Nossa rede

Brasília

Chuvas podem até chegar, mas calor vai continuar por mais tempo

Publicado

dia

foto_22102015082331

DF bateu recorde histórico de calor neste mês de outubro

O calor promete castigar a vida dos brasilienses pelo menos até a próxima semana. A afirmação vem do  Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) que ainda explicou que a umidade relativa do ar deve chegar a 10%, situação que deixa todo o estado de Goiás e do Distrito Federal em estado de Alerta. Apesar das altas temperaturas e baixas umidades, a tendência é que no fim do mês comece a chover na capital federal.

De acordo com a meteorologista do Inmet, Ingrid Peixoto, o mês de outubro está sendo marcado por quebra de recordes de temperatura no Distrito Federal. “No dia 19 tivemos a maior temperatura mínima registrada no mês de outubro desde 1963 quando tivemos 22,8ºC. Depois tivemos, no dia 18, a maior temperatura máxima registrada, agora na série de meses, também desde os anos 60, de 36,4ºC”, disse.

Ainda segundo a meteorologista, a tendência é que o calor e baixa umidade continuem até a próxima semana. “ Teremos ainda muito sol e tempo seco pelo menos até quinta-feira, quando poderemos observar uma mudança no padrão com a entrada de umidade vinda da região amazônica junto com a chegada de uma frente fria vinda do sudeste. Esse cenário irá culminar em pancadas de chuvas, juntamente com trovoadas, em áreas isoladas da região. Acreditamos que as chuvas, estão dentro do padrão normal e tendem a se intensificar no fim de novembro e dezembro. ”, finalizou.

O professor de geografia e especialista na área de climatologia, Fábio Goulart listou possíveis fatores que podem causar o aumento da temperatura no DF. “Falar desse assunto de aumento na temperatura é muito complexo. Mas acredito que posso listar dois grandes fatores que contribuem para o aumento dessas temperaturas que são o El niño e o desmatamento. Sabemos que o nosso clima é influenciado pela entrada de umidade advinda da região norte e, por causa do desmatamento estamos tendo, cada vez mais, menores índices nessas entradas. Podemos ver que a cada 10 anos a temperatura aumenta cerca de 1º e isso é alarmante”, explicou.

Comentário

Política BSB

Os 300 milhões de reais de Eunício

Publicado

dia

Dinheiro devolvido ao erário

De saída (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Eunício Oliveira aproveitará a reta final à frente do Congresso para bater bumbo sobre sua gestão. Ele anunciará, por exemplo, que o Senado devolveu ao Tesouro 303 milhões de reais nos últimos dois anos: 203 milhões em 2017 e o restante ao longo de deste ano. Fonte: Portal Veja

Ver mais

Política BSB

O ponto onde Bolsonaro e os independentes se encontram

Publicado

dia

Quase todos contra Renan Calheiros

Sonhando em voltar ao comando (Evaristo Sá/AFP)

Um projeto une Jair Bolsonaro a quinze senadores que se autointitulam independentes: impedir Renan Calheiros de voltar à presidência do Senado.

A depender dos primeiros capítulos da próxima legislatura, se não surgirem alternativas, há a possibilidade de parlamentares de PDT, Rede, PSB (os tais independentes) apoiarem David Alcolumbre (DEM), até aqui, o preferido do futuro governo para comandar a Casa.

Entretanto, no bloco pluripartidário, capitaneado por Randolfe Rodrigues e Cid Gomes, ainda há resistências importantes a Alcolumbre. O próprio Cid não curte a ideia de fechar com o quadro do DEM. Fonte: Portal Veja

Ver mais

Política BSB

MPF recorre contra sentença de Gabriela Hardt

Publicado

dia

Juíza substituta de Sergio Moro tem sentença constestada

Gabriela Hardt: sentença contestada pelo MPF (//Reprodução)

O Ministério Público Federal recorreu contra a sentença da juíza Gabriela Hardtna ação penal que investigou pagamento de propina nas obras do Complexo Petroquímico Suape, em Pernambuco.

Segundo a sentença da magistrada, a Odebrecht pagou R$ 32,5 milhões em propinas a ex-executivos da Petrobras e da Petroquisa.

Entre os condenados estão Rogério Santos de Araújo, ex-diretor da Odebrecht, Olívio Rodrigues Junior, doleiro, Isabel Izquierdo, representante do Banco Société Générale, e Maurício de Oliveira Guedes, ex-gerente da Petrobras.

Hardt é juíza substituta da 13ª Vara da Justiça Federal do Paraná. Ela assumiu as ações da Lava-Jato após a saída de Sergio Moro, que comandará o Ministério da Justiça e Segurança Pública. Fonte: Portal Veja

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade