Nossa rede

Ciência

De volta à vida: alguns corais crescem novamente após morte anunciada

Publicado

dia

Pesquisadores descobriram corais capazes de colonizar gradualmente as áreas mortas por meio de novas germinações

Um coral é constituído de pequenas criaturas chamadas pólipos, que expelem um exosqueleto calcário ou de matéria orgânica, que se unem em colônias e podem ser encontrado em todos oceanos. (AFP/AFP)

Pela primeira vez, cientistas descobriram que uma espécie de coral que acreditavam estar morto por conta do aquecimento do mar está se recuperando, uma informação que traz um pouco de esperança em meio a todas as ameaças trazidas pelas mudanças climáticas.

A descoberta, feita por Diego K. Kersting, da Universidade Freie de Berlim e da Universidade de Barcelona, durante expedições de mergulho no Mediterrâneo espanhol, foi relatada na revista científica Science Advances nesta quarta-feira (9).

Kersting e a co-autora do estudo, Cristina Linares, monitoraram 243 colônias do coral do tipo Cladocora caespitosa, localizados em recifes ameaçados de extinção desde 2002, por conta do aquecimento das correntes marítimas.

“Em algum momento, vimos pólipos vivos nessas colônias, que pensávamos estarem completamente mortas”, disse Kersting à AFP, acrescentando que foi uma “grande surpresa”.

Um coral é constituído de pequenas criaturas chamadas pólipos, que expelem um exosqueleto calcário ou de matéria orgânica, que se unem em colônias e podem ser encontrado em todos oceanos.

As correntes marítimas quentes matam esses animais – essencialmente assando-os vivos ou fazendo com que eles ejetem as algas simbióticas que vivem dentro deles e que são responsáveis pelo fornecimento de nutrientes, levando ao clareamento dos corais.

Um quarto da cobertura coralina das Ilhas Columbretes, na Espanha, foi perdido por uma onda de calor particularmente extrema em 2003.

Tempo acabando

Mas os pesquisadores descobriram que em 38% das colônias afetadas, os pólipos haviam desenvolvido uma estratégia de sobrevivência: encolhendo suas dimensões, abandonando parcialmente e gradualmente seu esqueleto original, durante um período de vários anos, voltando a crescer e iniciando um novo esqueleto.

Eles foram capazes de colonizar gradualmente as áreas mortas por meio de novas germinações.

Para ter certeza de que os pólipos eram de fato os mesmos animais em recuperação, em vez de novos corais criados por meio da reprodução sexual, a equipe usou imagens em 3D para confirmar que o esqueleto abandonado estava conectado à nova estrutura.

Sabe-se que esse processo de “rejuvenescimento” existe no registro fóssil, mas nunca havia sido observado nas colônias de corais atuais.

Kersting disse que a descoberta abre a possibilidade intrigante de que outros corais modernos ao redor do mundo – como os da Grande Barreira de Corais da Austrália – possam estar aplicando estratégias de sobrevivência semelhantes, embora sejam necessárias mais pesquisas.

Isso também significa que havia uma estreita janela de oportunidade para impedir que os recifes de coral, elementos vitais no ecossistema marítimo que abrigam centena de espécies de peixes e plantas, sejam extintos como resultado das mudanças climáticas.

“Com certeza, são boas notícias, mas o que estamos vendo agora no Mar Mediterrâneo e em outras partes do mundo é que essas ondas de calor marinhas são recorrentes – acontecendo todo verão ou todo segundo verão”, disse Kersting.

Esses corais também crescem muito lentamente – a uma taxa de cerca de 3 milímetros por ano – “então, se você está tendo a cada segundo verão uma onda de calor, e isso mata 10 a 15% da cobertura, quero dizer, os números são claros”, acrescentou.

“Eles realmente precisam da nossa ajuda. Precisamos impedir a mudança climática, porque não será suficiente”.

 

Comentário

Ciência

Poluição do ar está ligada a abortos espontâneos na China, diz estudo

Publicado

dia

Os abortos espontâneos não percebidos ocorrem quando um feto morre ou para de crescer no início da gravidez enquanto permanece no útero

China: Os níveis atuais de PM2,5 – pequenas partículas que podem penetrar profundamente nos pulmões – em Pequim ainda são quatro vezes maiores do que os recomendados pela Organização Mundial da Saúde (Jing Xuan TENG/AFP)

A exposição a poluentes transportados pelo ar na China aumenta o risco de abortos espontâneos não percebidos, nos quais o feto morre sem que a mulher grávida sinta nenhum sintoma perceptível, disseram pesquisadores nesta segunda-feira.

Estudos anteriores mostraram uma correlação entre poluição do ar e complicações na gravidez, mas a nova pesquisa – publicada na revista Nature Sustainability por uma equipe de pesquisadores de universidades chinesas – lança luz sobre um impacto pouco estudado da poluição.

O estudo constatou que a exposição a concentrações mais altas de material particulado no ar, bem como dióxido de enxofre, ozônio e monóxido de carbono, foi associada a um maior risco de aborto espontâneo não percebido no primeiro trimestre de gravidez.

Além disso, “o aumento do risco não é linear, mas se torna mais grave quanto maior a concentração de poluentes”, afirmou o estudo.

Os abortos espontâneos não percebidos ocorrem quando um feto morre ou para de crescer no início da gravidez enquanto permanece no útero, e normalmente são detectados durante exames de rotina de ultrassom semanas depois.

Pesquisadores de quatro universidades e da Academia Chinesa de Ciências acompanharam a gravidez de mais de 250.000 mulheres em Pequim de 2009 a 2017, entre elas 17.497 que sofreram abortos.

Os pesquisadores usaram medições de estações de monitoramento do ar próximas às casas e locais de trabalho das mulheres para medir a exposição dos sujeitos à poluição.

“A China é uma sociedade em envelhecimento e nosso estudo fornece uma motivação adicional para o país reduzir a poluição do ar ambiente, a fim de aumentar a taxa de natalidade”, disseram os autores do artigo.

Embora o estudo mostre uma ligação quantitativa entre poluição e abortos espontâneos não percebidos, confirmar uma ligação causal exigiria experimentação de laboratório eticamente carregada em embriões humanos, disse Shaun Brennecke, professor do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da Universidade de Melbourne, que não participou do estudo.

Os autores do artigo “tiveram a vantagem de basear o estudo em Pequim, que teve ao longo do estudo uma ampla gama de níveis de poluição e onde os níveis diminuíram com o tempo”, disse Brennecke à AFP.

Os autores do estudo não responderam ao pedido de comentário da AFP.

Os níveis de poluição do ar na capital da China caíram significativamente nos últimos anos, apesar das leituras de poluição diferirem drasticamente de dia para dia e entre partes da cidade.

Mas os níveis atuais de PM2,5 – pequenas partículas que podem penetrar profundamente nos pulmões – em Pequim ainda são quatro vezes maiores do que os recomendados pela Organização Mundial da Saúde.

A leitura média de PM2,5 por hora da cidade foi de 42,6 microgramas por metro cúbico de ar nos primeiros oito meses de 2019, de acordo com a AirVisual, o braço de pesquisa da empresa de tecnologia de purificação de ar suíça IQAir.

As descobertas do estudo são “consistentes com outros estudos sobre poluição do ar e aborto espontâneo, e também com outros estudos que documentam associações significativas entre poluentes do ar e parto prematuro”, ddise à AFP Frederica Perera, professora de saúde pública da Universidade de Columbia, que não participou do estudo.

Ver mais

Ciência

Entenda a descoberta sobre baterias que venceu o prêmio Nobel de Química

Publicado

dia

Criadores da bateria de lítio vencem Prêmio Nobel de Química em 2019

Nobel: vencedores do Prêmio de Química deste ano são os desenvolvedores da bateria de lítio (Johan Jarnestad/Academia Real das Ciências da Suécia/Reprodução)

São Paulo – Se hoje podemos utilizar os celulares e outros aparelhos eletrônicos portáteis o dia inteiro, é graças aos cientistas John B. Goodenough, M. Stanley Whittingham e Akira Yoshino – que receberam o prêmio Nobel de Química de 2019 pela criação das baterias de íons de lítio. Quando os pesquisadores começaram a desenvolver a bateria, na década de 1970, eles optaram pelo uso do lítio exatamente pela reatividade do metal – porém, após alguns testes, perceberam que teriam que estabilizar o material para evitar possíveis explosões ao recarregarem a bateria.

Por isso, os pesquisadores decidiram trocar o ânodo – que é o polo negativo – por outro elemento. Foi John Goodenough quem teve a ideia de utilizar os íons positivos do lítio para constituir a bateria, o que acarretaria em cerca de 4 volts de potencial.

Assim que começaram a utilizar o cátodo – polo positivo – do metal lítio sugerido por Goodenough, foi Akira Yoshino que conseguiu desenvolver a primeira bateria que poderia ser comercializada, a partir de um material feito de carbono que conseguiria armazenar os íons positivos do lítio. Nesse momento, em 1985, os cientistas estavam deixando de utilizar titânio na constituição das baterias.

 

Quando testaram a bateria desenvolvida por Yoshino, os cientistas perceberam que a bateria poderia ser recarregada cerca de 100 vezes seguidas sem que começasse a falhar. Uma das maiores vantagens desse tipo de bateria é que suas reações químicas não se atrapalham, portanto, a chande de ocorrer uma espécie de choque interno é pouca, deixando-as mais duráveis.

A potência e durabilidade são fatores que tornaram essas baterias extremamente importantes para a vida moderna, pelo fato de conseguirem garantir energia para aparelhos eletrônicos – smartphones, videogames portáteis, entre outros – durante um dia inteiro ou até mais. Confira, abaixo, uma representação em inglês postada pelo Twitter oficial do Prêmio Nobel sobre o funcionamento das baterias:

 

Os vencedores do Nobel de Química repartirão, entre em si, um prêmio de cerca de R$ 3,7 milhões de reais.

Ver mais

Ciência

Revelado mistério das caixas que apareceram nas praias brasileiras

Publicado

dia

Descoberta, feita durante pesquisa sobre derramamento de óleo no Nordeste, elucidou mistério que começou há um ano

Cargueiro transportava principalmente fardos de borracha bruta. (THYRONE/Getty Images)

Fortaleza – Enquanto tentavam decifrar as causas do derramamento de óleo no Nordeste, pesquisadores da Universidade Federal do Ceará descobriram que centenas de caixas de borracha, que começaram a aparecer misteriosamente nas praias brasileiras há um ano, pertenciam a um navio alemão abatido em 1944.

O navio foi torpedeado por tropas americanas perto do Recife, em janeiro daquele ano, durante a 2.ª Guerra Mundial. Os pesquisadores identificaram inscrições em alemão na placa metálica de uma das caixas. Foi a partir daí que uma pesquisa histórica elucidou o enigma.

“Conseguimos identificar um cargueiro, chamado Rio Grande, em um banco de dados americano sobre naufrágios no Atlântico Sul durante a 2.ª Guerra. Esse cargueiro transportava principalmente fardos de borracha bruta”, disse o oceanógrafo físico Carlos Teixeira.

Para confirmar a hipótese, pesquisadores fizeram uma simulação numérica computadorizada, em que são liberadas partículas no lugar do naufrágio. O resultado mostra que elas chegam exatamente ao litoral nordestino. Qualquer relação dos fardos com as manchas de petróleo está descartada.

Ver mais

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade