Nossa rede

Saúde

Vacina não causa autismo, novo estudo comprova

Publicado

dia

O maior estudo já realizado sobre o assunto reforça que a vacina contra caxumba, rubéola e sarampo não aumenta o risco de autismo em crianças

Os pesquisadores não encontraram maior incidência proporcional do diagnóstico entre as crianças vacinadas e não vacinadas. (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Em tempos de fake news, disseminação de grupos anti-vacina e epidemia de sarampo, notícias boas e confiáveis sobre o assunto são sempre bem vindas. Um novo estudo – o maior já feito sobre o assunto – acaba de comprovar que a vacina tríplice viral, que protege contra o sarampo, a caxumba e a rubéola, não causa autismo.

“A tríplice viral não aumenta o risco para o autismo, não desencadeia o autismo em crianças suscetíveis e não está associada ao agrupamento de casos de autismo após a vacinação.”, escreveram os autores do estudo.

Embora estudos anteriores já tenham mostrado que a vacina não está associada ao autismo, muitos pais insistem em não imunizar seus filhos – prejudicando não só estes, mas também outras crianças – com essa justificativa. Para acabar de uma vez por todas com esse mito disseminado por um charlatão em 1998, pesquisadores do Instituto Statens Serum, na Dinamarca, acompanharam por dez anos, 657.461 crianças nascidas no país entre 1999 e 2010.

A Dinamarca tem um programa nacional de vacinação gratuito e voluntário. Do total, 31.619 crianças não foram vacinadas e 6.517 receberam o diagnóstico de autismo.  Isso corresponde a uma taxa de incidência de 129,7 a cada 100.000. Os pesquisadores não encontraram maior incidência proporcional do diagnóstico entre as crianças vacinadas e não vacinadas.

“A comparação entre crianças vacinadas e não vacinadas produziu uma razão de risco de autismo de 0,93. Nenhum risco aumentado de autismo após a vacinação foi consistentemente observado em subgrupos de crianças definidas de acordo com a história de autismo dos irmãos, fatores de risco do autismo (com base em um escore de risco de doença) e outras vacinações ou durante períodos específicos após a vacinação”, afirma o estudo publicadona segunda-feira na revista científica Annals of Internal Medicine. 

Em entrevista à rede americana CNN, Paul Offit, diretor do Centro de Educação em Vacinas do Hospital Infantil da Filadélfia, afirma que a maior contribuição do estudo foi a avaliação de crianças com risco aumentado de autismo, como as que já têm um irmão com o diagnóstico.

Anders Hviid, líder do estudo e pesquisador do departamento de epidemiologia do Instituto Statens Serum acredita que o novo estudo oferece dados confiáveis e tranquilizadores ​​de que o vínculo entre vacina e autismo não existe.

O mito

O mito que associa vacinas e autismo surgiu de um estudo publicado em 1998 na revista científica The Lancet. O médico britânico Andrew Wakefield alegava, em seu estudo, que 12 crianças que eram normais até receberem a vacina tríplice viral se tornaram autistas depois de desenvolverem inflamações intestinais causadas pelo imunizante.

Depois da publicação, muitos pais deixaram de vacinar seus filhos contra as infecções infantis, contribuindo para um aumento de casos de sarampo nos Estados Unidos e na Europa. Anos depois, uma reportagem publicada no periódico científico BMJ, feita pelo jornalista Brian Deer, mostrou que cinco das 12 crianças já tinham problemas de desenvolvimento, fato encoberto por Wakefield.

Várias pesquisas e investigações (britânica, canadense e americana) publicadas depois do controvertido estudo – que só levou em conta essa amostragem de 12 crianças – não encontraram qualquer correlação entre o aparecimento do autismo e a vacina tríplice. Em 2010, a revista médica britânica The Lancet, onde o estudo foi originalmente publicado, se retratou formalmente e retirou o artigo de seus arquivos. Wakefield também perdeu o direito de praticar medicina.

Apesar de todos os esforços da ciência e das autoridades de saúde, o estrago feito pelo artigo fraudulento de Wakefield permanece até hoje. “Os pesquisadores dos EUA concluíram que uma redução de 5% na cobertura vacinal triplicaria os casos de sarampo, com custos econômicos significativos para a saúde. Um dos principais motivos pelos quais os pais evitam ou estão preocupados com a vacinação infantil tem sido a ligação percebida com o autismo.”, disse Hviid.

Casos de sarampo têm aumentado em todo o mundo, em parte, pela não vacinação. A gravidade do problema fez com que a Organização Mundial da Saúde (OMS) coloca a relutância ou a recusa em vacinar como uma das 10 principais ameaças à saúde global em 2019.

Dez países, incluindo o Brasil, foram responsáveis ​​por quase 3/4 do aumento total de casos da doença em 2018. O país aparece na 3ª posição com o maior número de casos. Até o dia 21 de janeiro, 10.302 casos da doença foram confirmados no Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde.

Fonte Veja

 

Comentário

Saúde

Casos de sarampo crescem 36% e chegam a 1,8 mil em São Paulo

Publicado

dia

A capital paulista concentra, sozinha, 73% das pessoas identificadas com a doença, com 1.314 casos

Sarampo: doença é transmitida pela fala, tosse e espirro e seus casos estão aumentando em São Paulo (indsey Wasson/Reuters)

O número de casos de sarampo cresceu 36% no estado de São Paulo desde a semana passada. O último balanço da Secretaria Estadual de Saúde, divulgado na noite desta terça (20), aponta para o registro de 1.797 casos. Até o dia 16 eram 1.319 ocorrências.

A capital paulista concentra, sozinha, 73% das pessoas identificadas com a doença, com 1.314 casos. No último balanço da secretaria, a cidade tinha 997 registros de sarampo. Outros municípios da Grande São Paulo também lideram o número de casos, como Guarulhos, com 56 ocorrências, Santo André (47) e São Bernardo do Campo (35).

Ao todo, 74 cidades paulistas registraram ocorrência de sarampo neste ano. Nesses municípios, está sendo feita uma ação de vacinação em bebês entre 6 meses e um ano de idade.

Essa dose extra de vacina não será, segundo a secretaria, contabilizada no calendário nacional de vacinação. Por isso, as crianças ainda devem ser vacinadas aos 12 meses com a tríplice viral e aos 15 meses com a tetraviral. A vacina tríplice viral protege contra sarampo, rubéola e caxumba. A tetra acrescenta a imunização contra varicela.

O sarampo é uma doença infecciosa aguda, provocada por vírus, grave e transmitida pela fala, tosse e espirro. A doença é extremamente contagiosa, mas pode ser prevenida pela vacina. O sarampo caracteriza-se principalmente por febre alta, dor de cabeça, manchas vermelhas no corpo, tosse, coriza, conjuntivite e manchas brancas na mucosa bucal.

 

Ver mais

Aconteceu

Casos de sarampo no país sobem para 1.845 e chegam a 11 estados

Publicado

dia

Com a escalada da doença, governo estende a vacinação a todas as crianças de seis meses a menores de 1 ano de idade em todo o país

Nesta terça-feira, 20, o Ministério da Saúde anunciou 1.845 casos confirmados de sarampo no país até o dia 18 de agosto. O número é 32% maior que os 1.388 casos divulgados na última quarta-feira (14). Surtos da doença já atingem 88 cidades de 11 estados: São Paulo (1.662), Rio de Janeiro (6), Pernambuco (4), Bahia (1), Paraná (1), Goiás (1), Maranhão (1), Rio Grande do Norte (1), Espírito Santo (1), Sergipe (1) e Piauí (1).

Diante disso, a partir desta quinta-feira (22), todas as crianças de seis meses a menores de 1 ano devem ser vacinadas contra o sarampo em todo o país. A medida tem caráter preventivo e busca intensificar a vacinação desse público-alvo, que é mais suscetível a casos graves e óbitos. A ação é uma resposta do Ministério da Saúde ao aumento de casos da doença em alguns estados. O objetivo é vacinar 1,4 milhão de crianças nessa faixa etária que não receberam a dose extra, chamada de ‘dose zero’.

Vale ressaltar que essa dose não substitui as doses previstas no calendário nacional de vacinação da criança que devem ser aplicadas aos 12 meses de idade e aos 15 meses de idade. Sendo assim, além dessa dose inicial, os pais e responsáveis devem levar os filhos para tomar a vacina tríplice viral aos 12 meses de idade e a tetra viral ou a tríplice viral + varicela aos 15 meses de vida.

Além de vacinar as crianças na faixa etária prioritária, o Ministério da Saúde orientou estados e municípios a realizarem o bloqueio vacinal. Ou seja, em situação de surto ativo do sarampo, é preciso vacinar todas as pessoas que tiveram ou tem contato com aquele caso suspeito em até 72 horas. Neste caso, recomenda-se que sejam realizadas de forma seletiva. Ou seja, quem já está vacinado e tem como comprovar isso não deve ser revacinado.

Ver mais

Saúde

Vacina contra clamídia começa a ser testada em humanos

Publicado

dia

Pesquisadores dos Estados Unidos desenvolvem duas versões contra a doença que afeta mais jovem garotas

Clamídia: nova vacina é testada (Getty Images/Reprodução)

São Paulo – Um teste clínico realizado por profissionais da Escola de Medicina da Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, está avançando no desenvolvimento de uma vacina contra a clamídia, doença sexualmente transmissível (DST). Segundo um relatório publicado na revista The Lancet, a vacina já está sendo testada em humanos.

Para a realização do teste clínico, 36 mulheres saudáveis foram escolhidas para receberem, aleatoriamente, duas versões da vacina ou um tratamento por placebo. Segundo o relatório, ambas as versões da vacina projetada são seguras, e produzem igualmente uma resposta positiva, o que não foi visto durante o tratamento por placebo. Toni Darville, pediatra especialista em doenças infecciosas, relatou no estudo que a vacina pode ter um efeito bastante promissor na saúde pública.

A doença, causada pela bactéria Chlamydia trachomatis, afeta cerca de 131 milhões de homens e mulheres a cada ano, de acordo com os pesquisadores. A Organização Mundial da Saúde (OMS) relatou, em junho deste ano, que cerca de 1 milhão de pessoas contraem DSTS todos os dias – entre elas, clamídia, gonorreia e sífilis. A clamídia é mais comum entre mulheres, que sofrem de mais complicações caso não seja tratada, como infertilidade e gravidez tubária – ocorre nas trompas.

“A porcentagem de mulheres que desenvolvem essas complicações é relativamente baixa”, disse Darville. No entanto, a médica complementa que o grande número de infecções retrata um número significante de mulheres com problemas na região pélvica, já que a infecção fica concentrada na região do colo útero.

Segundo Darville, antibióticos podem ser uma solução imediata, mas não são confiáveis para um tratamento. Desenvolver uma vacina que protege o ser humano da bactéria é importante para dar ao paciente uma qualidade de vida melhor. No entanto, é um desafio, visto que a trajetória e vida da bactéria dentro do organismo humano é imprevisível. Com base em testes anteriores realizados em animais, os cientistas esperam que a vacina seja forte o suficiente para provocar uma reação imune consistente.

Se a vacina conseguir passar para os próximos testes clínicos e seu uso for aprovado, a idade ideal para vacinação de garotas e garotos seria por volta dos 11 e 12 anos – mesma faixa etária em que é recomendada a primeira dose de vacina contra a HPV, doença que também é sexualmente transmissível. Os pesquisadores comentaram no relatório que estão bastante otimistas com a aprovação.

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade