Nossa rede

Notícias DF

“Fundão Eleitoral” manterá desequilíbrio na campanha do DF em 2018

Publicado

dia

Eleições no Distrito Federal e no resto do Brasil continuarão concentrando recursos nas mãos de partidos maiores

Foto: Daniel Ferreira/Metrópoles

Foto: Daniel Ferreira/Metrópoles

Uma das principais novidades da reforma política, o recém-criado “Fundão Eleitoral” pouco mudará as condições de disputa pelo poder na capital da República. No Distrito Federal, os partidos já se preparam para uma eleição com as mesmas características do último pleito: a concentração de dinheiro nas maiores legendas.

Como as novas regras levam em conta a composição da Câmara dos Deputados, as maiores siglas receberão fatias maiores do bolo, estimado em R$ 1,7 bilhão. No entanto, há uma peculiaridade: cada uma definirá quanto repassará às filiais nos estados. No caso do DF, são oito as que compõem a bancada: PMDB, PT, PSDB, DEM, PSD, Pros, PR e SD.

Segundo as normas aprovadas na semana passada, 48% do dinheiro do Fundão Eleitoral serão reservados aos partidos de acordo com percentual de votos na última eleição para a Câmara. Outros 35% serão distribuídos levando em conta o tamanho das bancadas na Casa. Por fim, a representação no Senado até o dia 10 de agosto vai ser critério para repartir 15% da verba — nesse caso, são apenas duas as siglas de parlamentares do DF: PPS, com Cristovam Buarque; e PMDB, com Hélio José, uma vez que Reguffe está sem agremiação.

Metade do fundo deverá ser encaminhada para as campanhas a presidente, senador e governador. Os aspirantes a deputado federal terão acesso a 30% dos recursos. Receberão 20% aqueles que tentarem cadeiras de deputado estadual e distrital. Não há previsão de distribuição por estado e essa questão deverá ser decidida de acordo com os estatutos de partidos — ou seja, a bel-prazer dos dirigentes.

Os recursos do Fundão Eleitoral virão dos cofres públicos. A manobra foi a solução encontrada pelos políticos para contornar a proibição de financiamento empresarial, vetado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Enquanto o contribuinte paga a conta, os partidos no DF estão com a calculadora na mão. Especialmente os nanicos, que anteveem uma nova disputa desigual: 2% do fundo serão divididos igualmente entre as 35 agremiações com estatutos registrados até agora.

A opinião dos políticos
Presidente do PT-DF, a deputada federal Erika Kokay considera justos os valores e a distribuição de recursos. A parlamentar culpa as doações de campanha feitas por empresas como responsáveis por boa parte dos escândalos de corrupção envolvendo partidos políticos.

“Quando se tem financiamento ligado a quem tem poder econômico, cria-se um parlamento vinculado a esses interesses. Essa realidade dificulta a participação de entes que deveriam ter mais representação, como mulheres, negros, indígenas e outros que não estão ligados a grupos econômicos. Com financiamento público, você tem maior transparência”, acredita.

Para o presidente regional do PPS, Francisco Andrade, a reforma favoreceu as grandes legendas, e a sigla dele terá que “manter os pés no chão”. “Vamos nos preparar para uma campanha com poucos recursos, como já ocorria em anos eleitorais anteriores. Ainda assim, acho que o diferencial nesta eleição será a rejeição da população aos partidos que estão envolvidos em escândalos”, opina.

Já o deputado distrital Robério Negreiros (PSDB) acredita que as novas regras vão afetar tanto as grandes quanto as pequenas legendas. “Os recursos estão mais escassos para todos. Os nanicos, contudo, serão mais prejudicados. Aqueles que recebem mais dinheiro vão ter chances melhores”, avalia.

Entre os partidos de menor expressão, o PSOL é um dos que serão afetados. A sigla, que sempre se manifestou favorável ao financiamento público de campanha, acredita que a reforma eleitoral apenas preservou a realidade atual.

“Tudo foi aprovado para manter grandes partidos e aqueles que estão no poder por mais alguns anos. As mudanças não trazem nada de bom para agremiações ideológicas, como nós, o PCB, o PSTU e a Rede, por exemplo. Por outro lado, o dinheiro de campanhas vindo do Estado evita a prostituição generalizada causada pelas doações de empresas. O que nós estamos estupefatos é o valor aprovado. É muito dinheiro”, critica Toninho do PSOL, presidente da sigla no DF.

“Corrupção não acaba”
Mesmo com as mudanças nas leis, o advogado eleitoral Bruno Martins acredita que ainda haverá formas de burlar o pleito. Para o especialista, velhos esquemas poderão se repetir. “Não acredito em uma coibição da prática de corrupção. Sempre defendi que fossem permitidas doações de pessoas jurídicas, mas seria necessário criar requisitos para que isso ocorresse”, argumenta.

O advogado também questiona a falta de critérios na divisão dos recursos dentro dos partidos. “Será que haverá distribuição de forma igualitária aos candidatos? Uma das principais reclamações das regras anteriores era a falta de transparência. Infelizmente, as mudanças não alteraram essa realidade.”

 Fonte: Metrópoles
Comentário

Brasília

DF ficou ao menos 8 horas no escuro ao longo de 2017, aponta levantamento

Publicado

dia

Região do PAD-DF foi a mais atingida pelos cortes no fornecimento de energia elétrica. Dados da CEB foram obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação.

Linhas de transmissão de energia elétrica (Foto: Marcos Santos / USP Imagens)

Os moradores do Distrito Federal passaram mais de 8 horas “no escuro” durante 2017. Segundo levantamento da Companhia Elétrica de Brasília (CEB) obtido  por meio da Lei de Acesso à Informação, o DF fechou o ano com 8 horas e 25 minutos (8,43 h) sem o fornecimento de energia elétrica.

O resultado representou uma melhora de 13% na comparação com 2016, quando o DF ficou quase 10 horas sem energia elétrica, no mesmo período. A CEB atribui os índices a um “esforço técnico-gerencial-profissional”, que permitiu entregar energia a 99% dos imóveis em 2017.

Por pelo menos três anos seguidos, a região que ficou mais tempo sem luz foi o PAD-DF, zona rural próxima ao Paranoá e a Planaltina. Em nota, a companhia diz que pretende melhorar a situação no curto prazo investindo em tecnologia para reduzir o tempo de identificação de um defeito e deminuir a área impactada por ele.

 

O Congresso Nacional em dia de apagão (Foto: Jose Cruz/ABr)

Frequência

Em 2017, o consumidor do Distrito Federal teve, em média, 7,10 interrupções no fornecimento de energia. Em 2016, foram 8,08 interrupções. O limite estipulado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para este tipo de prática é de 8,54 interrupções.

A média nacional do tempo em que cada estado passou sem energia elétrica deve ser divulgada apenas em março, quando as companhias elétricas informam o balanço de 2017 à agência reguladora.

Fonte: G1 DF

 

Ver mais

Brasília

Mudança na velocidade de vias da Ceilândia começa esta semana

Publicado

dia

A alteração, que ocorreu em pelo menos outras sete pistas do DF, contribui para diminuir acidentes, segundo especialistas

O limite das duas vias passará de 60 km/h para 50 km/h. Nos últimos cinco anos, só na N3, que liga a BR-060 à BR-070, foram registradas 12 mortes. Objetivo é conscientizar motoristas(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

 

A redução de velocidade nas vias N2 e N3 de Ceilândia começará esta semana. O Departamento de Trânsito (Detran-DF) iniciará a troca das placas de 60 km/h para as de 50 km/h. Por enquanto, os motoristas que desrespeitarem o novo limite não serão multados, haverá apenas blitze educativas. Pelos menos outras sete vias do Distrito Federal passaram pela mesma mudança. Segundo especialistas, a alteração tende a reduzir o número de acidentes e não compromete a fluidez do trânsito.

Nos últimos cinco anos, somente na N3 — que liga a BR-060 à BR-070 — foram registradas 12 mortes. “A proposta é mudar o comportamento do condutor e reduzir os atropelamentos e acidentes em geral”, afirma o diretor-geral do Detran, Silvain Fonseca. Em 2017, as duas vias receberam lombadas para induzir os motoristas a diminuírem a velocidade.

Continua depois da publicidade

As mudanças são parte de um projeto da equipe de Engenharia de Trânsito do órgão e, segundo a diretora, Daniele Valentini, estudos mostram que a redução das velocidades não impactará na fluidez do trânsito. “Na N3, que é uma via de aproximadamente sete quilômetros, por exemplo, o motorista perderá apenas um minuto se fizer o mesmo trajeto a 50 km/h, e não a 60 km/h. Isso porque, em média, as pessoas já andam abaixo da velocidade”, analisa.

A dona de casa Marlene dos Santos, 62 anos, elogia a mudança. Segundo a moradora do P Norte, a alteração beneficiará pedestres e ciclistas. Ela relata que os veículos passam por essas vias em alta velocidade, desrespeitam faixas de pedestres e causam acidentes. “Agora, tendo que dirigir mais devagar, vai ficar mais fácil eles pararem para nós, pedestres. E, com certeza, a diminuição dos acidentes vai transmitir mais segurança para a população que passa por esses locais”, acredita.

Já para o autônomo Edimilson Silva, 53, a diminuição da velocidade máxima na via N2 pode prejudicar os condutores que fazem o trajeto pela região diariamente. “Essa é umas das pistas que têm mais fluxo em Ceilândia. Então, acho que isso pode atrapalhar um pouco. Depois que colocaram mais semáforos, o engarrafamento aumentou”, opina.

De acordo com o especialista em trânsito e professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental da Universidade de Brasília (UnB) Paulo César Marques, as medidas não alteram o fluxo nas vias. “Vivemos em uma sociedade que tem a cultura da velocidade. Então, quando se fala em redução, o senso comum tende ao pensamento de que as pessoas passarão mais tempo presas em congestionamentos. Mas essa é uma relação errada, a variação de tempo é completamente insignificante. Agora, o impacto nos acidentes é, sim, muito grande”, salienta.

Outras alterações

Além de Ceilândia, alterações semelhantes ocorreram em Águas Claras, Taguatinga, Lago Norte e, recentemente, no Noroeste (veja quadro). Segundo Danieli Valentini, após a redução da velocidade nas duas primeiras regiões administrativas, os acidentes sem morte caíram 35% e 48%, respectivamente. “Por conta dos bons resultados, temos planos para implementar reduções também nas transversais de Ceilândia até Taguatinga, em algumas vias de Samambaia e no contorno do Gama”, informa.

Entre os motoristas que trafegam por essas regiões, a medida divide opiniões. O servidor público Reynaldo Barbosa Lima, 62, morador do Taquari que dirige pela EPPN, principal pista do Lago Norte, acredita que a ação é fundamental para o trânsito. Lá, a redução de 70km/h para 60km/h ocorreu em 28 de novembro de 2017. “Concordo que o Detran deve, sim, tomar medidas extremas como essas. As pessoas não se preocupam em dirigir com segurança. Particularmente, acho que falta consciência, respeito e cidadania por parte dos motoristas. Eles precisam compreender que colocam em risco a própria vida e a dos outros”, afirma.

João Pedro Pereira de Queiroz, 23, morador da região do Setor Terminal Norte (STN), onde a velocidade também caiu para 60 km/h, não concorda com a mudança. “Acho que a redução naquela via é uma coisa sem necessidade. Acredito que é uma atitude desrespeitosa com os motoristas, pois, para mim, atrapalhou o andamento do trânsito. Ainda não houve uma campanha de conscientização sobre a redução, só soube quando vi a placa, com a nova velocidade, já em cima do pardal”, diz.

Tendência

Para Paulo César, da UnB, essa é uma tendência que deve ser seguida. “Em todos os países que adotaram a medida, houve redução drástica dos números de acidentes de trânsito. O mesmo pode ser visto nas vias de Brasília que passaram pelo processo”, ressalta.

Também docente do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental da UnB e do Programa de Pós-graduação em Transportes, a professora Michelle Andrade concorda que a medida é adequada. “Uma velocidade na ordem de 60km/h em local no qual há compartilhamento de espaço com pedestres ou ocupação de área lindeira (comércio) é incompatível com as condições de deslocamento a pé”, explica.

Michelle esclarece, ainda, que a diminuição de velocidade tem impacto na gravidade dos acidentes. “Uma diminuição de 10km/h pode significar a diferença entre a morte e lesões. O ideal seria até, no máximo, 30km/h nessas áreas (de divisão com pessoas). Essa é uma tendência mundial, vista em cidades como Nova York e Paris, que implementaram a chamada Zona Trinta, onde só se trafega a até 30km/h. Nessa velocidade, caso aconteça um acidente, o motorista tem tempo de reação maior, possibilitando a realização de uma manobra de frenagem”, detalha a docente.

Outras capitais chegaram a seguir esse movimento. Em julho de 2015, os motoristas de São Paulo tiveram de se acostumar a tirar o pé do acelerador em vias movimentadas, como as marginais Tietê e Pinheiros. A administração municipal limitou a máxima dos velocímetros em 50km/h nas pistas locais; 60km/h nas centrais; e 70km/h nas expressas. De acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego da região, um ano após a adoção da medida, houve redução de 52% nos acidentes de trânsito. No ano passado, no entanto, as vias locais e centrais voltaram para 70km/h e as expressas, para 90km/h. O número de acidentes nos três primeiros meses daquele ano aumentaram em 67% na comparação com o mesmo período de 2016.

Redução para reforma na EPTG

Na Estrada Parque Taguatinga (EPTG), o trecho próximo à Faculdade Mauá, em Vicente Pires, no sentido Plano Piloto-Taguatinga, terá a velocidade máxima reduzida de 80km/h para 60km/h, a partir de quarta-feira. O Departamento de Estradas de Rodagem (DER/DF) instalará placas de sinalização indicando o novo limite. O motorista que não respeitá-lo será multado. A mudança ocorre por conta das obras que terão inicío na quinta-feira, a fim de ampliar a terceira faixa da direita, nos dois sentidos da via. Durante o período, o fluxo de veículos será permitido em parte da faixa exclusiva. No sentido Taguatinga-Plano Piloto, as alterações na via serão a 500m do viaduto Israel Pinheiro e acabam no trecho próximo à Residência Oficial do governador, em Águas Claras.

Reduções por região

CEILÂNDIA

Fevereiro de 2018

A velocidade nas vias N2 e N3 será reduzida de 60 km/h para 50 km/h. Ainda não há data para que os motoristas comecem a ser multados caso desrespeitem o novo limite.

ASA NORTE

Janeiro de 2018

O Setor Terminal Norte (STN) teve o limite máximo reduzido de 70km/h para 60km/h. No fim da via, que interliga a W3 Norte à DF-003 (Epia), o Detran também instalou um equipamento redutor de velocidade. Naquele mesmo ano, quatro acidentes foram registrados na via.

NOROESTE

Dezembro de 2017

Na via que liga a Epia à W3 Norte, na área da 2ª Delegacia de Polícia, houve redução de 70km/h para 60km/h. No local, equipamentos foram instalados para multar os motoristas que ultrapassarem a velocidade estabelecida.

LAGO NORTE

Novembro de 2017

Diminuição da velocidade na Estrada Parque Península Norte, principal via de acesso ao Lago Norte, de 70km/h para 60 km/h. Ainda não há informações sobre mudanças no número de acidentes.

TAGUATINGA

Junho de 2016

Redução das velocidades das avenidas Comercial e Samdu, de 60 km/h para 50 km/h. Em 2016, ocorreram três acidentes fatais na Comercial Norte e, em 2017, nenhum. Na Samdu, não houve registro de acidente fatal em 2016 e foi registrado acidente com morte em 2017.

ÁGUAS CLARAS

Março de 2016

Alteração das velocidades das avenidas Araucárias e Castanheiras, de 60 km/h para 50km/h. Na avenida Araucárias, antes da redução, em 2016, houve um acidente fatal. Em 2017, não aconteceram acidentes com mortes. Já na Castanheiras não houve acidentes fatais em 2016 nem em 2017.

Fonte: Correio Braziliense

 

Ver mais

Brasília

Passagens mais caras no Entorno começam a valer

Publicado

dia

Os novos preços começaram a valer neste domingo, sendo esta segunda-feira o primeiro dia útil com os valores aumentados. As alterações devem impactar a população e o comércio

Aumento do preço das passagens para ônibus do Plano Piloto para Entorno deve impactar no comércio(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

O aumento no preço das passagens entre Plano Piloto e Entorno deve impactar empresas e trabalhadores que vivem na região. O ajuste foi autorizado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), na última sexta-feira (16), e os aumentos variam de 5% a 7%. Os novos preços começaram a valer neste domingo (18/2).

Moradores de regiões como Brazilinha, Águas Lindas e Luziânia devem sentir esse aumento no bolso. “Essas passagens interferem tanto nas despesas diretas dos empregados quanto no custo das empresas, que bancam esses aumentos. O tamanho do impacto depende muito da quantidade de trabalhadores em regiões distantes e de onde eles vivem”, afirma Adelmir Santana, presidente da Federação do Comércio do Distrito Federal (Fecomércio).

 Segundo ele, o Plano Piloto recebe, diariamente, quase 1 milhão de trabalhadores formais e informais. “Eles vêm em busca de oportunidades e isso acaba prejudicando a todos, empregados e empregadores. Até o preço final dos produtos pode sofrer impacto”, finaliza.

Jael Antônio da Silva, presidente do Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Brasília (Sindhobar), também critica o aumento. “É algo muito ruim para os empresários, nesse momento de crise, vem mais um custo. Atualmente, grande parte dos empregados de bares, hotéis e restaurantes trabalha fora do Plano e isso afeta muito a todos”, afirma Jael.

Para ele, no primeiro momento, a maioria dos empresários deve absorver os custos e tentar não repassar esse aumento ao consumidor. “As empresas perderiam muitos clientes se repassassem esse aumento agora. Todos terão que fazer uma análise e segurar os custos para manter os clientes”, destaca.

Impacto para o trabalhador

O fotógrafo Ravel Luz, 26 anos, tem um estúdio na quadra 306 da Asa Sul e afirma que o valor da passagem afeta seu orçamento, principalmente pelo fato de ser um trabalhador autônomo. “Eu moro no Valparaíso e a frequência de ônibus para lá é bem menor. Muitas vezes, tenho que pegar um ônibus e descer na BR-040 para pegar um circular”, afirma o fotógrafo, que vai de segunda a sexta-feira para o Plano Piloto a trabalho e, muitas vezes, também nos fins de semana. Antes do reajuste, Ravel costumava gastar, em média, R$ 65 de passagem por semana.

Ana Luiza Martins, 22, é monitora em uma clínica para pessoas especiais e estuda serviço social na UDF. Ela mora em Valparaíso e pega ônibus todos os dias para o Plano e, por vezes, de dois a quatro coletivos no mesmo dia. “Mesmo que sejam poucos centavos de aumento, cada moedinha faz diferença no fim do mês. Quando o ônibus não passa tenho que pegar mais de um para chegar ao trabalho, que fica na Asa Norte”, afirma a estudante. A dupla jornada gera mais aumento para Ana Luiza, que precisa cortar gastos em outras áreas para bancar as passagens.

Segundo a ANTT, o aumento nos bilhetes é necessário para “manter o equilíbrio econômico-financeiro”.  A alteração é anual e leva em conta fatores como o aumento de combustível, peças e acessórios, novos veículos, além de despesas com funcionários.

 

 

Ver mais
Publicidade

Assine a nossa newsletter

Escolha o assunto

Publicidade