Nossa rede

Ciência

Técnica brasileira visa transplante de órgãos de porcos para humanos

Publicado

dia

Para reduzir a fila de transplante de órgãos, pesquisadores apostam na modificação de porcos para tornar seus órgãos compatíveis com o organismo humano

Xenotransplante: porcos modificados para esse fim são criados em países como Alemanha e Estados Unidos (Torwai Suebsri / EyeEm/Getty Images)

A possibilidade de reduzir ou mesmo acabar com a fila de transplante de órgãos no Brasil pode se tornar uma realidade por meio do xenotransplante.

Assim é chamado o transplante de órgãos entre duas espécies diferentes – nesse caso o Sus scrofa domesticus e o Homo sapiens, porco e homem.

A iniciativa foi apresentada no primeiro dia da FAPESP Week London, que ocorre de 11 a 12 de fevereiro de 2019.

“Os órgãos dos suínos são muito semelhantes aos de humanos, mas se fossem transplantados hoje seriam rejeitados. A ideia é modificá-los para que se tornem compatíveis com o organismo humano”, disse Mayana Zatz, professora do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB-USP) e pesquisadora responsável pelo estudo.

A coordenação científica é do IB-USP, no âmbito do Centro de Pesquisa do Genoma Humano e Células-Tronco (CEGH-CEL), um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

As outras instituições associadas são o Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP e o Laboratório de Imunologia do Instituto do Coração (InCor).

O projeto é uma parceria da farmacêutica EMS e FAPESP, no âmbito do Programa de Apoio à Pesquisa em Parceria para Inovação Tecnológica (PITE). É coordenado pelo professor Silvano Raia, da Faculdade de Medicina da USP. Raia foi o primeiro médico a realizar um transplante de fígado com doador cadáver na América Latina e o primeiro transplante com doador vivo no mundo.

Atualmente, porcos modificados para esse fim são criados em países como Alemanha e Estados Unidos, com resultados promissores de transplantes de seus órgãos em macacos.

Segundo a geneticista, três genes que provocam a rejeição são bem conhecidos. Desativando-os por meio da técnica de edição gênica conhecida como Crispr-Cas9, é possível fazer com que o sistema imunológico humano não rejeite os órgãos.

O soro do sangue desses porcos será testado com o de pessoas que estão na fila de transplante de rim, a fim de verificar a presença de anticorpos que possam rejeitar os órgãos suínos na população brasileira.

As amostras fazem parte da soroteca do Laboratório de Imunologia do InCor, dirigido pelo médico Jorge Kalil, professor da Faculdade de Medicina da USP e um dos responsáveis pelo projeto. Atualmente, mais de mil amostras de soro de pacientes candidatos a transplante de rim que têm rejeição a qualquer rim humano compõem a soroteca.

Simultaneamente, Kalil e a professora Maria Rita Passos-Bueno, do IB-USP e também pesquisadora do projeto, vão desenvolver novos protocolos de acompanhamento de futuros pacientes transplantados, a fim de monitorar no sangue o surgimento de anticorpos que possam causar rejeição.

O Brasil ocupa a segunda colocação em número absoluto de transplantes, atrás apenas dos Estados Unidos. No entanto, a fila de espera por órgãos ultrapassou 41 mil inscritos em 2016. O transplante de rim é o que apresenta a maior discrepância entre número de pacientes na fila de espera e procedimentos realizados: foram 5.592 transplantes para 24.914 inscritos. Em 2017, 1.716 pacientes morreram enquanto esperavam por um rim.

“Trata-se de desenvolver um produto de base biotecnológica nacional, cujo objetivo final será prover à população em fila de espera para transplantes uma alternativa terapêutica viável e definitiva, que pode encurtar o sofrimento do paciente e seus familiares”, disse Zatz à Agência FAPESP.

Hoje, mesmo transplantes entre humanos exigem que o transplantado tome medicamentos imunossupressores, alguns para o resto da vida, a fim de combater a rejeição. No caso dos que precisam de transplante de rim, há ainda um custo elevado em hemodiálise daqueles que esperam por um novo órgão.

A fase inicial do projeto tem duração prevista de três anos e prevê ainda compatibilizar aspectos éticos, religiosos e legais do xenotransplante, pela criação de uma cátedra sobre o assunto no Instituto de Estudos Avançados.

Fabricação de órgãos

Durante sua palestra, Zatz apresentou ainda os resultados mais recentes da criação de órgãos a partir de células-tronco. Como parte do trabalho de doutorado de Ernesto Goulart, de pós-doutorado de Luiz Caires e de Luciano Abreu Brito – todos com bolsa da FAPESP –, fígado e artéria hepática de ratos foram criados usando células-tronco de um mesmo animal.

A aorta e o fígado de ratos foram descelularizados, ou seja, foram removidas todas as células por ácidos especiais, restando apenas um suporte (scaffold) formado por colágeno. Células-tronco de humanos foram colocadas nesses suportes e se reprogramaram em células hepáticas e de aorta, criando novos órgãos.

Futuramente, essa pode ser uma solução para pessoas que precisam de transplante de órgãos. Por serem feitos com células do próprio paciente, estes não estariam sujeitos a rejeição pelo organismo.

Zatz apresentou ainda outras possibilidades de uso da genética para um envelhecimento saudável, como a medicina P4 (preditiva, preventiva, personalizada e participativa). Por meio da análise do perfil genético do paciente, é possível saber quais doenças a pessoa pode vir a desenvolver. Com isso, pode-se preveni-las e mesmo participar do tratamento junto com o médico.

“A partir de estudos de milhares de pessoas no mundo inteiro que têm doenças, comparando com pessoas saudáveis, podemos derivar o que chamamos de riscos poligênicos, que são as chances aumentadas de ter diabetes, problemas cardíacos, hipertensão, câncer, entre outras. Essas doenças dependem muitos dos genes, mas também do ambiente”, disse Zatz.

A pesquisadora apresentou ainda o projeto 80+, que sequenciou o genoma de 1.324 pessoas com mais de 60 anos para entender como os que permanecem saudáveis depois dos 80, ou mesmo depois dos 100 anos de idade, diferem dos demais e quais desses fatores podem ser aplicados para a população como um todo. Atualmente existem cerca de 500 mil pessoas acima de 100 anos no mundo.

Comentário

Ciência

Terceira e última superlua de 2019 poderá ser vista nesta quarta

Publicado

dia

Lua estará cheia às 22h43. Neste ano, já ocorreram outras duas superluas: em 21 de janeiro e em 19 de fevereiro.

Superlua se ergue sobre as margens do rio Loire, em Lavau-sur-Loire, oeste da França, em 19 de fevereiro — Foto: Loic Venance/AFP

De tempos em tempos, a Lua parece maior. Ela atinge o perigeu: ponto da órbita mais próximo da Terra. A tudo isso chamamos de “superlua”. A terceira e última do ano ocorre nesta quarta-feira (20) – junto com a chegada do outono.

  • A Lua estará cheia às 22h43;
  • O outono começa às 18h58;
  • Distância da Lua da Terra: cerca de 360 mil quilômetros.

O termo “superlua” surgiu em 1979 e não é o que poderíamos chamar de um “conceito astronômico”. Ele é usado fora do meio acadêmico para fazer referência à união do perigeu com a Lua cheia. Não é uma situação rara de apreciar, mas é uma excelente oportunidade para quem quer começar a observar o céu.

Neste ano, já ocorreram duas superluas: uma em 21 de janeiro e outra em 19 de fevereiro.

Entenda os fenômenos da Superlua e Microlua — Foto: Juliane Souza/G1Entenda os fenômenos da Superlua e Microlua — Foto: Juliane Souza/G1

Entenda os fenômenos da Superlua e Microlua — Foto: Juliane Souza/G1

Detalhes importantes:

  • A órbita da Lua ao redor da Terra tem forma elíptica – uma forma oval que aproxima e distancia o satélite do nosso planeta;
  • O ponto mais distante dessa elipse é chamado apogeu. É quando acontece a Microlua;
  • O ponto mais próximo é o perigeu;
  • Quando a Lua está cheia e em seu perigeu (Superlua), ela pode parecer até 14% maior e 30% mais brilhante ao ser vista da Terra do que no momento do apogeu, segundo a Nasa.

Fonte G1

 

Ver mais

Ciência

Aranha descoberta na Colômbia recebe nome de vilões de Star Wars

Publicado

dia

As aranhas de patas calvas, consideradas as mais enigmáticas da ordem das migalomorfas, constituem uma família de apenas 11 espécies

Aranha “Stormtropis”: nome vem dos stormtroopers, os soldados do Império da saga “Star Wars” (Edgar Su/Reuters)

Washington – Uma equipe de cientistas encontrou um novo gênero de aranha na Colômbia e o batizou de “Stormtropis”, em homenagem aos stormtroopers, os soldados do Império da saga “Star Wars”, segundo informou um estudo publicado na revista científica “ZooKeys” nesta quinta-feira (14).

Apesar de existir nas regiões norte e central da América do Sul, a presença das aranhas de patas calvas na Colômbia nunca tinha sido confirmada até a pesquisa de Carlos Perafán e Fernando Pérez-Miles, da Universidade da República do Uruguai, e de William Galvis, da Universidade Nacional da Colômbia, que encontraram seis espécies não conhecidas no país.

Quatro delas não se encaixam em nenhum gênero existente e os especialistas decidiram então chamá-lo de “Stormtropis”.

As aranhas de patas calvas, consideradas as mais enigmáticas da ordem das migalomorfas, constituem uma família de apenas 11 espécies, todas elas parecidas e de tamanhos entre pequeno e médio, cuja classificação tinha sido tema de debate durante muito tempo.

Por serem muito semelhantes entre si e pela capacidade de camuflagem, os cientistas escolheram homenagear os soldados do Império da saga “Star Wars”.

Uma das caraterísticas mais importantes destas aranhas (da família Paratropididae) é a sua capacidade de aderir partículas de terra à pele, o que faz com que ela se confunda com o ambiente.

“Os stormtroppers são soldados da maior força terrestre do Império galáctico. Estes soldados são muito parecidos uns com os outros, com alguma capacidade de camuflagem, mas com movimentos poucos habilidosos, como este novo grupo de aranhas”, argumentaram os pesquisadores no artigo.

Uma das novas espécies, a Stormtropis muisca, tem os maiores registros de altitude para esta família, já que foi detectada a uma altura de pelo menos 3.400 metros nos Andes centrais.

Uma das descobertas mais interessantes a respeito desta aranha é que em vários casos elas se escondem nas paredes de barrancos e na terra, um tipo de comportamento que até agora não tinha sido notado e que sugere uma adaptação secundária na intenção destes animais em explorar outro tipo de habitat.

De acordo com os especialistas, as aranhas de patas calvas estão presentes não apenas na Colômbia, mas tendem a ser bastante comuns também em outros países.

Fonte Exame

 

Ver mais

Ciência

Brasil fecha acordo para atividades americanas na base de Alcântara

Publicado

dia

Plano, será assinado durante visita do presidente Jair Bolsonaro aos EUA, entre 17 e 19 de março

Base de Alcântara, no Maranhão (VEJA.com/Divulgação)

Os governos do Brasil e dos Estados Unidos concluíram um novo acordo para uso comercial pelos americanos da base de Alcântara, a ser assinado durante a visita oficial do presidente Jair Bolsonaro, entre os dias 17 e 19 deste mês, disseram fontes do Itamaraty.

O novo Acordo de Salvaguardas Tecnológicas permitirá que os americanos usem a base -considerada uma das melhores localizações do mundo para lançamento de foguetes – para seu programa espacial, em troca de pagamento pelo uso. O Brasil, no entanto, não terá direito de acesso à tecnologia usada pelos Estados Unidos em mísseis, foguetes, artefatos e satélites, como o governo brasileiro chegou a requerer.

No entanto, o novo acordo retira a segregação de uma área da base, como estava prevista no texto inicial, negociado em 2000, em que apenas os norte-americanos teriam acesso. A nova proposta delimita uma área de acesso restrito, mas não impede a entrada de brasileiros.

Localizada na altura do Equador, a base de Alcântara, pela sua posição geográfica, queima 30 por cento menos combustível nos lançamentos e os foguetes podem carregar mais peso.

Essa não é a primeira tentativa do governo brasileiro usar a base para captar recursos ou tecnologia. A primeira tentativa foi feita em 2000, mas o acordo assinado pelo governo de Fernando Henrique Cardoso foi rejeitado pelo Congresso por dar controle total de uma área da base aos americanos.

Durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva um acordo de operação conjunta e transferência de tecnologia foi assinado com a Ucrânia, em que o país europeu desenvolveria o veículo lançador de satélite que o Brasil ajudaria a financiar.

O acordo foi denunciado – um jargão diplomático que significa rompimento unilateral – pelo Brasil em 2012, depois de o governo brasileiro já ter investido mais de 400 milhões de reais sem que a Ucrânia tivesse colocado sua parte e nem desenvolvido os foguetes. A disputa entre os dois países ainda continua, já que a Ucrânia não aceitou o rompimento do acordo.

Fonte Veja

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade