Nossa rede

Saúde

Para evitar a trombose, você não pode ficar parado

Publicado

dia

Não se mexer por um tempão é um dos motivos por trás da formação de trombos nas veias das pernas. Veja como escapar desse problema e de suas consequências

Você provavelmente já ouviu falar em trombose, quadro que ficou bastante associado ao uso de anticoncepcionais. Mas é hora de saber que as usuárias desses itens não são as únicas que podem ficar na mira do perrengue, caracterizado pela formação de coágulos, os trombos, dentro de uma veia, geralmente na perna.

Um estudo recente das universidades de Minnesota, Vermont e da Carolina no Norte, todas nos Estados Unidos, mostra que o sofá é outro grande patrocinador de tromboses. Segundo os pesquisadores, passar muito tempo na frente da televisão aumenta pra valer o perigo de um congestionamento nas veias.

Os cientistas analisaram episódios do problema entre aproximadamente 15 mil pessoas, bem como as respostas fornecidas em um questionário que, entre outras coisas, perguntava sobre a assiduidade com que elas assistiam a TV. O resultado apontou que, em comparação com quem quase nunca ficava diante da tela, os viciados no aparelho apresentavam uma probabilidade 71% maior de encarar uma obstrução nas veias.

A pesquisa não deixa espaço para dúvidas: movimentar o corpo faz parte da receita para evitar que o enredo se torne trágico. “Quando ficamos parados tempo demais e na mesma posição, a contração da panturrilha não acontece. E ela é a principal responsável por bombear o sangue em direção ao coração”, explica o cirurgião vascular Sergio Belczak, da rede de hospitais São Camilo, na capital paulista.

“Sem a movimentação desse músculo, a velocidade do fluxo sanguíneo diminui e isso favorece a formação dos coágulos”, complementa o cirurgião vascular Luiz Augusto Vasconcellos, do Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia. Para a panturrilha – e o sangue – sair da inércia, nada melhor do que andar.

“É importante evitar passar mais de duas horas sentado. A recomendação é fazer pequenas caminhadas sempre que possível”, orienta o cardiologista Luiz Francisco Cardoso, superintendente de Práticas Assistenciais e Pacientes Internados do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. O recado é válido não só para os aficionados por novelas, séries e afins mas também para quem permanece muito tempo grudado na cadeira do escritório ou faz viagens longas de carro ou avião.

As principais consequências da trombose venosa

Varizes: um coágulo é capaz de comprometer o funcionamento normal da veia, prejudicando sua tonicidade e dando aquele aspecto estético desagradável. Mais: as varizes podem causar dor e até gangrena.

Inchaço: com a passagem obstruída pelo trombo, o sangue fica estagnado nas pernas, onde vai se acumulando. Essa situação provoca inchaços desconfortáveis e, por vezes, doloridos.

Embolia pulmonar: é o desfecho mais temido. Ocorre quando o trombo formado numa veia da perna se desprende e chega ao pulmão. Das pessoas que sofrem de trombose, 30% podem ter embolia, capaz de levar à morte.

Todo movimento conta

Verdade que, em alguns momentos, fica mais complicado levantar e dar uns passinhos, como em sessões longas de cinema e peças de teatro. Mas dá para investir em uma alternativa. “Enquanto estiver sentado, você pode esticar as pernas, trocar de posição, mexer os dedos dos pés ou contrair a panturrilha”, sugere o angiologista Breno Caiafa, presidente da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular do Rio de Janeiro. Só tome cuidado para não chutar o colega da cadeira da frente.

Ainda na linha de movimentar a panturrilha, a impulsionadora da circulação, tem outra dica. “Ficar na ponta dos pés repetidas vezes é um ótimo movimento para estimular a região. E é possível fazer esse gesto na poltrona mesmo”, recomenda Belczak.

São estratégias para colocar em prática no trabalho e também durante a maratona de séries. Aliás, se estiver no conforto de seu lar, a boa pedida é levantar as pernas e apoiá-las em um lugar mais alto para o sangue fluir melhor.

O exercício físico propriamente

Se mexer o corpo é tão crucial para evitar os indesejáveis entupimentos das veias, você deve imaginar que o exercício físico merece um horário nobre na rotina, né? “Fazer atividades regulares de duas ou três vezes na semana ajuda a prevenir o problema”, confirma Cardoso. Fique à vontade para escolher a programação: corrida, caminhada, esteira ou bicicleta ergométrica, só para citar algumas possibilidades, são excelentes opções.

Mas, claro, considerando que a panturrilha ocupa papel de protagonista nessa novela, já que atua como uma espécie de “segundo coração”, investir em exercícios que trabalhem tal musculatura faz todo o sentido. Vale, então, conversar com um profissional de educação física para inserir movimentos específicos para ela no seu treino.

Agora, tem um detalhe: se por um lado suar a camisa dá uma força para afugentar a trombose, por outro, é fundamental ter cuidado com práticas muito extenuantes, dessas capazes de levar à desidratação. “Essa situação ocasiona um aumento da viscosidade sanguínea, elevando o risco de formação de trombos”, explica o cirurgião vascular Claudio Augusto de Carvalho, do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná, vinculado à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares.

Ora, é natural que um sangue espesso encontre mais dificuldade para trafegar pelas veias. Por isso, mais do que nunca vale o alerta para se hidratar antes, durante e após a atividade física ­- se não tem garrafinha de água, chegou o momento de providenciar uma.

Mais hábitos que afastam a trombose

“A formação do trombo não envolve um único fator. Na verdade, situações de risco cotidianas podem intensificar predisposições individuais existentes”, observa a especialista em cirurgia vascular Juliana Ramos, do Laboratório Exame, em Brasília. Confira abaixo alguns hábitos que mantém o fluxo sanguíneo livre.

Não fumar: todos sabem que o cigarro faz mal. Aqui, ele é vilão por ter substâncias pró-coagulantes, que abrem brecha para a formação de trombos.

Tratar as varizes: elas podem ser causadas por um trombo, mas também incitá-lo. É que, danificados, os vasos não empurram o sangue de volta para o coração.

Manter-se no peso: o sobrepeso e a obesidade expõem os vasos à inflamação e dificultam o retorno venoso, o que leva ao congestionamento nas veias.

Procurar um médico: um especialista pode pedir exames, avaliar sua tendência ao desenvolvimento de trombos e, se for o caso, indicar um tratamento.

Avaliar o uso de anticoncepcionais: atenção especial aos com mais de 50 miligramas de estrogênio. Se houver propensão, há maior risco.

Cuidar da gestação: grávidas tendem a ser mais vulneráveis à trombose porque, com o barrigão, a circulação se torna lenta e o sangue se acumula nos membros inferiores.

Dentro do hospital

Até pacientes internados devem se movimentar para afastar a trombose. Obviamente que a atividade dependerá do problema de cada um. Mas, dentro do possível, o ideal é dar uma circulada pelos corredores de vez em quando.

Vale também conversar com o médico para checar a possibilidade de manter as pernas elevadas e realizar flexões do tornozelo.

Comentário

Saúde

Número de mamografias realizadas pelo SUS é o menor dos últimos cinco anos

Publicado

dia

Segundo um estudo, só 24,1% das mulheres que deveriam realizar esse exame de fato se submeteram a ele. O que estaria acontecendo no Brasil?

O exame mais comum para detectar o câncer de mama está sendo pouco empregado no nosso país. Um levantamento da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) em parceria com a Rede Brasileira de Pesquisa em Mastologia revela que, entre as 11,5 milhões de mamografias que deveriam ser em 2017, apenas 2,7 milhões de fato foram realizadas (ou 24,1%).

Como os cientistas chegaram ao total de exames esperados em 2017? Eles primeiro somaram o número de mulheres entre 50 e 69 anos, faixa etária em que o Instituto Nacional de Câncer (Inca) preconiza a utilização da mamografia. Aí o dividiram por dois, uma vez que o rastreamento para essa população deve ser feito a cada dois anos de acordo com as diretrizes do nosso país. Os experts ainda incluíram na conta uma estimativa de brasileiras que deveriam repetir o teste por terem sido anteriormente diagnosticadas com alguma alteração.

Feito isso, bastou buscar a quantidade de mamografias realizadas pelo SUS para concluir que elas representaram apenas 24,1% do total esperado. Esse é o menor índice dos últimos cinco anos e está bem abaixo dos 70% recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

“A dificuldade para agendar e realizar a mamografia ainda é o principal motivo para o baixo número de exames”, afirma o mastologista Ruffo de Freitas Junior, coordenador do estudo, em comunicado à imprensa. “Isso, claro, além da triste realidade encontrada em hospitais com equipamentos quebrados e falta de técnicos qualificados para operá-los”, arremata.

Segundo o presidente da SBM, Antônio Frasson, houve um sucateamento do sistema público em relação ao diagnóstico precoce de câncer de mama. Veja: o mesmo estudo mostra que o governo federal investiu apenas 122,8 milhões de reais dos 510,7 milhões previstos para atender ao número adequado de mulheres.

Frasson explica que esse obstáculo do acesso não se restringe aos exames de rastreamento, mas também ao próprio tratamento, o que desmotiva as pessoas. “A dificuldade que as pacientes enfrentam para serem tratadas no sistema público é muito grande. E eu imagino que não seja algo específico do câncer de mama”, opina.

Segundo ele, é importante cobrar o governo por melhorias. “Não apenas a SBM, mas a sociedade no geral deve pressionar através de grupos de voluntariado e ONGs para que o acesso aos exames aconteça naturalmente, e não com tanta dificuldade”, alerta.

A pesquisa – e o câncer de mama no Brasil

Como os dados que sustentam esse trabalho foram extraídos do Sistema de Informações Ambulatoriais (SIA) do DATASUS, os exames feitos pela rede privada ficaram de fora. É possível, portanto, que o cenário seja um pouco menos dramático do que o pintado por esse levantamento.

De qualquer jeito, a pesquisa em questão calculou inclusive as piores regiões do Brasil quando o assunto é realizar mamografias. São elas: Rondônia, Distrito Federal e Amapá.

Esperava-se que 76,9 mil mulheres em Rondônia se submetessem a esse exame. Entretanto, foram registradas somente 5,7 mil (7,4%) em 2017. No Distrito Federal, foram apenas 5 mil exames (3,1%), ante um potencial total de 158,7 mil. O Amapá, por sua vez, contabilizou 260 mamografias no SUS (1,1%) – o ideal seria ficar na casa dos 24 mil.

O câncer de mama é o segundo tipo de tumor maligno mais comum entre as mulheres no Brasil e no planeta, ficando só atrás do de pele. De acordo com o Inca, ele responde por cerca de 28% dos casos novos todo ano.

O presidente da SBM reforça que valorizar o diagnóstico precoce torna o tratamento mais eficaz e barato. “Existe uma relação direta entre chance de cura e tamanho de tumor”, afirma.

Mais: ele conta que o tamanho médio dos cânceres de mama rastreados pelos médicos na rede privada é menor que o encontrado na rede pública de saúde. “Isso indica que, quando as pessoas têm melhor acesso, os tumores são menores e a chance de cura é maior”.

A falta de informação

Além da dificuldade de acesso, o medo do tratamento e a dor causada pela compressão das mamas durante o exame são motivos que afastam as mulheres da mamografia. Para Frasson, esses problemas se resolvem com informação.

Até porque há boas notícias: hoje em dia o tratamento contra o câncer é altamente personalizado – e envolve menos reações adversas do que antes. Fora isso, a cirurgia de reconstrução dos seios já está disponível nos hospitais públicos.

Quanto aos incômodos do exame, não dá pra negar que eles existem. Acontece que a compressão garante muito mais nitidez ao resultado. É uma dor que passa e que pode evitar um problemão mais pra frente.

Ver mais

Saúde

Ozonioterapia pode ser utilizada como tratamento experimental, diz CFM

Publicado

dia

Apesar das críticas, a ozonioterapia já é oferecida pelo SUS como tratamento alternativo

ozonioterapia – tratamento alternativo que utiliza a aplicação de uma mistura dos gases oxigênio e ozônio com finalidade terapêutica – foi aprovada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) como procedimento experimental, podendo ser realizado em caráter de estudo. A aprovação acontece depois que a Comissão para Avaliação de Novos Procedimentos em Medicina analisou mais de 26.000 trabalhos sobre a técnica mediante pedido da Associação Brasileira de Ozonioterapia (Aboz).

Segundo o CFM, a definição da permissão em caráter experimental se deve ao fato de ainda serem necessários mais estudos sobre a terapia para determinar a eficiência e segurança do tratamento, assim como a melhor dosagem e meios de aplicação.

A entidade ainda determinou que as pesquisas só podem ser realizadas mediante anonimato e sigilo dos indivíduos que se submeterem à prática, além de oferecer de suporte médico em casos de efeitos adversos. Outra condição é não haver cobrança do tratamento em qualquer uma das etapas do estudo.

A determinação do CFM visa reforçar a proibição de prescrições médicas para procedimentos fora dos padrões estabelecidos pela entidade.

 

Ozonioterapia

A ozonioterapia surgiu na Europa e vem sendo usada como terapia complementar para tratar diversas doenças, como herpes, hepatite, hérnia de disco e acidente vascular (AVC), sendo associada a medicação prescrita por especialistas. A técnica pode ser aplicada por diversas vias de administração, como endovenosa, retal, intra-articular, local, intervertebral, intraforaminal, intradiscal, epidural, intramuscular e intravesical.

Apesar de já estar sendo amplamente praticada fora do Brasil, a prática tem recebido muitas críticas, especialmente depois que o projeto de lei nº 227/2017 começou a tramitar no Congresso Nacional para autorizar a prescrição da ozonioterapia como tratamento complementar em todo o país. Em nota pública, 55 entidades médicas e científicas repudiaram a decisão, salientando que a modalidade terapêutica carrega riscos e pode comprometer a saúde dos pacientes. Diante dos protestos, o Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu a medida.

No entanto, em março, o Ministério da Saúde anunciou que o Sistema Único de Saúde (SUS) disponibilizaria novos tratamentos alternativos nas Práticas Integrativas e Complementares, entre elas a ozonioterapia; entre as outras 28 modalidades oferecidas na rede pública apenas duas são reconhecidas pelo Conselho Federal de Medicina: a homeopatia e acupuntura.

Ver mais

Saúde

Ovário artificial poderá ajudar mulheres com câncer que desejam ter filhos

Publicado

dia

Congresso apresenta primeiros resultados positivos da técnica que, apesar de estar longe de virar realidade, já é promissora. Entenda como funciona.

Retirar o ovário é uma etapa comum do tratamento de mulheres com tumores nesse órgão, sem contar que a própria quimioterapia pode impedir que o local se regenere, impossibilitando uma gestação. Para contornar a infertilidade que acompanha estes casos, há alguns anos nasceu a técnica de criopreservação, que ainda é experimental, e consiste em congelar uma parte do tecido ovariano e a reinserir na mulher quando o tratamento acabar.

O problema é que a malignidade do tecido, ou o seu potencial para virar câncer, pode sobreviver ao congelamento, e a preservação dos óvulos, que é uma opção mais estabelecida e simples para esses casos, nem sempre pode ser feita. Agora, cientistas dinamarqueses anunciaram um ovário artificial que demonstrou suportar a vida dos folículos, estruturas que liberam o óvulo para que ele seja fecundado e gere um bebê.

O trabalho foi apresentado esta semana no 34º Encontro Anual da Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia (ESHRE), em Barcelona, pelo Rigshospitalet’s Laboratory of Reproductive Biology, da Dinamarca. A premissa tem ares de ficção científica. “Um ovário feito com bioengenharia poderia permitir o crescimento de folículos anteriormente congelados em um novo tecido, livre de malignidades”, explicou Susanne Pors, pesquisadora do Rigshospitalet’s e autora do trabalho no material de divulgação.

Entenda como foi feito o ovário

Os pesquisadores utilizaram amostras de células foliculares e tecido do ovário colhidas das mulheres antes que elas recebessem o tratamento para câncer. Depois, o tecido foi submetido a um procedimento que “descelulariza” a área – ou seja, mata as células vivas presentes para que o tecido vire apenas uma espécie de forma ou plataforma para um novo órgão se desenvolver.

O resultado é uma base sem células, chamada de matriz extracelular, que é uma promessa da bioengenharia já estudada para outros lugares do corpo. Neste caso, as células foliculares foram inseridas na matriz extracelular ovariana, que já continha nutrientes e estruturas do ovário e poderia simular o ambiente onde os folículos cresceriam e alcançariam a fase antral, quando estão prontos para funcionar.

“Descobrimos então que as células ovarianas e os folículos primários foram capazes de recelularizar o tecido in vitro, migrando para a matriz e repovoando-a”, explicou Susanne. Os transplantes do tecido em roedores, que foram feitos após essa etapa de cultivo, mostraram que o ovário artificial suportou o crescimento dos folículos primários.

Limitações

Ainda é muito cedo para especular se ou quando a técnica poderá ser aplicada em humanos. Primeiro, é preciso avaliar a qualidade do funcionamento dessa estrutura. “A biologia nos sugere que os óvulos dentro dos folículos interagem intrinsecamente com seu entorno e com as células ovarianas. Folículos que crescem sem essas células de suporte poderiam ter seu desenvolvimento prejudicado”, comentou Ying Cheong, professor de Medicina Reprodutiva da Universidade de Southampton, nos Estados Unidos, após assistir a palestra.

Ou seja, trata-se de uma possibilidade para um futuro distante, que exige mais estudos in vitro duradouros e, depois, in vivo, em animais e humanos.

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade