Nossa rede

Saúde

Prescrição médica para Canabidiol salta 183% em três anos no Brasil

Publicado

dia

A crescente demanda de pacientes por produtos derivados da Cannabis pressiona a classe médica

Maconha: mais de 4 mil pessoas já receberam autorização para importar canabinoides (Getty Images/Getty Images)

São Paulo – A dona de casa Mariele Martins, de 33 anos, viaja 150 quilômetros, de Taubaté a São Bernardo, para levar a filha Laís, de 1 ano, a um neuropediatra. Após passar por quatro especialistas, finalmente encontrou um que não rejeitasse o único tratamento que diminuiu a frequência de convulsões que a menina sofria: um óleo feito de substância extraída da Cannabis, a planta da maconha.

“O canabidiol não é milagre, mas devolveu a vida pra gente. Hoje, ela reconhece todas as pessoas da casa, assiste a desenhos, interage socialmente, brinca com o irmão”, conta a mãe. Foi logo após o diagnóstico de Síndrome de Aicardi, condição genética rara e congênita, que começou a saga da família para diminuir o sofrimento de Laís. As convulsões chegavam a 70 por dia – hoje não passam de 3.

A crescente demanda de pacientes como Laís pelos produtos derivados da Cannabis, os canabinoides, pressiona a classe médica. De 2015 a 2018, o número de profissionais que prescreveram canabinoides foi de 321 para 911 (alta de 183%), segundo dados da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) reunidos pela Abmedcan, entidade voltada à formação de médicos sobre o tema.

Mas o total de prescritores ainda é baixo, se comparado ao de pacientes que já receberam autorização para importar o produto: 4.236, até outubro. Incertezas sobre as substâncias, dificuldades de delimitar dosagens e insegurança sobre a legalidade da prática estão entre os motivos da baixa adesão.

“Meus pacientes que me forçaram a buscar conhecimento. Fui me atualizando e chegou ao ponto em que não tinha onde ter informação. Fui para fora do País”, diz o neurocirurgião Pedro de Pierro, do Centro de Excelência Canabinoide, também voltado para formação médica.

A empresa é uma das criadas no último ano para dar cursos e palestras para médicos sobre a Cannabis medicinal, tratando do passo a passo da importação e questões jurídicas da prescrição. No País, a Anvisa autoriza importar o canabidiol em associação com outros canabinoides, para tratamento de saúde, mediante prescrição de profissional habilitado. É preciso justificar a opção pelo tratamento e apontar outras terapias realizadas.

Já o Conselho Federal de Medicina (CFM) delimita que só neurologistas, neurocirurgiões e psiquiatras podem prescrever o canabidiol para crianças e adolescentes com epilepsias refratárias (resistentes) aos tratamentos convencionais.

Profissionais de várias especialidades, como oncologistas e reumatologistas, procuram as formações e também consultoria – a ajuda pode ser até online. Segundo Carolina Nocetti, cofundadora da Abmedcan, listas de prescritores circulam na internet e há filas em consultórios desses especialistas.

“Muitos colegas dizem que não prescrevem porque têm medo. Não sabem como é a metabolização, as implicações”, diz a neurologista Paula Maria Mimura, que começou a estudar o tema após um paciente perguntar sobre o tratamento. Desde então, viu colegas olharem para seu trabalho com desconfiança.

Outro gargalo é o custo. Como não é permitido plantar Cannabis no País, a maioria dos remédios é importada.

Cautela

Para Salomão Rodrigues Filho, psiquiatra e membro do CFM, o debate exige cuidado. “Sabemos os efeitos terapêuticos, mas não conhecemos os riscos (do canabidiol). Não sabemos o que vai acontecer com essa criança (submetida ao tratamento) quando for adulta.” A decisão pela delimitação de especialidades que podem prescrever, diz, é técnica, pois o prescritor precisar ter conhecimento e experiência sobre a doença.

Questionada sobre a regulamentação da Cannabis para uso medicinal – o que poderia reduzir preços -, a Anvisa disse que o tema é debatido internamente e que será criado um grupo de trabalho com outros órgãos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentário

Saúde

Conheça o Lego para crianças que não enxergam

Publicado

dia

Brinquedo ajuda no entendimento do braille, o sistema de escrita com pontos em relevo que permite a pessoas cegas ler pelo tato

Lançamento do Grupo Lego em parceria com ONG brasileira ajuda crianças a aprenderem braille (Foto: Luca_Daviddi/Getty Images)

A disponibilidade de audiolivros e aplicativos para deficientes visuais é cada vez maior. Por isso, o aprendizado do braille às vezes tem ficado em segundo plano. Só que isso dificulta o desenvolvimento da autonomia das crianças que não enxergam ou têm baixa visão

Para virar esse jogo, o Grupo Lego, junto com a Fundação Dorina Nowill para Cegos e a Universidade Estadual Paulista, criou o projeto Lego Braille Bricks. São kits de 250 peças moldadas com o mesmo número de pontos em relevo de letras e números do alfabeto para deficientes visuais.

“Se não entenderem coisas simples como letras maiúsculas, separação de palavras e pontuação, essas crianças poderão ter dificuldades, mais tarde, de se inserir na universidade e no mercado de trabalho”, justifica Ika Fleury, membro do Conselho Curador da Fundação Dorina Nowill. Com o brinquedo, a meninada aprende se divertindo.

Outras formas de aprender Braille

O Lego não é a única forma de os pequenos desbravarem o alfabeto para cegos: jogos interativos que dependem do tato também podem ser usados na escola. Mas, segundo Ika Fleury, eles são apenas complementos.

A máquina de escrever com teclas em braille ou o reglete com punção (instrumento de madeira com ponta metálica que perfura o papel) compõem o sistema tradicional.

 

Ver mais

Saúde

Dicas de saúde da vovó que funcionam até hoje

Publicado

dia

Mel para aliviar a tosse, canja para amenizar sintomas da gripe… Entenda por que algumas soluções naturais antigas têm fundamento, sim.

Nós vamos a médicos e seguimos as orientações deles para cuidar da saúde e principalmente para nos medicarmos (lembre-se: automedicação NUNCA é uma boa ideia), mas tem casos em que a receita da vovó é que parece fazer tudo melhorar. Aquele chá quando a comida não desce bem, a canja durante a gripe…

Os remédios fazem efeito, é claro, mas essas estratégias que passam de geração para geração e chegaram até nós, muitas vezes, são a salvação! E olha só que legal: para muitas delas, existem explicações médicas que indicam que não se trata de crendice ou “chute sortudo” dos antigos, não.

O clínico geral e geriatra Paulo Camiz, professor colaborador de Clínica Geral no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e parte do corpo clínico dos hospitais Sírio Libanês e Albert Einstein (SP) explicou para o MdeMulherqual é a dinâmica de cinco dicas de saúde da vovó certeiras.

Canja de galinha atenua os sintomas da gripe

A receita de canja de galinha tem vários elementos que aliviam os sintomas mais chatos da gripe. O ingrediente principal – a carne de galinha ou de frango – é rico em zinco, que age na formação dos glóbulos brancos, cujo papel na defesa do organismo é importantíssimo.

A cebola e o alho usados para a base do tempero da canja atuam diretamente no sistema imunológico. Além disso, o fato de ser consumida quente fluidifica as vias aéreas, ou seja, ajuda a desentupir o nariz e diminui a sensação de irritação da garganta.

Mel faz bem para quem está com tosse

Graças à glicose-oxidase, uma enzima que inibe inflamações e ajuda na reconstrução de tecidos do corpo, o mel é um anti-inflamatório que realmente alivia a tosse. Ele também tem ação mucolítica, o que significa que dissolve o muco das vias respiratórias e dá uma forcinha na expectoração.

Em uma revisão de estudos sobre a ação do mel sobre a tosse, em que foram analisadas pesquisas dos EUA, do Irã e do Brasil, concluiu-se que o mel consegue ser mais benéfico e de efeitos mais rápidos que os xaropes industrializados – e com menos efeitos colaterais, por ser natural.

Chá de camomila ajuda a dormir

A camomila é rica em apigenina, um flavonoide que se liga a um receptor semelhante àquele em que os calmantes farmacológicos atuam. Ou seja: tem efeito calmante, sim.

O melhor chá de camomila para dormir é o feito com as folhas secas naturais, tá? O de saquinho é infinitamente mais fraco.

Chá de boldo auxilia na digestão

A comida não desceu ou não bateu bem e você está com AQUELE mal-estar. Solução: um chá de boldo. Gostoso não é (a não ser que você seja fã de sabores amargos – daí, ele é uma delícia!), mas faz você ficar bem na hora.

O boldo tem propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias que estimulam a secreção de bile, algo super necessário no processo digestivo. Ele dissipa gases e elimina a azia de forma muito rápida. Respire fundo e beba tudo de uma vez. Vale a pena.

Ameixa solta o intestino preso

Além de ser riquíssima em fibras (que estimulam a flora intestinal, trabalham o bolo fecal e ajudam na evacuação), a ameixa é fonte natural de sorbitol, elemento de efeito laxante muito conhecido e até utilizado em remédios para tratamento de intestino preso.

Não está conseguindo fazer o número 2? Invista em ameixas in natura ou secas e esteja pronta para correr para o banheiro.

 

Ver mais

Saúde

Cientistas criam exame de sangue que aponta risco de convulsão

Publicado

dia

A descoberta poderá levar ao desenvolvimento de um sistema de alerta precoce capaz de beneficiar principalmente epilépticos

Marion Hogg detectou aumento de partículas de RNA na corrente sanguínea um pouco antes da complicação
(foto: Maxwell Photography/Divulgacao)

Pesquisadores da Irlanda detectaram um padrão de aparecimento de moléculas na corrente sanguínea pouco antes da ocorrência de uma crise convulsiva. Segundo eles, há aumento de fragmentos de RNA no sangue minutos antes da complicação. A descoberta, detalhada recentemente no Journal of Clinical Investigation, poderá levar ao desenvolvimento de um sistema de alerta precoce capaz de beneficiar principalmente epilépticos.

“Pessoas com epilepsia relatam frequentemente que um dos aspectos mais difíceis de conviver com a doença é nunca saber quando uma convulsão ocorrerá”, justifica Marion Hogg, professora honorária do Royal College of Surgeons (RCSI, na sigla em inglês) e principal autora do estudo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que a epilepsia acometa 50 milhões de pessoas no mundo.

Para chegar à conclusão, a equipe fez o sequenciamento de RNA em amostras de plasma de voluntários saudáveis e em amostras coletadas de pessoas com epilepsia antes e depois de terem sofrido uma convulsão. “Nós procuramos por moléculas de RNA de transferência (tRNA) e encontramos três que eram mais altas nas amostras coletadas uma hora antes da convulsão do que nas coletadas após ou naquelas de pessoas sem epilepsia”, conta Marion Hogg.

Segundo os cientistas, esse processo acontece porque as células estão estressadas, e as moléculas são cortadas em fragmentos de RNAs de transferência, as tRNAs, um produto químico intimamente relacionado ao DNA e que desempenha papel importante na construção de proteínas dentro das células.

Dessa forma, níveis mais altos dos fragmentos no sangue podem refletir que as células cerebrais estão sob estresse durante um evento convulsivo. “Os resultados desse estudo são muito promissores. Esperamos que nossa pesquisa de tRNA seja um primeiro passo fundamental para o desenvolvimento de um sistema de alerta precoce”, frisa Marion Hogg.

Os pesquisadores cogitam a criação de um dispositivo que sirva de alerta para epilépticos, considerando os níveis dos fragmentos de RNA no sangue. “Com base nessa pesquisa, esperamos desenvolver um protótipo de teste, semelhante a um monitor de glicemia, que possa prever quando uma convulsão pode ocorrer”, diz David Henshall, professor de fisiologia molecular e neurociência no RCSI e coautor do artigo.

Mais vulneráveis

Um dispositivo do tipo resultaria em ganhos de qualidade de vida. A imprevisibilidade das convulsões deixa os epilépticos mais fragilizados, mostrou um estudo da Aarhus University, na Dinamarca, divulgado no mês passado. “Pessoas com epilepsia e esquizofrenia são particularmente vulneráveis. Há certamente espaço para melhorias na maneira como o sistema de saúde lida com elas e com o tratamento a elas oferecido”, ressalta, em comunicado, Jakob Christensen, um dos pesquisadores que participou do estudo.

A equipe acompanhou 1,5 milhão de pessoas diagnosticadas com epilepsia, esquizofrenia, as duas doenças ou nenhuma delas antes de completarem 25 anos. A taxa de mortalidade aos 50 anos foi de 3,1% para os voluntários saudáveis, de 10,7% para epilép-ticos, de 17,4% para esquizofrênicos e de 27,2% para os que tinham as duas complicações.

50 milhões: Estimativa de pessoas com epilepsia no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde.

 

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade