Nossa rede

Ciência

Extinção de espécies aumenta em escala sem precedentes, alerta relatório

Publicado

dia

Pesquisadores alertam que diminuição da biodiversidade é resultado direto da ação humana e representa risco ao bem-estar em todas as regiões do planeta

A poluição plástica cresceu 10 vezes desde 1980 (Jordi Chias/ Proteção Animal Mundial/Divulgação)

As taxas de extinção de espécies animais e vegetais estão aumentando em uma escala sem precedentes. A abundância média de espécies nativas na maioria dos principais hábitats terrestres caiu em, pelo menos, 20%, principalmente desde 1900. Mais de 40% das espécies de anfíbios, quase 33% dos corais e mais de um terço de todos os mamíferos estão ameaçados.

Essa perda é resultado direto da atividade humana e constitui uma grave ameaça ao bem-estar humano em todas as regiões do mundo, alerta um grupo de cientistas de 50 países, incluindo do Brasil. Eles são autores da primeira avaliação global do estado da natureza da Plataforma Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES, na sigla em inglês).

O sumário para os formuladores de políticas do relatório foi lançado nesta segunda-feira (06/05), em Paris, após ter sido aprovado por 132 países durante a sétima sessão plenária do órgão, chamado de “IPCC para a biodiversidade”, que aconteceu na semana passada na capital francesa.

“A saúde dos ecossistemas de que toda a humanidade e as espécies dependem está se deteriorando mais rapidamente do que nunca. Estamos erodindo os próprios alicerces de nossas economias, meios de subsistência, segurança alimentar, saúde e qualidade de vida em todo o mundo”, disse Robert Watson, presidente da IPBES.

Elaborado ao longo dos últimos três anos por 145 especialistas, com contribuições de outros 310 autores, o relatório avaliou mudanças na biodiversidade e nos serviços ecossistêmicos – como o fornecimento de alimentos e de água – durante as últimas cinco décadas. Para isso, foi feita uma revisão sistemática de cerca de 15 mil fontes científicas, governamentais e de conhecimento indígena e de comunidades tradicionais.

“Esse é primeiro relatório intergovernamental que foca não só a biodiversidade, mas também suas interações com trajetórias de desenvolvimento econômico e com fatores que afetam a natureza, como as mudanças climáticas”, disse Eduardo Sonnewend Brondizio, professor da Indiana University, dos Estados Unidos, à Agência FAPESP.

“Nunca tantos dados, de diferentes áreas, como das ciências naturais e sociais, foram reunidos para fazer uma avaliação detalhada da condição do ambiente em escala global e em uma perspectiva integrada de interação com a sociedade”, disse Brondizio.

Radicado há mais de 20 anos nos Estados Unidos, o cientista brasileiro, que foi um dos três copresidentes do relatório, é um dos pesquisadores responsáveis por um projeto apoiado pela FAPESP em parceria com o Belmont Forum – um consórcio das principais agências financiadoras de projetos de pesquisa sobre mudanças ambientais no mundo.

Os outros brasileiros autores do relatório são Ana Paula Aguiar, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe); Bernardo Baeta Neves Strassburg, do Instituto Internacional para Sustentabilidade (ISS); Cristina Adams, da Universidade de São Paulo (USP); Gabriel Henrique Lui, do Ministério do Meio Ambiente; Maria Manuela Ligeti Carneiro da Cunha, da USP; Pedro Henrique Santin Brancalion, também da USP; e Rafael Dias Loyola, da Universidade Federal de Goiás (UFG).

“A contribuição dos autores brasileiros foi excepcional porque todos eles conseguiram trazer uma perspectiva social e ecológica integrada para o relatório. Eles colocaram suas respectivas especialidades, como ecologia, políticas públicas e cenários ambientais, em um contexto interdisciplinar”, disse Brondizio.

Rede mais desgastada

O relatório aponta que ecossistemas, espécies, populações selvagens, variedades locais de plantas e de animais domesticados estão encolhendo, deteriorando ou desaparecendo. Dessa forma, a rede essencial e interconectada da vida na Terra está ficando menor e cada vez mais desgastada.

Pelo menos 680 espécies de vertebrados foram levadas à extinção desde o século 16 e mais de 9% de todas as raças domesticadas de mamíferos usados para alimentação e agricultura foram extintas até 2016. Além disso, estima-se que 1 milhão de espécies animais e vegetais estão agora ameaçadas de extinção.

Entre os fatores responsáveis por esse declínio de espécies estão, em ordem decrescente, as mudanças no uso da terra e do mar, a exploração direta de organismos, as mudanças climáticas, a poluição e espécies tóxicas invasoras.

Desde 1980, as emissões de gases do efeito estufa dobraram, elevando a temperatura média global em pelo menos 0,7 ºC. O aquecimento global já tem afetado a natureza, do ecossistema à genética das espécies, e os impactos devem aumentar nas próximas décadas, em alguns casos, superando o impacto da mudança do uso da terra e do mar e outros fatores, apontam os autores.

“O sumário mostra que a situação da biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos, essenciais para a qualidade de vida, é ainda mais crítica do que a do aquecimento global”, disse Carlos Joly, professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e coordenador do programa BIOTA-FAPESP.

Joly coordenou o Painel Multidisciplinar de Especialistas da IPBES nos seus primeiros anos de existência, ao lado do australiano Mark Londsdeale, da Organização de Pesquisa Científica e Industrial da Commonwealth (CSIRO), e é membro da coordenação da Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (BPBES, na sigla em inglês), cuja criação foi inspirada na IPBES.

O relatório também destaca que três quartos do meio ambiente terrestre e 66% do ambiente marinho foram significativamente alterados pelas ações humanas. Em média, essas tendências foram menos severas ou evitadas em áreas mantidas ou geridas por povos indígenas e comunidades locais.

Mais de um terço da superfície terrestre do mundo e quase 75% dos recursos de água doce são agora dedicados à produção agrícola ou pecuária. O valor da produção agrícola aumentou em cerca de 300% desde 1970, a extração de madeira aumentou em 45% e aproximadamente 60 bilhões de toneladas de recursos renováveis e não renováveis são extraídos globalmente a cada ano – número que quase duplicou desde 1980.

A degradação da terra, contudo, reduziu a produtividade de 23% da superfície terrestre global. Até US$ 577 bilhões em safras globais anuais estão em risco de perda de polinizadores e entre 100 e 300 milhões de pessoas estão em risco aumentado de inundações e furacões devido à perda de hábitats costeiros e proteção, ressaltam os autores do relatório.

A poluição plástica cresceu 10 vezes desde 1980 e entre 300 e 400 milhões de toneladas de metais pesados, solventes, lama tóxica e outros resíduos de instalações industriais são despejados anualmente nas águas do mundo.

Os fertilizantes usados na agricultura e que entram nos ecossistemas costeiros produziram mais de 400 “zonas mortas” oceânicas, totalizando mais de 245 mil quilômetros quadrados (km2) – uma área combinada maior que a do Reino Unido, calcularam os pesquisadores.

“O relatório mostra que as populações mais ricas ou privilegiadas se acostumaram a ignorar os problemas ambientais porque não convivem com os impactos no dia a dia. São as populações mais pobres ou menos privilegiadas que estão sofrendo o impacto desse padrão de vida, na forma de poluição, desmatamento e atividades de mineração em lugares longe dos olhos do resto do mundo”, disse Brondizio.

Segundo os pesquisadores, as tendências negativas na natureza continuarão até 2050 e, além desse período, persistem em todos os cenários de política explorados no relatório, exceto aqueles que incluem mudanças transformadoras – devido aos impactos projetados de mudanças crescentes no uso da terra, exploração de organismos e mudança climática, embora com diferenças significativas entre regiões.

Apesar do progresso nas políticas de preservação, os autores consideram que as metas globais para conservar e usar a natureza de forma sustentável e para alcançar a sustentabilidade não podem ser alcançadas nas trajetórias atuais. As metas até 2030 e para além desse período podem ser alcançadas apenas por meio de mudanças transformadoras e de fatores políticos e tecnológicos, ponderam.

Uma das ações indicadas é a adoção de abordagens integradas e intersetoriais de gestão que levem em conta as compensações da produção de alimentos e energia, infraestrutura, manejo de água doce e costeira e conservação da biodiversidade.

“Ainda não chegamos a um ponto de irreversibilidade na perda de biodiversidade e a consequente degradação dos serviços ecossistêmicos essenciais para a qualidade de vida. Se tomarmos decisões agora, para, em conjunto e de forma coordenada e cooperativa, promovermos mudanças transformativas integradas, inclusivas e baseadas no melhor conhecimento científico disponível, é possível reverter a velocidade da degradação”, disse Joly.

“Isso passa, obrigatoriamente, por conseguir cumprir as metas do Acordo de Paris, pois o aquecimento global já é um dos principais impulsionadores da perda de biodiversidade e degradação dos serviços ecossistêmicos”, ressaltou.

Os autores também identificam como um elemento-chave de políticas futuras mais sustentáveis a evolução dos sistemas financeiros e econômicos globais, visando a construção de uma economia global sustentável, afastando-se do atual paradigma limitado de crescimento econômico.

“O relatório mostra que é preciso mudar a narrativa de que o desenvolvimento econômico é um fim em si mesmo e que todos os custos para alcançá-lo, como a degradação ambiental e a desigualdade social, são inevitáveis e justificáveis”, disse Brondizio.

Comentário

Ciência

Teste da vacina contra covid-19 no Brasil deve levar um ano

Publicado

dia

País é o primeiro a participar do estudo, além do Reino Unido, onde a vacina está sendo desenvolvida; teste envolverá 2.000 voluntários entre 18 e 55 anos

Vacina coronavírus (Dado Ruvic/Reuters)

O resultado do teste da vacina contra o novo coronavírus desenvolvida pela Universidade de Oxford que será realizado no Brasil deve demorar um ano para sair. O estudo vai testar a vacina em 2.000 pessoas no país. O país é o primeiro a participar do estudo, além do Reino Unido, onde a vacina está sendo desenvolvida.

“O desenho do estudo prevê um ano de acompanhamento. Entretanto, na pandemia, se os resultados se mostrarem favoráveis, é possível que a gente já tenha um licenciamento da vacina antes desse prazo”, afirma Lily Yin Weckx, coordenadora do Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIE) da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), responsável pela condução dos testes em São Paulo.

O Brasil foi escolhido para participar do estudo por conta das altas taxas de infecção pela doença. “Para se fazer um estudo de eficácia de uma vacina é preciso estar em um ambiente que favoreça a infecção, e a curva de infecção da covid-19 no Brasil está muito alta. Além disso, o país é reconhecido no mundo pelo estudo e desenvolvimento de vacinas”, diz.

A vacina contra a covid-19 em desenvolvimento na Universidade de Oxford entrou na fase três de testes clínicos, em que pelo menos 10 mil pessoas serão vacinadas para averiguar a eficácia do produto.

Outros países também devem entrar no estudo, mas ainda não há confirmações. Há também a possibilidade de expandir o teste no Brasil, para além dos primeiros 2.000 voluntários. A princípio, o registro formal da vacina deve acontecer apenas após a conclusão dos estudos realizados em todos os países participantes.

O recrutamento de voluntários no Brasil deve começar nas próximas semanas. Assim que começar, a Unifesp vai divulgar contatos para os interessados em participar. Serão recrutadas pessoas que atuem na linha de frente do combate à covid-19 ou estejam mais expostas o vírus, como profissionais de saúde, motoristas de ambulância e pessoas que trabalhem na manutenção de hospitais. O voluntário precisa ter entre 18 e 55 anos e não pode ter sido infectado pelo novo coronavírus.

AstraZeneca

A autorização para a realização do estudo foi feita pela companhia farmacêutica AstraZeneca junto à Anvisa e publicada ontem no Diário Oficial da União. A Fundação Lemann vai custear a infraestrutura médica e os equipamentos necessários. O estudo será randomizado e terá como objetivo determinar a segurança e eficácia da vacina. Os estudos iniciais para a vacina foram realizados na Inglaterra e os resultados demonstraram que o perfil de segurança da vacina foi aceitável.

A AstraZeneca tem um acordo de licenciamento com a Universidade de Oxford, pelo qual a companhia tem a responsabilidade de produzir a vacina desenvolvida pela universidade, e o compromisso de vender a vacina sem gerar lucro durante a pandemia. A vacina é uma das mais promissoras contra a covid-19, e uma das poucas que já está sendo testada em humanos.

O governo americano vai investir 1,2 bilhão de dólares na farmacêutica para garantir o fornecimento da vacina no país. Pelo acordo, o governo norte-americano vai bancar um teste da vacina em 30 mil pessoas no país.

O governo britânico também se comprometeu a pagar 65,5 milhões de libras à AstraZeneca para garantir 100 milhões de doses da vacina aos britânicos. A AstraZeneca está em negociações com outros governos e entidades internacionais.

 

Ver mais

Ciência

Pequeno estudo indica robusta imunidade ao novo coronavírus

Publicado

dia

A pesquisa foi feita com uma amostra pequena de pacientes e traz uma boa notícia para o desenvolvimento de vacinas contra a covid-19

Coronavírus: autoridades sanitárias dos Estados Unidos recomendam uso de máscaras desde o começo de abril (Suwinai Sukanant / EyeEm/Getty Images).

Para os pesquisadores que fizeram o novo estudo, os achados são animadores para a criação de uma vacina contra a covid-19.

“Se tivéssemos apenas uma resposta imune marginal, deveríamos nos preocupar, mas vemos uma resposta robusta das células T contra a espícula de proteína, que é o alvo dos esforços [da pesquisa] contra a covid-10, assim como outras proteínas virais”, afirmou, em nota, Allesandro Sette, professor  do Centro de Pesquisa de Vacinas e Doenças Infecciosas e um dos principais autores do estudo, que foi publicado no periódico científico Cell.

O projeto de vacina com estimativa mais otimista é o da Universidade de Oxford, no Reino Unido, com prazo para setembro. No entato, especialistas internacionais preveem uma distribuição em massa de vacinas contra a covid-19 apenas em 2021.

Ver mais

Ciência

Coronavírus altera maior missão científica da história do Ártico

Publicado

dia

O navio Polarstern estava no Polo Norte quando a pandemia do coronavírus se espalhou, obrigando os cientistas a mudar os planos e continuar no barco

Expedição: Durante 390 dias, quase 600 especialistas e cientistas trabalham em rodízio no navio (AFP/AFP Photo)

Os integrantes da maior expedição científica da história no Ártico se prepararam para tudo, inclusive para ataques de ursos polares. Mas não para uma pandemia que ameaçaria a continuidade da missão.

Com dois meses de atraso, os cientistas da equipe internacional, responsáveis durante mais de um ano por estudar as consequências da mudança climática no Polo Norte, devem finalmente ser substituídos nos próximos dias.

De retorno ao Polo Norte, onde navegou entre os icebergs durante o inverno, o quebra-gelo “Polarstern“, do instituto alemão Alfred-Wegener de Bremerhaven, chegará em breve às costas do arquipélago norueguês de Svalbard.

Quase 100 pesquisadores devem desembarcar, depois de passarem três meses no Polo Norte, para dar lugar a outra centena de colegas, incluindo o comandante da missão, Markus Rex, transportados a bordo de barcos de pesquisa de Bremerhaven.

Este climatologista e físico, que já ficou de setembro a janeiro a bordo do “Polarstern”, havia elaborado com sua equipe mais de dez cenários de casos imprevistos durante os 390 dias da expedição.

“Tivemos que implementar um novo plano muito rapidamente, após o surgimento da pandemia”, disse ele por telefone à AFP, direto de Spitzberg, a principal ilha de Svalbard.

A expedição, batizada MOSAIC e que zarpou em setembro da Noruega, tem por objetivo estudar, ao mesmo tempo, a atmosfera, o oceano, o mar de gelos e o ecossistema para receber dados que avaliem o impacto da mudança climática na região e no mundo.

Durante 390 dias, quase 600 especialistas e cientistas trabalham em rodízio no navio, que segue pela deriva polar, a corrente oceânica que vai do leste ao oeste no Oceano Ártico.

No fim de fevereiro, a embarcação estava a 156 quilômetros do polo. Nunca um navio chegou tão ao norte no inverno.

Inicialmente, a nova equipe, com integrantes de mais de dez países, deveria chegar no início de abril ao “Polarstern”, em uma viagem de avião a partir de Svalbard. Mas o fechamento das fronteiras provocou o cancelamento dos voos.

Finalmente, após vários obstáculos, os líderes da missão decidiram transportar os cientistas, assim como os mantimentos e combustíveis, de barco até Spitzberg.

O “Polarstern” interrompeu a missão há algumas semanas para buscar a nova equipe.

“A segunda grande dificuldade que tivemos foi garantir que o vírus não se propague entre os membros da expedição”, afirmou Markus Rex.

Quarentena estrita

Para assegurar o objetivo, uma quarentena estrita de mais de 14 dias foi determinada à nova equipe em dois hotéis de Bremerhaven, alugados por completo para a missão.

“As portas (dos quartos) não eram abertas, não houve nenhum contato com pessoas externas (…). As refeições eram levadas à porta dos quartos”, explica.

“Todos foram submetidos a três testes de detecção da COVID-19”, declarou Markus Rex, aliviado porque a missão, à qual dedicou 11 anos, poderá continuar.

A bordo do “Polarstern”, que já passou 150 dias de noite polar com temperaturas de até 39,5 graus negativos, a equipe acompanhou a distância o confinamento do planeta.

“Muitos têm famílias e tentam se manter o máximo possível em contato com o telefone por satélite”, afirmou Torsten Kanzow, atualmente no quebra-gelo.

Os obstáculos não devem ter um impacto maior para as pesquisas, segundo o comandante da missão.

O fim da expedição está mantido para 12 de outubro.

 

Ver mais

Ciência

Países estudam arma para evitar 2ª onda de covid-19

Publicado

dia

O Reino Unido, a Austrália e a Nova Zelândia estão estudando formas de fazer a previsão enquanto reabrem suas economias

covid-19

A primeira onda da pandemia do novo coronavírus ainda não acabou, segundo a maioria dos especialistas da área de saúde, como acredita o professor e doutor David Dowdy, da Johns Hopkins. “O Brasil ainda está na primeira onda de infecção, assim como os Estados Unidos. Mas, conforme as restrições forem relaxadas, existe a possibilidade de uma segunda onda acontecer”, afirmou ele. Apesar disso, alguns países já estão se preparando para a segunda onda de contágio, ao mesmo tempo em que relaxam as medidas de distanciamento social.

O Reino Unido, a Austrália e a Nova Zelândia estão estudando formas de fazer essa previsão por meio dos dados já observados sobre a sequência genômica da covid-19. Desde a primeira coleta da sequência genética do vírus, divulgada online em 11 de janeiro, mais de 32 mil genomas virais foram coletados ao redor do mundo. E eles podem ajudar a evitar futuros surtos da doença.

A Nova Zelândia é considerada um exemplo na luta contra o vírus. Na última semana, o país europeu anunciou que não tinha mais pacientes internados com covid-19 e que nenhum novo caso havia sido registrado. Com uma população de 4,8 milhões de habitantes, o país teve apenas 1.504 infectados e 22 mortes, segundo o monitoramento em tempo real da universidade americana Johns Hopkins. Os cientistas neo-zelandeses já sequenciaram 25% do total dos casos, mas querem chegar a 70% para ter um entendimento melhor da doença.

Já o Reino Unido, que iniciou a primeira onda da doença tomando medidas pouco efetivas e logo mudou a estratégia ao ver o número de mortos e doentes aumentar expressivamente, está prestes a experimentar a sua reabertura econômica. Por lá, 276.156 pessoas ficaram doentes e 38.571 morreram. Os cientistas britânicos já sequenciaram 20 mil genomas virais, o que, segundo o cientista Nick Loman, da Universidade de Birmingham, representa 10% do total de casos do país.

Com a reabertura e sem uma vacina ou remédio totalmente eficaz, vem a preocupação de novos infectados surgirem. Um estudo de 2017 aponta que os surtos de doenças tendem a ser menores e mais fracos quando o sequenciamento genômico é utilizado no combate.

Na Austrália, antes do vírus chegar ao país, pesquisadores de Melbourne já se prepararam para dar ínicio aos sequenciamentos. Os dados coletados pelos australianos ajudaram a descobrir a verdadeira fonte de exposição de um profissional da área de saúde e provou que o mesmo havia sido infectado em uma festa, e não no hospital onde trabalhava. Em entrevista à revista científica Nature, um dos cientistas afirmou que “a informação previniu a necessidade de uma investigação sobre um possível surto no hospital”. A Austrália tem 7.204 casos confirmados e 102 mortes até o momento.

Agora, os cientistas australianos estão usando os dados sobre os genomas para ajudar na reabertura das fronteiras, que estão fechadas desde março, sem aumentar o número de casos.

Segundo a Nature cientistas britânicos e norte-americanos estão trabalhando para sequenciar o vírus. Conforme a SARS-CoV-2 se espalhou pelo mundo e evoluiu em determinas regiões, os pesquisadores podem excluir possíveis linhas de transmissão se duas sequências não forem iguais ou conectá-las em casos positivos. O genoma está sendo usado para monitorar o crescimento dos casos e identificar de onde eles vieram. A revista também aponta que, em alguns lugares onde os diagnósticos são limitados, também haverá um gargalo nos dados. No fim das contas, a alternativa é melhor para os países mais ricos. No Brasil a subnotificação ainda é um problema.

Mais de 6 milhões de pessoas foram infectadas pela covid-19 no mundo todo. 372.501 morreram. Os Estados Unidos seguem sendo o epicentro da doença no mundo, com 1.790.191. Recentemente o Brasil atingiu a péssima marca de segundo país com o maior número de infectados. Por aqui já são 514.849 e quase 30 mil mortos.

Ver mais

Ciência

Cápsula SpaceX se acopla com sucesso à Estação Espacial Internacional

Publicado

dia

Este é um passo crucial na missão histórica, a mais perigosa e de alto nível confiada até hoje a uma empresa privada pela Nasa

Nave SpaceX, no momento da acoplagem à Estação Espacial Internacional Nasa/Divulgação

A cápsula Crew Dragon da SpaceX com dois astronautas americanos a bordo, lançada no sábado 30 de Cabo Canaveral (Flórida), se acoplou neste domingo, 31, à Estação Espacial Internacional (ISS).

O primeiro contato e acoplamento da nave espacial ao objetivo, localizado a 400 km da Terra, aconteceu às 10H16 (costa oeste americana, 11H16 de Brasília), alguns minutos antes do previsto. Pouco depois, o procedimento foi concluído com uma vedação hermética.

Veja o vídeo da acoplagm:

Este é um passo crucial na missão histórica, a mais perigosa e de alto nível confiada até hoje a uma empresa privada pela Nasa. A bordo da cápsula estão os astronautas Bob Behnkhen e Doug Hurley, ambos veteranos do programa dos ônibus espaciais da Nasa, finalizado em 2011. “O acoplamento está completo”, afirmou um membro da tripulação.

“Foi uma grande honra ser uma pequena parte deste esforço de nove anos, desde a última vez que uma nave espacial dos Estados Unidos atracou na Estação Espacial Internacional”, completou.

Em seguida, o vestíbulo entre a cápsula e ISS será pressurizado e a escotilha será aberta em cerca de uma hora.

Ver mais

Ciência

Planeta vizinho do Sistema Solar é parecido com a Terra, diz novo estudo

Publicado

dia

O planeta se encontra em zona habitável da estrela Proxima Centauri

Proxima b: ilustração mostra planeta parecido com a Terra (ESO/M. Kornmesser/Divulgação)

Pesquisadores da Universidade de Genebra, na Suíça, confirmaram, na última quinta-feira (28), a existência de um planeta parecido com a Terra na órbita de uma estrela próxima do Sistema Solar.

Chamado de Proxima b, o planeta fica em zona habitável em torno da estrela Proxima Centauri, a mais próxima do Sol. Com isso, ele pode ter condições para a formação de água em estado líquido. O planeta é maior do que a Terra, tendo 1,17 vez a sua massa.

A confirmação da presença do Proxima b foi obtida por meio do uso do Espresso, um espectrógrafo para o Very Large Telescope (VLT) no Chile.

Diferentemente da Terra, o planeta completa uma volta na estrela a cada 11,2 dias, e não 365 dias. Os resultados do estudo foram publicados pelos pesquisadores no jornal científico Astronomy & Astrophysics.

O Proxima b foi detectado pela primeira vez há alguns anos, espectrógrafo mais antigo Harps, que registrou uma perturbação na velocidade da Proxima Centauri, indicando a possível presença de um planeta. A estrela fica a 4,2 anos-luz de distância da Terra.

“A confirmação da existência do Proxima b foi uma tarefa importante e ele é um dos planetas mais interessantes conhecidos na nossa vizinhança solar”, diz, em nota, Alejandro Suarez Mascareño, um dos principais autores do estudo.

Os astronomos ainda precisam coletar mais informações sobre o planeta para descobrir se ele é, de fato, habitável. “Existe uma atmosfera que protege o planeta de raios mortais [da estrela]?”, indaga o pesquisador Christophe Lovis, do Departamento de Astronomia da Universidade de Genebra. “E se essa atmosfera existir, ela contém os elementos químicos que promovem o desenvolvimento da vida [oxigênio, por exemplo]? Há quanto tempo essas condições favoráveis existem?”

Ainda assim, nenhuma nave espacial feita por humanos pode viajar à velocidade da luz. E, para chegar até Proxima b, precisaríamos de uma nave que viajasse a essa velocidade ao longo de 4,2 anos.

 

Ver mais

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade

Viu isso?