Nossa rede

Ciência

De volta à vida: alguns corais crescem novamente após morte anunciada

Publicado

dia

Pesquisadores descobriram corais capazes de colonizar gradualmente as áreas mortas por meio de novas germinações

Um coral é constituído de pequenas criaturas chamadas pólipos, que expelem um exosqueleto calcário ou de matéria orgânica, que se unem em colônias e podem ser encontrado em todos oceanos. (AFP/AFP)

Pela primeira vez, cientistas descobriram que uma espécie de coral que acreditavam estar morto por conta do aquecimento do mar está se recuperando, uma informação que traz um pouco de esperança em meio a todas as ameaças trazidas pelas mudanças climáticas.

A descoberta, feita por Diego K. Kersting, da Universidade Freie de Berlim e da Universidade de Barcelona, durante expedições de mergulho no Mediterrâneo espanhol, foi relatada na revista científica Science Advances nesta quarta-feira (9).

Kersting e a co-autora do estudo, Cristina Linares, monitoraram 243 colônias do coral do tipo Cladocora caespitosa, localizados em recifes ameaçados de extinção desde 2002, por conta do aquecimento das correntes marítimas.

“Em algum momento, vimos pólipos vivos nessas colônias, que pensávamos estarem completamente mortas”, disse Kersting à AFP, acrescentando que foi uma “grande surpresa”.

Um coral é constituído de pequenas criaturas chamadas pólipos, que expelem um exosqueleto calcário ou de matéria orgânica, que se unem em colônias e podem ser encontrado em todos oceanos.

As correntes marítimas quentes matam esses animais – essencialmente assando-os vivos ou fazendo com que eles ejetem as algas simbióticas que vivem dentro deles e que são responsáveis pelo fornecimento de nutrientes, levando ao clareamento dos corais.

Um quarto da cobertura coralina das Ilhas Columbretes, na Espanha, foi perdido por uma onda de calor particularmente extrema em 2003.

Tempo acabando

Mas os pesquisadores descobriram que em 38% das colônias afetadas, os pólipos haviam desenvolvido uma estratégia de sobrevivência: encolhendo suas dimensões, abandonando parcialmente e gradualmente seu esqueleto original, durante um período de vários anos, voltando a crescer e iniciando um novo esqueleto.

Eles foram capazes de colonizar gradualmente as áreas mortas por meio de novas germinações.

Para ter certeza de que os pólipos eram de fato os mesmos animais em recuperação, em vez de novos corais criados por meio da reprodução sexual, a equipe usou imagens em 3D para confirmar que o esqueleto abandonado estava conectado à nova estrutura.

Sabe-se que esse processo de “rejuvenescimento” existe no registro fóssil, mas nunca havia sido observado nas colônias de corais atuais.

Kersting disse que a descoberta abre a possibilidade intrigante de que outros corais modernos ao redor do mundo – como os da Grande Barreira de Corais da Austrália – possam estar aplicando estratégias de sobrevivência semelhantes, embora sejam necessárias mais pesquisas.

Isso também significa que havia uma estreita janela de oportunidade para impedir que os recifes de coral, elementos vitais no ecossistema marítimo que abrigam centena de espécies de peixes e plantas, sejam extintos como resultado das mudanças climáticas.

“Com certeza, são boas notícias, mas o que estamos vendo agora no Mar Mediterrâneo e em outras partes do mundo é que essas ondas de calor marinhas são recorrentes – acontecendo todo verão ou todo segundo verão”, disse Kersting.

Esses corais também crescem muito lentamente – a uma taxa de cerca de 3 milímetros por ano – “então, se você está tendo a cada segundo verão uma onda de calor, e isso mata 10 a 15% da cobertura, quero dizer, os números são claros”, acrescentou.

“Eles realmente precisam da nossa ajuda. Precisamos impedir a mudança climática, porque não será suficiente”.

 

Comentário

Ciência

Fenômenos astronômicos previstos para 2020 vão além de superlua

Publicado

dia

Calendário prevê eclipses solares, lunares e chuvas de meteoros

(foto: Reprodução )

Os fenômenos astronômicos previstos para 2020 vão além da Superlua do último domingo (9/2). O calendário prevê eclipses tanto solares quanto lunares, conjunções e oposições planetárias, chuvas de meteoros e a ocultação de Marte, uma espécie de eclipse, na qual a Lua passará na frente do Planeta Vermelho.

O primeiro deles está previsto para a madrugada entre 31 de março e 1º de abril, quando ocorrerá a conjunção de Marte com Saturno. “Conjunção é simplesmente uma condição de posição; quem olha da Terra, tem a impressão que os planetas estão bem próximos, quase do lado um do outro”, explica o coordenador do projeto Astro&Física do Instituto Federal de Santa Catarina e doutor em física pela Universidade Federal de Santa Catarina, professor Marcelo Schappo.
No dia 20 de dezembro, outra conjunção atrairá, para o céu, os olhares dos apaixonados por astronomia. “Essa é relativamente rara porque ocorre, mais ou menos, de 20 em 20 anos. Ela tem como protagonistas Júpiter e Saturno, dois planetas muito grandes do nosso Sistema Solar. Eles ficarão muito próximos. É bem legal acompanhar até por quem não tem telescópio”, disse o astrônomo.

Eclipse lunar penumbral

Outro evento destacado por Schappo é o eclipse lunar penumbral que ocorrerá em 5 de junho. Esse não será visível no Brasil, mas exatamente um mês depois, no dia 5 de julho, está previsto outro eclipse lunar penumbral e esse poderá ser visto no país.
Segundo o professor, muitas pessoas confundem o eclipse lunar penumbral com o parcial. “A diferença é que, no parcial, uma parte do disco da Lua entra na sombra da Terra. Já no penumbral, uma parte do disco da lua entra na penumbra da Terra, que é uma região mais iluminada do que a sombra”.
“Então fica um pouco mais complicado perceber a olho nu quando o penumbral é pouco intenso. Esse penumbral de julho será de cerca de 40%, então talvez dê para acompanhar algum obscurecimento da face da Lua”, acrescenta.
Outro eclipse penumbral está previsto para o dia 30 de novembro. “No Brasil, só veremos a parte inicial desse eclipse, porque a Lua estará se pondo quando ele começar. Quem estiver no Norte do país, em um lugar próximo da divisa a Oeste com os outros países da América do Sul, terá a chance de vê-lo por mais tempo”, informou o pesquisador.

Eclipse solar

Neste ano, teremos dois eclipses relacionados ao Sol. O do dia 21 de junho não será visível no Brasil. “Esse será um eclipse muito bonito de se ver porque é o chamado anular. Ele ocorre quando a Lua entra na frente do Sol, mas não completa o obscurecimento dele. Fica um anel de luz e fogo ao redor do Sol. Será ótimo de ser visto em uma faixa do continente africano”, diz Schappo.
No dia 14 de dezembro haverá um eclipse solar total, que ocorre quando a Lua passa pela frente do Sol e obscurece completamente o disco solar. “A faixa de observação da totalidade do eclipse será no Sul da América do Sul. Argentina e Chile serão os melhores locais para a observação”, informa o astrônomo.
No Brasil, esse eclipse será percebido de forma parcial, com a Lua escondendo apenas um pedaço do Sol. Quem estiver na Região Sul do país terá melhores condições de observar essa parcialidade, que ocultará de 60% a 70% do disco solar.
“Para quem estiver mais ao Norte, esse percentual será menor. Brasília, por exemplo, verá uma cobertura de cerca de 20%”, completou o astrônomo que faz um alerta: “É fundamental adotar alguns cuidados para ver eclipses solares. Jamais olhem diretamente para o Sol”.
Segundo ele, “independentemente da parcialidade, o eclipse solar é algo perigoso de se olhar sem a devida proteção”.
Para fazer a observação, a possibilidade mais barata é ir a uma loja de construção ou de ferragens e procurar por um vidro de soldador, de tonalidade 14. Basta colocar o vidro na frente dos olhos para fazer a observação do Sol, tanto durante quanto fora do eclipse.
Outra possibilidade citada por Schappo são as observações indiretas, por meio da projeção de uma sombra do eclipse em uma superfície. “Isso pode ser feito com a ajuda de um físico ou de um observatório astronômico, caso haja na cidade. Em geral, esses profissionais sabem bem como montar esse sistema de observação indireto”.

Ocultação de Marte

No dia 9 de agosto, entre as 5h20 e as 6h20 (horário de Brasília), terá a chamada ocultação de Marte. “Essa é bem interessante. A Lua passará na frente do planeta Marte. É quase como se fosse um eclipse”.
Os fenômenos envolvendo os dois corpos celestes não param por aí. “Lua e Marte estarão praticamente coladinhos no dia 6 de setembro, por volta da 0h30”, o que, segundo Schappo, também é um fenômeno interessante de ser visto.

Chuvas de meteoros

A madrugada entre 13 e 14 de dezembro terá outro evento astronômico bastante interessante: o ápice da chuva de meteoros chamada de chuva de Gemenídeas.“Será a melhor chuva de meteoros do ano, com uma taxa de 150 meteoros a cada hora”.
Popularmente conhecido por estrelas cadentes, os meteoros poderão ser vistos com facilidade, principalmente a partir de lugares mais escuros. “Basta olhar para o céu durante um longo período de tempo. O ideal é se afastar das luzes da cidade. A oportunidade estará associada a uma lua nova, que estará apenas 0,6% iluminada. Isso contribuirá muito para percebermos o fenômeno”, completou o astrônomo.

Calendário astronômico para 2020

31 de março a 1º de abril: conjunção de Marte com Saturno
5 de junho: eclipse lunar penumbral
5 de julho: eclipse lunar penumbral
14 de julho: Júpiter em oposição
20 de julho: Saturno em oposição
21 de julho: eclipse solar (anular)
9 de agosto: ocultação de Marte
30 de novembro: eclipse penumbral
13 a 14 de dezembro: chuva de meteoros
14 de dezembro: eclipse solar total
20 de dezembro: conjunção entre Júpiter e Saturno
Ver mais

Ciência

Qual é o perfil mais vulnerável ao coronavírus

Publicado

dia

Desde que o governo chinês anunciou o surto em dezembro, a doença matou 425 pessoas e infectou mais de 20.400

China: província Wuhan é o epicentro do novo vírus (Kevin Frayer/Getty Images)

A primeira vítima mortal do coronavírus foi um homem de 60 anos com problemas de saúde, perfil semelhante ao das outras vítimas da pneumonia viral iniciada na China.

Desde que o governo chinês anunciou o surto em dezembro, esta doença semelhante à Síndrome Respiratória Aguda Severa (Sars) matou 425 pessoas e infectou mais de 20.400.

Até agora, 80% dos mortos são pessoas com 60 anos de idade ou mais e 75% tinham doenças anteriores, como diabetes, informou nesta terça-feira a Comissão Nacional de Saúde da China (NHC).

A taxa de mortalidade permanece em 2,1%, de acordo com a comissão, um número muito inferior aos quase 10% da Sars que surgiu em 2002-2003 e matou 800 pessoas em todo o mundo.

No caso do coronavírus, 97% das vítimas eram da província de Hubei, de cuja capital, Wuhan, o coronavírus apareceu em um mercado que vendia animais vivos.

O governo chinês também indicou que entre as vítimas há pelo menos cinco pessoas com menos de 60 anos. O mais novo é um homem de 36 anos de Wuhan. Fora de Hubei, a taxa de mortalidade é de 0,16%.

Até o momento, apenas duas mortes foram registradas fora da China continental: um homem de 39 anos em Hong Kong que havia viajado para Wuhan e um viajante chinês de Wuhan que morreu nas Filipinas.

Segundo o Comitê de Saúde da China, 632 pessoas se recuperaram da infecção. Entre os 20.400 casos confirmados, o mais novo é um bebê de um mês da região chinesa de Guizhou (sul) e o mais velho é uma pessoa de 90 anos.

Segundo dados das autoridades sanitárias chinesas, os mortos tinham entre 36 e 89 anos. Cinco tinham menos de 60 anos. A vítima mais jovem, o homem de 36 anos de Wuhan, foi hospitalizado em 9 de janeiro e morreu de ataque cardíaco duas semanas depois, segundo as autoridades de saúde de Hubei.

Entre os que se recuperaram, há um homem de 35 anos de Shenzhen, no sul da China, que recebeu alta na quinta-feira passada, segundo as autoridades locais, e um garoto de dez anos que ficou doente quando visitou parentes em Wuhan.

Muitas das vítimas fatais tinham problemas de saúde anteriores, como diabetes ou hipertensão. Um dos falecidos era um homem de 86 anos, hospitalizado em 9 de janeiro, operado quatro anos antes de câncer de cólon e que também sofria de hipertensão e diabetes.

Outra vítima, uma mulher chamada Hu, tinha Parkinson, hipertensão e diabetes.

Embora em várias cidades chinesas haja controle de febre de passageiros que circulam por aeroportos, estações de trem e ônibus, muitas dos falecidos não apresentavam febre quando foram hospitalizadas, segundo o comitê de saúde.

Um homem de 66 anos chamado Luo tinha “tosse seca”, mas não teve febre quando foi internado em 22 de dezembro. Em meados de janeiro, já precisava de respiração artificial.

“Está claro que algumas pessoas foram afetadas e infectadas com apenas alguns sintomas leves ou mesmo sem nenhum sintoma”, disse o médico Jeremy Farrar, diretor da Wellcome Trust Foundation.

Ver mais

Ciência

Elevação dos mares pode inundar aeroportos de Nova York até 2100

Publicado

dia

Segundo estudo, métodos usados para impedir as inundações incluem a construção de diques, muralhas marítimas e espaços subterrâneos

Nova York: aeroportos podem ser inundados pelo aquecimento global (Pawel Gaul/Getty Images)

Nova York — Alguns dos aeroportos mais movimentados do mundo, inclusive os de Nova York, podem ficar debaixo de água até o final do século se o aquecimento global desenfreado elevar os níveis dos mares, disseram pesquisadores nesta quarta-feira (5).

Uma análise do Instituto de Recursos Mundiais (WRI), sediado em Washington, revelou que um aumento de um metro nos níveis dos mares inundaria cerca de 80 aeroportos de todo o globo até 2100.

“Se você sair e lançar um dardo vendado, quase tudo será afetado pela mudança climática, incluindo os aeroportos”, disse Noah Maghsadi, um dos autores.

Um relatório de 2019 do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas alertou que os níveis dos mares podem subir entre 60 e 110 centímetros se as emissões de gases do efeito estufa continuarem a crescer muito.

Mas mesmo que a meta do Acordo de Paris para limitar o aumento de temperatura do planeta a menos de 2 graus Celsius acima dos tempos pré-industriais for cumprida, os pesquisadores estimaram que quase 45% dos aeroportos globais situados em terras baixas podem ser inundados por uma elevação provável de cerca de meio metro dos níveis dos mares.

“Com base nesta análise, mesmo que de fato limitemos a mudança climática, a adaptação ainda precisa acontecer”, disse Maghsadi.

Os métodos usados para impedir as inundações incluem a construção de diques, muralhas marítimas e espaços subterrâneos, disse a análise, que estudou dados do grupo de pesquisa Climate Central sobre os níveis dos mares e da OpenFlights, uma empresa de dados de companhias aéreas e rotas.

 

Ver mais

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade