Nossa rede

Mundo

Presidente argentino descarta vetar lei do aborto, caso seja aprovada

Publicado

dia

Depois de ser aprovado no Congresso, o projeto para a legalização do aborto até a 14ª semana de gestação, será votado no Senado no dia 8 de agosto

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, descartou vetar a legalização do aborto, como lhe foi pedido no fim de semana por vários hierarcas da Igreja Católica, caso seja aprovada pelo Congresso.

“O presidente deixou claro que sua convicção sobre a importância de um debate republicano implica em respeitar o resultado desse acordo e não vetar a lei”, declarou nesta terça-feira (10) o chefe de gabinete, Marcos Peña, ao término da habitual reunião de ministros.

A iniciativa que legaliza a interrupção voluntária da gravidez até a 14ª semana de gestação já foi aprovada em um primeiro debate pela Câmara de Deputados e será votada no Senado em 8 de agosto.

Peña respondeu assim ao pedido de vários religiosos, entre os quais se destaca o do arcebispo de La Plata, monsenhor Víctor Fernández, que na segunda-feira, na missa de Tedeum pelo Dia da Independência, pediu a Macri para vetar a lei caso obtenha a aprovação da Câmara alta.

Fernández solicitou a Macri que imite a atitude de seu homólogo uruguaio, Tabaré Vázquez, que em 2008 vetou a descriminalização do aborto em seu país, embora quatro anos depois a norma tenha sido finalmente aprovada.

O chefe de gabinete declarou que a relação institucional do governo com a Igreja “é muito boa” e assinalou que no governo “temos sido muito respeitosos” com a posição contra o aborto expressada pelas autoridades eclesiásticas.

“Não sentimos que haja um conflito” por termos promovido o debate, insistiu Peña, pois a discussão faz parte do “desenvolvimento da vida republicana do país”.

O debate no Congresso sobre a legalização do aborto foi promovido por Macri, que, entretanto, sustentou que pessoalmente é “a favor da vida”.

Na América Latina, o aborto é legal no Uruguai e em Cuba. Também é permitido na Cidade do México.

Em quase todos os outros países só pode ser feito em caso de risco de vida para a mulher, quando há inviabilidade do feto, ou se a gravidez for fruto de um estupro. Em El Salvador, Honduras e Nicarágua é totalmente proibido.

Comentário

Mundo

Turquia tem áudios do momento em que Khashoggi foi assassinado, diz jornal

Publicado

dia

O governo turco teria dois áudios do momento em que o jornalista Khashoggi foi assassinado na embaixada saudita na Turquia

Jornalista Jamal Khashoggi, assassinado na Arábia Saudita

Khashoggi: no áudio é possível ver os assassinos repassando o plano, diz jornal

Ancara – O governo da Turquia dispõe de duas gravações de áudio da morte do jornalista opositor saudita Jamal Khashoggi, assegurou nesta sexta-feira um jornalista do jornal “Hürriyet” com fontes no Executivo.

Uma das gravações consiste em um áudio de sete minutos tomados durante o assassinato, no qual se escutam gritos do repórter enquanto é estrangulado, supostamente com uma corda ou um saco plástico.

O segundo áudio são 15 minutos de conversa entre os 15 agentes sauditas que chegaram a Istambul no mesmo dia em que Khashoggi foi assassinado no consulado do seu país, 2 de outubro.

Essa gravação corresponderia aos minutos prévios à entrada do repórter saudita na legação diplomática.

“Aproximadamente 15 minutos antes que Khashoggi chegasse (ao consulado) estão falando entre eles sobre como realizar o assassinato. Repassam o plano preparado e lembram as responsabilidades (de cada um)”, afirmou o jornalista Abdukladir Selvi no “Hürriyet”.

O jornalista também destacou que o governo turco dispõe dos registros telefônicos dos 15 suspeitos e que esta informação contradiz a versão das autoridades sauditas sobre a ausência de uma ordem superior para executar o assassinato.

O procurador-geral saudita anunciou ontem o pedido de pena de morte para cinco dos 18 acusados do assassinato de Khashoggi e voltou a assegurar que a morte do jornalista aconteceu por causa de uma “briga”.

O ministro das Relações Exteriores turco, Mevlüt Çavusoglu, ressaltou que a versão de Riad lhe parecia contraditória e insistiu que se tratava de um assassinato premeditado e planejado.

Çavusoglu propôs na quarta-feira uma investigação internacional do caso, algo que Riad rejeitou.

Fonte: Portal Exame

 

Ver mais

Mundo

Passagem do ciclone Gaja mata 11 pessoas na Índia

Publicado

dia

Mais de 80 mil já foram deslocadas por conta dos impactos do ciclone Gaja na Índia

Ciclone Gaja mata dezenas de pessoas na índia

Ciclone Gaja: mais de 20 mil famílias foram deslocadas

Nova Délhi – Pelo menos 11 pessoas morreram nesta sexta-feira após a passagem do ciclone Gaja, que tocou terra nesta madrugada no sul da Índia, e causou também graves danos materiais e obrigou dezenas de milhares de pessoas a saírem de suas casas.

O Gaja causou a morte de 11 pessoas em sua passagem pelo estado de Tamil Nadu, informou em sua conta do Twitter o partido governante da região, o AIADMK, em mensagem atribuída ao chefe de Governo, Edappadi K. Palaniswami.

“Foram reportados danos à nossa infraestrutura (…) O ciclone fez cair postes da luz e árvores, embarcações dos pescadores e casas foram danificados”, disse à Agência Efe o secretário da Autoridade de Gestão de Desastres de Tamil Nadu, Satya Gopal.

A fonte disse que 81.948 pessoas de 22.849 famílias foram evacuadas por causa da chegada do ciclone.

O Gaja se debilitou de tempestade ciclônica severa para tempestade ciclônica nesta madrugada e se espera que nas próximas horas se enfraqueça ainda mais enquanto se move para o oeste, informou o Departamento Meteorológico da Índia na sua conta do Twitter.

O ministro de Interior indiano, Rajnath Singh, garantiu a Palaniswami “toda” a ajuda possível por parte do Governo central, escreveu ele mesmo na sua conta da mesma rede social.

O litiral indiano costuma sofrer a passagem de ciclones, o último deles há um mês, quando oito pessoas morreram devido ao ciclone Titli, qualificado de “muito severo”.

Em dezembro do ano passado, o ciclone Ochkhi causou cerca de 80 mortes no sul da Índia.

Fonte: Portal Exame

Ver mais

Mundo

Coreia do Norte vai expulsar americano que entrou ilegalmente no país

Publicado

dia

A Coreia do Norte afirma que o cidadão americano confirmou que entrou ilegalmente no país a pedido da CIA

Kim Jong Un, líder da Coreia do Norte

Coreia do Norte: um homem com o mesmo nome tentou entrar na Coreia do Norte pela fronteira com o Sul

A Coreia do Norte decidiu expulsar um cidadão americano que entrou ilegalmente no país em outubro, informou a agência estatal KCNA.

O homem, identificado como Lawrence Bruce Byron, está preso desde que entrou na Coreia do Norte, procedente da China, em 16 de outubro.

“Durante seu interrogatório, declarou que entrou ilegalmente no país por ordem da CIA”, afirmou a KNCA.

“As autoridades competentes decidiram expulsá-lo do país”, completa a agência estatal.

Um homem com o mesmo nome foi detido na Coreia do Sul quando tentava atravessara a fronteira entre as Coreias em novembro de 2017, informou a imprensa de Seul.

Byron, natural da Louisiana e com idade por volta de 50 anos, foi expulso na ocasião para os Estados Unidos.

Ele disse às autoridades de Seul que pretendia facilitar as negociações entre Estados Unidos e Coreia do Norte, segundo a imprensa.

Fonte: Portal Exame

 

 

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade