Nossa rede

Mundo

Maduro pede investigação de ONU por “ciberataque” no apagão

Publicado

dia

Líder socialista acusa os Estados Unidos de causar queda de energia que afeta a Venezuela há cinco dias

Maduro: líder socialista sofre pressão da comunidade internacional para deixar comando do país (Carlos Garcia Rawlins/Reuters)

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pediu nesta terça-feira o apoio da ONU e de seus aliados Rússia e China para investigar o “ciberataque” dos Estados Unidos que segundo ele provocou o apagão que afeta o país há cinco dias.

“Vou pedir o apoio da ONU, China, Rússia, Irã e Cuba, países de grande experiência na defesa de ciberataques”, declarou Maduro em rede nacional de rádio e TV.

O líder socialista criou uma comissão para investigar o “ataque” e informou que a estatal Corpoelec está próxima de restabelecer o fornecimento de energia, que paralisa a Venezuela desde a quinta-feira passada.

“Temos a vitória em nossas mãos, na reposição do sistema elétrico, agora nos cabe consolidar a vitória na guerra elétrica”, disse Maduro, advertindo para novas “sabotagens”.

Maduro reafirmou que a hidroelétrica de Guri – a principal do país – foi hackeada por Washington para apoiar a oposição venezuelana e tirá-lo do poder.

Com base nos trabalhos da comissão “vamos desvendar como foi o ataque, quem o fez, o que pretendiam e o que conseguiram”, prometeu Maduro, que tem “provas de que a sabotagem foi encomendada pelo Pentágono e pelo Comando Sul, e dirigida de Houston e Chicago contra o sistema elétrico e de telecomunicações”.

Segundo Maduro, o objetivo era “provocar um conflito civil”, o que representa “terrorismo e uma grave violação dos direitos humanos”.

Isto é “apenas pela ambição do poder político, pela ambição imperialista dos Estados Unidos de colocar as mãos no petróleo, pela ambição de Donald Trump de somar a Venezuela à sua riqueza”.

Maduro culpa em particular o líder opositor Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino da Venezuela por mais de 50 países, incluindo os Estados Unidos.

Guaidó, que lidera a mobilização nacional contra Maduro, declarado “usurpador” pelo Legislativo por assumir um segundo mandato fruto de “eleições fraudulentas”, reafirmou nesta terça-feira que não duvidará em aplicar o artigo constitucional que autoriza uma intervenção estrangeira no país.

Maduro garantiu que o fornecimento de energia está prestes a voltar à maior parte do país, mas pediu à população que mantenha velas, lanternas e equipamentos de emergência diante da possibilidade de novas sabotagens.

Fonte Exame’

 

Comentário

Mundo

Serviço de inteligência venezuelano prende chefe de gabinete de Guaidó

Publicado

dia

Segundo relatos, agentes estavam munidos de dois rifles e uma granada durante a ação e chegaram à residência em dez veículos

Juan Guaidó: líder oposicionista acusa governo Maduro de sequestrar chefe de gabinete (Antonio Cruz/Agência Brasil)

Caracas — O líder opositor e autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, disse nesta quinta-feira, 21, em sua conta no Twitter que agentes do Sebin (Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional) invadiram a casa de seu chefe de gabinete, Roberto Marrero, e do deputado opositor Sergio Vergara, vizinho de Marrero, durante a madrugada.

 

 

Vergara confirmou a informação e disse que Marrero foi preso pelo serviço de inteligência do país. Os agentes estavam munidos de dois rifles e uma granada durante a ação e chegaram às residências em dez veículos. Ele também afirmou que mais de 40 funcionários do Sebin entraram nas casas e ficaram no local por mais de três horas. Segundo os opositores, os policiais derrubaram portas para entrar nas casas.

“Infelizmente chegaram a mim. Sigam lutando. Não parem. Cuidem do presidente”, disse Marrero em uma gravação telefônica antes de ser detido. Vergara denunciou ante a comunidade internacional que o regime chavista violou sua imunidade parlamentar.

Vergara pediu a Michelle Bachelet, alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, que exija a libertação de Marrero, “sequestrado pelo Sebin”, segundo ele.

Em nome do governo da Colômbia, o chanceler Carlos Holmes Trujillo criticou a ação contra os opositores e pediu à comunidade internacional que exija respeito à liberdade, à vida e à integridade dos opositores venezuelanos.

Marrero e Vergara acompanharam Guaidó na viagem que o líder opositor fez pela América Latina para obter apoio em seus esforços para tirar o presidente Nicolás Maduro do poder. (Com agências internacionais).

Fonte Exame

Ver mais

Mundo

O impasse do impasse: Conselho Europeu discute adiar o Brexit

Publicado

dia

Theresa May solicitou que a data de saída do Reino Unido do bloco seja adiada para o dia 30 de junho

May: Após pedir adiamento do Brexit à UE, ela culpa parlamento por atraso (Jonathan Brady/Pool/Reuters)

Em meio às dificuldades para o Reino Unido aprovar um acordo de saída da União Europeia (UE), o Conselho Europeu se reunirá nesta quinta-feira, 21, para discutir o Brexit. O órgão, formado pelos líderes dos 27 Estados que compõem a UE, debaterá o pedido formal feito pela primeira-ministra britânica Theresa Mayna última quarta-feira, 20, para adiar a saída do Reino Unido para o dia 30 de junho.

Após a solicitação de May, Donald Tusk, presidente do Conselho, divulgou um comunicado em que afirma ser possível estender o prazo de saída do país, inicialmente estabelecido para o dia 29 de março. Tusk, no entanto, condicionou a postergação da saída à aprovação de um novo acordo na Câmara dos Comuns na próxima semana. O político demonstrou-se disposto a fazer de tudo para evitar que o Reino Unido deixe o bloco sem um acordo.

Para a União Europeia, o Reino Unido pode optar por estender o Brexit até o dia 23 de maio, antes das eleições para o Parlamento Europeu; ou adiá-lo para o final do ano, o que obrigaria os britânicos a participarem do pleito de maio. Em discurso na quarta-feira, 20, May disse que não deseja que seu povo se veja engajado em uma eleição europeia três anos após ter votado por deixar o bloco.

A primeira-ministra costurou um acordo com os outros líderes europeus nos últimos dois anos e meio, mas o Parlamento do seu país negou as duas propostas apresentadas. Na semana passada, os parlamentares, após rechaçarem o segundo texto apresentado por May, decidiram que o país não poderia deixar o bloco sem acordo e que a líder deveria solicitar uma postergação da data de saída. No começo desta semana, o líder da Câmara dos Comuns proibiu que a política apresentasse uma terceira versão similar do texto anterior para nova votação.

O que não está claro ainda é se a União Europeia irá ceder ao prazo pedido pelo Reino Unido ou se May aceitará prorrogar ainda mais o Brexit. As próprias lideranças europeias estão confusas diante do debate. Em entrevista a uma rádio alemã, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse que é improvável que o Conselho Europeu consiga tomar uma decisão sobre Brexit nesta quinta-feira e que os líderes provavelmente deverão se encontrar mais uma vez na próxima semana. A espessa neblina de dúvidas dos britânicos deve atravessar o Canal da Mancha nesta quinta-feira.

Fonte Exame

Ver mais

Mundo

3 explosões deixam pelo menos 6 mortos e 23 feridos no Afeganistão

Publicado

dia

Autoridades afirmam que número de vítimas pode ser maior; até o momento, nenhum grupo reivindicou o ataque

Ataque em Cabul: homem recolhe estilhaços de vidro após atentado nesta quinta-feira (21) (Parwiz/Reuters)

Cabul — Pelo menos seis pessoas morreram e outras 23 ficaram feridas, nesta quinta-feira, 21, em três explosões similares ocorridas nas imediações de um templo frequentado por membros da minoria xiita em Cabul, capital do Afeganistão, no dia em que se celebra o ano novo afegão, a festividade de Nawroz.

“Até o momento, retiramos 23 feridos e seis mortos do local. Mas estes números podem aumentar nas próximas horas”, disse à Agência EFE, o porta-voz do Ministério da Saúde Pública, Wahidullah Mayar.

O atentado aconteceu por volta das 9h30 (horário local, 2h de Brasília) na estrada da Universidade de Cabul, perto do templo Kart-e-Sakhi, onde ocorreu a explosão de três artefatos explosivos improvisados (IED), disse à Efe, o porta-voz da polícia local, Basir Mujahid.

Até o momento, nenhum grupo reivindicou o ataque.

Há exatamente um ano, um atentado suicida no mesmo local da capital afegã e reivindicado pelo grupo jihadista Estado Islâmico (EI) deixou mais de 30 mortos e 65 feridos durante as celebrações do ano novo.

O alvo foram também membros da minoria étnica xiita Hazara, frequentemente são atacados por grupos insurgentes como os talibãs e o EI no Afeganistão, e que se dirigiam a Kart-e-Sakhi para saudar o novo ano.

Fonte Exame

 

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade