Nossa rede

Mundo

Presidente do Haiti rompe silêncio após semana de protestos violentos

Publicado

dia

O presidente do Haiti descartou a renúncia e pediu diálogo após os protestos violentos no país

O Haiti enfrenta uma profunda crise política desde 7 de fevereiro (Jeanty Junior Augustin/Reuters)

Porto Príncipe — O presidente do Haiti, Jovenel Moise, adotou um tom combativo na quinta-feira em seu primeiro pronunciamento desde que protestos violentos aconteceram na capital, rejeitando pedidos de renúncia, mas pedindo diálogo para tratar da inflação em disparada e de uma suposta malversação de fundos.

Milhares de manifestantes vêm pedindo há dias a renúncia de Moise e uma investigação independente sobre o destino dos recursos do acordo PetroCaribe, uma aliança entre países caribenhos e a Venezuela.

Os termos preferenciais do acordo para a compra de energia deveriam ajudar a liberar fundos para auxiliar o desenvolvimento do país, assolado por desastres naturais e listado como o mais pobre das Américas, segundo o Banco Mundial.

Os protestos, que supostamente deixaram vários mortos e muitos outros feridos, sublinharam os temores generalizados com o estado da economia diante de uma inflação crescente e da dificuldade da população para arcar com necessidades básicas.

Também na quinta-feira, o Departamento de Estado dos Estados Unidos ordenou a saída de todos os funcionários norte-americanos não envolvidos em emergências e seus familiares devido aos distúrbios contínuos, citando a queima de pneus, os bloqueios de ruas e os crimes violentos, inclusive roubos a mão armada.

Em um discurso no palácio presidencial, Moise disse que não entregará a nação a traficantes de drogas e que o diálogo é a única maneira de evitar uma guerra civil

“Eu, Jovenel Moise, chefe de Estado, não entregarei o país a gangues armadas e traficantes de drogas”, afirmou, se referindo a autoridades de governo que, segundo ele, foram às ruas com “chefes de gangues procurados pela lei”.

Mas ele acrescentou: “Ouvi a voz do povo. Conheço os problemas que o atormentam. É por isso que o governo adotou muitas medidas. Pedi ao primeiro-ministro que as explique e as aplique sem demora para aliviar a miséria”.

O Haiti tem uma longa tradição de corrupção, e parceiros internacionais e agências reguladoras anti-corrupção culparam políticos haitianos muitas vezes por não reprimirem essa prática.

Fonte Exame

 

Comentário

Mundo

Serviço de inteligência venezuelano prende chefe de gabinete de Guaidó

Publicado

dia

Segundo relatos, agentes estavam munidos de dois rifles e uma granada durante a ação e chegaram à residência em dez veículos

Juan Guaidó: líder oposicionista acusa governo Maduro de sequestrar chefe de gabinete (Antonio Cruz/Agência Brasil)

Caracas — O líder opositor e autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, disse nesta quinta-feira, 21, em sua conta no Twitter que agentes do Sebin (Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional) invadiram a casa de seu chefe de gabinete, Roberto Marrero, e do deputado opositor Sergio Vergara, vizinho de Marrero, durante a madrugada.

 

 

Vergara confirmou a informação e disse que Marrero foi preso pelo serviço de inteligência do país. Os agentes estavam munidos de dois rifles e uma granada durante a ação e chegaram às residências em dez veículos. Ele também afirmou que mais de 40 funcionários do Sebin entraram nas casas e ficaram no local por mais de três horas. Segundo os opositores, os policiais derrubaram portas para entrar nas casas.

“Infelizmente chegaram a mim. Sigam lutando. Não parem. Cuidem do presidente”, disse Marrero em uma gravação telefônica antes de ser detido. Vergara denunciou ante a comunidade internacional que o regime chavista violou sua imunidade parlamentar.

Vergara pediu a Michelle Bachelet, alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, que exija a libertação de Marrero, “sequestrado pelo Sebin”, segundo ele.

Em nome do governo da Colômbia, o chanceler Carlos Holmes Trujillo criticou a ação contra os opositores e pediu à comunidade internacional que exija respeito à liberdade, à vida e à integridade dos opositores venezuelanos.

Marrero e Vergara acompanharam Guaidó na viagem que o líder opositor fez pela América Latina para obter apoio em seus esforços para tirar o presidente Nicolás Maduro do poder. (Com agências internacionais).

Fonte Exame

Ver mais

Mundo

O impasse do impasse: Conselho Europeu discute adiar o Brexit

Publicado

dia

Theresa May solicitou que a data de saída do Reino Unido do bloco seja adiada para o dia 30 de junho

May: Após pedir adiamento do Brexit à UE, ela culpa parlamento por atraso (Jonathan Brady/Pool/Reuters)

Em meio às dificuldades para o Reino Unido aprovar um acordo de saída da União Europeia (UE), o Conselho Europeu se reunirá nesta quinta-feira, 21, para discutir o Brexit. O órgão, formado pelos líderes dos 27 Estados que compõem a UE, debaterá o pedido formal feito pela primeira-ministra britânica Theresa Mayna última quarta-feira, 20, para adiar a saída do Reino Unido para o dia 30 de junho.

Após a solicitação de May, Donald Tusk, presidente do Conselho, divulgou um comunicado em que afirma ser possível estender o prazo de saída do país, inicialmente estabelecido para o dia 29 de março. Tusk, no entanto, condicionou a postergação da saída à aprovação de um novo acordo na Câmara dos Comuns na próxima semana. O político demonstrou-se disposto a fazer de tudo para evitar que o Reino Unido deixe o bloco sem um acordo.

Para a União Europeia, o Reino Unido pode optar por estender o Brexit até o dia 23 de maio, antes das eleições para o Parlamento Europeu; ou adiá-lo para o final do ano, o que obrigaria os britânicos a participarem do pleito de maio. Em discurso na quarta-feira, 20, May disse que não deseja que seu povo se veja engajado em uma eleição europeia três anos após ter votado por deixar o bloco.

A primeira-ministra costurou um acordo com os outros líderes europeus nos últimos dois anos e meio, mas o Parlamento do seu país negou as duas propostas apresentadas. Na semana passada, os parlamentares, após rechaçarem o segundo texto apresentado por May, decidiram que o país não poderia deixar o bloco sem acordo e que a líder deveria solicitar uma postergação da data de saída. No começo desta semana, o líder da Câmara dos Comuns proibiu que a política apresentasse uma terceira versão similar do texto anterior para nova votação.

O que não está claro ainda é se a União Europeia irá ceder ao prazo pedido pelo Reino Unido ou se May aceitará prorrogar ainda mais o Brexit. As próprias lideranças europeias estão confusas diante do debate. Em entrevista a uma rádio alemã, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse que é improvável que o Conselho Europeu consiga tomar uma decisão sobre Brexit nesta quinta-feira e que os líderes provavelmente deverão se encontrar mais uma vez na próxima semana. A espessa neblina de dúvidas dos britânicos deve atravessar o Canal da Mancha nesta quinta-feira.

Fonte Exame

Ver mais

Mundo

3 explosões deixam pelo menos 6 mortos e 23 feridos no Afeganistão

Publicado

dia

Autoridades afirmam que número de vítimas pode ser maior; até o momento, nenhum grupo reivindicou o ataque

Ataque em Cabul: homem recolhe estilhaços de vidro após atentado nesta quinta-feira (21) (Parwiz/Reuters)

Cabul — Pelo menos seis pessoas morreram e outras 23 ficaram feridas, nesta quinta-feira, 21, em três explosões similares ocorridas nas imediações de um templo frequentado por membros da minoria xiita em Cabul, capital do Afeganistão, no dia em que se celebra o ano novo afegão, a festividade de Nawroz.

“Até o momento, retiramos 23 feridos e seis mortos do local. Mas estes números podem aumentar nas próximas horas”, disse à Agência EFE, o porta-voz do Ministério da Saúde Pública, Wahidullah Mayar.

O atentado aconteceu por volta das 9h30 (horário local, 2h de Brasília) na estrada da Universidade de Cabul, perto do templo Kart-e-Sakhi, onde ocorreu a explosão de três artefatos explosivos improvisados (IED), disse à Efe, o porta-voz da polícia local, Basir Mujahid.

Até o momento, nenhum grupo reivindicou o ataque.

Há exatamente um ano, um atentado suicida no mesmo local da capital afegã e reivindicado pelo grupo jihadista Estado Islâmico (EI) deixou mais de 30 mortos e 65 feridos durante as celebrações do ano novo.

O alvo foram também membros da minoria étnica xiita Hazara, frequentemente são atacados por grupos insurgentes como os talibãs e o EI no Afeganistão, e que se dirigiam a Kart-e-Sakhi para saudar o novo ano.

Fonte Exame

 

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade