Nossa rede

Ciência

Lixo espacial equivale a toda estrutura de metal da Torre Eiffel, diz ESA

Publicado

dia

O lixo espacial aumenta de forma preocupante e representa um grave perigo para os satélites operacionais

A Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) contabilizou no fim do ano passado 19.894 objetos de lixo espacial, que circulavam ao redor da Terra, cuja massa conjunta é de, pelo menos, 8.135 toneladas, “mais que toda a estrutura de metal da Torre Eiffel”.

A ESA publicou nesta sexta-feira um novo relatório sobre lixo espacial, que inclui fatos, números e gráficos que mostram uma imagem detalhada de como evoluiu a quantidade de lixo que orbita o nosso planeta.

“O lixo espacial inclui todos os objetos criados pelo ser humano que não funcionam e estão em órbita sobre a Terra. Alguns deles entram regularmente na atmosfera”, disse a ESA.

A era espacial começou em 4 de outubro de 1957 com o lançamento do Sputnik 1 pela União Soviética, o primeiro satélite artificial da história. Desde então, o lixo espacial em órbita foi crescendo de forma contínua.

Primeiro, eram só partes superiores de foguetes e satélites obsoletos em órbita, mas depois, foram acrescidos pequenos objetos que geraram explosões e colisões.

O relatório anual revisa como o entorno espacial evoluiu no último ano e também como mudou desde o envio dos primeiros satélites.

Há muito tempo, a ESA adverte que o lixo espacial aumenta de forma preocupante e representa um grave perigo para os satélites operacionais.

Além disso, os objetos maiores poderiam voltar a entrar na atmosfera e cair na superfície terrestre, em áreas que poderiam estar povoadas.

O relatório assegura que o número de objetos, sua massa total e a área que ocupam aumentou ao longo do tempo até 2017.

Por isso, 60 anos depois do início da era espacial, as agências espaciais começaram a implementar opções de para o fim da vida útil dos instrumentos lançados ao espaço.

Por exemplo, a iniciativa da ESA “Espaço Limpo” procura formas para limpar o espaço e evitar a criação de mais lixo espacial.

Agora, com a tecnologia CubeSat de design de satélites pequenos e de baixo custo, o espaço em torno do planeta está ficando cada vez mais cheio e esses objetos podem danificar outras missões, por isso a ESA diz que é necessário limpar o espaço para assegurar um futuro sustentável.

No início dos anos 1960, as pesquisas realizadas nos EUA já alertavam para o problema, mas demorou bastante tempo até que a preocupação chegasse à comunidade internacional.

Em uma conferência no centro de controle de operações na cidade de Darmstadt, na Alemanha, a ESA alertou no ano passado que grandes companhias como Google e Oneweb querem lançar uma grande quantidade de satélites pequenos ao espaço, a órbitas baixas, que podem pôr em perigo as missões de satélites grandes e muito caros das agências espaciais.

A companhia Oneweb quer criar uma grande constelação de satélites para proporcionar um serviço de internet de banda larga a todo o mundo.

Para isso, será necessário colocar em órbita baixa cerca de 700 satélites nos próximos anos.

Esses satélites seriam lançados a partir de dezembro 2018 através de um foguete russo Soyuz ST, mas o primeiro lançamento foi adiado ontem para março de 2019, segundo a agência de notícias russa “Sputnik”.

Comentário

Ciência

Cientistas dão passo promissor para criação de vacina contra HIV

Publicado

dia

Trata-se do “quinto conceito de vacina” contra o HIV testado em 35 anos

Pesquisadores anunciaram no último sábado (6) que testaram uma vacina experimental contra o HIV, que provocou uma reação imunológica em humanos e protegeu macacos da infecção, uma notícia considerada animadora.

O desenvolvimento desta vacina potencial, segura para o homem, está avançado o suficiente para que ela seja testada em 2.600 mulheres na África Meridional.

“Estes resultados representam uma etapa importante” para a criação de uma vacina, ressaltou o diretor do estudo, o virologista Dan Barouch, em um comunicado na revista médica The Lancet.

No entanto, advertiu que não há nenhuma garantia de que os próximos testes sejam positivos. “Devemos ser prudentes”, declarou à AFP.

Dois terços dos macacos-rhesus que foram submetidos ao tratamento resultaram protegidos pela vacina nos testes de laboratório.

Os resultados dos testes mais amplos são esperados para 2021 ou 2022.

Trata-se do “quinto conceito de vacina” contra o HIV testado em 35 anos, segundo Barouch.

Outra, chamada RV144, demonstrou que protegia o homem do HIV até certo ponto. Em 2009, um estudo indicou ter reduzido em 31,2% o risco de infecção de 16.000 voluntários na Tailândia.

O estudo publicado no sábado foi realizado com 393 adultos em bom estado de saúde, soronegativos, de entre 18 e 50 anos na África Oriental, África Meridional, Tailândia e Estados Unidos. Alguns deles receberam um placebo.

Os testes mostraram a inocuidade do combinado vacinal, que incluía diferentes tipos de vírus HIV, com apenas cinco participantes com efeitos indesejados como diarreia ou tonturas.

Estas mesmas vacinas protegeram dois terços dos 72 macacos que os pesquisadores trataram após inocular o vírus.

Alguns especialistas consultados pela AFP saudaram este avanço.

“Necessitamos tanto uma vacina”, disse François Venter da universidade de Witwatersrand (África do Sul). Mas “já conhecemos isto: vacinas experimentais promissoras que não se concretizam”.

“Provavelmente não é a vacina definitiva, mas pode ser um avanço fenomenal”, disse o francês Jean-Daniel Lelièvre, do Instituto de Pesquisa de Vacinas. “No melhor dos casos” estas pesquisas produzirão uma vacina administrável dentro de “quase 10 anos”.

Cerca de 37 milhões de pessoas vivem com o HIV ou a aids, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), e 1,8 milhão de pessoas o contraem todos os anos. A doença matou cerca de 35 milhões dos 80 milhões que infectou desde que foi diagnosticada pela primeira vez, nos anos 1980.

Apesar dos avanços da medicina na prevenção e tratamento da doença, os pesquisadores insistem nas medidas que devem ser tomadas para não se infectar: proteção durante as relações sexuais, uso de seringas novas, esterilização do material médico, etc.

Ver mais

Ciência

Novas evidências de vida em lua de Saturno surpreendem cientistas

Publicado

dia

Sonda Cassini já havia detectado moléculas de hidrogênio em Encélado no passado e nova descoberta reforça chances de vida no astro

 (Nasa/Divulgação)

Pesquisadores da Nasa publicaram um estudo em que afirmam que há evidências de que a lua de Saturno tem moléculas ricas em carbono nas rachaduras da sua superfície.

“Fomos surpreendidos novamente por Encélado. Até então só tínhamos identificado moléculas orgânicas mais simples com poucos átomos de carbono, o que já era intrigante”, disse, em nota, Christopher Glein, coautor do estudo.

Publicada na Nature, a pesquisa teve como base dados da sonda espacial Cassini. Encélado, a lua em questão, tem um ambiente considerado por astrônomos e pesquisadores como propício para a formação de vida. Ela tem, por exemplo, um oceano subterrâneo.

A descoberta, aliada ao fato de que já foram encontradas, em 2015, moléculas de hidrogênio na mesma lua, coloca o astro como um dos que mais têm chances de formação de vida no sistema solar além da Terra.

Ver mais

Ciência

A Via Láctea é cheia de gordura tóxica, mostra estudo

Publicado

dia

VIA LÁCTEA (FOTO: NASA/ JPL-CALTECH)

Oespaço é escuro, gelado e… em sua maior parte, bastante sujo e viscoso.

Para além da poeira espacial e da radiação eletromagnética entre as estrelas da Via Láctea, há também um amontoado de sebo tóxico, ou, mais adequado, uma “graxa espacial”.

Essa formação oleosa é um composto de carbono e hidrogênio que tem o nome científico de carbono alifático. Ele é um dos vários tipos de carbono que preenche os vazios do espaço e pode ser um dos principais ingredientes para a formação de novas estrelas e planetas.

Isso é o que indica novo estudo realizado por astrônomos da Universidade de Nova Gales do Sul, na Austrália, e da Universidade de Ege, na Turquia, publicado no periódico científico Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

De acordo com os cientistas, é possível que a quantidade de partículas oleosas na Via Láctea seja cinco vezes maior do que se acreditava — em termos de comparação, a parcela de graxa seria o suficiente para embaçar o para-brisa de uma nave espacial.

Para chegar a essa estimativa, o grupo criou um representante de graxa espacial em laboratório. Foi preciso imitar o processo pelo qual as estrelas sintetizam gases e os lançam no meio interestelar (que é o que os astrônomos chamam de material entre as estrelas). Assim, eles expandiram um plasma rico em carbono (ou em gás ionizado) em uma câmera de vácuo.  Desse plasma surgiu um poeira como subproduto, semelhante à poeira interestelar por onde a gordura espacial se espalha.

A partir da técnica da espectroscopia, os cientistas determinaram com que intensidade a poeira gordurosa absorvia comprimentos de onda de luz vermelha, o que poderia afetar a maneira como instrumentos podem captar sua presença.

Com esses dados, eles foram capazes de pressupor quantos carbonos oleosos estão na galáxia e o resultado foi de, aproximadamente, 11 bilhões de trilhões de milhões de toneladas (ufa!) de moléculas de carbono na Via Láctea. Isso equivale a 100 átomos de graxa espacial para cada um milhão de átomos de hidrogênio. Trazendo para o mundo real, esse número representa o equivalente a 40 trilhões de trilhões de potes de manteiga.

“Essa gordura espacial não é uma do tipo que você gostaria de espalhar em uma fatia de torrada”, afirmou Tim Schmidt, autor do estudo e professor de química da Universidade de Nova Gales do Sul. “Ela é suja, muito possivelmente tóxica e só se forma em ambientes interestelares espaciais – e em nosso laboratório”, completou.

Esse conhecimento da graxa espacial pode ajudar os cientistas a entenderem melhor nossa galáxia, uma vez que o carbono é essencial para a constituição da vida. Então, ao saber quanto desse elemento está disponível em várias formas em todo o meio interestelar pode servir como uma pista sobre a probabilidade de outros sistemas solares se formarem (ou já terem se formado) na Via Láctea.

(Com informações de Live Science.)

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade