Nossa rede

Brasília

Placas de acesso à ponte Costa e Silva são pichadas

Publicado

dia

Após mudança de nome do elevado, que fica no Lago Sul, vândalos usaram spray de tinta vermelha para cobrir nome do ex-presidente

MICHAEL MELO/METRÓPOLES

As placas de acesso à Ponte Costa e Silva, antiga Honestino Guimarães, voltaram a ser pichadas. Dessa vez, os vândalos usaram spray de tinta vermelho para cobrir o nome do ex-presidente. Uma terceira placa, na via L4, também foi pintada.

A ponte passou a se chamar Honestino Guimarães no ano de 2015, em homenagem ao líder estudantil desaparecido. O deputado distrital Ricardo Vale (PT) apresentou o projeto de lei, aprovado pela Câmara Legislativa e sancionado no mesmo ano pelo governador Rodrigo Rollemberg (PSB).

Em novembro de 2018, por decisão unânime do Conselho Especial do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT), porém, a ponte voltou a se chamar Costa e Silva. Recentemente, o governo instalou as novas placas com o nome do ex-presidente, que já foi pichado.

 

MICHAEL MELO/METRÓPOLES

Pichações

Planejada por Oscar Niemeyer e inaugurada em 1976, a ponte tem 400 metros de extensão. Ela liga a L4 Sul à QI 10 do Lago Sul. É um dos três elevados que cortam o Lago Paranoá. Os outros dois são as pontes das Garças e a JK.

O nome da Costa e Silva sempre foi alvo de controvérsias. O primeiro incidente ocorreu em 3 de outubro de 2015, quando um grupo se reuniu em frente à ponte em protesto contra a mudança no nome. Os manifestantes levaram faixas e cartazes.

Apenas no primeiro semestre de 2016, a placa, que na época levava o nome de Honestino, foi coberta mais de oito vezes.  As pichações continuam a se repetir em 2018, depois da mudança para Costa e Silva.

Conheça os personagens dessa história

Honestino Guimarães

  • Nasceu em 28 de março de 1947, na pequena Itabiraí (GO).
  • Mudou-se para Brasília com a família em 1960.
  • Em 1965, antes de completar 18 anos, garantiu a primeira colocação no vestibular da UnB.
  • De 1966 a 1967, foi preso por quatro vezes devido à atuação no movimento estudantil.
  • Eleito presidente da UNE em 1971.
  • Integrou a Ação Popular Marxista-Leninista.
  • Desapareceu no Rio de Janeiro em 10 de outubro de 1973, aos 26 anos. A família não soube o que aconteceu com Honestino. O Estado brasileiro já o declarou morto, mas o corpo nunca foi encontrado.


Artur da Costa e Silva

  • Nasceu em 3 de outubro de 1889, na cidade gaúcha de Taquari.
  • Estudou na Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais da Armada e na Escola de Estado-Maior do Exército.
  • Integrou do movimento tenentista em 1922, quando acabou preso e anistiado. Dez anos depois, participou da Revolução Constitucionalista, que aconteceu em São Paulo.
  • Ao lado de Castello Branco, Costa e Silva foi um dos principais articuladores do golpe de 1964, que depôs o presidente João Goulart.
  • Nomeado para o ministério da Guerra durante a gestão de Castello Branco.
  • Foi eleito presidente da República em 3 de outubro de 1966.
  • Editou o AI-5, símbolo do momento mais duro dos anos de chumbo no país.
  • Morreu no Rio de Janeiro em 17 de dezembro de 1969, aos 80 anos, de trombose cerebral.
 Fonte: Metrópoles
Comentário

Política BSB

Caiado decreta situação de calamidade financeira em Goiás

Publicado

dia

Assembleia vai aproveitar sessão extraordinária para votar orçamento

Caiado (/)

Ronaldo Caiado enviou à Assembleia Legislativa decreto que estabelece situação de calamidade financeira em Goiás pelo prazo de 180 dias.

A medida considera o “elevado e crescente déficit fiscal, expressiva e constante elevação de despesas públicas” e a baixa receita.

“O déficit fiscal acumulado previsto para o final do exercício de 2019 é de mais seis bilhões de reais, aí incluídos os quase dois bilhões de reais de despesas inscritos em restos a pagar, mais um bilhão de reais correspondentes à parte da folha dos servidores não empenhada no exercício de 2018”, diz o documento.

Nesta terça-feira (22), em sessão extraordinária, os deputados vão apreciar o decreto e votar o orçamento de 2019, que não foi feito sob a gestão do ex-governador José Eliton.

Fonte: Portal Veja

 

Ver mais

Política BSB

Planalto veta deputado ligado a LGBTs no governo, a pedido do PSL

Publicado

dia

Deputado tucano Floriano Pesaro foi indicado Secretário de Assistência Social

Pesaro atua na área há 26 anos (Gabriela Peres/Seds/Divulgação)

Um grupo de parlamentares do PSL, em especial de São Paulo, conseguiu vetar no Palácio do Planalto o nome do deputado federal  e sociólogo Floriano Pesaro (PSDB-SP) para a Secretaria Nacional de Assistência Social, vinculada ao Ministério da Cidadania. Seu nome foi até anunciado pelo ministro Osmar Terra no final do ano passado, mas sua nomeação não saiu até hoje. Deveria ter sido publicada no início do ano. O veto foi muito menos por Pesaro, que não se reelegeu, ser tucano, mas por suas ligações com movimentos LGBTs e Ongs.  Ele atua na área de assistência social há 26 anos, foi secretário municipal e estadual dessa área. No governo de FHC, trabalhou no MEC e ajudou na criação do Fies e do Bolsa Escola. Terra está tentando reverter o veto junto ao ministro Onyx Lorenzoni. Fonte: Portal Veja

 

Ver mais

Política BSB

“É um problema do Flávio. Ele vai resolver isso aí”, diz Mourão

Publicado

dia

Presidente em exercício negou que haja risco de o caso do filho de Bolsonaro impactar nas negociações da reforma da Previdência no Congresso

Brasília(DF), 7/1/2019 – Jair Bolsonaro, Hamilton Mourão. Posse dos presidentes do Banco Central, BB e Caixa Economica. Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

O presidente em exercício, Hamilton Mourão, desviou de questionamentos sobre a crise envolvendo o senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e procurou afastar o governo das denúncias sobre movimentações financeiras atípicas do filho do presidente Jair Bolsonaro.

À frente da Presidência por conta da viagem do titular a Davos, Mourão negou que haja risco de o caso impactar nas negociações da reforma da Previdência no Congresso.

“Já expliquei esse assunto. Esse assunto eu não comento mais. Não vem para cima do governo, é um problema do Flávio. O Flávio vai resolver isso aí”, afirmou Mourão a jornalistas, após deixar o gabinete no Palácio do Planalto para almoçar em sua residência oficial, no Palácio do Jaburu.

Sobre o exercício da Presidência, Mourão disse que não haverá mudanças em relação ao direcionamento dado por Bolsonaro. “Sem marola, só tocando a bola para o lado”, disse.

Fonte: Portal Metrópoles

 

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade