Nossa rede

Brasília

Justiça manda soltar Vasco Gonçalves, ex-presidente do BRB

Publicado

dia

Ex-gestor estava preso na Papuda desde 29 de janeiro. Ele é acusado, ao lado de outros ex-diretores, de uma série de fraudes no banco

Gazetaonline

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) determinou a soltura de Vasco Cunha Gonçalves, ex-presidente do Banco de Brasília (BRB). Ele teve a prisão decretada em 29 de janeiro, após a Operação Circus Maximus ser deflagrada pelo Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal (PF). O ex-gestor é acusado de integrar uma organização criminosa responsável por supostas fraudes na instituição.

Ao ser preso, Vasco estava no Espírito Santo, onde tomaria posse como presidente do banco estadual, o Banestes. Ele renunciou ao cargo após ser detido e transferido para o Centro de Progressão Penitenciária (CPP), no Complexo Penitenciário da Papuda, de onde será libertado ainda nesta terça-feira (5/2).

A decisão é do desembargador Ney Bello, do TRF-1. Ele determinou a soltura e proibiu contato de Vasco com outros investigados. No último sábado (2), seis pessoas detidas na operação também foram soltas. Elas fazem parte de um grupo de 13 presos devido ao envolvimento no suposto esquema. Um 14º suspeito não foi preso ainda por morar nos Estados Unidos.

O advogado de defesa de Gonçalves, Iuri Cavalcante Reis, alegou, no habeas corpus apresentado à Justiça, que a prisão preventiva não se justificava porque Vasco não era mais presidente do BRB. Na verdade, estava em outro estado e não poderia intervir nas investigações. “Vasco não tem envolvimento com esse esquema. Ele era presidente do conglomerado BRB. Os investimentos eram realizados no âmbito da DTVM”, alegou Reis.

No pedido liminar de habeas corpus ele justifica que: “Todos os fatos em apuração ocorreram nos anos de 2015 e 2016 no âmbito de uma empresa coligada do BRB denominada BRB DTVM, o que não se confunde com a própria instituição bancária. De tal modo, o paciente não teve participação na situação investigada. As atividades desenvolvidas no âmbito do banco são distintas dos demais serviços e operações oferecidas por suas empresas coligadas. São pessoas jurídicas distintas com objetivos, diretores e presidente próprios”, afirmou o advogado.

Veja a decisão:

Decisão by on Scribd

 

Os presos liberados
No último sábado (2), o desembargador Ney Bello também deferiu liminar de revogação da prisão preventiva de outros suspeitos de integrarem o esquema investigado na Circus Maximus: Nilban de Melo Júnior, Marco Aurélio Monteiro de Castro, Andreia Moreira Lopes, Carlos Vinícius Raposo Machado Costa, Dilton Castro Junqueira Barbosa e Diogo Cuoco.

O magistrado estabeleceu medida cautelar de proibição de contato entre eles e outros suspeitos. Em sua decisão, Ney Bello justificou que os diretores da instituição foram destituídos dos cargos que ocupavam e, por isso, não representavam mais ameaça à investigação.

Entre os que continuam detidos, estão ex-integrantes da cúpula do BRB na gestão do governador Rodrigo Rollemberg (PSB), o ex-conselheiro da instituição Ricardo Leal, que foi arrecadador de campanha do socialista e é apontado como o líder da organização criminosa que agia no banco.

Fonte: Metrópoles

 

Comentário

Política BSB

O Pires da Nova Política

Publicado

dia

Transição bem-sucedida

Sergio Moro em entrevista ao Fantástico (Reprodução/TV Globo)

No último governo da ditatura militar de 64, sempre que o presidente João Figueiredo via sua autoridade contestada ameaçava chamar o Pires. No caso, o ministro do Exército, o general Walter Pires. Nem o Pires salvou Figueiredo do desfecho melancólico de deixar o Palácio do Planalto pela porta dos fundos.

No primeiro governo civil da chamada Nova República, vez por outra o presidente José Sarney também ameaçava chamar o Pires. O ministro do Exército à época atendia pelo nome de Leônidas Pires Gonçalves. Serviu a Sarney com lealdade, e ao contrário de Walter, jamais pensou em colaborar para que o tempo político se fechasse.

O Pires do governo do capitão, mas não só dele é Sérgio Moro, juiz até um dia desses, ministro da Justiça e da Segurança Pública desde então. Bolsonaro chamou Moro para investigar o laranjal do PSL, o partido da Nova Política. O presidente do Senado chamou Moro para descobrir quem tentou fraudar a recente eleição naquela casa.

Moro é mais seletivo do que os outros Pires. É bem verdade que Bolsonaro não lhe pediu para apurar os rolos de Onyx Lorenzoni, duas vezes envolvido com dinheiro de caixa dois. Mas provocado sobre o assunto, Moro foi logo dizendo que Onyx já pedira perdão. Logo, ele não tinha por que investigá-lo.

Os rolos de Queiroz e de Flávio Bolsonaro? Moro não viu razão para se preocupar com eles. Quebrou a cara quem duvidou que Moro fosse capaz de fazer com sucesso a transição entre o judiciário e a política.

Fonte Veja

 

Ver mais

Política BSB

Preferida dos Bolsonaro rejeita críticas a Carlos: ‘É minha inspiração’

Publicado

dia

Alana Passos (PSL) segue os passos de Carlos

Carlos e Alana Passos: amizade (reprodução/Reprodução)

Única parlamentar do Rio com livre acesso à família Bolsonaro, a deputada estadual Alana Passos (PSL) diz que o estilo pitbull de Carlos Bolsonaro (PSC) é a grande inspiração de seu mandato.

Nem a confusão em que Carlos se meteu nos últimos dias, ao fritar publicamente o ministro Gustavo Bebianno, assusta a deputada.

“Tenho enorme admiração. Vejo a postura dele como de proteção, antes do Jair ser o presidente, é o pai dele”, diz.

“Carlos tem uma conversa direta, sem intermediários, com seus eleitores. É nele que me inspiro na hora de conversar com os meus”, afirma.

Desde o início do mandato, Alana, que frequenta a casa de Jair Bolsonaro, mantém contato com o presidente.

“Bolsonaro tem me dado suporte, por exemplo, no projeto para implantar escolas militares no Rio”, diz.

Fonte Veja

 

Ver mais

Política BSB

Reunião com a Globo pode ter sido estopim para Bolsonaro fritar Bebianno

Publicado

dia

Bolsonaro se sente traído por Bebianno

Bebianno e Bolsonaro: amizade desfeita (Marcos Corrêa/PR)

Uma das razões para a irritação exagerada de Jair Bolsonaro com o  ministro da Secretaria Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, é um profundo sentimento de traição.

Como Bebianno sustenta, os dois, de fato, trocaram áudios nos últimos dias.

Num deles, Bolsonaro dá uma bronca em seu ministro porque ele marcou uma reunião com o vice-presidente de Relações Institucionais do Grupo Globo, Paulo Tonet Camargo, no Palácio do Planalto.

No áudio, Bolsonaro diz: “Como você coloca nossos inimigos dentro de casa?”

Bebianno vinha atuando para abrir um canal de diálogo com a emissora. A relação entre Bolsonaro e a Globo está muito estremecida desde o escândalo das movimentações suspeitas feitas por assessores de Flávio Bolsonaro.

Bolsonaro achou exagerada a maneira como a emissora se comportou com relação ao caso.

Ver o auxiliar se movimentar para abrir esse canal com “os inimigos” ajudou a colocar lenha na fogueira em que Bolsonaro queimou Bebianno em público.

Evidentemente, não é algo razoável. Mas o “capitão” já demonstrou que o equilíbrio não é uma de suas qualidades.

Fonte Veja

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade