Nossa rede

Brasil

Conflito entre facções deixa cinco mortos na fronteira com o Paraguai

Publicado

dia

Mortes ocorreram na área fronteiriça do Mato Grosso do Sul com o país vizinho, nas regiões de Ponta Porã e Maracaju

Armas, coletes e outros artefatos foram apreendidos em operações na fronteira do Brasil com o Paraguai (Dirección de Investigacion de Hechos Punibles/Divulgação)

Cinco pessoas, entre elas o diretor de uma rádio e um policial militar, foram mortas entre a noite de sábado, 9, e a madrugada deste domingo, 10, em cidades da fronteira do Brasil com o Paraguai. Conforme as polícias brasileira e paraguaia, as mortes podem ter relação com a disputa pelo controle do tráfico de drogas na região por facções criminosas brasileiras. No primeiro caso, três pessoas foram executadas a tiros de fuzil na divisa entre a cidade paraguaia de Pedro Juan Caballero e Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul.

De acordo com a polícia paraguaia, pistoleiros em uma caminhonete branca bloquearam o automóvel em que estavam as vítimas e fizeram dezenas de disparos. O paraguaio Julio Cesar Ortiz Ferreira, de 40 anos, diretor da rádio Tupi FM, de Pedro Juan; o brasileiro Alessandro Nunes de Moura, de 20 anos, estudante de engenharia civil, e o adolescente G.Z.M, de 16 anos, também brasileiro, morreram no local. Um deles tentou fugir, mas foi perseguido e alvejado com disparos de fuzil calibre 7.62.

Segundo a Divisão de Homicídios da Polícia Nacional em Pedro Juan Caballero, as execuções podem ter relação com um ajuste de contas entre facções criminosas que atuam na fronteira. Na manhã deste domingo, 10, dois suspeitos foram presos numa casa, na colônia Potreroi, a 15 km da fronteira, com um fuzil calibre 7.62, uma escopeta calibre 12, roupas camufladas, coletes à prova de balas, carregadores, munição e uma caminhonete Hilux branca.

Na madrugada deste domingo, 10, o policial militar Jucilei Rocha Professor, de 25 anos, foi executado com cinco tiros no centro de Maracaju, cidade da região de fronteira, em Mato Grosso do Sul. O PM estava numa lanchonete com a namorada e amigos, quando uma moto com duas pessoas parou em frente ao local. O garupa desceu e, sem tirar o capacete, foi até o policial e o atingiu com vários tiros nas costas e na cabeça. A dupla fugiu. Conforme a PM, suspeitos presos pelo crime disseram que o policial tinha sido jurado de morte pelo Primeiro Comando da Capital (PCC).

Durante as buscas na região, com apoio do Departamento de Operações de Fronteira (DOF), Marcos Maciel Benites, de 21 anos, suspeito de ter cedido a moto para o ataque ao policial, foi morto em confronto com policiais do Batalhão de Choque. Outros dois suspeitos foram presos. Um deles, que se disse integrante do PCC, se apresentou à polícia acompanhado por dois advogados. Houve ainda outras duas prisões feitas pela Polícia Civil, mas a participação dos suspeitos no crime ainda é investigada.

Fonte Veja

 

Comentário

Brasil

Governo do Estado do RJ vai assumir administração da Marquês de Sapucaí

Publicado

dia

Localizado no centro da cidade, o Sambódromo do Rio de Janeiro recebe os desfiles do Grupo Especial, escolas da Série A e das escolas mirins

Após meses de debate, a administração do Sambódromo do Rio de Janeiro será de responsabilidade do Governo do Estado a partir de 2020. Em nota à imprensa, a assessoria de comunicação do governo estadual informou que o acerto com a Prefeitura, atual gestora, aconteceu na noite da última terça-feira (16).

Em junho, o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, e o governador, Wilson Witzel, já haviam antecipado que haveria uma parceria entre estado e Prefeitura no Sambódromo. Na época, também foi levantada a possibilidade de concessão do espaço à iniciativa privada.

O Sambódromo do Rio de Janeiro fica localizado no centro da cidade, na Avenida Marquês de Sapucaí, que é percorrida pelas escolas de samba. Além dos desfiles do Grupo Especial, escolas de samba da Série A e das escolas mirins, além de ensaios técnicos e apuração das notas dos jurados acontecem no espaço. Ao longo do ano, shows e eventos também são realizados na Praça da Apoteose.

Ainda em nota, o Governo afirmou que os detalhes sobre a gestão do espaço serão divulgados nos próximos dias. Foi adiantado que a ideia é de que o Sambódromo continue sendo usado o ano todo, em outros eventos, e não apenas para os desfiles de Carnaval.

*Com informações da Agência Brasil

 

Ver mais

Brasil

Ponte Santos-Guarujá terá pedágio e balsas devem ser privatizadas, diz secretário de Logística e Transportes

Publicado

dia

Proposta da concessionária Ecovias é interligar duas margens do Porto de Santos

O secretário de Logística e Transportes do Estado de São Paulo, João Octaviano Machado Neto, afirmou, nesta quarta-feira (17), que a construção da Ponte Santos-Guarujá, no litoral de São Paulo, não utilizará recursos públicos. Em entrevista ao Jornal da Manhã, ele esclareceu que todo o processo será coordenado pela Ecovias, que é a concessionária responsável pelo sistema Anchieta-Imigrantes.

“O projeto da ponte está dentro da área de concessão da Ecovias, responsável pelo sistema Anchieta-Imigrantes, e será feito dentro do prazo da concessão. Dessa forma, a construção não implicará no uso de recursos públicos, ficando sob integral responsabilidade privada da concessionária”, disse.

Apesar de não gastar recursos do Estado, a privatização da obra tem um preço: será cobrado pedágio aos usuários, o que, segundo Neto, é algo “bastante razoável para se manter uma estrutura de qualidade operando”. O secretário ressaltou que a ponte é uma demanda antiga da população local e que somará esforços logísticos com a região, apresentando uma “excelente alternativa ao cidadão da baixada santista” para fazer a ligação seca entre as cidade.

A obra custará R$ 2,9 bilhões à Ecovias e, de acordo com Neto, demorará 36 meses, a partir de sua liberação – que deve acontecer em outubro – para ficar pronta. “O prazo se deve a complexidade da obra, de não interferir nas atividades do Porto de Santos e de cumprir todas as medidas necessárias para a preservação do meio ambiente”, explicou.

E as balsas?

Atualmente, a ligação entre Santos e Guarujá acontece por meio do sistema de balsas que, segundo o secretário, não vai acabar mesmo depois da conclusão da ponte. “As balsas vão continuar operando, elas têm um papel importante na mobilidade urbana viária das cidades. O que estamos fazendo é, por determinação do governador João Doria, pensar em privatizar esse sistema.”

Ele ressaltou que, enquanto a privatização não acontece, o foco é melhorar a situação do transporte, que atualmente “tem problemas grandes e graves de manutenção.” “Estamos trabalhando para, até o final do ano, operarmos com pelo menos sete balsas, o que vai resolver bastante o tempo de espera dos moradores e melhorar a qualidade da travessia”, disse.

Ver mais

Brasil

MPF pede remoção de famílias do entorno de barragem prestes a romper no interior de SP

Publicado

dia

O Ministério Público Federal acionou a Justiça para que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e o governo federal realizem obras de esvaziamento e restauração em uma barragem de Iaras, no interior de São Paulo.

Na ação civil pública ajuizada, o MPF pede também que a Justiça determine a remoção imediata das famílias que seriam diretamente atingidas se a estrutura cedesse. O reservatório fica no assentamento rural Zumbi dos Palmares e está em condição de abandono.

O risco de rompimento da represa foi constatado por técnicos do Departamento de Águas e Energia Elétrica de São Paulo (Daee) em outubro do ano passado. De acordo com o laudo, todas as ações para garantir a segurança da estrutura custariam em torno de R$ 1,9 milhão.

Segundo o Incra, a ausência de manutenção da represa é decorrente da falta de recursos. O órgão alega, inclusive, não dispor nem mesmo dos R$ 261,5 mil necessários para o esvaziamento da barragem, solução mais barata para resolver o problema.

Até agora, no entanto, as únicas intervenções na estrutura foram realizadas pontualmente pela Prefeitura de Iaras.

A barragem em Iaras tem cerca de 400 metros de extensão e espelho d’água de 240 mil m². Este é apenas um dos milhares de reservatórios sob responsabilidade do Incra que, segundo informações do Tribunal de Contas da União, estão abandonados em todo o país.

 

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade