Nossa rede

Aconteceu

Moradores de Taguatinga, Ceilândia e Samambaia sofrem com a insegurança

Publicado

dia

De acordo com eles, autores de pequenos roubos são presos, mas soltos em seguida. Isso mantém uma sequência de crimes preocupantes

Silvana Rosa com a filha: “Aqui a gente tem que olhar sempre para os lados, porque é perigoso”. (foto: Vinicius Cardoso Vieira/Esp. CB/D.A Press)

 

A bolsa sempre junto ao corpo. O celular escondido na roupa. O dinheiro da passagem reservado na mão para evitar abrir a carteira em público. Andar à luz do dia pelas ruas do Distrito Federal tem obrigado a população a ficar sempre alerta contra a ação de bandidos. Para não ser alvo de ladrões, pedestres estão mais prevenidos. Deixam de circular com pertences à mostra e, sempre que podem, preferem sacolas plásticas e bolsas pequenas que disfarçam o que está guardado. Nos centros de Ceilândia, Taguatinga e Samambaia, a sensação de insegurança impõe medo a moradores e comerciantes.

Em 28 de janeiro, um idoso de 70 anos morreu após ter o celular roubado no centro de Taguatinga, às 5h. O crime aconteceu quando Sebastião Luiz de Oliveira saía para trabalhar. Ele levou um golpe conhecido como voadora (um salto seguido de um chute nas costas) e morreu sem a chance de ser socorrido. Os suspeitos são um homem de 21 anos e uma mulher de 31, usuários de crack e conhecidos na localidade.
Na região onde o idoso agonizou no asfalto, pontos de tráfico de droga e prostituição intimidam os moradores. Quando escurece, quem mora na área próxima evita circular a pé. Izabel Domingues, 66 anos, tem um apartamento em frente à 12ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Centro). Ela só sai de casa após as 19h se tiver alguém para buscá-la e deixá-la na porta do edifício. “Eu me programo para fazer tudo quando ainda está de dia. Só saio com essas sacolas simples, tipo ecobags, para não chamar atenção, nem me produzo muito. Evito andar com dinheiro, só saio com cartão, e o celular escondido na roupa”, detalha a costureira. Ela mora com o filho de 36 anos que sofre de esquizofrenia.
Por ser mulher, a professora Gabriela da Silva Azevedo, 34, conta que se sente mais vulnerável. Ela mora no Jardins Mangueiral, trabalha no Paranoá, mas visita a mãe, em Taguatinga. Gabriela depende do transporte público desde que o carro foi furtado em um estacionamento no início da Asa Norte, há um ano e meio. Toda a semana desembarca em Taguatinga, próximo à Praça do Relógio. “Estar junto de outras pessoas é mais seguro. Mas, para evitar ser alvo de uma situação constrangedora ou de uma abordagem, sempre guardo o celular ou deixo a mochila na parte da frente do corpo”, explica.
Apesar de as estatísticas gerais indicarem uma queda da criminalidade do Distrito Federal, o porta-voz da Polícia Militar, major Michello Bueno, explica que os centros das cidades atraem dois tipos de criminosos: os usuários de droga, que cometem assaltos e pequenos furtos para manter o vício, e os estelionatários, que enganam as pessoas para levar vantagem (leia Palavra do especialista). “Eles são profissionais e aplicam golpes em busca do lucro. A grande circulação de pessoas acaba atraindo esse público para cometimento de crimes”, esclarece.
Por essa razão, o policial militar recomenda não expor objetos de valor e andar com a bolsa ou a mochila sempre à frente. “Principalmente os criminosos que cometem pequenos roubos e furtos são constantemente presos, mas a lei os coloca em liberdade, o que gera o sentimento de impunidade para esse pessoal e eles ficam cada vez mais ousados”, reforça.
Na visão do promotor de vendas Sócrates Cortes, 38 anos, durante o dia, o movimento de pessoas e o fluxo do comércio em Taguatinga inibe um pouco a ação dos criminosos. “Mas, quando escurece, o movimento cai e fica perigoso. De madrugada a presença de usuários de droga é maior e, no dia seguinte, a gente fica sabendo do que aconteceu à noite”, ressalta.

Ceilândia

Na região vizinha, em Ceilândia, cidade mais populosa do Distrito Federal — com mais de 500 mil habitantes —, houve 6.389 assaltos a pedestres em 2018. Uma média de 532 casos por mês. As forças de segurança pública ainda registraram 568 furtos em todo o ano passado: aumento de 29,97% das ocorrências se comparado a 2017, quando houve 437 registros (veja quadro).
Joice Carla Mota Pinheiro, 31 anos, é vendedora de uma loja de calçados no centro de Ceilândia. Ela conta que semanalmente presencia furtos de celulares, bolsas e até de sapatos expostos em frente ao estabelecimento em que trabalha. “Eles pegam e saem correndo. Quando alguém grita, algumas pessoas vão atrás e tentam tomar de volta. Mas, às vezes, os assaltantes se infiltram no meio da multidão e ninguém consegue mais achar”, explica.

Moradora da cidade há 12 anos, ela se previne para evitar ser vítima. Na hora de sair, prefere não usar bolsa e também anda sempre com sacolas pequenas que não chamam atenção. “A facilidade faz com que eles assaltem mesmo. É um meio de sobrevivência desse pessoal e causa insegurança na gente. Por isso sempre ando com celular dentro da sacola e com o pouco dinheiro que posso. Aqui a gente tem que tomar cuidado”, alerta.
Há um ano A.J.S, 16, foi assaltada duas vezes quando ia para a escola. Em ambas, o assaltante, de bicicleta, levou-lhe o celular. Desde então, a aluna do 2ºano do ensino médio tem medo de ir ao colégio sozinha. “Em uma delas, o rapaz estava com uma faca. Não ando mais com o celular”, lamenta. A mãe, Silvana Rosa de Jesus, 37, conta que o marido teve de conciliar o horário de trabalho para acompanhar a filha. “Ela ficou traumatizada. Aqui a gente tem que andar com pouco dinheiro, a bolsa próxima ao corpo e olhando sempre para os lados, porque é perigoso”, destaca.

Samambaia

Em Samambaia, são constantes os relatos de furtos e roubos. Keliane Costa Araújo, 22 anos, teve o celular levado por um assaltante há um mês. Ela chegava a casa em uma quadra do centro da cidade, por volta de 14h30, quando um homem se aproximou a pé e mostrou uma arma. “Ele levou meu celular e minha mochila com tudo dentro, roupa e dinheiro. Se vacilar, aqui as pessoas roubam mesmo. Tem que andar atenta o tempo todo. Os usuários de droga e os moradores de rua também intimidam muito”, conta.
Em uma semana, Maria de Fátima Souza Silva, 27, foi assaltada duas vezes. Em uma delas, um homem armado com uma faca levou o celular. Na outra, ela esperava o ônibus na parada, quando um carro com quatro suspeitos se aproximou. Eles levaram a bolsa da estudante com documentos e dinheiro. “Só ando com bolsa pequena e olhando para os lados o tempo todo”, explica. A mãe dela, Rosana Souza, 54 anos, esconde os pertences na roupa. “O desemprego e a falta de educação influenciam na insegurança. Hoje andamos com medo, assustadas”, lamenta.
Para a família de Lígia Ferreira Franco, 55, e Antônio Francisco de Oliveira Sobrinho, 57, policiamento tem, mas a impunidade faz com que a sensação de insegurança aumente. “O bandido sai primeiro da delegacia do que o próprio policial. Até que a gente vê viaturas por aqui, mas a equipe prende e a lei solta logo em seguida. Eles (criminosos) são debochados”, conta o autônomo.
Na manhã da última quinta-feira, o casal tinha ido ao centro com a filha Ana Julia Franco de Oliveira, 12, e a sobrinha Bruna Nielson, 11. Ao andar pelas ruas, Lígia segurava firme a bolsa enquanto contava com a ajuda do marido para atravessar a pista com as adolescentes. “Aqui é caminhando com um olho no padre e outro na missa”, reforça a servidora pública.
Em nota, a Polícia Militar ressaltou que faz rondas em Ceilândia, Taguatinga e Samambaia e detalhou que os batalhões das duas primeiras cidades estão entre os três primeiros em número de prisões e apreensões, seguido do de Planaltina. “Ambos (os de Ceilândia e Taguatinga) somam mais de 4 mil pessoas detidas apenas em 2018”, informou. Mas, segundo a corporação, “a política de soltura de presos e leis benéficas têm sido grandes desafios enfrentados pela polícia do DF.”

Palavra do especialista

Nas áreas centrais das cidades, onde há pessoas fazendo diversas transações comerciais, a criminalidade tem um alvo que possui dinheiro ou que possui bens e serviços. Portanto, as pessoas têm adotado um comportamento defensivo que traduz o chamado medo do crime. Esse receio produz mudanças comportamentais, psicossomáticas e alterações no comportamento do coletivo.
As pessoas estão ficando mais conscientes de que as coisas de valor não devem estar expostas e tem ocorrido uma tomada de consciência da população em tempo de criminalidade e violência. Quando as mulheres se protegem com a bolsa, por exemplo, é devido a consciência do roubo e do furto.
E a população de rua dos grandes centros tem um forte componente de dependentes químicos. Eles veem no indivíduo comum aquele que possui alguma coisa que pode suprir a sua necessidade extrema do crack. Essa é a ideia do desespero e, portanto, a população de rua migra para onde existem pessoas que possam suprir essa ideia de compulsão obsessiva da droga.
Continua depois da publicidade

George Felipe Dantas, consultor em segurança pública

Inclusão social

De acordo com o relatório das Nações Unidas, a insegurança é um obstáculo ao desenvolvimento econômico e social. O estudo diz que não bastam medidas de controle da criminalidade. Para uma redução duradoura da insegurança, o Relatório de Desenvolvimento Humano Regional (RDH) 2013-2014 recomenda políticas públicas que melhorem a qualidade de vida da população, com prevenção do crime e da violência por meio de um crescimento econômico inclusivo e instituições de segurança e de justiça eficazes.

Balanço

Estatística de violência nas três cidades em 2018 se comparado a 2017
Natureza criminal Ceilândia (2018 | 2017) Taguatinga (2018 | 2017) Samambaia (2018 | 2017)
Roubo a pedestre 6.389 | 6.409 3.169 | 3.651 3.295 | 4.510
Furto a pedestre 568 | 437 479 | 518 114 | 128
Roubo a comércio 324 | 380 160 | 175 181 | 195
Furto em veículo 965 | 1.081 1.059 | 1.339 399 | 467
Roubo de veículo 715 | 832 591 | 642 495 | 643
Homicídio 85 | 81 23 | 21 32 | 50
Latrocínio 8 | 5 1 | 3 2| 3
Tráfico de drogas 436 | 384 296 | 222 195 | 181
Fonte: Secretaria de Segurança Pública
Fonte: Correio Braziliense

 

Comentário

Aconteceu

Feliciano vai insistir em impeachment de Mourão e diz que vice age como Temer foi com Dilma

Publicado

dia

Deputado, que apresentou um pedido de impeachment do vice-presidente, afirma que o plano do general é ‘roubar a cadeira’ de Bolsonaro

Em meio a conflitos quase diários entre as diversas correntes que compõem a gestão de Jair Bolsonaro —militares, olavistas, liberais, evangélicos, entre outros —,  o deputado Marco Feliciano (Pode-SP), vice-líder do governo no Congresso, apresentou formalmente um pedido de impeachment do vice-presidente Hamilton Mourão. Irritado com o que chama de “postura golpista” do vice, o parlamentar listou uma série de ocasiões em que Mourão se contrapôs a Bolsonaro, incluindo a ida a Washington para uma palestra— o convite do evento citava a “paralisia política” do governo e tratava o vice como a “voz da razão e da moderação” na administração. Em entrevista à ÉPOCA, por e-mail, o parlamentar subiu o tom e atacou Mourão , a quem chamou de “Judas”, “traidor” e “sem caráter”. Para Feliciano, o plano do vice é claro: “Roubar a cadeira do presidente”.

O que motivou o senhor a pedir formalmente o impeachment do vice-presidente Hamilton Mourão?

Eu pedi pelo bem do Brasil. Em favor da estabilidade das instituições e das reformas estruturais. Não é possível que o vice-presidente da República contradite diariamente o presidente em público. Não é possível que ele se coloque o tempo todo como alternativa de poder, em uma postura golpista à luz do dia. Isso gera instabilidade e mina a autoridade presidencial, mina a instituição Presidência da República, o que é ruim para o país e ruim para as reformas. Casa dividida não para em pé, e para aprovar a nova Previdência o governo tem que mostrar força e unidade. Mourão estava prejudicando muito isso.

No pedido, o senhor lista exemplos de vezes em que Mourão “contraditou” o presidente Jair Bolsonaro. O exercício do contraditório não é normal dentro de um governo? Ou o senhor avalia que o vice-presidente extrapolou?

A diversidade de opiniões é normal e saudável, mas o que é inaceitável é que sejam feitas quase que diariamente e em público, pois isso desgasta a imagem do governo e do presidente. Demonstrar publicamente desunião não é bom para nenhum time. Se o vice quer ajudar, porque não fala em privado com o presidente como todos os que o antecederam no cargo de vice-presidente? Além disso, o que causa estranheza é que muitas das contraditas do Mourão atacam promessas de campanha do presidente Bolsonaro. Promessas que Mourão defendeu também, o que o transforma em um estelionatário eleitoral. Quando ele desdiz o que o presidente sempre afirmou antes e por coerência mantém agora, isso o transforma em um traidor, um Judas.

Também no pedido, o senhor afirma que a atitude do vice-presidente é “claramente conspiratória”. O senhor acha que há uma intenção deliberada dele em contribuir para a queda do presidente?

Eu gostaria de saber qual dos dois é o Mourão verdadeiro? O brutamontes da campanha eleitoral, que pretendia acabar com o 13º salário e fazer uma nova Constituição sem o Congresso, ou esse moço bem-comportado que só fala o politicamente correto que o mais raso do senso comum quer ouvir? É uma mudança muito radical. Me parece evidente que ele está sendo instruído por um bom marqueteiro, justamente para antagonizar o presidente. Isso mostra não apenas que ele é um homem sem caráter, sem identidade, que fala o que as pessoas querem ouvir, como mostra que ele tem o plano de roubar a cadeira do presidente Bolsonaro. Mourão é apenas a ponta do iceberg, a parte visível de uma conspiração. Ele é o único que fala pois não pode ser demitido, mas a quadrilha é bem maior.

O senhor é vice-líder do governo no Congresso, uma função de confiança. Sendo assim, o senhor comunicou previamente o presidente Bolsonaro sobre a apresentação deste pedido de impeachment?

Mantenho contato em linha direta com o presidente, e sempre lhe informo sobre meus atos. Mas pedi o impeachment na condição de parlamentar, não enquanto vice-líder, apesar de essa função ser justamente a de defender o governo. E o governo estava sendo atacado todos os dias, por dentro. Pois no sistema presidencialista, quem encarna o governo é o próprio presidente, que depende de sua autoridade para cumprir seu papel. Vale lembrar que foi exatamente essa a tática de (Michel) Temer para desconstruir a autoridade de Dilma (Rousseff). Já vi esse filme e não vou deixar que façam isso com meu presidente, meu amigo pessoal há dez anos, com quem travo lutas contra a esquerda desde o dia em que pisei no Congresso. A ação deliberada de Mourão é no sentido de enfraquecer a autoridade presidencial. Ele está sendo bem instruído. Se fosse um fato isolado, tudo bem, mas a situação é diária, é só ler os jornais.

  O pedido cita o fato de o Mourão ter curtido, no Twitter, uma publicação em que uma jornalista tecia elogios a ele e criticava o Bolsonaro. Este foi o estopim para a decisão do senhor de apresentar a peça?

É o conjunto da obra, pois diariamente Mourão desdiz o presidente Bolsonaro, sendo de extrema deslealdade para com ele. Isso é indigno, é indecoroso, pois tem como finalidade usurpar a posição do presidente. É só verificar as notícias. Todo dia a mesma coisa. Mas, para mim, a gota d’água foi quando a imprensa apresentou prova documental do comportamento indigno e indecoroso do Mourão, que é crime de responsabilidade. Ele aceitou convite para palestrar em uma instituição estrangeira, na capital de outro país (Estados Unidos), e no convite para essa palestra Mourão era louvado como a “voz da razão e da moderação”, como o homem capaz de guiar o país tanto na agenda doméstica como na externa. No convite, o vice é descrito como o queridinho da imprensa e crítico frequente do próprio presidente. Com sua presença no evento, Mourão chancelou tudo o que ali se passava e dizia, inclusive o escrito no convite. A curtida no Twitter foi apenas mais um dos vários atos de deslealdade. Isso tudo é golpismo à luz do dia

O artigo da Lei do Impeachment citado para embasar a peça diz que é um crime de responsabilidade “proceder de modo incompatível com a dignidade, a honra e o decoro do cargo”. Não é um conceito muito amplo para propor uma medida grave como um impeachment?

Mas é justamente para ser amplo, é o que os juristas chamam de “cláusula aberta”, colocada na lei para facilitar o julgamento político. Segundo o saudoso ministro Paulo Brossard, o impeachment se presta para afastar o mau governante, e não para punir um criminoso. Se o exercício do cargo público por determinada autoridade está sendo ruim para o país, há a possibilidade de afastamento. Mas tem que convencer 2/3 da Câmara e do Senado.

O filósofo Olavo de Carvalho aconselhou ou mesmo incentivou o senhor a apresentar o pedido de impeachment?

O professor Olavo é um visionário. Ele enxerga longe. Como eu, ele também está preocupado com o movimento de setores que não aceitam o resultado das urnas, onde o povo elegeu um projeto conservador. Como perderam no voto agora se infiltram no governo e querem destruir a revolução conservadora por dentro. Não vamos permitir.

O senhor chegou a tratar diretamente do tema com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, depois de protocolar a peça? Qual foi a posição dele?

Apenas o comuniquei por telefone que estava protocolando. Ainda não falei com o Rodrigo pessoalmente. Vamos nos falar essa semana. Certamente ele tomará a melhor decisão para o Brasil, pois hoje ele é um dos fiadores da democracia em nosso país. Há muito tempo um presidente da Câmara não tem tanto prestígio entre os deputados.

Politicamente falando, é sabido que as condições para que este pedido prospere na Câmara são baixas. Por que protocolar o pedido mesmo assim?

A política é feita de símbolos. O tiro de alerta foi dado. Estamos de olho no vice e no seu entorno, e também em outros que o ajudam às escondidas. Não passarão.

Ver mais

Aconteceu

Pedestre é atropelado e morre próximo à passarela do Setor O, na BR-070

Publicado

dia

A vítima que sobreviveu foi levada ao hospital da Ceilândia com fratura no fêmur (foto: Divulgação/CBMDF)

Segundo o Corpo de Bombeiros, uma outra vítima ficou presa às ferragens

Um pedestre morreu após ser atropelado na BR-070 no começo da manhã desta quarta-feira (17/4). A vítima, Genésio Dias da Silva, 76 anos, não resistiu aos ferimentos e faleceu no acidente de trânsito próximo à passarela do Setor “O”. O caso aconteceu por volta das 8h30.
De acordo com testemunhas, a motorista, Maria das Dores liberato de Jesus, 43 anos, perdeu o controle do veículo, um Fiat Strada e colidiu com o ônibus. Genésio estava descendo do ônibus no momento do acidente e foi atingido pelo carro, sendo arremessado. “Eu presenciei todo o acidente. A mulher ainda tentou frear e desviar para não bater no ônibus, mas não conseguiu e acabou atingindo o senhor. Ele já caiu sem vida”, contou Francisco Guedes, 32 anos, que estava na parada de ônibus na hora da colisão.
Viaturas do Corpo de Bombeiros foram ao local e prestam socorro aos envolvidos. Maria das Dores ficou presa às ferragens do carro, foi socorrida e levada ao hospital da Ceilândia com fratura no fêmur. “Ela ficou presa nas ferragens e eu fui tentar ajudá-la. Conversei com ela um pouco, estava consciente e orientada. Ela falou que teve uma crise de tosse e, por isso, perdeu o controle do carro”, disse a testemunha Francisco Guedes.
O helicóptero da corporação foi acionado para realizar o resgate e a via ficou bloqueada em uma das faixas, causando congestionamento. Cerca de 20 passageiros estavam dentro do ônibus no momento da colisão, mas nenhum sofreu ferimentos. O motorista do coletivo, Alexandre Pereira Mariano, 39 anos, disse não ter visto o acidente. “Eu só me dei conta do que estava acontecendo quando o carro bateu no ônibus. O senhor já havia desembarcado e eu estava dando seta para sair da parada”, relatou Alexandre.
Ver mais

Aconteceu

No WhatsApp, caminhoneiros insatisfeitos com pacote já falam em greve em maio

Publicado

dia

Alguns caminhoneiros afirmam que podem ocorrer paralisações no dia 21 de maio

Caminhoneiros não ficaram satisfeitos com o pacote de medidas anunciadas nesta terça-feira (16/4), pelo governo Jair Bolsonaro para ajudar a categoria. Nos grupos de WhatsApp acompanhados pela reportagem, o plano foi visto como uma “cortina de fumaça”, uma forma de protelar uma possível greve dos motoristas. Alguns já falam, com exaltação, em nova paralisação em 21 de maio – exatamente um ano depois da greve que paralisou o País – caso a situação não melhore.

Os caminhoneiros afirmam que não estão pedindo dinheiro para o governo, mas sim melhores condições de trabalho.

Nas discussões, eles afirmam que soluções como a linha de crédito para manutenção do caminhão, com taxas menores, já foi testada em outras ocasiões, mas não são colocadas em prática. Eles citam o cartão-caminhoneiro para compra de combustíveis, que não funciona para todo mundo.

A grande reclamação é que a situação dos caminhoneiros está tão precária que poucos conseguiriam ter acesso ao crédito. Muitos, dizem eles, estão com o nome sujo na praça.

Além disso, pegar crédito agora seria decretar a morte dos motoristas em alguns anos. “Estão dando a corda para gente se enforcar”, dizia um deles.

Logo após o anúncio da linha de crédito para profissionais autônomos, Wallace Costa Landim, conhecido como Chorão, um dos líderes dos caminhoneiros, disse que a medida agradava a categoria e até poderia evitar a greve, mas esperava uma manifestação de Bolsonaro para bater o martelo sobre a questão.

“Inicialmente, claro que o pacote agrada (a categoria). Mas preferimos aguardar o que o presidente vai falar para comunicar oficialmente o posicionamento dos caminhoneiros”, diz o líder.

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade