Nossa rede

Mundo

Turquia prende dois jornalistas acusados de ligação com terrorismo

Publicado

dia

Os detidos publicaram, em jornal de oposição ao governo, imagens sugerindo que o país ajudou a enviar armas para a Síria

A Turquia prendeu nesta quinta-feira dois jornalistas do país sob acusação de ajudarem terroristas por meio de espionagem e divulgação de segredos de Estado. São eles Can Dundar, editor-chefe do jornalCumhuriyet, e Erdem Gul, correspondente da publicação na capital Ancara.

Em maio, eles publicaram fotografias vazadas da polícia que sugerem, mas não comprovam, que os serviços de inteligência turcos ajudavam a enviar armas para rebeldes islâmicos da Síria. Na época, o presidente do país, Tayyip Erdogan, afirmou que não perdoaria as reportagens.

 

O Cumhuriyet é um importante jornal opositor na Turquia. Segundo a imprensa do país, os jornalistas enfrentam uma série de acusações que pedem prisão perpétua, incluindo adesão a uma organização terrorista armada e publicação de material em violação à segurança do Estado. No início do mês, um tribunal da Turquia já havia decretado a prisão de outros dois jornalistas da Nokta, uma revista contrária ao governo.

Nesta sexta-feira, a embaixada dos Estados Unidos em Ancara publicou, em sua conta do Twitter, uma mensagem dizendo estar “muito preocupada” com a prisão dos jornalistas e com “o que parece ser mais outro meio de comunicação sob pressão”. “Esperamos que as autoridades e instituições turcas respeitem o princípio fundamental da liberdade de imprensa previsto na constituição do país.”

Já a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (Osce) afirmou que essa situação “piora ainda mais uma situação de liberdade de imprensa já crítica na Turquia”. “É inaceitável que os jornalistas enfrentem uma vida na prisão por causa de reportagens que as autoridades consideram perigosas”, disse Dunja Mijatovic, representante de liberdade de imprensa do órgão.

Comentário

Mundo

Torre Eiffel é evacuada após homem escalar monumento parisiense

Publicado

dia

‘O procedimento é usual. Devemos impedi-la de continuar e, neste caso, a Torre é evacuada’, acrescentou uma fonte da empresa, que não sabia dizer quantos turistas foram evacuados

Paris, França — A Torre Eiffel foi evacuada, nesta segunda-feira (20/5), depois que um homem foi visto escalando o emblemático monumento parisiense, informou a empresa que administra o local à AFP.
“Detectamos uma pessoa subindo. Este é o procedimento usual. Devemos impedi-la de continuar e, neste caso, a Torre é evacuada”, acrescentou uma fonte da empresa, que não sabia dizer quantos turistas foram evacuados.
Membros da polícia e bombeiros foram enviados ao local, disse uma fonte policial.
“A Torre Eiffel está atualmente fechada até novo aviso”, afrima em francês e inglês um posto na conta oficial do monumento no Twitter, na qual os turistas são recomendados a adiar a visita.
A polícia está em contato com o indivíduo, mas, por enquanto, as razões pelas quais a fachada do monumento foi escalada são desconhecidas, disse a mesma fonte.
Não é a primeira vez que uma pessoa tenta subir neste emblemático monumento de 324 metros de altura.
Em outubro de 2017, foi completamente evacuada devido à presença de um jovem que ameaçou cometer suicídio.
A França, que atrai turistas de todo o mundo por seus monumentos, cultura e gastronomia, recebeu 89,4 milhões de turistas estrangeiros no ano passado, mantendo assim sua posição como o principal destino do mundo.
E a Torre Eiffel, que este ano celebra 130 anos desde a sua construção, é o monumento mais visitado com acesso pago no mundo, com sete milhões de ingressos por ano.

 

Ver mais

Mundo

Narendra Modi deve ser reeleito na Índia com folga, aponta pesquisa

Publicado

dia

De acordo com a maioria das pesquisas boca de urna, o resultado deve ser melhor do que o esperado nas últimas semanas

(foto: Sanjay Kanojia/AFP)

A aliança do atual primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, deve assegurar uma ampla maioria no Parlamento após a eleição geral do país, que foi concluída neste domingo (19/5). De acordo com a maioria das pesquisas boca de urna, o resultado deve ser melhor do que o esperado nas últimas semanas.

A Aliança Democrática Nacional de Modi (NDA, na sigla em inglês) deve conquistar entre 339 e 365 cadeiras da Câmara baixa do Parlamento, composta por 545 membros, seguido por 77 a 108 cadeiras para a oposição.

 

Ver mais

Mundo

Polarização política deve pautar escolha do Parlamento da União Europeia

Publicado

dia

Depois que escândalo veio à tona, milhares de pessoas se reuniram na frente da Chancelaria, exigindo a queda do governo

O líder da extrema direita e vice-chanceler austriaco Heinz-Christian Strache (E): escândalo às vésperas da eleição europeia
(foto: Alex Halada/AFP)

Às vésperas da eleição europeia, a ultradireita anti-UE sofreu um duro baque com um escândalo de corrupção que atingiu em cheio um de seus principais representantes. O Partido da Liberdade da Áustria (FPÖ) provocou a queda do gabinete de Viena depois que seu líder máximo, o vice-premiê Heinz-Christian Strache, decidiu renunciar após a divulgação de um vídeo no qual promete contratos públicos à sobrinha de um bilionário russo em troca de financiamento para campanha eleitoral.
O “caso Ibiza” como foi chamado, foi o bastante para que o chanceler (chefe de governo) Sebastian Kurz, do Partido Popular Austríaco (ÖVP) anunciasse o fim do gabinete de coalizão e a convocação de eleições antecipadas.
“Eu cometi um erro e não quero que isso seja um pretexto para enfraquecer a coalizão formada em dezembro de 2017 com os conservadores de Kurz”, afirmou Strache ao anunciar a renúncia. O ex-vice-premiê denunciou um “ataque político direcionado” contra seu partido, um dos mais sólidos do bloco de extrema direita que disputa nesta semana as eleições europeias,  e assegurou não ter cometido “irregularidades”.
Depois que o escândalo veio à tona, milhares de pessoas se reuniram na frente da Chancelaria, exigindo a queda do governo.
A revista Der Spiegel e o jornal Süddeutsche Zeitung, ambos alemães, publicaram em seus sites fragmentos de uma gravação com câmera oculta de uma reunião que teria acontecido meses antes das eleições parlamentares de 2017, na Áustria. As imagens mostram Strache e Johann Gudenus, líder da bancada parlamentar do FPÖ, conversando com uma mulher que diz ser sobrinha de um oligarca russo. Os três conversam sobre como investir dinheiro na Áustria, especificamente para controlar o jornal de maior tiragem do país, o Krone Zeitung.
A conversa envolve, principalmente, a participação acionária no poderoso jornal austríaco.
Strache sugere que, sob uma nova direção, o Krone poderia ajudar o FPÖ em sua campanha eleitoral. Também diz à mulher que seu grupo poderia ter acesso a contratos públicos, caso garantisse a participação no gabinete, e assegura que o arranjo não enfrentaria resistências na redação. “Os jornalistas lá são os maiores prostituídos do planeta”, disse o líder direitista.
Strache diz, na filmagem, que pretendia copiar o esquema de controle da mídia exercido na vizinha Hungria pelo premiê Viktor Orban, outros dos expoentes da direita antieuropeia. A reunião, ocorrida na ilha espanhola de Ibiza, foi uma armadilha para pegar o líder do FPÖ, segundo a imprensa alemã, que não sabe quem montou a operação.
Strache admitiu que participou da reunião, mas negou que tenha cometido qualquer crime. Ele denunciou o que classificoun como “um golpe pérfido” e ressaltou que esse encontro não teve continuidade. “Foi uma coisa idiota e irresponsável”, admitiu.
Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade