Nossa rede

Brasil

Falha de operadoras antecipa horário de verão em celulares

Publicado

dia

Falha, corrigida ainda no domingo, fez com que os relógios dos aparelhos fossem adiantados uma hora automaticamente

Este domingo, dia 21, ficou uma hora mais curto para os usuários de smartphones de todo o país (foto/Thinkstock)

São Paulo – Este domingo, dia 21, ficou uma hora mais curto para os usuários de smartphones de todo o País. É que uma falha, corrigida ainda no domingo, fez com que os relógios dos aparelhos fossem adiantados uma hora automaticamente, mesmo antes do início do horário de verão, programado para ter início no próximo dia 4 de novembro.

À meia-noite, clientes das operadoras de celulares e tiveram os relógios dos telefones adiantados em uma hora. A falha virou um dos assuntos mais comentados do Twitter e causou transtorno aos usuários.

A vendedora Verônica Oliveira, de 30 anos, achou que estava atrasada. Ela leva quase duas horas para ir de casa até o trabalho, em uma loja de doces na zona oeste de São Paulo. “Tinha de abrir a loja às 13h. Quando olhei no telefone, já eram 11h40. Corri para me arrumar.”

Os bilheteiros Eduardo Lima e Gleide Jane também se espantaram com o horário de verão “antecipado”. “Geralmente, avisam antes”, diz ele. Ela, que estava mexendo no celular à meia-noite de ontem, quando o relógio do aparelho passou a marcar 1h, achou que o problema fosse apenas no seu telefone. “Mudei para o horário certo por minha conta, pelo menos não perdi uma hora de sono.”

Com a confusão do horário de verão no celular, Lauro Ortega, de 67 anos, chegou ao trabalho uma hora mais cedo. Ele é funcionário do estacionamento de um supermercado, colocou o telefone para despertar às 4h, com a intenção de chegar às 6h no trabalho. “Só percebi que o relógio estava errado quando cheguei no trabalho.”

Na última segunda-feira, dia 15, o governo anunciou que o horário de verão começará no dia 4 de novembro. A mudança do início do horário de verão, que geralmente começa em outubro, foi feita pelo presidente Michel Temer a pedido do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O pedido havia sido feito para que a troca de horário começasse após o segundo turno das eleições, no próximo domingo.

O Ministério da Educação também havia pedido que o início do horário de verão fosse adiado em duas semanas, devido ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), mas o governo voltou atrás.

De acordo com o Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular (Sinditelebrasil), o ajuste nos relógios dos aparelhos não foi feito pelas operadoras. A entidade disse não saber o que originou a falha. Segundo o Estado apurou, o relógio dos aparelhos geralmente é configurado pelas redes das operadoras.

O problema também afetou alguns relógios de rua em São Paulo. Segundo a SPObras, vinculada à Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana e Obras, as empresas de telefonia celular que prestam o serviço, por meio de chips, à concessionária responsável pelos relógios tiveram problemas para reverter a programação do horário de verão previsto inicialmente para ontem. Segundo a concessionária, a situação já havia sido normalizada ainda ontem.

Há uma semana, o mesmo problema já havia ocorrido em aparelhos de clientes da operadora Tim. A falha foi relatada tanto por usuários do sistema Android quanto do iOS. Na ocasião, a empresa de telefonia reconheceu que um problema no sistema fez com que alguns modelos de smartphones tivessem seus relógios adiantados.

Comentário

Brasil

Chuva em BH provoca duas mortes e um desaparecimento

Publicado

dia

Em coletiva nesta sexta, Alexandre Kalil declarou: “o prefeito é culpado; não sabem como isso dói no coração do prefeito”

Prefeitura da cidade anunciou medidas para reduzir danos de chuvas

A forte chuva que atingiu Belo Horizonte no feriado de proclamação da República, nesta quinta-feira (15), causou duas mortes e um desaparecimento, além do desabamento de parte de uma casa. Todas as ocorrências foram registradas na região de Venda Nova.

As duas vítimas fatais foram encontradas em um carro levado pela enxurrada na Avenida Vilarinho, em Venda Nova. Cristina Pereira Matos, de 40 anos, e a sua filha Sofia Pereira, de 6, não conseguiram sair de um automóvel levado pela enxurrada. A principal hipótese é que tenham morrido afogadas.

Na mesma região, Anna Luísa Fernandes de Paiva Maria, de 16 anos, está desaparecida. Ela foi sugada por uma galeria da rede pluvial na Rua Doutor Álvaro Camargo.  Também em Venda Nova, parte de uma casa desabou no Jardim dos Comerciários. Cinco pessoas de uma família estavam no local, mas não sofreram ferimentos graves.

Em coletiva de imprensa nesta sexta, o prefeito da capital mineira, Alexandre Kalil (PHS) declarou: “o prefeito é culpado por duas mortes e uma pessoa desaparecida. Vocês não sabem como isso dói no coração do prefeito”.

A Prefeitura de Belo Horizonte divulgou nota com medidas para diminuir os alagamentos em Venda Nova, com a priorização de estudos para ampliar a macrodenagem da bacia do córrego Vilarinho, que corta o distrito.

Confira a nota da prefeitura de Belo Horizonte na íntegra:
Neste momento, a Prefeitura está priorizando a contratação de estudos de alternativas para ampliação da macrodrenagem da bacia do córrego Vilarinho. Desde 2017 foram feitos diagnósticos da bacia e estão em fase de orçamento, com previsão de licitação ainda este ano, os estudos para escolha da melhor solução técnica para o problema. A seguir vem a fase de detalhamento da solução escolhida e a viabilização das obras necessárias. Este ano também já foram licitadas na região de Venda Nova obras de tratamento de fundo de vale e controle de cheias no córrego do Nado – sub-bacias dos córregos Lareira e Marimbondo. Ao regular as cheias destes córregos, reduz-se a vazão do Córrego do Nado e melhora-se a vazão do Córrego Vilarinho. Além disso, foram intensificadas as ações de limpeza e desobstrução de bueiros na avenida e limpeza dos córregos e bacias de detenção na região.

Fonte: Portal Veja

 

Ver mais

Brasil

Governo prorroga por 180 dias apoio da Força Nacional em ações da PF

Publicado

dia

O ministro da Segurança Pública prorrogou o uso da Força Nacional em atividades de prevenção e repressão de delitos nas fronteiras nacionais

Soldado do Exército no Rio de Janeiro

Soldado do Exército no Rio de Janeiro

Brasília – O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, prorrogou por mais 180 dias o prazo para emprego da Força Nacional em apoio à Polícia Federal, nas atividades de prevenção e repressão aos delitos nas fronteiras nacionais, em caráter episódico e planejado.

A autorização para emprego da Força Nacional tinha sido dada no final de maio pelo mesmo prazo, que se encerraria agora no final de novembro. Com a Portaria, publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira, 16,, esse período fica estendido por mais 6 meses.

De acordo com a portaria, o contingente a ser disponibilizado obedecerá ao planejamento definido pelo Ministério da Segurança Pública. O prazo do apoio prestado pela Força Nacional poderá ser prorrogado, caso seja solicitado.

Fonte: Portal Exame

 

Ver mais

Brasil

Viaduto que cedeu na zona oeste de SP corre risco de desabar

Publicado

dia

Segundo secretário, piorou a situação do viaduto que cedeu próximo ao Parque Villa-Lobos na madrugada de quinta-feira, 15

Viaduto cede e interdita trânsito na Marginal Pinheiros, em São Paulo Reprodução/Youtube

Viaduto cede e interdita trânsito na Marginal Pinheiros, em São Paulo. 15 de novembro de 2018 

O secretário municipal de Infraestrutura e Obras, Vitor Aly, informou na manhã desta sexta-feira, 16, que piorou a situação de estabilidade do viaduto que cedeu próximo ao Parque Villa-Lobos e à Ponte do Jaguaré, na zona oeste de São Paulo, na madrugada de quinta-feira, 15.

De acordo com Aly, subiu o índice de criticidade da estrutura e há possibilidade de ruína. “Nós pedimos à Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) para diminuir a velocidade dos trens perto do viaduto que cedeu, porque está vibrando e fazendo com que as estruturas se movimentem”, disse ele.

Segundo o secretário, o processo de escoramento será acelerado para estabilizar a estrutura – e, após isso, dar seguimento aos trabalhos de segurança e recuperação do elevado.

Fonte: Portal Exame

 

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade