Nossa rede

Aconteceu

Moradores de Taguatinga, Ceilândia e Samambaia sofrem com a insegurança

Publicado

dia

De acordo com eles, autores de pequenos roubos são presos, mas soltos em seguida. Isso mantém uma sequência de crimes preocupantes

Silvana Rosa com a filha: “Aqui a gente tem que olhar sempre para os lados, porque é perigoso”. (foto: Vinicius Cardoso Vieira/Esp. CB/D.A Press)

 

A bolsa sempre junto ao corpo. O celular escondido na roupa. O dinheiro da passagem reservado na mão para evitar abrir a carteira em público. Andar à luz do dia pelas ruas do Distrito Federal tem obrigado a população a ficar sempre alerta contra a ação de bandidos. Para não ser alvo de ladrões, pedestres estão mais prevenidos. Deixam de circular com pertences à mostra e, sempre que podem, preferem sacolas plásticas e bolsas pequenas que disfarçam o que está guardado. Nos centros de Ceilândia, Taguatinga e Samambaia, a sensação de insegurança impõe medo a moradores e comerciantes.

Em 28 de janeiro, um idoso de 70 anos morreu após ter o celular roubado no centro de Taguatinga, às 5h. O crime aconteceu quando Sebastião Luiz de Oliveira saía para trabalhar. Ele levou um golpe conhecido como voadora (um salto seguido de um chute nas costas) e morreu sem a chance de ser socorrido. Os suspeitos são um homem de 21 anos e uma mulher de 31, usuários de crack e conhecidos na localidade.
Na região onde o idoso agonizou no asfalto, pontos de tráfico de droga e prostituição intimidam os moradores. Quando escurece, quem mora na área próxima evita circular a pé. Izabel Domingues, 66 anos, tem um apartamento em frente à 12ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Centro). Ela só sai de casa após as 19h se tiver alguém para buscá-la e deixá-la na porta do edifício. “Eu me programo para fazer tudo quando ainda está de dia. Só saio com essas sacolas simples, tipo ecobags, para não chamar atenção, nem me produzo muito. Evito andar com dinheiro, só saio com cartão, e o celular escondido na roupa”, detalha a costureira. Ela mora com o filho de 36 anos que sofre de esquizofrenia.
Por ser mulher, a professora Gabriela da Silva Azevedo, 34, conta que se sente mais vulnerável. Ela mora no Jardins Mangueiral, trabalha no Paranoá, mas visita a mãe, em Taguatinga. Gabriela depende do transporte público desde que o carro foi furtado em um estacionamento no início da Asa Norte, há um ano e meio. Toda a semana desembarca em Taguatinga, próximo à Praça do Relógio. “Estar junto de outras pessoas é mais seguro. Mas, para evitar ser alvo de uma situação constrangedora ou de uma abordagem, sempre guardo o celular ou deixo a mochila na parte da frente do corpo”, explica.
Apesar de as estatísticas gerais indicarem uma queda da criminalidade do Distrito Federal, o porta-voz da Polícia Militar, major Michello Bueno, explica que os centros das cidades atraem dois tipos de criminosos: os usuários de droga, que cometem assaltos e pequenos furtos para manter o vício, e os estelionatários, que enganam as pessoas para levar vantagem (leia Palavra do especialista). “Eles são profissionais e aplicam golpes em busca do lucro. A grande circulação de pessoas acaba atraindo esse público para cometimento de crimes”, esclarece.
Por essa razão, o policial militar recomenda não expor objetos de valor e andar com a bolsa ou a mochila sempre à frente. “Principalmente os criminosos que cometem pequenos roubos e furtos são constantemente presos, mas a lei os coloca em liberdade, o que gera o sentimento de impunidade para esse pessoal e eles ficam cada vez mais ousados”, reforça.
Na visão do promotor de vendas Sócrates Cortes, 38 anos, durante o dia, o movimento de pessoas e o fluxo do comércio em Taguatinga inibe um pouco a ação dos criminosos. “Mas, quando escurece, o movimento cai e fica perigoso. De madrugada a presença de usuários de droga é maior e, no dia seguinte, a gente fica sabendo do que aconteceu à noite”, ressalta.

Ceilândia

Na região vizinha, em Ceilândia, cidade mais populosa do Distrito Federal — com mais de 500 mil habitantes —, houve 6.389 assaltos a pedestres em 2018. Uma média de 532 casos por mês. As forças de segurança pública ainda registraram 568 furtos em todo o ano passado: aumento de 29,97% das ocorrências se comparado a 2017, quando houve 437 registros (veja quadro).
Joice Carla Mota Pinheiro, 31 anos, é vendedora de uma loja de calçados no centro de Ceilândia. Ela conta que semanalmente presencia furtos de celulares, bolsas e até de sapatos expostos em frente ao estabelecimento em que trabalha. “Eles pegam e saem correndo. Quando alguém grita, algumas pessoas vão atrás e tentam tomar de volta. Mas, às vezes, os assaltantes se infiltram no meio da multidão e ninguém consegue mais achar”, explica.

Moradora da cidade há 12 anos, ela se previne para evitar ser vítima. Na hora de sair, prefere não usar bolsa e também anda sempre com sacolas pequenas que não chamam atenção. “A facilidade faz com que eles assaltem mesmo. É um meio de sobrevivência desse pessoal e causa insegurança na gente. Por isso sempre ando com celular dentro da sacola e com o pouco dinheiro que posso. Aqui a gente tem que tomar cuidado”, alerta.
Há um ano A.J.S, 16, foi assaltada duas vezes quando ia para a escola. Em ambas, o assaltante, de bicicleta, levou-lhe o celular. Desde então, a aluna do 2ºano do ensino médio tem medo de ir ao colégio sozinha. “Em uma delas, o rapaz estava com uma faca. Não ando mais com o celular”, lamenta. A mãe, Silvana Rosa de Jesus, 37, conta que o marido teve de conciliar o horário de trabalho para acompanhar a filha. “Ela ficou traumatizada. Aqui a gente tem que andar com pouco dinheiro, a bolsa próxima ao corpo e olhando sempre para os lados, porque é perigoso”, destaca.

Samambaia

Em Samambaia, são constantes os relatos de furtos e roubos. Keliane Costa Araújo, 22 anos, teve o celular levado por um assaltante há um mês. Ela chegava a casa em uma quadra do centro da cidade, por volta de 14h30, quando um homem se aproximou a pé e mostrou uma arma. “Ele levou meu celular e minha mochila com tudo dentro, roupa e dinheiro. Se vacilar, aqui as pessoas roubam mesmo. Tem que andar atenta o tempo todo. Os usuários de droga e os moradores de rua também intimidam muito”, conta.
Em uma semana, Maria de Fátima Souza Silva, 27, foi assaltada duas vezes. Em uma delas, um homem armado com uma faca levou o celular. Na outra, ela esperava o ônibus na parada, quando um carro com quatro suspeitos se aproximou. Eles levaram a bolsa da estudante com documentos e dinheiro. “Só ando com bolsa pequena e olhando para os lados o tempo todo”, explica. A mãe dela, Rosana Souza, 54 anos, esconde os pertences na roupa. “O desemprego e a falta de educação influenciam na insegurança. Hoje andamos com medo, assustadas”, lamenta.
Para a família de Lígia Ferreira Franco, 55, e Antônio Francisco de Oliveira Sobrinho, 57, policiamento tem, mas a impunidade faz com que a sensação de insegurança aumente. “O bandido sai primeiro da delegacia do que o próprio policial. Até que a gente vê viaturas por aqui, mas a equipe prende e a lei solta logo em seguida. Eles (criminosos) são debochados”, conta o autônomo.
Na manhã da última quinta-feira, o casal tinha ido ao centro com a filha Ana Julia Franco de Oliveira, 12, e a sobrinha Bruna Nielson, 11. Ao andar pelas ruas, Lígia segurava firme a bolsa enquanto contava com a ajuda do marido para atravessar a pista com as adolescentes. “Aqui é caminhando com um olho no padre e outro na missa”, reforça a servidora pública.
Em nota, a Polícia Militar ressaltou que faz rondas em Ceilândia, Taguatinga e Samambaia e detalhou que os batalhões das duas primeiras cidades estão entre os três primeiros em número de prisões e apreensões, seguido do de Planaltina. “Ambos (os de Ceilândia e Taguatinga) somam mais de 4 mil pessoas detidas apenas em 2018”, informou. Mas, segundo a corporação, “a política de soltura de presos e leis benéficas têm sido grandes desafios enfrentados pela polícia do DF.”

Palavra do especialista

Nas áreas centrais das cidades, onde há pessoas fazendo diversas transações comerciais, a criminalidade tem um alvo que possui dinheiro ou que possui bens e serviços. Portanto, as pessoas têm adotado um comportamento defensivo que traduz o chamado medo do crime. Esse receio produz mudanças comportamentais, psicossomáticas e alterações no comportamento do coletivo.
As pessoas estão ficando mais conscientes de que as coisas de valor não devem estar expostas e tem ocorrido uma tomada de consciência da população em tempo de criminalidade e violência. Quando as mulheres se protegem com a bolsa, por exemplo, é devido a consciência do roubo e do furto.
E a população de rua dos grandes centros tem um forte componente de dependentes químicos. Eles veem no indivíduo comum aquele que possui alguma coisa que pode suprir a sua necessidade extrema do crack. Essa é a ideia do desespero e, portanto, a população de rua migra para onde existem pessoas que possam suprir essa ideia de compulsão obsessiva da droga.
Continua depois da publicidade

George Felipe Dantas, consultor em segurança pública

Inclusão social

De acordo com o relatório das Nações Unidas, a insegurança é um obstáculo ao desenvolvimento econômico e social. O estudo diz que não bastam medidas de controle da criminalidade. Para uma redução duradoura da insegurança, o Relatório de Desenvolvimento Humano Regional (RDH) 2013-2014 recomenda políticas públicas que melhorem a qualidade de vida da população, com prevenção do crime e da violência por meio de um crescimento econômico inclusivo e instituições de segurança e de justiça eficazes.

Balanço

Estatística de violência nas três cidades em 2018 se comparado a 2017
Natureza criminal Ceilândia (2018 | 2017) Taguatinga (2018 | 2017) Samambaia (2018 | 2017)
Roubo a pedestre 6.389 | 6.409 3.169 | 3.651 3.295 | 4.510
Furto a pedestre 568 | 437 479 | 518 114 | 128
Roubo a comércio 324 | 380 160 | 175 181 | 195
Furto em veículo 965 | 1.081 1.059 | 1.339 399 | 467
Roubo de veículo 715 | 832 591 | 642 495 | 643
Homicídio 85 | 81 23 | 21 32 | 50
Latrocínio 8 | 5 1 | 3 2| 3
Tráfico de drogas 436 | 384 296 | 222 195 | 181
Fonte: Secretaria de Segurança Pública
Fonte: Correio Braziliense

 

Comentário

Aconteceu

Motorista é baleado, bate em poste e morre no DF

Publicado

dia

Crime ocorreu na noite desta quarta-feira (16), em Taguatinga. Carro da vítima foi atingido por três disparos; polícia investiga.

Vítima de arma de fogo é morto dentro de carro em Taguatinga, no DF — Foto: Arquivo pessoal

Um homem de 37 anos foi morto na noite desta quarta-feira (16), em Taguatinga, no Distrito Federal. Clebson Nunes dos Santos foi atingido no peito enquanto dirigia. Ele perdeu o controle do veículo, bateu em um poste de energia e morreu no local.

O veículo que ele estava ficou com três marcas de tiro. O crime ocorreu na CSG 14, em frente a uma fábrica de alimentos. A 20ª delegacia, em Taguatinga, investiga o caso.

Clebson Nunes dos Santos, de 37 anos, foi morto com um tiro no peito, em Taguatinga (DF)  — Foto: Arquivo pessoal

Clebson Nunes dos Santos, de 37 anos, foi morto com um tiro no peito, em Taguatinga (DF) — Foto: Arquivo pessoal

Testemunhas contaram à polícia que uma pessoa que estava em um carro branco atirou e fugiu. A Polícia Civil busca por pistas e imagens de câmeras de segurança que levem à identificação do suspeito.

A vítima não tinha passagem pela polícia. Uma das linhas de investigação é de que Cleberson tenha sido vítima de tentativa de roubo. O caso, no entanto, foi registrado como homicídio.

Violência

A quadra CSG 14, próxima ao Pistão Sul, é conhecida pelos pontos de prostituição e de tráfico de drogas. A região fica entre fábricas e moteis.

Em agosto, dois homens agrediram duas travestis no mesmo local. A agressão foi durante o dia. Uma das vítimas ficou caída na grama. Os agressores fugiram.

Ver mais

Aconteceu

Por mês, 2 mil motoristas são flagrados dirigindo alcoolizados no DF

Publicado

dia

Apesar da Lei Seca, que reduziu sensivelmente as mortes nas vias do DF, por dia, cerca de 60 condutores são flagrados sob efeito de álcool. De acordo com o Detran, entre janeiro e setembro de 2019, 17.518 motoristas foram autuados

Nos fins de semana, o Detran intensifica as operações para flagrar motoristas que tenham ingerido bebida alcoólica
(foto: Monique Renne/CB/D.A Press)

Por dia, mais de 60 brasilienses são flagrados ao volante sob efeito de álcool. Dados do Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran) mostram que ocorreram 17.518 autuações dessa natureza entre janeiro e setembro deste ano. Isso significa que quase 2 mil condutores são multados mensalmente por alcoolemia na capital. No domingo, agentes do órgão e policiais militares montaram uma blitz em Taguatinga e autuaram 41 condutores em apenas duas horas.
Em todo ano de 2018, o Detran registrou 21.469 infrações relativas à alcoolemia, uma média de aproximadamente 1,7 mil infrações mensais — ou seja, as pessoas continuam bebendo e dirigindo, assumindo riscos que podem provocar tragédias. Para o especialista em engenharia de transporte da Universidade de Brasília (UnB), Pastor Willy Gonzales Taco, os mecanismos que existem hoje para coibir esse tipo de direção perigosa, como a Lei Seca, são frágeis. “As pessoas ainda não compreendem as próprias responsabilidades. E isso não se resolver sozinho. Podemos fazer blitz em alguns lugares da cidade, mas essas infrações ainda vão continuar acontecendo”, destaca o professor.
O estudioso ressalta que há uma sensação de impunidade por parte dos motoristas brasilienses e que o quadro precisa ser mudado com campanhas educativas e mudança de cultura. “Vivemos uma grande vulnerabilidade. A população de Brasília é muito jovem e precisa ser alertada sobre as consequências de se dirigir sob efeito do álcool”, comenta. De acordo com ele, deve ser ensinado ainda na infância, dentro dos núcleos familiares, como a prática é perigosa. “Tanto as vítimas quanto os motoristas são afetados quando acontece um acidente”, alerta.
Gonzales Taco aponta que outro aspecto que deve ser observado pelos órgãos de trânsito é a corresponsabilidade dos bares e restaurantes com relação à bebida. “Poderia ser pensado algum tipo de programa, uma mobilização condicional, para que os estabelecimentos ofereçam serviços em que as pessoas não precisem usar o veículo”, explica. De acordo com o estudioso, sindicatos e federações à frente desse tipo de comércio poderiam agir junto aos órgãos de trânsito e entidades ligadas ao transporte para investir nesse tipo de atendimento, evitando infrações de alcoolemia.

Mortes

De janeiro a junho deste ano, 147 pessoas morreram em acidentes de trânsito no Distrito Federal, segundo levantamento do Detran. Do total de vítimas, 67 (46%) apresentaram resultado positivo para uso de substâncias entorpecentes. Ao todo, 30 consumiram álcool, 22 drogas e 15 ambas as substâncias.
No ano passado, o número de pessoas mortas no trânsito da capital atingiu 280. Ao todo, 139 haviam ingerido algum entorpecente A análise constatou uso de álcool em 53 casos, de drogas em 49 e de ambas as substâncias em 37. A estatística do órgão ainda apontou que, das vítimas mortas, 13 eram pedestres, 34 condutores, nove motociclistas, três ciclistas e um passageiro.
Para o diretor de policiamento e fiscalização de trânsito do Detran, Francisco Saraiva, a atuação dos órgãos se intensificou, afetando as estatísticas. “Hoje, temos um serviço de inteligência, que observa dados estatísticos nos locais típicos de cometimento de infrações. A partir disso, podemos agir para inibir as práticas irregulares”, explica. De acordo com ele, falta efetivo para cobrir simultaneamente diversos pontos da capital, porém, a resposta em ações pontuais se mostra positiva.
“Sempre estamos presentes em grandes eventos. As pessoas que chegam, observam uma equipe de agentes e se sentem inibidas. Quanto mais fiscalização, menos infrações teremos”, reforça. De acordo com ele, durante os fins de semana, entre 14h e 20h, são os horários em que há mais incidência de alcoolemia. Sobre a Lei Seca, Saraiva ressalta que a medida foi de suma importância para reduzir as mortes.

Consciência

O medo de provocar acidentes e de colocar a própria vida e a dos outros em risco, coloca a maioria dos brasilienses em alerta. O auxiliar administrativo Ygor Henrique Santos dos Reis, 23 anos, costuma sair para a balada, principalmente aos fins de semana. Morador de Ceilândia, ele vai a festas e bares no Plano Piloto. “Tenho carro, mas deixo em casa quando vou beber. Uso outras formas para ir embora, como motorista de transporte por aplicativo ou carona”, relata.
Para não dirigir sob efeito de álcool, Ygor e a namorada, a professora Lorena Farias Torres, 27, revezam o volante nas saídas. “Um bebe e o outro dirige. Porém, quando nós dois queremos curtir, a gente não sai de carro”, ressalta. De acordo com o auxiliar administrativo, o problema não é a multa elevada, mas sim as consequências. “Compensa mais pagar um transporte de aplicativo, por exemplo, do que correr o risco de morrer ou tirar a vida de alguém”, afirma.
Na tarde desta quarta-feira (16/10), a estudante Dayanna Santos, 23, foi encontrar o pai, o supervisor comercial Jadir José Ferreira, 44, em um bar da Asa Sul. Como ambos estavam dirigindo, deixaram a bebida de lado. “Hoje em dia, é inviável beber e dirigir. Moro na Asa Sul e quando saio para um lugar onde vou beber um chope, vou e volto com motoristas particulares”, reforça Jadir. De acordo com ele, a fiscalização e os riscos são suficientes para inibir a prática irregular.
Frequentadora de festas e de bares no Plano Piloto, Dayanna também opta por motoristas de transporte por aplicativos para sair de casa. “Uma vez estava dirigindo e um motociclista bêbado sofreu um acidente na minha frente. Só isso já serviu como aviso”, lembra. A estudante destaca que os motoristas devem ter consciência ao sair de casa e não ingerir álcool. “É uma irresponsabilidade”, comenta.

Flagrados

A operação, batizada de Último Gole, aconteceu próximo a um pesque-pague de Taguatinga. Durante a ação dos agentes de trânsito, 11 condutores foram flagrados inabilitados e 18 veículos precisaram ser recolhidos ao depósito do Detran. Além disso, um carro que furou a blitz teria sido roubado ou furtado e foi recuperado pelos policiais. Ao todo, 45 profissionais, 19 veículos, uma aeronave e cinco guinchos do órgão participaram da operação.

O que diz a lei

» O Código de Trânsito Brasileiro prevê que dirigir sob influência de álcool é considerado infração gravíssima. Quem for pego com níveis acima de 0,3 mg/litro pode ser preso, ter o veículo retido e a Carteira Nacional de Habilitação suspensa por um ano. A multa para os motoristas que cometerem a infração é de R$ 2.934,70. Em caso de reincidência em até 12 meses, a multa é dobrada e alcança o valor de R$ 5.869,40. Em 2019, a Lei nº 11.705, conhecida como Lei Seca, completou 11 anos.

Autuações por alcoolemia

2018: 21.469
2019: 17.518*
* Os dados de 2019 são de janeiro a setembro.

Mortes no trânsito

2018: 280
2019: 147*
* Os dados de 2019 são de janeiro a junho.

Mortes no trânsito com uso de substâncias entorpecentes

2018: 139
2019: 67*
*As informações de 2019 são de janeiro a junho.
Ver mais

Aconteceu

MPDFT e Polícia Civil fazem operação conjunta e cumprem 101 mandados

Publicado

dia

Foram expedidos 41 mandados de prisão e 60 de busca e apreensão para desarticular associações criminosas do tráfico de drogas. Operação é considerada a maior do ano no DF

Mandados podem gerar novas provas e outros desdobramentos da operação
(foto: PCDF/Divulgação)

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) e a Polícia Civil deflagraram uma operação conjunta na manhã desta quinta-feira (17/10). A ação colocou nas ruas uma força-tarefa para combater o tráfico de drogas e foi considerada pelo MP a maior do ano no DF. Ao todo, foram cumpridos 101 mandados.
A Justiça expediu 41 mandados de prisão e 60 de busca e apreensão contra suspeitos de integrar associações criminosas na capital. Desde a manhã, a Operação Efeito Dominó mobiliza 400 policiais civis, cães farejadores e helicópteros.
“As investigações tiveram início em março de 2019, quando dois homens foram presos e tiveram os celulares apreendidos. A análise dos aparelhos demonstrou uma atividade de comércio de entorpecentes complexa e organizada, com fornecedores, atacadistas e varejistas, uma atuação em rede”, informou o MP, em nota oficial.
Ver mais

Disponível nosso App

Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade