Nossa rede

Cultura

Orquestra Sinfônica fará sete concertos gratuitos no DF em outubro; veja datas

Publicado

dia

Primeira apresentação acontece nesta terça; concerto vai premiar compositores que venceram concurso nacional. Mês também celebra 50 anos de relações diplomáticas entre Brasil e Cingapura.

Integrantes da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro (Foto: Tony Winston/Agência Brasília)

Integrantes da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro (Foto: Tony Winston/Agência Brasília)

Sete concertos integram a programação gratuita da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro durante o mês de outubro. Os músicos sobem ao palco do Cine Brasília (106/107 Sul) a partir desta terça-feira (3). O local tem capacidade de 620 lugares.

Para abrir a temporada do mês, a orquestra vai premiar os três vencedores do Concurso Nacional de Composição em homenagem aos 75 anos do maestro Jorge Antunes, carioca radicado em Brasília. Esta é a primeira edição do prêmio, que vai apresentar os compositores vencedores e as obras selecionadas ao público.

A solenidade começa às 20 horas, com a abertura da ópera “A cartomante”. Em seguida, os músicos executam “Azuis, variações para orquestra”, de Carlos dos Santos, terceiro lugar na competição. O objetivo da premiação, segundo o maestro Cláudio Cohen, é “incentivar novos talentos da música”.

A obra “Thermidor”, de Paulo Henrique Raposo, segundo colocado, é tocada em seguida pelos músicos. A composição “Segmentos” encerra o programa da noite, do compositor vencedor do concurso, Helder Oliveira. Todas as obras serão regidas por Jorge Lisboa Antunes, filho do homenageado.

Maestro Jorge Antunes é o homenageado no Concurso Nacional de Composição, em Brasília (Foto: Orquestra Santoro/Divulgação)

Maestro Jorge Antunes é o homenageado no Concurso Nacional de Composição, em Brasília (Foto: Orquestra Santoro/Divulgação)

Concerto internacional

Outro destaque da programação do mês é o concerto comemorativo de 50 anos de relações diplomáticas entre o Brasil e Cingapura, país do sudeste asiático. A apresentação acontece no dia 11, no Santuário Dom Bosco (702 Sul), às 20 horas.

Para a abertura da noite está prevista a execução da obra “O morcego”, de Johann Strauss. A apresentação será seguida por “Butterfly lover’s”, de Zhang Hao He e Gang Chen, uma composição clássica do país que conta a história de uma jovem que se transveste de menino para conseguir estudar. “A narrativa se passa em uma época que proibia a atividade para mulheres”, explica o maestro.

“É um concerto para violino. Será um espetáculo bem interessante.”

Integração cultural

Em 17 de outubro, o austríaco Johann Strauss terá parte de sua obra executada no “Concerto vienense”. De acordo com o maestro Cohen, uma apresentação mais descontraída, com um compositor conhecido como o “rei da valsa”.

O “Concerto húngaro”, em 24 de outubro, levará ao público “Danças de galanta”, do compositor Zoltán Kodály, e “Concerto para violino e orquestra nº 1”, de Béla Bartók. O violinista húngaro Antal Zalai será solista em “Violin concerto opus 23”, de Karl Goldmark.

Em 26 de outubro, o grupo participa da solenidade de entrega da medalha Mérito Brasília. O concerto aberto ao público terá clássicos universais eruditos.

Encerra a série do mês, em 31 de outubro, o “Concerto esloveno”, com o espetáculo “Slovenic Soul”. Na data, os músicos serão acompanhados pela soprano Manca Izmajlova, cantora representante da Eslovênia que transita entre o canto erudito e popular.

Confira a programação completa:

Programação da Orquestra de Brasília para o mês de outubro (Foto: Agência Brasília/Divulgação)

Serviço:
Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro 

Quando: 3, 10, 11, 17, 24, 26 e 31 de outubro
Locais: Cine Brasília (106/107 Sul) e Santuário Dom Bosco (702 Sul)
Entrada gratuita. Verificar lotação dos espaços.

Comentário

Cultura

Jammil faz luau na capital no fim de semana

Publicado

dia

Nomes consagrados da cena brasiliense também sobrem ao palco ao lado da banda baiana.

Divulgação

O Luau do Jammil  promete agitar a noite de sábado (22) na Capital Federal. Com as músicas que prometem ser sucesso no próximo verão, a banda baiana vai sacudir a galera em um show no Iate Clube Brasília. Nomes consagrados da cena brasiliense também sobrem ao palco. O ingresso custa 91 reais (masculino) e 71 reais (feminino), disponíveis para venda pelo site sympla.com.br/luaudojammil. Os valores são referentes à meia-entrada e primeiro lote, sujeitos à alteração sem aviso prévio.

A banda chega na cidade com grandes novidades para o público, a começar pelo novo hit Rega, trilha sonora da novela Segundo Sol, que conta a história da Bahia e do Axé. O hit é o primeiro de uma série de quatro canções que vão embalar o público até o verão e que fazem parte do EP, que será lançado em 2019.

Com o cantor Levi Lima a frente desde 2011, a banda tem comemorado nos últimos anos ainda uma série de conquistas. Além de prêmios como o Jovem Brasileiro em 2013, na categoria Melhor Música, o grupo foi indicado ao Grammy Latino no ano anterior pelo DVD Jammil Na Real, que unia 10 clipes e um documentário sobre a Estrada Real, que conta a saga do ouro no Brasil.

Serviço
Lual do Jammil
Data: 22 de setembro, sábado
Hora: a partir das 16h
Local: Iate Clube Brasília – Setor de Clubes Esportivos Norte Trecho 2 Conjunto 4 – Asa Norte, Brasília/DF

Ver mais

Cultura

Manifestantes ocupam Ministério da Cultura por políticas para movimentos de matriz africana

Publicado

dia

Ato envolve cerca de 25 pessoas. Acampamento acontece no 9º andar do prédio.

Manifestantes ligados à cultura africana em ocupação no Minc (Foto: Arquivo Pessoal)

Manifestantes ocuparam na noite desta terça-feira (7) um prédio do Ministério da Cultura, em Brasília. O protesto é da Frente Liberta Matriz Africana (Flama) e envolve cerca de 25 pessoas.

Entre outros pontos, pede a implementação do Plano Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos de Matrizes Africanas e de Terreiros.

Também quer que a presidência da Secretaria Especial de Políticas de Igualdade Racial seja ocupada por um conselheiro eleito pelo Conselho Nacional de Igualdade Racial.

Até a manhã desta quarta (8), os manifestantes estavam acampados no 9º andar do prédio, que fica próximo ao Parque da Cidade.

Panelas e suprimentos trazidos para ocupação no Minc (Foto: Arquivo Pessoal)

Eles querem falar com o ministro, Sergio Sá Leitão. No entanto, como ele está em viagem, a expectativa é de que outro representante se reúna o grupo.

Para o ocupação, os manifestantes também levaram panelas e alimentos. O protesto é pacífico. Não há informação sobre depredação.

Ver mais

Cultura

Música na Árvore leva experiência musical gratuita ao seio de Brasília

Publicado

dia

Grupos de música instrumental se apresentam nos três dias de evento

Novo projeto de Dillo D’Araujo, GuitarrÁfrika se apresenta três noites seguidas. (foto: Gui Campos/Divulgação)

Com o mote música e natureza, o Música na Árvore volta para a inédita edição dedicada ao estilo instrumental. Iniciativa de André Trindade, o evento busca oferecer conscientização ambiental e boa música. “O Música na Árvore sempre teve a pegada de pegar bens culturais e levar ao público gratuitamente”, explica.

Ele defende que a música instrumental merece mais espaço do que tem, e define como bem cultural pela riqueza que pode proporcionar em termos experimentais. “Queremos democratizar a música experimental, que é referência para tantos artistas e as pessoas não param para escutar às vezes, chamam de chato”, defende.

Duas atrações se apresentam por dia a partir desta quinta-feira (25/7), em frente ao Conic. Novo projeto do guitarrista Dillo D’Áraujo, GuitarrÁfrika percorre os três dias da programação e ainda divide a agenda com o contraste entre pop e underground de Transquarto, a brasilidade jazzística de Mario Noya e o saxofone experiente de Leo Gandelman.

Fusão de Matizes

Experimental é como se encaixa o estilo de Dillo D’Áraujo, que, movido pela vontade de fazer som distinto, viajou em pesquisa à África, onde colheu referências para o projeto GuitarrÁfrika.

O afrobeat e outros rítmos do continente ancestral foram fundidos à tupiniquim guitarrada, gênero tradicional paraense. Apesar de os ingredientes serem bastantes conhecidos e explorados por músicos, “a fusão é nova”, segundo ele.

“Eu estava em busca de uma contribuição inédita ao fundir essas matizes, além de outras”, revela o guitarrista, que se apresentará acompanhado do baixista Lucas Tufas e do baterista Robinho Batera.

O público poderá observar Dillo tocar uma oil can, instrumento africano incorporado a sua nova sonoridade. O músico aguarda lançamento de “álbum visual” gravado ao vivo, com imagens das passagens por África e Chile.

Programação 

25/7 (quarta): Transquarto e GuitarrÁfrika

26/7 (quinta): Mario Noya e GuitarrÁfrika

27/7 (sexta): GuitarrÁfrika e Leo Gandelman

 

Serviço

Música na Árvore

CONIC (SHCS Edifício Venâncio).  Em 25 a 27 de julho. Com GuitarrÁfrika, Leo Gandelman, Transquarto e Mario Noya. Entrada franca. Classificação indicativa livre
Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade