Nossa rede

Brasil

Deputados vão a Brumadinho, Guedes vai ao Rio: e agora Vale?

Publicado

dia

Comitê irá se reunir com a defesa civil e o gabinete de crise da cidade mineira. Pressão sobre a empresa só faz crescer

Operação da Vale em Brumadinho (MG): senadores protocolaram ontem pedido de criação de CPI para apurar rompimento de barragem (/)

A Comissão externa da câmara dos deputados criada para acompanhar os desdobramentos do rompimento da barragem daVale em Brumadinho irá realizar uma visita técnica à cidade nesta sexta-feira, 8. Comandado pelo deputado Federal Zé Silva (Solidariedade-MG), o comitê irá se reunir com bombeiros locais, com a defesa civil e com o gabinete de crise de Brumadinho para vistoriar o local da tragédia que completa 15 dias nesta sexta-feira. Até ontem, a defesa civil do Estado de Minas Gerais já havia contabilizado 157 mortes.

Além do coordenador Zé Silva (SD-MG) e do relator Júlio Delgado (PSB), a comissão conta, até agora, com outros 18 deputados. Destes, pelo menos cinco devem ir a Brumadinho: Áurea Carolina (PSOL-MG); Greyce Elias (Avante-MG); Elcione Barbalho (MDB-PA); André Janone (Avante-MG) além do próprio deputado Zé Silva (SD-MG).

“O objetivo é estar junto de todos os órgãos estaduais e federais que estão cuidando do desastre, colocando a comissão aberta a receber as informações que foram levantadas até agora sobre as possíveis causas da tragédias”, diz Zé Silva. “Nossa maior expectativa é ter uma nova legislação que não permita que  tragédias como essa ocorram novamente”.

Segundo o deputado, neste semestre estão previstas audiências públicas com representantes da Vale além da revisão de algumas leis, em especial a que trata da Política Nacional de Segurança de Barragens.  “O objetivo é rever a legislação que já existe e fazer novas legislações que permitam punir os responsáveis pelo acidente e garantir a indenização às vítimas”, diz.

Ontem, os Senadores do PSD Otto Alencar (BA) e Carlos Viana (MG) protocolaram um pedido de CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) sobre o rompimento em Brumadinho no Congresso. O texto que foi enviado ao congresso, segundo seus idealizadores, não possui o objetivo de punir os responsáveis pela tragédia, mas sim de criar mecanismos para uma nova legislação sobre a segurança em barragens no Brasil.

As responsabilidades da empresa, e suas respostas ao rompimento, estão sob escrutínio em várias frentes. Hoje, o ministro da Economia, Paulo Guedes, vai ao Rio para uma reunião com o presidente da Vale, Fábio Schvartsman. Depois de ensaiar uma intervenção na empresa, forçando a mudança de diretoria via fundos de pensão, o governo voltou atrás na estratégia. Mas suas movimentações têm sido acompanhadas de perto.

Em outra frente, moradores de Brumadinho se revoltaram esta semana contra a Vale em uma reunião feita com representantes da empresa. Cerca de 450 pessoas se reuniram com funcionários da companhia para fazer pedidos emergenciais. Os moradores pediram o pagamento mensal de um salário mínimo para cada adulto atingido, além do reembolso para produtores rurais que perderam suas lavouras com a tragédia. A empresa se negou a aderir às demandas, o que gerou revolta por parte dos moradores e necessitou da intervenção da polícia militar.

Na quinta-feira, vale lembrar, o governo mineiro determinou o fechamento de mais duas barragens da empresa, o que fez as ações da mineradora caírem 5% na quarta-feira. Entre investidores, governo federal, governo estadual, Congresso e moradores, a Vale deve continuar vivendo dias de pressão. Fonte Exame

 

Comentário

Brasil

Ex-secretário da Casa Civil do Rio, Régis Fichtner é preso pela PF

Publicado

dia

Fichtner é acusado de receber propinas no valor de R$ 1,5 milhão enquanto estava no comando da Casa Civil, de 2007 a 2014

Régis Fichtner durante a Operação C’Est Fini, quando foi preso em novembro (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Policiais federais prenderam hoje (15) o ex-secretário estadual da Casa Civil Régis Fichtner, que chefiou a pasta durante a gestão de Sérgio Cabral. Ele é acusado de receber propinas no valor de R$ 1,5 milhão enquanto estava no comando da Casa Civil, de 2007 a 2014.

Também foi preso o coronel da Polícia Militar Fernando França Martins – acusado de fazer operações financeiras para o ex-secretário. Fichter já havia sido preso em novembro de 2017, durante a Operação C’Est Fini, mas foi solto.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), a nova prisão preventiva foi motivada pelo fato de que, segundo os procuradores da República que integram a força-tarefa da Operação Lava Jato no Rio, Fichtner ainda tem patrimônio ocultado e há indícios de sua atuação para destruir provas.

Ainda de acordo com o MPF, Fichtner era figura central na área administrativa da organização criminosa, supostamente chefiada por Cabral. Os procuradores afirmam que, como chefe da Casa Civil, ele era o responsável por articular os atos de governo mais importantes, “usando de sua habilidade jurídica para buscar saídas minimamente defensáveis”.

A partir dessa posição, ele pode ter feito diversas manobras em favor dos demais membros da organização criminosos, afirma o MPF.

As investigações apontaram ainda que o coronel Fernando França Martins é o responsável por recolher parte da propina recebida pelo ex-secretário. Em informações bancárias, entre 2014 e 2016, houve transferência na ordem de R$ 725 mil do ex-secretário ao coronel.

Fonte Exame

 

Ver mais

Brasil

Polícia apreende bens de milícia do Rio avaliados em R$ 5 milhões

Publicado

dia

Considerada a maior milícia em ação no Rio de Janeiro, a Liga da Justiça tem como base os bairros da zona oeste da cidade

Rio de Janeiro: viaturas da Polícia Civil (Divulgação/Wikimedia Commons)

A Secretaria de Estado de Polícia Civil (Sepol) apreendeu nesta quinta-feira (14), em operação destinada a desarticular Liga da Justiça, quatro imóveis avaliados em cerca de R$ 5 milhões, além de dinheiro e joias.

Considerada a maior milícia em ação no Rio de Janeiro, a Liga da Justiça tem como base os bairros da zona oeste da cidade. A Operação Volante foi realizada pelo recém-criado Departamento Geral de Combate a Corrupção, ao Crime Organizado e a Lavagem de Dinheiro.

Foram cumpridos 11 do 20 mandados de prisão expedidos pela Justiça, mas 10 dos investigados já estavam presos. Um dos presos, Márcio Gomes da Silva, que é ligado ao grupo criminoso, foi localizado em casa, no município de Itaguaí, região metropolitana do Rio. A operação visava cumprir mandados de prisão em vários pontos da capital e da Baixada Fluminense.

O subsecretário de Planejamento e Integração Operacional da Polícia Civil, delegado Fábio Barucke, disse que o objetivo mais importante, que era o sequestro dos bens dos membros da milícia, foi atingido.

“Esse é nosso novo foco, que visa a atender uma política de governo, determinada pelo governador Wilson Witzel, que é o lado financeiro da quadrilha”, afirmou Barucke.

Dois dos líderes da milícia, Wellington da Silva Braga (Ecko) e o irmão dele, Luis Antonio da Silva Braga (Zinho), não foram localizados. O delegado destacou ainda a apreensão de cerca de R$ 125 mil em espécie, além de joias, que foram encontrados na casa de Zinho, em um condomínio de luxo no Recreio dos Bandeirantes. O imóvel é avaliado em mais de R$ 1,5 milhão.

As investigações apontaram Zinho como responsável pela lavagem de dinheiro da organização criminosa. Com base em provas colhidas durante o inquérito, os policiais apuraram que alguns integrantes da quadrilha adquiriram bens imóveis usando dinheiro proveniente de crimes como extorsão e venda ilegal de sinal de TV a cabo e de botijões de gás de cozinha, entre outros.

A diretora do Departamento Geral de Combate à Corrupção, ao Crime Organizado e à Lavagem de Dinheiro da Polícia Civil, Patrícia Alemany, disse que os investigados são os proprietários desses imóveis sequestrados, avaliados entre R$ 800mil e R$ 1,5 milhão, localizados nos bairros de Campo Grande e Recreio dos Bandeirantes e nos municípios de Seropédica e Itaguaí, não apresentaram justificativa financeira compatível com esse patrimônio imobiliário.

Fonte Exame

 

Ver mais

Brasil

Em blitz contra ataques do PCC, polícia de SP prende 326 pessoas

Publicado

dia

Foram 3.362 pontos de bloqueios no estado; policiais militares fizeram mais de 66 mil 

Polícia Militar: 326 pessoas foram presas em blitz montadas em pontos tidos como “estratégicos” de todo o estado (PMSP/Divulgação)

São Paulo – Da manhã de quarta-feira, 13, até a madrugada desta quinta-feira, 14, 326 pessoas foram presas pela Polícia Militar em blitz montadas em pontos tidos como “estratégicos” de todo o estado para evitar ataques em decorrência da transferência de Marco Williams Herbas Camacho, o Marcola, e outros 21 líderes da facção Primeiro Comando da Capital (PCC) da Penitenciária 2 de Presidente Venceslau, no interior de São Paulo, para três presídios federais.

Foram 3.362 pontos de bloqueios no Estado. Os agentes fizeram mais de 66 mil abordagens, de acordo com balanço publicado nesta quinta-feira pela Secretaria Estadual de Segurança Pública; 33 mil veículos foram vistoriados.

Nesses pontos de bloqueio, a PM decidiu prender 226 pessoas praticando diversos ilícitos, como porte de drogas (97 quilos foram apreendidos, além de 16 armas e 64 carros com queixa de roubo). Além disso, 100 pessoas com mandado de prisão expedidos foram localizadas e capturadas.

A ação preventiva continua nesta quinta-feira. “As equipes permaneceram em locais estratégicos, apontados pelo serviço de inteligência da PM, para sufocar possíveis ações de criminosos. Houve reforço do policiamento em rodovias, terminais de ônibus e aeroportos”, informa a secretaria, por meio de nota.
Fonte Exame
Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade