Nossa rede

Cultura

Cineclube do DF exibe filmes de terror brasileiros dirigidos por mulheres

Publicado

dia

Cine Cleo exibe dois curtas e um longa-metragem nesta quinta (19) no Teatro Dulcina de Moraes. Haverá debate após sessão.

A primeira mulher a dirigir um longa-metragem de horror no Brasil foi Cleo de Verberena (1909- 1972), com “O mistério do dominó preto”, de 1930. Empoderar-se do espaço tradicionalmente ocupado por homens pode ser o terror da ala masculina, mas, nesta quinta-feira (19), o clima de tensão vai promover o debate.

Debate promovido pelo Cine Cleo no Teatro Dulcina de Moraes sobre cinema produzido por mulheres (Foto: Thaís Mallon/Divulgação)

Três filmes de horror dirigidos por brasileiras serão exibidos a partir das 19h no Cine Cleo, na Faculdade de Artes Dulcina de Moraes. Em seguida, haverá um debate sobre o gênero e a participação das mulheres na indústria do audiovisual.

As histórias não perpassam o mundo feminino e tampouco as causas feministas, mas trazem o olhar de mulheres sobre isolamento, solidão, ansiedade social e morte.

“Não tem tanta diferença do horror feito por homens, mas os olhares são outros”, explicou a cineasta e idealizadora do projeto Natália Pires. “As mulheres lidam com o medo de outras formas, isso nos acompanha diariamente.”

Cena do filme “A mão que afaga”, de Gabriela Amaral (Foto: A mão que afaga/YouTube/Reprodução)

Mesmo assim, a produtora aposta que a presença delas no gênero vai deixar o público admirado. “Eu acho que as pessoas vão se surpreender, porque, infelizmente, a gente associa filmes feitos por mulheres com o que se considera femino”, disse Natália.

“Estudos mostram que o papel da mulher no cinema está, geralmente, associado a um homem. Há sempre um relacionamento, uma tentiva de encontrar o par ideial e características consideradas femininas.”

Os filmes exibidos são:

“A casa de Cecília”, de Clarissa Appelt
Coisas assustadoras acontecem na casa da protagonista enquanto ela está sozinha.

Cena do filme “A casa de Cecília”, de Clarissa Appelt (Foto: A casa de Cecília/Divulgação)

“O duplo”, de Juliana Rojas
Uma professora passa a ver um fantasma de si mesma depois que um aluno diz que este “duplo” a acompanha.

Cena do filme “O duplo”, de Juliana Rojas (Foto: O duplo/Divulgação)

“A mão que afaga”, de Gabriela Amaral
Um operadora de telemarketing passa por experiências estranhas ao comemorar o aniversário de 7 anos do filho.

Cena do filme “A mão que afaga”, de Gabriela Amaral (Foto: Matheus Rocha/Divulgação)

Por e para mulheres

O protagonismo feminino é o cerne do Cine Cleo, criado em outubro do ano passado por diretoras, pesquisadoras, atrizes, produtoras e técnicas de audiovisual. Com frequência quinzenal, o cineclube ocorre todas as quintas-feiras e aborda temas de interesse social e de gênero.

“Aqui se vê muitos filmes que estão fora do circuito tradicional. Mas acho que a parte mais legal vem depois, com o debate. Ali, nós aprofundamos as questões. É um espaço de escuta e de reflexão”, disse a idealizadora Natália Pires.

Idealizadoras e produtoras do cineclube “Cine Cleo” que ocorre quinzenalmente no Teatro Dulcina de Moraes, em Brasília (Foto: Ivan Viana/Divulgação)

“Tem muitos filmes que abordam o feminismo, que é um assunto ainda muito latente, apesar de ser uma luta antiga. Mas tem muitos filmes que não, que abordam simplesmente um ponto de vista, que é de uma mulher.”

Já passaram pelo Cine Cleo assuntos como maternidade, velhice, cinema feito por mulheres negras e filmes com mulheres na direção de fotografia. Segundo Natália, ainda vem por aí a produção feminina no Distrito Federal – mas sem data marcada.

Comentário

Cultura

Saia de casa: Confira a programação cultural para esta semana

Publicado

dia

Festas pré-carnaval e o último fim de semana do festival V.I.V.A. são alguns dos destaques

Sensação do momento, Vitor Kley anima o último fim de semana do festival V.I.V.A
(foto: Be Chance/Divulgação)

Blue eyes

Sucesso no ano passado, o Projeto Tributos no Teatro dos Bancários (314/315 Sul) chega à segunda edição em 2019, nesta sexta, às 21h. O primeiro homenageado será Frank Sinatra. O responsável por cantar e contar a fascinante história do cantor será Helcio Hime. No espetáculo Frankamente Sinatra, o brasileiro reinterpretará clássicos como New York, New YorkStrangers in the night e Let me try again, e cada versão ganha uma roupagem diferente da clássica. A apresentação não é recomendada para menores de 14 anos, e os ingressos custam R$ 60 e R$ 30 (meia-entrada).

Que venha a folia!

O clima de carnaval está esquentando. Na sexta, o Bloco Jamaicano é a atração do Setor Comercial Sul, com muito reggae e vertentes do gênero como ska e rocksteady, a partir das 21h. Entrada é franca. No sábado, quem desfila é o tradicional Suvaco da Asa, homenageando a Orquestra Popular Marafreboi. O evento começa às 10h e a entrada é franca. Fechando o pré-carnaval desta semana, no domingo, será a vez do bloco Maria vai casoutras, trazendo muita folia para o público a partir das 15h. A entrada é franca. O Bloco Jamaicano não é recomendado para menores de 18 anos. O Suvaco da Asa e Maria vai casoutras têm classificação indicativa livre.

Dois em um

O Espaço Cultural Renato Russo (508 Sul) vai receber duas peças em um só espetáculo. É a OperATA, do diretor Hugo Rodas. O primeiro ato, Punaré & Baraúna, é um musical sertanejo sobre um triângulo amoroso. Já o segundo ato, Ensaio geral, apresenta o amor celebrado em colagens de textos, com estética inspirada na juventude e em grafites. As apresentações serão sexta e sábado às 20h; domingo, às 19h. Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia entrada). Não recomendado para menores de 16 anos.

De bom humor com os 30

Entre improvisos e interações com a plateia, André Santi compartilha com o público a percepção bem-humorada do que os 32 anos de vida lhe mostraram. Cheguei vivo aos 30 é o segundo espetáculo no formato stand-up comedy do comediante, youtuber, ator e músico. Ele se apresenta sábado, às 21h, no Teatro de Águas da Caesb (Av. Sibipiruna, Águas Claras; 3213-7204). Ingressos à venda no site ingressodigital.com por R$ 60 (inteira) e R$ 30 (meia-entrada). Não recomendado para menores de 14 anos.

Pagode ao pôr do sol

Um dos principais grupos de pagode do Brasil, o Sorriso Maroto se apresenta no Yurb (SCES tc. 2). A nova fase da turma tem Bruno Cardoso de volta aos vocais. A festa começa a tempo de pegar o pôr do sol: os portões se abrem às 16h neste sábado. O camarote custa R$ 120 (valor de pré-venda) e a frente do palco custa R$ 60. Não recomendado para menores de 18 anos.

Para rir e relembrar

Sábado, o público brasiliense pode conferir a apresentação de um personagem da célebre Escolinha do Professor Raimundo, nos tempos de Chico Anysio, o Zé Lezin, no espetáculo As melhores do Zé Lezin. A apresentação, que promete muito humor e boas risadas, será no Teatro Unip (913 Sul, cj B; 99677-3027), às 21h. Ingressos: R$ 140 (inteira) e R$ 70 (meia-entrada). Assinantes do Correio têm 60% de desconto no valor da inteira. A classificação indicativa do evento é livre.

Fim da festa

Sensação do momento, o cantor gaúcho Vitor Kley promete animar os brasilienses no quarto e último fim de semana do festival V.I.V.A. A apresentação será no domingo, das 16h à 0h. Com muita diversão à beira do lago, o público poderá cantar O sol e Morena, dois dos principais hits do músico. Além de Vitor, o DJ Shark, famoso pelos seus remixes de hip-hop, também será atração na Orla do Clube Ases (SCES, Tc. 2). O show não é recomendado para menores de 16 anos e os ingressos estão sendo vendidos a partir de R$ 41 (meia-entrada). Meia-entrada para os beneficiários por lei, sócios do Clube da Ases ou mediante doação de 1kg de alimento.

Fonte Correio Braziliense

 

Ver mais

Cultura

Espetáculo ‘Os Três Porquinhos’ é encenado em Caruaru

Publicado

dia

Apresentação vai contar de forma lúdica a história de três porquinhos

Apresentação vai contar de forma lúdica a história de três porquinhos

No domingo (10), será realizado em Caruaru, no Agreste de Pernambuco o espetáculo ‘Os Três Porquinhos’, da Trupe Veja Bem Meu Bem. A apresentação vai contar de forma lúdica a história de três porquinhos que decidiram fugir do seu fazendeiro, após descobrirem que iriam para a panela. Durante o percurso os porquinhos aprendem lições de respeito e amizade com muita diversão.

O espetáculo começa as 16h, mas as 15h a trupe vai promover brincadeiras com todas as crianças. Os interessados podem adquirir os ingressos na loja Salamandra, no segundo piso do shopping Difusora ou pelo perfil da trupe no Instagram.

Serviço:
Espetáculo Os Três Porquinhos
Data: 10 de fevereiro
Hora: a partir das 15h
Local: Teatro Rui Limeira Rosal (Sesc Caruaru).

Fonte: G1

Ver mais

Cultura

Adaptação do espetáculo ‘Gota d’água’, de 1975, chega a Brasília

Publicado

dia

A peça ‘Gota d’água [a seco]’, de Rafael Gomes, condensa a história original na relação do casal Joana e Jasão. Meia-entrada custa R$ 35.

Foto: Elisa Mendes/Divulgação

Após quase dois anos da estreia no Rio de Janeiro, o espetáculo “Gota d’água [a seco]”, de Rafael Gomes, chega a Brasília para três apresentações entre esta sexta-feira (8) e domingo (10). A meia-entrada custa R$ 35.

A peça é uma adaptação do texto poético de Paulo Pontes e Chico Buarque de Holanda, encenado pela primeira vez em 1975, no Teatro Tereza Raquel, no Rio de Janeiro.

A atriz Laila Garin durante o espetáculo "Gota D'Água [a seco]", de Rafael Gomes — Foto: Elisa Mendes/Divulgação

A atriz Laila Garin durante o espetáculo “Gota D’Água [a seco]”, de Rafael Gomes — Foto: Elisa Mendes/Divulgação

Na época, o contexto político do Brasil era a ditadura e a dramaturgia se valeu das divergências políticas, ultrapassando a censura. Agora, o cenário é democrático, mas volátil.

Desde 2016, o espetáculo passou pelo impeachment de uma presidente de esquerda, por um governo interino impopular e pela ascensão da extrema direita. “Cada vez que encenamos a peça, ela se insere em um contexto político diferente”, disse a atriz Laila Garin, que interpreta a personagem Joana.

O ator Alejandro Claveaux e a atriz Laila Garin durante o espetáculo "Gota D'Água [a seco]", de Rafael Gomes  — Foto: Elisa Mendes/Divulgação

O ator Alejandro Claveaux e a atriz Laila Garin durante o espetáculo “Gota D’Água [a seco]”, de Rafael Gomes — Foto: Elisa Mendes/Divulgação

“E cada um que assiste ao espetáculo responde de uma forma. Tem gente que se liga mais à história de amor, traição e abandono, mas tem gente que se apega às questões políticas.”

A atriz Laila Garin durante o espetáculo "Gota D'Água [a seco]", de Rafael Gomes — Foto: Elisa Mendes/Divulgação

A atriz Laila Garin durante o espetáculo “Gota D’Água [a seco]”, de Rafael Gomes — Foto: Elisa Mendes/Divulgação

Seja em 1975 ou agora, a origem de ambos os roteiros remonta a quatro séculos antes de Cristo, com a tragédia grega “Medeia”, de Eurípedes. A diferença essencial é que Rafael Gomes condensa a história na relação do casal principal: Joana e Jasão. Por isso o termo “a seco”.

A escolha, porém, não fez do espetáculo mero romance. Os fatores são intrínsecos ao texto, segundo Laila Garin. “A gente fala de um homem que traiu e abandonou a mulher para se casar com outra por interesse, por ambição. Enquanto isso, Joana não faz conchavos para conseguir o que quer.”

“A peça é uma discussão ética, porque todo mundo tem um pouco de Joana e de Jasão.”

A enxugada que “Gota d’água [a seco]” propõe também se vê no cenário e nos figurinos. “Não é nada realista, naturalista. As estruturas te lembram prédios, casas, mas são só os ferros. Os sentimentos é que são reais”, disse Laila.

Por outro lado, o diretor acrescentou três músicas que não faziam parte da dramaturgia original: “Eu te amo”, “Baioque” e “Cálice”, todas de Chico Buarque. O espetáculo recebeu 13 prêmios, sendo seis de melhor atriz para Laila Garin.

Programe-se

“Gota d’água [a seco]”
Data: 8, 9 e 10 de fevereiro
Hora: 20h (sexta e sábado) e 19h (domingo)
Local: Teatro Unip – SGAS, Quadra 913, Conjunto B
Ingresso: R$ 35 a meia-entrada
Classificação indicativa: 14 anos

Fonte: G1

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade