Nossa rede

Tecnologia

Facebook pode se integrar a Instagram e WhatsApp após saída de fundadores

Publicado

dia

A informação foi obtida pelo WABetaInfo, um site conhecido por testar versões preliminares do WhatsApp

BERLIN, GERMANY – FEBRUARY 25: The Logo of instant messaging service WhatsApp is displayed on a smartphone on February 25, 2018 in Berlin, Germany. (Photo by Thomas Trutschel/Photothek via Getty Images) (Thomas Trutschel/Getty Images)

Facebook, WhatsApp e Instagram podem ter mais a ver com “Dark” do que você imagina. A série da Netflix ganhou o público nas últimas semanas após o lançamento da terceira e última temporada. Se tudo na série está interligado, a realidade de Mark Zuckerberg pode não ser muito diferente. Não que ele seja capaz de viajar no tempo (ou pelo menos ainda não), mas a ideia do bilionário é interligar todas as suas redes sociais em uma só. O que não é de todo uma surpresa.

No ano passado, Zuckerberg já havia dito que estava planejando fazer uma união entre seus aplicativos Facebook, Instagram e WhatsApp.

A ideia dele é que, se você tiver uma conta no Facebook, ficará mais fácil de achar seus amigos também no WhatsApp.

A interligação pode acontecer após a saída dos fundadores do app de mensagens, Brian Acton, que se tornou um crítico forte à rede social, e Jan Koum, que disse ter saído da empresa para ir curtir seus carros da Porsche.

Segundo Alessandro Paluzzi, um desenvolvedor conhecido no Twitter, o Instagram já está pedindo para que seus usuários baixem também o Messenger. Ele também publicou prints de possíveis novas ferramentas na rede social, como a possibilidade de salvar vídeos no IGTV — já disponível — e de acessar seu histórico de vídeos assistidos.

A principal novidade que pode estar sendo desenvolvida, no entanto, é a conexão entre o Messenger e o WhatsApp. Nesse caso, os usuários de ambos os aplicativos poderiam se comunicar entre si sem necessariamente usar o mesmo app.

Calma, ficou complicado? É o seguinte: pense que você é uma das poucas pessoas no mundo que não usa o WhatsApp, e prefere conversar pelo Messenger, se a mudança der certo, você poderá conversar com seus amigos no “zap” mesmo sem ter uma conta.

Não há previsão de quando as novidades estarão disponíveis e nada foi confirmado pelo Facebook. A informação foi obtida pelo WABetaInfo, um site conhecido por testar versões preliminares do WhatsApp. Resta saber como a empresa lidará com a privacidade dos usuários no WhatsApp, um aplicativo que sempre se associou a esse valor.

 

Clique para comentar

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Tecnologia

Em dia de balanço, é hora de saber se a receita da Netflix deu certo

Publicado

dia

Por

Número de assinantes deve ser menor no terceiro trimestre do que no segundo, mas lucro deve aumentar em 32,5%

Netflix: (Getty Images/Reprodução)

A gigante americana de streaming Netflix divulga nesta terça-feira (20) seu balanço financeiro referente ao terceiro trimestre de 2020. A plataforma, que conquistou 26 milhões de novos assinantes nos primeiros seis meses deste ano, sendo que 10 milhões foram adicionados somente no segundo trimestre, pode passar por uma desaceleração do crescimento – o que já era esperado pela empresa – e ganhar mais 2,5 milhões de usuários.

A expectativa é de que a receita trimestral anunciada hoje seja de 6,3 bilhões de dólares – um aumento em relação ao segundo trimestre, quando o valor foi 6,15 bilhões de dólares. O lucro líquido esperado deve ficar em torno de 954 milhões de dólares, um aumento de 32,5% em relação ao período anterior.

A Netflix, bem como suas concorrentes e outras “empresas de ficar em casa”, se beneficiou em meio à pandemia do novo coronavírus. Com mais pessoas praticando o distanciamento social, o serviço viu suas assinaturas e sua receita engordarem, mas já sabiam que o efeito não seria eterno. Com 193 milhões de assinantes, é a maior companhia do setor, na frente de outras gigantes, como o Amazon Prime Video (150 milhões) e do Disney+ (60,5 milhões), que foi lançado no ano passado e chegará ao Brasil em 17 de novembro.

Nos resultados do pregão desta segunda-feira, 18, as ações da Netflix na Nasdaq fecharam estáveis com um leve queda de -0,01%, cotadas em 530,72 dólares cada. A empresa também ultrapassou a Disney em valor de mercado recentemente pela quinta vez no ano – e alcançou o valor de mercado de 230 bilhões de dólares. Enquanto os cinemas e parques temáticos estavam fechados, o que prejudicou os negócios da Disney, a Netflix virou a primeira opção de entretenimento em milhões de lares no mundo.

Um dos nomes por trás do crescimento é o do “mago” Ted Sarandos, copresidente da Netflix. De tanto assistir a filmes e a programas de TV e ao ouvir comentários de clientes da locadora na qual trabalhava, o executivo conseguiu entender como os consumidores podem ter “gostos e temperamentos” diferentes e como a recomendação precisava ser especial para cada um deles.

Em 2019, a terceira temporada de Stranger Things, um dos maiores acertos de Sarandos, foi vista mundialmente por 40,7 milhões de assinantes em apenas um fim de semana. Como o meio de transmissão é diferente, o estilo de produção é único, e bem diferente do adotado pela TV. “A forma de escrita dos roteiristas muda completamente porque você já sabe que a maioria das pessoas verá o próximo episódio na sequência, evitando extrapolações ou resumos.

Com o faturamento global de 50,3 bilhões de dólares em 2020, segundo a consultoria alemã Statista, o setor do streaming cresceu ao mesmo tempo em que o cinema de Hollywood perdia cerca de 17 bilhões de dólares nos primeiros seis meses do ano.

Segundo a companhia de pesquisas Omdia, a indústria global de filmes deve perder de 20 a 31 bilhões até o final do ano. Um triste adeus à receita de 42 bilhões de dólares em 2019.

Para tentar sanar um pouco das perdas, a Disney lançou o longa Mulan em sua plataforma de streaming, o Disney+, com um preço adicional de 30 dólares – uma forma de, talvez, reverter o que foi perdido sem o cinema mundial.

Não é para menos que a Netflix, líder do setor, é tida como a vencedora da pandemia. Há 19 anos, durante o ataque às Torre Gêmeas a companhia viveu uma situação semelhante quando mais pessoas, por medo, ficaram dentro de suas casas. À época, o número de assinantes da Netflix (que entregava DVDs) subiu de 100 mil para 465 mil.

A guerra pelo tron

Com tantas opções para assinar, parece que a guerra do streaming traz a certeza de longas batalhas. Mas, para Bill Demas, presidente da consultoria Conviva, o usuário não escolhe uma assinatura em detrimento de outra.

Nos Estados Unidos, cerca de 20% dos assinantes de serviços de streaming assinam somente uma plataforma, enquanto 64% assinam entre duas e três e 12% entre quatro e seis, de acordo com a consultoria KPMG. O mesmo deve acontecer no Brasil. “Os serviços de streaming são colocados um contra o outro, mas a televisão que é a grande perdedora nessa guerra”, diz Demas.

Ver mais

Tecnologia

Executivos de banco são demitidos por uso indevido do WhatsApp

Publicado

dia

Por

Bancos de Wall Street restringiram o uso do WhatsApp e de outras plataformas de mensagens instantâneas com criptografia de ponta a ponta nos últimos meses.

WhatsApp: uso do aplicativo viola políticas internas do banco Morgan Stanley (Jaap Arriens/NurPhoto/Getty Images)

Duas pessoas com os cargos de maior peso no departamento de commodities do Morgan Stanley vão deixar o banco por violações de conformidade relacionadas ao uso de ferramentas de comunicação como o WhatsApp, segundo duas pessoas a par do assunto.

Nancy King, responsável global por commodities, e Jay Rubenstein, responsável por trading de commodities, estão saindo, disseram as pessoas, que não quiseram ser identificadas. O Morgan Stanley não quis comentar.

O banco é um dos maiores traders de commodities em Wall Street ao lado do Goldman Sachs, JPMorgan Chase e Citigroup.

A saída dos executivos veteranos ocorre depois que o banco descobriu o uso de meios eletrônicos de comunicação não autorizados, como o aplicativo de mensagens WhatsApp. Nenhuma irregularidade foi encontrada, mas o uso desses canais de comunicação viola a política do banco, disseram as pessoas.

Bancos de Wall Street restringiram o uso do WhatsApp e de outras plataformas de mensagens instantâneas nos últimos meses. As mensagens no WhatsApp são criptografadas do início ao fim e não podem ser monitoradas facilmente pelos departamentos de conformidade.

No início do ano, o JPMorgan penalizou mais de uma dúzia de operadores por usarem o WhatsApp no trabalho, demitiu um funcionário e cortou o pagamento de bônus do restante.

King e Rubenstein não responderam imediatamente a mensagens com pedido de comentários.

King entrou no Morgan Stanley há 34 anos, negociando petróleo e sendo promovida na divisão de commodities para se tornar a mulher mais graduada do setor em Wall Street. Rubenstein, que muitos consideravam seu provável sucessor, entrou em 2007 em trading de energia e depois assumiu o comando de energia e gás, de acordo com os perfis deles no LinkedIn.

O site SparkSpread informou anteriormente sobre a saída dos executivos.

Ver mais

Tecnologia

Samsung aposta em 1º celular com foco em empresas e aventureiros

Publicado

dia

Por

O smartphone Galaxy XCover Pro tem construção robusta para lidar com cenários de uso extremos

Galaxy XCover Pro: smartphone da Samsung é voltado a aventureiros e empresas (Samsung/Divulgação)

A sul-coreana Samsung aposta hoje em um novo segmento de mercado: smartphones para empresas e aventureiros. O primeiro produto da empresa para esses públicos é chamado Galaxy XCover Pro e conta com construção robusta para encarar o dia a dia em situações adversas. Por isso, ele é resistente à água e à poeira, segundo a certificação IP68, e tem corpo construído em policarbonato, com bateria removível e tela revestida com proteção Gorilla Glass, da fabricante de vidros resistentes Corning.

O Galaxy XCover Pro conta, também, com leitor de códigos de barras, sensor de reconhecimento facial e leitor de impressões digitais. A segurança digital é garantida pela Samsung por meio do Knox, uma área criptografada do smartphone, também disponível em celulares Galaxy voltados ao mercado de consumo.

Galaxy-XCover-Pro-Retail-SCANDIT2(Samsung/Divulgação)

Por dentro, o dispositivo tem o processador Exynos 9611 octa-core, que é da própria Samsung, 4 GB de RAM e 64 GB de memória para aplicativos, arquivos e fotos. Sua bateria tem capacidade de 4.050 mAh, assim como em outros dispositivos da Samsung. Além disso, o aparelho conta com câmera frontal de 13 megapixels e câmera traseira dupla, com 15 megapixels e 8 megapixels.

Luiz Fernando Sima, gerente de marketing da Samsung, afirma que o smartphone é voltado ao público aventureiro, que pratica atividades físicas intensas na natureza. Outro público é o usuário comum de celulares nas cidades, mas que busca um aparelho mais robusto.

Smartphone-Android-Samsung-Galaxy-XCover-Pro

(Samsung/Divulgação)

Quer saber como a inovação pode ajudar o seu negócio? Faça o curso Inovação na prática.

Segundo Renato Citrini, gerente sênior de produtos da divisão de dispositivos móveis da empresa, o Galaxy XCover Pro tem construção ao redor da tela de 6,3 polegadas (cuja resolução é Full HD) com um relevo adicional para proteger contra quedas que poderiam levar o display ao estilhaçamento, o que reforça a vocação do aparelho para ser o smartphone de pessoas que trabalham em condições adversas — ou praticam escaladas ou trilhas intensas.

Parceria com a Microsoft

O novo smartphone da Samsung tem uma parceria com a Microsoft. Por conta disso, ele possui a função walkie-talkie, que permite iniciar uma conversa rapidamente no aplicativo Microsoft Teams, rival do Zoom Video Communications e do Google Meet. O smartphone possui botão físico dedicado para o acionamento da função de walkie-talkie. Vale notar que o botão é programável, ou seja, pode assumir funções diferentes conforme o interesse do usuário.

Preço e disponibilidade

O novo Galaxy XCover Pro será vendido em redes de varejo a partir de 27 de outubro com um preço promocional que vai durar até 30 de novembro: 2.799 reais. Depois, o preço vai para 3.199 reais.

Mercado e concorrência

Líder de mercado segundo a consultoria IDC, a Samsung entra no novo segmento de smartphones sem um concorrente direto.

No passado, a Motorola lá teve um smartphone topo de linha para pessoas estabanadas ou que trabalham em situações adversas, o Moto Z2 Force, cuja tela era “inquebrável” — e se provou realmente resistente em nossos testes. O aparelho de 2017 foi o único a contar com a tecnologia para o mercado de consumo.

Smartphones da LG também contam com certificações militares, mas nenhum deles tem configuração semelhante ao do XCover Pro até o momento.

Ver mais

Tecnologia

Samsung, Xiaomi e Motorola fazem piada com iPhone 12 sem carregador

Publicado

dia

Por

Segundo a Apple, decisão foi tomada pensando no meio ambiente e na quantidade de lixo eletrônico mundial; concorrentes mandaram indiretas

iPhone 12: celular da Apple não terá carregador e nem fone de ouvido na caixa (Apple/Divulgação)

O iPhone 12 não terá nem fone de ouvido e nem carregador na caixa — disse a Apple na semana passada, no evento do lançamento do novo smartphone. A decisão, segundo a empresa, foi tomada para “reduzir a quantidade de lixo eletrônico” mundial.

De acordo com a Apple, há 2 bilhões de adaptadores disponíveis nas casas dos usuários, além de 700 milhões de fones de ouvido com entrada lightning (nome dado à entrada proprietária que a Apple inclui nos iPhones). A redução de espaço significaria caixas menores, mais iphones por containers, menos espaço tomado na logística. O impacto final, dados da empresa apontam, seria equivalente a menos 450.000 carros nas ruas todos os anos.

Mesmo com a justificativa, as concorrentes da Apple não perderam tempo para fazer piada com a decisão da maçã. A Samsung, por exemplo, publicou em seu perfil caribenho no Twitter uma imagem de um carregador com a legenda “incluso com o seu Galaxy” e escreveu na publicação que o smartphone da companhia “dá ao consumidor o que ele procura”. “Do mais básico, como um carregador, a melhor câmera, performance de bateria, memória e até uma tela de 120Hz em um smartphone”, escreveu a gigante sul-coreana.

Enquanto isso, a Motorola publicou em seu Instagram uma imagem de divulgação do smartphone G9 com a seguinte legenda: “O moto G9 Plus é completo e vem com tudo o que você quer e precisa. Tem superbateria de 5000 mAh e você ainda recarrega em pouco minutos com o carregador TurboPower™️ 30 W que, claro, acompanha o smartphone”.

A Xiaomi, por sua vez, fez uma publicação no Twitter minutos após o evento da Apple acabar. “#RedmiNote9Pro Carregador rápido de 33w incluso. Na caixa”, escreveu a companhia. O tuite teve 69,3 mil curtidas. Em seguida, a Xiaomi tuitou “Não apple-sível, meu amor!”, fazendo alusão, novamente, ao fato de o iPhone 12 não ter o carregador na caixa.

;

Segundo o site irlandês StatCounter, a Samsung é a fabricante de celulares com a maior participação no mercado, de 30,6%. A Apple, em seguida, tem quase 25% de participação. Em quarto lugar está a Huawei, com 10,6% do mercado. A Xiaomi, em quinto, tem uma fatia de 9,47%.

Ver mais

Tecnologia

Novo carregador sem fio da Xiaomi recarrega celular em menos de 20 minutos

Publicado

dia

Por

Fabricante chinesa apresentou um carregador sem fio com 80 watts de potência, quase o triplo da versão atual

Xiaomi: fabricante chinesa desenvolveu um novo carregador sem fio para smartphones (Xiaomi/Divulgação)

Depois de crescer no segundo trimestre deste ano, Xiaomi lançou um novo carregador sem fio no mercado. A novidade é que o equipamento permite recarregar a maioria dos smartphones compatíveis com a tecnologia de carregamento sem fio em menos de 20 minutos. Isso porque o aparelho permite a recarga completa de uma bateria de 4.000 mAh em 19 minutos.

Para essa recarga extremamente rápida da bateria, o novo carregador da Xiaomi tem capacidade de 80 watts – quase três vezes mais forte do que o carregador de 30 watts lançado em 2019 pela fabricante chinesa.

Em testes realizados no vídeo abaixo, do Wikimovel, o dispositivo mostra que a recarga de metade da bateria leva pouco mais de 8 minutos para ser feita. Já a recarga de 10% da bateria é feita em menos de um só minuto.

Vale destacar que a maioria dos carregadores considerados “rápidos” e que são vendidos junto com os smartphones – com exceção dos iPhones, que agora não são mais acompanhados pelo acessório –, possuem 25 watts de potência. Os carregadores mais fracos têm somente 5 watts.

A Xiaomi não revelou o preço e nem quando pretende disponibilizar o produto no mercado. A expectativa é de que isso aconteça antes do fim do ano.

 

 

Ver mais

Tecnologia

Instagram pode ter exposto dados de milhões de usuários da rede social

Publicado

dia

Por

Rede social está sendo investigada por órgãos de segurança digital da Europa pela prática. Multa pode ser de quase 3 bilhões de dólares

Ver mais

Hoje é

terça-feira, 20 de outubro de 2020

Publicidade

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?