

O carro em que estava o subsecretário de Convênios e Parcerias da Secretaria de Esportes do Distrito Federal, Wesley Wenisgton Vieira dos Santos, durante um acidente na noite de domingo (5), tem cinco multas por excesso de velocidade e outras três por avanço de sinal. A informação consta no sistema do Departamento de Trânsito (Detran).

A suspeita da Polícia Civil é de que Santos participava de um racha. O motorista do segundo veículo envolvido, identificado como Pedro Luca Lima Gabriel, está internado no Hospital de Base do DF, em estado grave.

Santos, de 27 anos, foi nomeado na sexta-feira (3) para a pasta de Esportes. Nesta segunda-feira (6), a nomeação foi tornada sem efeito por meio de uma edição extra do Diário Oficial do DF.

O então subsecretário foi preso em flagrante, no domingo. Até a noite desta segunda, ele permanecia na carceragem do Departamento de Polícia Especializada (DPE).

O outro motorista também está detido, sob escolta, no hospital.

De acordo com o delegado João Guilherme Medeiros de Carvalho, da 2ª DP, “os dois vão responder por disputa automobilística”.

“Na linguagem comum, é ‘racha’ e traz uma situação de risco.”

As multas

Wesley Wenisgton Vieira dos Santos, de 27 anos é subsecretário de Convênios e Parcerias da Secretaria de Esportes do DF.  — Foto: TV Globo/Reprodução

Wesley Wenisgton Vieira dos Santos, de 27 anos é subsecretário de Convênios e Parcerias da Secretaria de Esportes do DF. — Foto: TV Globo/Reprodução

Conforme o sistema de trânsito, as multas do carro dirigido por Wesley Wenisgton Vieira dos Santos foram aplicadas pelo Detran, pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) e pelo Departamento Estradas de Rodagem (DER). O veículo tem a documentação em dia, mas não está o nome dele.

O delegado João Guilherme Medeiros de Carvalho afirma que o agora ex-subsecretário se recusou a fazer teste do bafômetro e o exame de sangue, após se envolver no acidente. “

Carros em alta velocidade

 Os veículos envolvidos no acidente – um Audi modelo A4 e uma Mercedes C-200 – trafegando em alta velocidade na via W9, por volta das 22h de domingo

O subsecretário dirigia a Mercedes. Segundo a Polícia Militar, após o acidente, o veículo foi parar em um monte de terra. Já o Audi, conduzido por Pedro Luca Lima Gabriel, capotou diversas vezes. Ao ser socorrido pelo Corpo de Bombeiros, o motorista tinha suspeita de hemorragia interna e fraturas.

Ver mais

Hoje é

segunda-feira, 13 de julho de 2020

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?