Nossa rede

Saúde

Holter de 24 horas: o que é esse exame e para que ele serve

Publicado

dia

Veja os cuidados necessários e as doenças investigadas pelo aparelho que mede a atividade do coração durante um dia inteiro

holter de 24 horas é uma espécie de eletrocardiograma, só que de longa duração. O exame carrega esse nome por causa do aparelho usado – o tal holter – e porque mede o funcionamento do coração durante um dia inteiro.

Para que serve

O teste é indicado especialmente no diagnóstico de arritmias cardíacas, uma vez que registra os batimentos cardíacos em um longo intervalo de tempo. O médico também costuma pedi-lo quando há sintomas como desmaio, palpitação, tontura e suspeita de fibrilação atrial.

Como é feito

O paciente vai até o laboratório, onde eletrodos são posicionados no tórax e conectados ao holter, um pequeno monitor que fica na cintura. Ele então começa a gravar o número de batimentos do coração, eventuais alterações no ritmo e por aí vai.

Cabe destacar que a pessoa segue com sua vida normal. Ela trabalha, dorme e come enquanto o holter faz seu serviço. Só não pode tomar banho com o aparelho – melhor se lavar antes.

No dia seguinte, as informações do aparelho são recolhidas e analisadas. É comum que se peça ao paciente para, paralelamente, anotar em um diário suas principais atividades do dia e eventuais sintomas sentidos.

Os resultados

Assim como no eletrocardiograma, o laudo do holter deve mostrar um ritmo cardíaco sinusal, ou seja, normal. O ideal é que os batimentos estejam entre 60 e 100 por minuto. Os eletrodos registram, além de alterações nesse número, parâmetros como duração das ondas elétricas em cada segmento do peito.

Periodicidade

O exame é solicitado de acordo com a necessidade de investigar alguma doença cardíaca. Pessoas que já infartaram, têm arritmias graves ou risco cardiovascular devem repetir a prova anualmente, via de regra.

Cuidados e contraindicações

É permitido usar celular e aparelhos eletrodomésticos durante o exame, mas colchões magnéticos interferem nos resultados. Medicamentos tomados para males cardiovasculares, como betabloqueadores e antiarrítmicos, podem ser suspensos, de acordo com orientação do cardiologista.

Embora os exercícios físicos não sejam contraindicados, recomenda-se conversar com o profissional sobre o assunto. Até porque o excesso de suor e movimentações abruptas podem afetar a mensuração.

Fontes: João Vicente da Silveira, cardiologista do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

Comentário

Saúde

Solidão faz mal à saúde?

Publicado

dia

Estar no seu canto, por livre e espontânea vontade, pode ser prazeroso e necessário. Já não ter com quem contar na vida costuma abalar mesmo o bem-estar

Apesar de não ser considerada doença, solidão causa problemas psicológicos e físicos (Ilustração: Ana Matsusaki/SAÚDE é Vital)

O que é, o que é? Tem sintoma, mas não é doença. Faz mal à saúde, mas não é excesso de peso. Pode até matar, mas não é tabagismo. Acertou quem disse: solidão.

Parece brincadeira, mas o assunto foi alçado a problema de saúde pública. A primeira-ministra britânica, Theresa May, criou um ministério só para cuidar do mal que ela define como “a triste realidade da vida moderna”.

Na terra da rainha, o isolamento social involuntário atinge 9 milhões de cidadãos, algo em torno de 15% da população. Desses, um em cada três, na casa dos 75 anos, afirma que o sentimento de não ter com quem contar está fora de controle.

Nesse contexto, a ONG inglesa Campanha para Acabar com a Solidão, fundada em 2011, lançou um vídeo com a seguinte pergunta: “Você conseguiria passar uma semana sem falar com ninguém?” Em uma de suas enquetes, apurou que 52% dos entrevistados gostariam de ter com quem conversar, 51% sentiam falta de ouvir risadas de alguém e 46% se queixavam de não receber um abraço.

“Todos nós, governo e sociedade, temos uma missão a cumprir. De nossa parte, criamos o movimento “Seja Mais Nós”, que encoraja pequenas conexões diárias, como cumprimentar desconhecidos na rua, convidar os vizinhos para um chá ou telefonar para algum solitário em potencial. Dez minutos de bate-papo fazem a diferença”, conta Laura Alcock-Ferguson, diretora da entidade.

O fantasma da solidão não tira o sono apenas dos britânicos. Estimativas apontam que uma em cada quatro pessoas no mundo não tem amigos pra valer, vive longe da família ou se sente desconectada socialmente.

A psicóloga Julianne Holt-Lunstad, da Universidade Brigham Young, nos Estados Unidos, revisou estudos englobando, ao todo, 3,7 milhões de voluntários, e chegou a uma conclusão alarmante: sentir-se sozinho faz tão mal à saúde como estar acima do peso, ser sedentário ou fumar 15 cigarros por dia! “Se medidas não forem tomadas, a solidão poderá atingir proporções epidêmicas até 2030”, prevê.

O brasileiro é solitário?

Mas e o Brasil? Somos um povo solitário ou sociável? Levantamento da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, revela que lideramos o ranking dos países em que as pessoas menos vivem sozinhas. Bom, né? Nem tanto.

Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia perguntou a 2 mil pessoas acima dos 55 anos qual o pior medo que sentiam. Três em cada dez não tiveram dúvidas em responder que é “acabar sozinho”. O receio de não conseguir enxergar ou se locomover ficou em segundo lugar, e o de ter uma doença grave em terceiro.

“Por definição, solidão corresponde à diferença entre o que você espera de um relacionamento e o que ele tem a oferecer. Por esse motivo, muitos relatam se sentir solitários mesmo vivendo em uma casa cheia de gente”, explica a neurocientista Stephanie Cacioppo, da Universidade de Chicago.

Por essas e outras, será que a criação de um Ministério da Solidão, parecido com aquele do Reino Unido, teria serventia por aqui? Na opinião da psicóloga Cecília Carmona, da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, sim. Autora do estudo A Experiência de Solidão e a Rede de Apoio Social de Idosos, ela acredita que uma pasta ou uma estrutura para tratar exclusivamente do assunto seria essencial à implantação de políticas públicas eficientes.

“Estar só e sentir solidão são coisas diferentes. Estar só remete à ideia de prazer, relaxamento e satisfação. Já solidão é sinônimo de abandono, tristeza e desamparo. Sem o enfrentamento necessário, a solidão pode evoluir para a depressão e, em casos mais severos, levar ao suicídio“, alerta Cecília.

Darwin também explica

Em 1967, quando compôs os versos de Wave, Tom Jobim (1927-1994) postulou: “É impossível ser feliz sozinho!” O psicólogo John T. Cacioppo, também de Chicago, vai além: “É impossível sobreviver sozinho”.

Se você está lendo SAÚDE, é porque nossos ancestrais – lá atrás, ainda na era das cavernas – se sentiram sós. Sem vínculo social, a espécie humana já teria desaparecido há muito tempo.

“A dor física protege o indivíduo dos perigos físicos. A dor social, também conhecida como solidão, protegia o indivíduo de permanecer isolado”, escreve Cacioppo em Solidão – A Natureza Humana e a Necessidade de Vínculo Social(Editora Record). “Os primeiros humanos tinham mais chance de sobreviver quando se mantinham juntos.”

Com a evolução da espécie, a solidão tornou-se um fenômeno histórico. Condição incompreendida e estigmatizada, é vista com desconfiança por uns e utilizada como punição por outros.

“Na escola, as crianças birrentas são mandadas para a biblioteca. No casamento, uma praga comum em momentos de ódio é: ‘Você vai morrer sozinho!’ No sistema carcerário, o pior castigo que existe é a solitária”, dá exemplos o historiador Leandro Karnal, que acaba de lançar O Dilema do Porco Espinho – Como Encarar a Solidão (Editora Planeta).

Do ponto de vista médico, solidão não é doença. Mas possui sintomas – choro frequente, perda de apetite, baixa autoestima… – e pode ser classificada como crônica ou aguda. Todos nós, em algum momento, estamos sujeitos a “picos de solidão”.

Na infância ou na adolescência, quando mudamos de cidade ou de escola. Na vida adulta, quando perdemos o emprego ou os filhos saem de casa. Na velhice, quando nos aposentamos ou ficamos viúvos.

Existem evidências, aliás, de que, quanto mais jovem é a pessoa, mais solitária ela se sente. A geração americana de 18 a 22 anos apresentou, em uma pesquisa da Universidade da Califórnia, o maior índice de solidão, no comparativo com as turmas de 23 a 37 e de 52 a 71 anos. Em uma investigação inglesa, a faixa dos 16 aos 24 também compõe a dos mais sozinhos.

“Na maioria das vezes, episódios de solidão, quando você muda de bairro e precisa fazer novos amigos, por exemplo, são inevitáveis e não trazem sequelas. O problema é quando essa sensação persiste”, analisa a psicóloga Pamela Qualter, da Universidade de Manchester, na Inglaterra.

Um bom exemplo de solidão aguda que pode se tornar crônica é a do luto. Superar a perda de um ente querido nunca é fácil. Mas a tarefa de seguir adiante pode se tornar ainda mais difícil em casos de mortes repentinas, violentas, múltiplas ou de filhos.

Nesses casos, sentir raiva, culpa ou tristeza é perfeitamente normal. O que precisa ser observado é se tais sintomas perduram por muito tempo ou impedem o enlutado de retomar sua vida”, esclarece a psicóloga Ingrid Esslinger, do Laboratório de Estudos sobre a Morte da Universidade de São Paulo. “Há pessoas que, mesmo depois de anos, ainda se emocionam ao falar da perda que sofreram ou não conseguem se desfazer dos pertences do morto.” Quando isso acontece, pode ser bem-vinda uma sessão com o psicólogo.

Caso suspeite que a solidão já passou dos limites no seu caso, você pode fazer um teste aprovado pela ciência para saber qual seu grau de isolamento e se é preciso buscar ajuda.

Solidão e saúde

Nos últimos anos, cientistas vêm esmiuçando os possíveis efeitos fisiológicos da solidão. Uma das descobertas é que seu impacto é semelhante ao do estresse.

Em estado de tensão constante, você tende a relaxar menos e a dormir mal. No organismo, o cortisol, apelidado de hormônio do estresse, vai às alturas. Tá, mas o que isso significa na prática? Ora, uma maior exposição a problemas de saúde.

Na Universidade de Newcastle, também em solo inglês, uma equipe detectou que a alta do cortisol eleva o risco de doenças cardiovasculares e, por sabotar a imunidade, nos deixa mais propensos a gripes, resfriados e outras infecções. Num balanço geral, os pesquisadores de Chicago chegam a estimar um aumento de 26% na probabilidade de morte prematura entre quem vive sozinho demais.

Antes das repercussões físicas, porém, é provável que a desconexão social impacte a esfera mental. Indivíduos muito solitários estão no grupo que mais sofre de ansiedade, fobia e depressão.

A solidão afeta uma área do cérebro, o córtex pré-frontal, responsável pela tomada de decisões. E isso ajuda a explicar por que sujeitos que se sentem isolados do mundo tendem a dormir menos, se alimentar mal, abusar do álcool e levar uma vida sedentária.

Veja também

Resumo das repercussões físicas da solidão pelo corpo

No cérebro: a tensão e a tristeza aumentam os episódios de ansiedade e colocam o indivíduo mais próximo da depressão.

No coração: a solidão profunda lembra um estresse crônico. A liberação de alguns hormônios mexe com a pressão e os batimentos.

Na imunidade: existem indícios de que o estado criado pela solidão diminui a atuação do sistema imune, aumentando o risco de infecções.

Como lidar com a solidão

Por não se tratar de uma doença em si, não existe vacina ou remédio para a solidão. Existem, porém, medidas eficazes para minimizá-la e reduzir suas influências na saúde.

Isso envolve desde tarefas simples, como fazer um favor a alguém, a atitudes que demandam mais tempo e atenção, como exercer trabalho voluntário. A prática de exercícios e a adoção de um animal também costumam dar bons resultados.

Outro conselho é engajar-se, aos poucos, em atividades sociais, seja num clube de leitura, seja na academia do prédio. “A interação social tem que ser positiva para ambas as partes. Ao puxar assunto, priorize temas agradáveis. Falar sobre impostos ou doenças pode não ser uma boa ideia”, aconselha Stephanie Cacioppo.

Na hora de fazer amigos, dê preferência aos de carne e osso. Um experimento da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, indica que, em vez de resolver o problema, o uso excessivo de redes sociais pode até agravá-lo. A psicóloga Melissa Hunt chegou a tal conclusão após entrevistar 143 estudantes da instituição onde dá aula. Durante três semanas, parte dos voluntários limitou seu tempo de uso de Facebook e afins a dez minutos por dia. Enquanto isso, o restante da turma continuou a acessá-los à vontade.

Terminado o experimento, adivinhe qual grupo se queixou mais de solidão. Sim, o que ficou livre e desimpedido para mergulhar nas mídias sociais.

“Fazer amigos virtuais não é a melhor estratégia para enfrentar o isolamento. Sugiro sair da frente do computador e interagir com pessoas do mundo real”, recomenda Melissa. “Somos animais sociais e, como tal, precisamos nos conectar com outros para manter o bem-estar físico, mental e emocional”, defende a pesquisadora.

Não é preciso forçar a barra nem acabar com os momentos a sós. Mas, se a solidão começar a bater, que tal convidar aquele amigo que você não vê há tempos para tomar um café?

O lado bom de ficar sozinho

Ao contrário da solidão, estar só costuma ter seu lado positivo. Em 1997, o escritor norueguês Jo Nesbo descobriu que o voo que o levaria de Oslo, na Noruega, onde mora, até Sydney, na Austrália, onde passaria as férias, levaria 32 horas.

O que ele fez? Abriu seu laptop e começou a trabalhar ali mesmo. Seu primeiro livro nasceu a bordo de um avião. “Às vezes, é bom tirar férias do mundo e passar um tempo só com você mesmo”, afirma o psicólogo Gregory Feist, da Universidade Estadual de San Jose, nos Estados Unidos.

Outra vantagem do que alguns chamam de “solitude”, como o historiador Leandro Karnal, é o recolhimento e a introspecção. “De vez em quando, estar só traz alívio contra o estresse”, reforça a psicóloga Julie Bowker, da americana Universidade de Buffalo.

Fonte Saúde
Ver mais

Saúde

Alimentos ultraprocessados engordam mesmo. E pior: é difícil resistir

Publicado

dia

Pesquisa associa uma dieta baseada em biscoitos, salgadinhos, refris e afins a um descontrole alimentar – o que levaria ao ganho de peso

Alimentos ultraprocessados, como salgadinhos, biscoitos e iogurte, são um convite ao exagero (Foto: Dercílio/SAÚDE é Vital)

O cerco anda se fechando para os chamados alimentos ultraprocessados – aqueles que contêm vários ingredientes, levam pouco (ou nada) de origem natural e são feitos com um monte de aditivos “cosméticos”, como corantes e aromatizantes, além de substâncias só usadas na indústria. Não é de hoje que pesquisas indicam uma associação entre eles e problemas de saúde. Mas, por causa de diversas variáveis, os achados não permitiam cravar que se tratava de uma relação de causa e efeito. Até agora.

Um estudo liderado por Kevin Hall, pesquisador do Instituto Nacional de Diabetes e Doenças Digestivas e Renais, nos Estados Unidos, tem tudo para se tornar um divisor de águas nesse aspecto. Afinal, ele não se baseou naquilo que os voluntários relatavam ter comido – algo que depende da memória e da sinceridade das pessoas. No trabalho, a dieta dos participantes foi realmente controlada pelo cientista e sua equipe.

Os experts fizeram o seguinte: recrutaram 20 adultos com peso considerado saudável e os separaram em dois grupos. Enquanto um recebeu uma alimentação baseada em itens ultraprocessados (como congelados, salgadinhos, biscoitos, refrigerante e por aí vai), o outro se alimentou de comida in natura (sabe o prato de arrozfeijão, carne e salada? Entraria aqui).

Depois de duas semanas, os indivíduos trocaram de turma – assim, todo mundo experimentou os dois tipos de dieta. Vale dizer que a quantidade de alimento consumido ficava ao gosto de freguês.

Ao fim da intervenção, os investigadores notaram que, ao seguir a dieta ultraprocessada, os voluntários chegavam a consumir cerca de 500 calorias a mais por dia em relação ao grupo da comida de verdade. No fim das contas, isso resultou em uma ingestão de carboidratos e gorduras muito maior – mas não de proteínas.

Na balança, a diferença foi notória: o peso subiu mais ou menos um quilo. Lembre-se: falamos de apenas duas semanas de dieta.

Segundo o médico Carlos Monteiro, professor titular no Departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP), os alimentos ultraprocessados são desenhados para serem consumidos sem moderação.

“Isso se consegue com o acréscimo de grande quantidade de açúcar ou sal e gordura, além do uso intensivo de aromatizantes, corantes e outros aditivos que têm o propósito de deixar os produtos irresistíveis”, diz. “Como no caso do cigarro, o consumo moderado desses produtos não é comum”, completa.

Para ele, essa história precisa ser conhecida, já que há outra teoria sendo contada por aí: a de que uma caloria é uma caloria, independentemente de onde venha, e que basta ‘ter força de vontade e comer tudo com moderação’.

Pois, nessa pesquisa, ficou claro que não é tão simples assim. Afinal, ambas as dietas ofertavam o mesmo número de calorias e nutrientes – embora o voluntário pudesse optar por repetir a refeição. E o resultado demonstrou que as pessoas tendem a exagerar quando se trata de uma dieta ultraprocessada.

Até porque, além de superpalatável, esse tipo de dieta tende a saciar menos. É que os produtos têm alta densidade energética — ou seja, reúnem um monte de calorias em pequenas porções. “Quanto mais densa a dieta em energia, menor a saciedade por caloria consumida”, esclarece o pesquisador da USP.

Tranqueiras e risco de morte

Recentemente, outro trabalho deu o que falar. Após avaliar a dieta de 44 551 cidadãos de 45 anos ou mais, e realizar um acompanhamento entre 2009 e 2017, experts da Universidade Paris 13, na França, notaram que acrescentar só 10% de itens ultraprocessados no dia a dia já dispararia 14% a possibilidade de morrer por qualquer motivo.

Apesar de o trabalho não estabelecer a tal da relação de causa e efeito, Monteiro lembra que existem evidências de que comer tranqueira aumenta o risco de obesidadehipertensãoproblemas cardiovasculares e câncer.

E, como apontado pelo trabalho de Kevin Hall, maneirar nesses itens extremamente palatáveis não é a coisa mais fácil do mundo…

O que são, afinal, os alimentos ultraprocessados

Tanto na pesquisa americana como na francesa, os cientistas usaram a classificação chamada de NOVA como base para definir o que é um item ultraprocessado. Ela foi criada por Monteiro e sua equipe em 2009.

Os produtos que se encaixam nesse grupo tipicamente levam cinco ou mais ingredientes em sua fórmula. Mas não só: eles carregam aditivos conhecidos como cosméticos, já que têm como função alterar aroma, cor etc.

Esse recurso faz com que uma bolacha vendida como de amêndoa, por exemplo, às vezes nem tenha a oleaginosa em sua fórmula.

Outra característica comum é que esses itens apresentam ingredientes que sequer estão disponíveis para usarmos na cozinha de casa – só aparecem na indústria mesmo. É o caso de isolado proteico de soja, maltodextrina, caseína, soro de leite e tantos outros.

Segundo a classificação, a fabricação dos produtos envolve ainda processos que não possuem equivalentes domésticos, como extrusão e moldagem e pré-processamento por fritura.

O documento que descreve essa classificação traz um parágrafo que nos ajuda a entender mais sobre o tema: “O principal propósito do ultraprocessamento é o de criar produtos industriais prontos para comer, para beber ou para aquecer que sejam capazes de substituir tanto alimentos não processados ou minimamente processados que são naturalmente prontos para consumo, como frutas e castanhas, leite e água, quanto pratos, bebidas, sobremesas e preparações culinárias em geral”.

Na lista de produtos que atendem a essas características estão refrigerantes, pós para refrescos, salgadinhos de pacote, sorvetes, chocolates, biscoitos, bebidas com sabor de frutas, caldos com sabor (carne, frango e legumes), maionese e outros molhos prontos, macarrão instantâneo, além de pães de forma, cachorro-quente e hambúrguer.

Congelados, como tortas, pizzas, massas, empanados e hambúrgueres, entram aqui também. Que tal rever a participação deles na rotina?

Fonte Saúde

Ver mais

Saúde

Glaucoma, até em estágio inicial, aumentaria risco de acidentes de carro

Publicado

dia

Pessoas com essa doença têm maior dificuldade em distinguir objetos, mesmo em quadros iniciais – e principalmente quando o celular entra na história

Será que todos os portadores de glaucoma não podem dirigir? (Foto: IS/iStock)

glaucoma é a principal causa de cegueira irreversível no mundo – ela acomete 1 milhão de pessoas só no Brasil. Apesar de relativamente comum, a doença é silenciosa: quando dá sinais claros, já está em estágio avançado. Antes disso, porém, o indivíduo já possui perdas imperceptíveis na visão periférica, que podem prejudicar a capacidade de dirigir.

Dois novos estudos trazem evidências de que o comprometimento visual dos estágios iniciais do glaucoma aumenta o risco de acidentes. O primeiro deles, conduzido por pesquisadores do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) e da Universidade de Duke, nos Estados Unidos, mostra que portadores da enfermidade teriam dificuldades adicionais em distinguir objetos muito próximos.

Os 26 participantes – metade com glaucoma e metade sem – tinham que diferenciar a posição de um objeto em um monitor quando apresentado com outros itens ao redor. Os cientistas então analisaram as respostas e outros parâmetros, como exames que medem a sensibilidade e a espessura do nervo óptico, que transmite as imagens ao cérebro.

Nos acometidos pelo glaucoma, o efeito chamado de crowding, quando as imagens se misturam, foi bem mais pronunciado.

“E notamos isso até nos estágios iniciais da doença, o que pode comprometer a realização de tarefas do dia a dia, como dirigir”, explica a oftalmologista Nara Ogata, uma das autoras do trabalho. “Quando a pessoa com a condição pega no volante, os objetos podem aparecer mais embaralhados: a placa em cima da árvore, outros carros, e por aí vai”, comenta.

Tempo de resposta também é abalado

Outro estudo, conduzido pela mesma equipe e com publicação prevista para abril no periódico científico Jama Network, colocou os pacientes com glaucoma em um simulador de direção de alta fidelidade. O objetivo era verificar a performance deles no volante com a presença de um elemento distrativo e popular, o celular.

A tarefa consistia em seguir na faixa correta em uma estrada sinuosa, enquanto o tempo de reação a estímulos visuais periféricos era analisado sem e com o uso do telefone. No segundo caso, os participantes deveriam ouvir frases emitidas pelo aparelho e relembrar a última palavra de cada sentença.

No final, a reação dos voluntários com glaucoma a objetos que surgiam na pista virtual ou outras intercorrências na paisagem foi significativamente mais lenta do que no grupo sem a doença. Pior: quando estavam com o telefone, as vítimas desse problema de visão tiveram um desempenho ao volante duas vezes pior.

“Notamos que não só a perda de visão periférica é afetada, mas o tempo que leva para o indivíduo reagir e processar a imagem é maior”, aponta Nara. “Se algum objeto entrar na frente dele, ele pode demorar mais para frear”, exemplifica.

E o mais preocupante: 59% dos participantes declararam se sentir capazes de dirigir enquanto manuseavam o telefone.

O que fazer

Quem tem glaucoma não está proibido de dirigir, mas com certeza deve discutir o assunto com o médico. “É preciso fazer uma avaliação individual e verificar o estágio da doença antes de tomar qualquer decisão”, ensina Nara.

Caso a autorização para conduzir seja dada, fica o alerta de nunca utilizar o telefone ao volante. “Na presença do glaucoma, o campo de visão já está mais restrito. Ao dividirmos a atenção com o celular, dependemos ainda mais da visão periférica, que é justamente a prejudicada pela doença”, raciocina a oftalmologista.

O pior é que muita gente tem o problema e nem sabe. Estima-se que 80% dos portadores não apresentem sintomas.

Como os estudos mostraram, mesmo na etapa mais silenciosa, os danos ao nervo óptico podem atrapalhar a rotina. Mas como flagrar cedo esse transtorno oftalmológico? “O maior desafio é conscientizar a população sobre a importância dos exames de rotina. Quanto antes o glaucoma for detectado, mais fácil será o controle”, afirma Nara.

Mesmo que não tenha cura, a condição pode ser freada com medicamentos e outros tratamentos. Os testes que a diagnosticam são simples, feitos no próprio consultório do oftalmologista. Pessoas com pressão alta ou histórico de glaucoma na família precisam fazer esse rastreamento mais vezes.

Vale checar com o médico. A visão agradece.

Fonte Saúde

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade