Nossa rede

Notícias DF

PDT deixa base aliada de Rollemberg e coloca cargos à disposição no DF

Publicado

dia

Decisão foi anunciada pela executiva regional da legenda; partido preside Câmara Legislativa e comanda ‘supersecretaria’. Pela manhã, Rollemberg não quis comentar cisão.

Nota do PDT-DF anuncia saída da base aliada de Rodrigo Rollemberg (Foto: PDT-DF/Reprodução)

Nota do PDT-DF anuncia saída da base aliada de Rodrigo Rollemberg (Foto: PDT-DF/Reprodução)

A executiva regional do PDT no Distrito Federal anunciou nesta terça-feira (10) que o partido não integra mais a base aliada do governador Rodrigo Rollemberg. Com a decisão, a sigla diz “colocar à disposição” do governo os cargos que são, atualmente, ocupados por seus filiados.

A decisão foi oficializada após um mês de “cisão”, motivada pela reforma da previdência dos servidores distritais e outras discordâncias em projetos. Em nota, o partido diz que “continuará a votar favoravelmente a projetos que considera importantes para a população e cidade, de acordo com seu programa e estatuto”.

O comunicado de cisão é assinado pelo presidente regional da legenda e ex-secretário do Trabalho do governo Rollemberg, Georges Michel Sobrinho. Desde o início da gestão do atual governador, em 2015, o PDT ocupa cargos importantes no governo e é considerado um dos principais aliados.

Também em nota, o Palácio do Buriti disse lamentar a decisão do PDT, “que o obrigará a rever o espaço administrativo que o partido ocupava até então”. O governo diz esperar “que o PDT realmente respeite os seus compromissos com a cidade e sua população e vote a favor de projetos que sao do interesse e importantes para o desenvolvimento econômico e social do Distrito Federal”.

Cargos atuais

Até esta terça, o partido estava à frente da “supersecretaria” que reúne as pastas de Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos. O órgão é comandado por Gutemberg Gomes, e a subsecretaria de Trabalho, por Thiago Jarjour – ambos filiados ao PDT.

Na Câmara Legislativa, o PDT é representado pelo atual presidente da Casa, Joe Valle, e pelo deputado Reginaldo Veras. No Congresso, a bancada do DF na Câmara e no Senado não tem representantes da legenda.

Entre 2015 e 2016, o partido chegou a contar com dois senadores pelo DF – Cristovam Buarque (hoje, no PPS) e Reguffe (hoje, sem partido) – e com a presidência da Câmara Legislativa, nas mãos de Celina Leão (hoje, no PPS). Os três romperam com o PDT e com Rollemberg, ao longo dos últimos anos.

O deputado Joe Valle ao lado do governador Rodrigo Rollemberg (Foto: Toninho Tavares/Agência Brasília)

O deputado Joe Valle ao lado do governador Rodrigo Rollemberg (Foto: Toninho Tavares/Agência Brasília)

Um mês de conflito

Em 11 de setembro, Rollemberg exonerou 27 servidores comissionados lotados em agências do Trabalhador e em outros departamentos da Secretaria do Trabalho, como uma resposta aos conflitos entre a base aliada e o PDT.

Na época, o governador afirmou que “quem não vota com o governo não participa do governo”, mas evitou o uso do termo “retaliação” para se referir à medida.

Em nota divulgada naquele momento, o PDT disse que o Palácio do Buriti atuava “com o intuito de intimidar e pressionar os deputados distritais” para que votassem favoravelmente ao projeto de lei complementar que cria a nova previdência dos servidores.

O projeto foi aprovado duas semanas depois, em 26 de setembro, em uma sessão que se arrastou até a madrugada. Na ocasião, tanto Joe Valle quanto Reginaldo Veras votaram contra o texto defendido por Rollemberg.

Comentário

Brasília

Começa hoje prazo para indicação de reembolso em dinheiro do Nota Legal

Publicado

dia

Em 2017, foram pagos mais de R$ 2 milhões aos contribuintes que solicitaram reembolso em dinheiro

(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Consumidores que informaram o número de seu Cadastro de Pessoa Física (CPF) nos locais de compra e que não têm imóvel ou veículo em seu nome têm desta segunda-feira (18/6) até 20 de julho para informar os dados da conta bancária que receberá o ressarcimento em dinheiro do Programa Nota Legal.

Os beneficiários devem cadastrar uma conta de própria titularidade diretamente no site do Nota Legal. As agências de atendimento tanto da Receita do Distrito Federal quanto do Na Hora não farão o serviço. Para ter direito ao reembolso, o contribuinte deve ter, no mínimo, R$ 25 na base do programa e não apresentar débitos tributários com o Governo do Distrito Federal.
A expectativa é de que as transferências ocorram a partir de agosto, após passar por auditorias e correção de possíveis erros. No ano passado, mais de 23 mil pessoas resgataram os créditos em dinheiro. O montante foi de aproximadamente R$ 2,7 milhões. Há mais de R$ 1 milhão cadastrados no programa Nota Legal.

Continua depois da publicidade

Manter o cadastro atualizado é fundamental para receber a transferência. Qualquer divergência nos dados informados impede o reembolso. Não é admitida a indicação de conta bancária de terceiro. Para evitar esses problemas, existem canais de atendimento para sanar dúvidas, virtualmente por meio do site da Secretaria do Estado de Fazenda do DF, ou pela Central do GDF 156, opção 3. As agências da Receita do DF também atuam neste sentido.
Com informações da Agência Brasília
    Ver mais

    Brasília

    Procuradores do DF reclamam da falta de servidores e cobram concurso

    Publicado

    dia

    Segundo sindicato da categoria, GDF está deixando de arrecadar dinheiro, afetando áreas como saúde e educação

    A cobrança da Dívida Ativa pelo Governo do Distrito Federal (GDF) está sendo prejudicada por falta de pessoal. A denúncia é do Sindicato dos Procuradores do DF (SindProc). Segundo a entidade, o Executivo local enfrenta dificuldades para correr atrás de devedores que poderiam reforçar o caixa em até R$ 31 bilhões. O dinheiro serviria, por exemplo, para investir em áreas importantes, como saúde e educação.

    De acordo com o sindicato, a Procuradoria-Geral do DF conta atualmente com um quadro de 266 membros. Há, no entanto, 64 cargos vagos. Já os analistas são apenas 38, com cerca de 95 previstos, representando um desfalque de 57 servidores. Essa baixa representa, na avaliação da entidade, uma diminuição clara na capacidade de cobrança.

    “Existem cerca de 280 mil processos em tramitação na Vara de Execuções Fiscais. Eles dificilmente seriam ‘zerados’ num intervalo de 10 a 15 anos, mesmo que nenhum novo processo chegasse à vara nos próximos dias. Seria humanamente impossível”, avalia Carlos Augusto Valenza Diniz, presidente do SindProc-DF.

    A recuperação da dívida por parte da PGDF gira em torno de 1% ao ano, aproximadamente R$ 300 milhões, conforme levantamento do sindicato. Se o corpo de funcionários fosse preenchido – com a realização de concurso público –, a margem teria chance de subir para 2% a 3% ao ano, chegando até a R$ 1 bilhão, montante que poderia ser revertido em investimentos. Além disso, os procuradores conseguiriam conter o aumento do estoque da Dívida Ativa.

    “Temos cobrado do contribuinte (empresas e população) os impostos mais recentes, assim há possibilidade de não entrar em prescrição. São 380 mil execuções fiscais para 25 procuradores, resultando em 11.200 por ano. Para dar conta da demanda, deveriam ser analisados 30 processos diariamente nos 365 dias do ano, o que não é possível”, afirma Carlos Augusto Valenza Diniz.

    Em 2018, a Fazenda emitiu 175.850 mil comunicados a contribuintes inseridos na Dívida Ativa do DF, neste exercício. Nos próximos meses, a estimativa é de que outras 400 mil pessoas sejam notificadas sobre a inserção de seus dados no cadastro.

    Administrativamente, a Fazenda dispõe de diversos mecanismos de cobrança, como o envio de e-mail, ligações telefônicas, envio de mensagem SMS e correspondências pelos Correios. Os setores de alimentos, bebidas e medicamentos lideram o Cadastro da Dívida Ativa do DF.

    A Procuradoria-Geral do Distrito Federal (PGDF), por sua vez, informa que, atualmente, há em atividade 223 servidores na carreira de Procuradores do DF e 212 na carreira de Apoio às Atividades Jurídicas.

    Há cargos em aberto devido a aposentadorias e exonerações de servidores da Casa – que não puderam ser preenchidos, segundo eles, pelas limitações impostas pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). No momento, está em andamento processo administrativo com pedido de autorização para realização de concurso para os cargos de analista e técnico jurídicos.

    Falta de Estrutura
    O SindProc alerta para o alto número de estagiários (230 profissionais) e servidores comissionados (104 profissionais) na PGDF. Segundo o presidente da entidade sindical, o problema nessa composição é a falta de continuidade no ritmo processual. “A cada entrada e saída dessas contratações, há um tempo de aprendizado. Quando o colaborador está habituado, chega o fim do contrato”, aponta Valenza.

    Outra reclamação diz respeito ao Projeto de Lei nº 2016/2018, que prevê a contratação de advogados trainees junto aos órgãos jurídicos da administração direta e indireta do DF: “Eles iriam dispor dos mesmos poderes de cobrança de um procurador. Somos contra o projeto. A falta de estrutura da PGDF é sistêmica. Nós precisamos é de novos concursos”.

    O projeto de lei também é criticado pela Associação dos Advogados de Empresa Pública e Sociedade de Economia Mista do Distrito Federal (Apadi). À reportagem, a presidente da associação, Denise Andrade da Fonseca, manifestou “total repúdio à proposta por sua total afronta ao concurso público e por ser uma tentativa clara de desmonte e terceirização do sistema jurídico do Distrito Federal”.

    A Apadi avisa que está preparando parecer técnico a ser encaminhado à Câmara Legislativa (CLDF), pois, segundo a associação, “além de todas as inconstitucionalidades e ilegalidades, o projeto de lei padece de claro vício de iniciativa”.

    Autores do projeto, os deputados Rafael Prudente (MDB) e Julio Cesar (PRB) acreditam que o convênio permitiria a “celeridade, dinamismo e oxigenação” dos serviços jurídicos. O texto destaca não se tratar de terceirização indevida e, sim, de uma “oportunidade de instrução profissional, complementar às atividades acadêmicas do curso de direito”.

    Ver mais

    Brasília

    Semana será marcada por madrugadas frias no Distrito Federal

    Publicado

    dia

    Nas primeiras horas do dia, os termômetros registraram temperatura mínima de 12°C

    Nesta segunda-feira (18/6), o céu deve permanecer de parcialmente nublado a claro com períodos de nublado. (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

     

    A três dias para o início do inverno, os brasilienses devem se preparar para enfrentar dias mais frios. De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), esta semana deve ser marcada por baixas temperaturas durante a madrugada. No período da tarde, a tendência é de que o tempo esquente, no entanto, sem grandes variações.

    Nesta segunda-feira (18/6), o céu deve permanecer de parcialmente nublado a claro com períodos de nublado. Nas primeiras horas do dia, os termômetros registraram temperatura mínima de 12°C e podem marcar até 25°C no período da tarde, momento mais quente do dia. A umidade relativa do ar varia entre 90% e 30%.
    Nessa quinta-feira (21/6), ocorre o início do inverno. Na capital, a estação é marcada por baixas temperaturas e pela seca. Desde 20 de março, quando o outono começou, a umidade relativa do ar passou a cair e o tempo frio tomou de conta do cenário brasiliense. Agora, a expectativa é de que as chuvas voltem apenas em setembro.
    Ver mais
    Publicidade

    Escolha o assunto

    Publicidade