Nossa rede

É Destaque

Bolsonaro tem embate tenso com Renata Vasconcellos no Jornal Nacional

Publicado

dia

Candidato falou de diferença de salário entre William Bonner e Renata Vasconcellos e ela disse que “meu salário não diz respeito a ninguém”

Jair Bolsonaro, candidato à Presidência pelo Partido Social Liberal (PSL), protagonizou um embate com Renata Vasconcellos nesta terça-feira (28) no Jornal Nacional.

O candidato foi questionado pela jornalista sobre declarações anteriores em que minimizou a importância da desigualdade salarial entre homens e mulheres.

Bolsonaro perguntou primeiro se ela tinha “lido, vido ou ouvido” essa declaração. Ela disse que “viu e ouviu” e ele retrucou: “Me desculpe, a senhora não ouviu”.

O candidato levantou a questão de Renata supostamente receber menos que Bonner apesar deles serem ambos âncoras do jornal:

“Temos aqui uma senhora e um senhor, não sei ao certo, mas com toda certeza há uma diferença salarial aqui, parece que é muito maior pra ele que para a senhora”. Renata negou que o foco fosseo foco colocado sobre ela:

“Eu poderia até como cidadã e como qualquer cidadão brasileiro fazer questionamentos sobre seus proventos porque o senhor é um funcionário público há 27 anos e eu como contribuinte ajudo a pagar o seu salário. O meu salário não diz respeito a ninguém e eu posso garantir ao senhor, como mulher, que eu jamais aceitaria receber um salário menor de um homem que exercesse as mesmas funções e atribuições que eu”. O candidato retrucou que a Globo recebe milhões de propaganda oficial.

Apesar de ambos os jornalistas exercerem a função de âncoras do jornal, Vasconcellos é editora-executiva e Bonner é editor-chefe, cargos hierarquicamente diferentes.

O candidato também foi questionado sobre sua homofobia, seu recebimento de auxílio-moradia, seu possível ministro Paulo Guedes, direitos trabalhistas e declarações do seu vice sobre intervenção militar.

A já tradicional série de sabatinas, que começou nesta segunda-feira com Ciro Gomes (PDT), continua com Geraldo Alckmin na quarta-feira (29) e Marina Silva na quinta-feira (30).

A ordem foi determinada por sorteio e foram convidados, segundo a emissora, “os principais candidatos da pesquisa da semana anterior que estejam aptos para estar presencialmente no estúdio”.

Isso já exclui, por definição, o candidato líder nas pesquisas: Luís Inácio Lula da Silva, do Partido dos Trabalhadores, que está preso desde abril.

Todos os candidatos agendados também devem ser, em seus respectivos dias, entrevistados um pouco mais tarde, às 22 horas, pelo programa Central das Eleições, transmitido pela Globo News.

Veja como foi a cobertura ao vivo de EXAME:

20h58 – Bonner perguntou sobre declarações do vice do candidato, o general Hamilton Mourão, sobre a possibilidade dos militares imporem uma “solução” para resolver a crise política

“Que solução seria essa?”, perguntou Bonner. Bolsonaro disse que isso aconteceu em 1964 e Bonner se confundiu, dizendo que agora era outro momento pois estamos “em 2021” (ele logo se corrigiu);

Bonner disse que o general teve a “coragem” de externar uma posição mas que “não quer nada pela força”.

“No meu entender, foi um alerta que ele deu, deixo os historiadores pra lá, fico com Roberto Marinho” e repetiu o que o fundador das Organizações Globo disse em 1964 a favor do golpe militar.

20h53 – Bonner perguntam sobre como moradores de comunidades dominadas por traficantes recebem as declarações do candidato de que violência pode ser combatida “se for o caso, com mais violência ainda”

O candidato disse que deixando as pessoas de bem “fora da linha de tiro”, é precisa dar aos agentes da segurança pública uma condecoração se matarem bandidos.

“Mas como evitar uma tragédia maior, com tantas balas perdidas?”, perguntou Renata. Ele disse que a violência será só contra quem estiver arma na mão.

Bolsonaro também disse que os militares pacificaram o Haiti com “uma forma de engajamento: qualquer elemento com uma arma de guerra os militares atiravam 10, 15, 20, 50 tiros e depois ia ver o que aconteceu” e isso “resolveu o problema rapidamente”.

20h50 – Renata perguntou sobre a homofobia do candidato

Renata citou as altas taxas de violência e suicídios na comunidade LGBT e declarações do deputado de que “vizinho gay desvaloriza imóvel”, que preferia perder um filho a que ele fosse gay e a relação que ele já fez entre homossexualidade com pedofilia.

Bolsonaro repetiu que foi uma mobilização contra o que foi apelidado de “Kit Gay”, um material de educação sexual nas escolas. Ele mostrou o material e Bonner disse que estava combinado com os assessores que documentos não devem ser mostrados na entrevista.

Renata questionou porque ele precisava fazer declarações tão fortes para defender seu ponto de vista, já que elas não tem relação direta com a questão do Kit.

Pressionado pelos entrevistadores por não ter respondido à pergunta, o candidato disse que “tem muito gay que é pai e é mãe e concorda comigo (…) Peço até desculpas mas foi um momento de temperatura alta”.

20h48 – Bonner pergunta sobre quais direitos trabalhistas os brasileiros deixariam de ter, diante das declarações do candidato que mais emprego, só com menos direitos

“O salário hoje é muito pra quem paga e pouco pra quem recebe”, disse Bolsonaro, que não falou quais direitos iria tirar e que não é o chefe do Executivo que decide isso.

O jornalista perguntou porque Bolsonaro votou contra a PEC das Domésticas. Ele disse que a lei levou pessoas que faziam trabalhos domésticos a serem diaristas e causou milhões de demissões.

O candidato também perguntou se Bonner concordaria em dar todos os direitos trabalhistas para os militares: “Você seria favorável?”, mas já completou: “eu sei que o entrevistado sou eu”.

20h42 – Renata Vasconcellos pergunta sobre declarações do candidato minimizando a importância da desigualdade salarial entre homens e mulheres e de que “não empregaria mulheres com os mesmos salários que homens” 

Bolsonaro perguntou primeiro se ela tinha “lido, visto ou ouvido” essa declaração. Ela disse que “viu e ouviu” e ele retrucou: “Me desculpe, a senhora não ouviu”.

Ele disse que a igualdade salarial por competência “já está na CLT” e “é só as mulheres denunciarem” e que o cumprimento dessa lei cabe ao Ministério Público do Trabalho.

O candidato levantou a questão de Renata supostamente receber menos que Bonner apesar deles serem ambos âncoras do jornal: “Temos aqui uma senhora e um senhor, não sei ao certo, mas com toda certeza há uma diferença salarial aqui, parece que é muito maior pra ele que para a senhora”.

Renata desviou o foco colocado sobre ela: “Eu poderia até como cidadã e como qualquer cidadão brasileiro fazer questionamentos sobre seus proventos porque o senhor é um funcionário público há 27 anos e eu como contribuinte ajudo a pagar o seu salário. O meu salário não diz respeito a ninguém e eu posso garantir ao senhor, como mulher, que eu jamais aceitaria receber um salário menor de um homem que exercesse as mesmas funções e atribuições que eu”. O candidato retrucou que a Globo recebe milhões de propaganda oficial.

20h38 – Bonner pergunta se Bolsonaro não poderia ficar “refém” de Paulo Guedes

Paulo Guedes é apontado frequentemente como possível superministro de Bolsonaro para a Economia, já que o candidato tem uma autodeclarada falta de conhecimento sobre o tema.

Bolsonaro disse que parte do princípio de “tenho que confiar nele como tenho que confiar no meu ministro de Justiça, Defesa, agronomia, entre outros”, disse Bolsonaro.

Bonner fala que é um conceito de gestão que não se pode contratar alguém que não pode ser demitido e que é impossível garantir que um subordinado fique até o final do mandato.

Ele citou uma situação hipotética: o que Bolsonaro faria se houvesse uma divergência em que Guedes ameaçasse sair se ele não fizesse o que ele gostaria? “Até o momento da nossa separação nós não pensamos em uma mulher reserva”, disse o candidato.

Ele completou que duvida “pelo que conheço de Paulo Guedes que esse divórcio venha a acontecer”, mas que “se porventura vier a acontecer, pode ter certeza que não será por um capricho meu ou dele”.

20h37 – Renata pergunta sobre a moralidade do uso de auxílio-moradia pelo candidato 

Renata Vasconcellos perguntou “o que há de novo em um candidato que defende a moralidade mas só volta atrás quando é cobrado”.

Foi uma referência ao auxílio moradia que ele recebeu quando era deputado e que só passou a dispensar em março deste ano.

Bolsonaro disse que mudou de apartamento porque precisava de um apartamento maior. Ele disse também que estava em um “cubículo” em Brasília, que usava os recursos para manutenção como pagar IPTU, condomínio e com isso “ficava quase no zero a zero”. Hoje ele disse morar em um apartamento funcional, outra opção disponível para os parlamentares.

20h34 – Entrevista começa com pergunta sobre “velho e novo” na política

William Bonner começou a entrevista falando sobre “o velho e o novo na política”. Ele perguntou como Bolsonaro pode se apresentar como novidade se está há 27 anos no Congresso, com sua família tendo feito da política uma profissão.

“Minha família é limpa na política, sempre integrei o baixo clero”, disse Bolsonaro. Ele disse que “manteve a linha” e que “ser honesto não é virtude, é obrigação”.

20h31: Jair Bolsonaro é recebido no estúdio

Fonte: EXAME

Comentário

É Destaque

Heleno e Azevedo e Silva vão escolher comandantes das Forças Armadas

Publicado

dia

Presidente eleito afirmou que a decisão cabe a quem vai trabalhar diretamente com a cúpula militar

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, esteve na manhã desta sexta-feira (16/11), no 1º Distrito Naval do Rio de Janeiro, onde permaneceu reunido por aproximadamente duas horas com o comandante da Marinha, almirante Eduardo Barcellar Leal Ferreira. Bolsonaro disse que o comandante da Marinha chegou a ser convidado para o Ministério da Defesa, mas declinou do convite por razões familiares.

“(O almirante Leal Ferreira) não se afastará do meu radar. Sempre o procurarei para que boas decisões sejam tomadas, em especial na área aqui da Marinha”, disse o presidente eleito.

Questionado sobre os futuros comandantes de Marinha, Exército e Aeronáutica, Bolsonaro disse que o tema está sendo tratado pelos generais Augusto Heleno (futuro ministro do Gabinete da Segurança Institucional) e Fernando Azevedo e Silva, futuro ministro da Defesa.

Não é uma escolha minha. Quem realmente vai trabalhar com os comandantes será o general Fernando. A ele cabe a grande responsabilidade de indicar. Obviamente, como é praxe em nosso meio das Forças Armadas, eles vão ouvir os atuais comandantes para escolher, não digo o melhor, porque todos os quatro estrelas são competentes e estão aptos a cumprir a missão, mas aquele que melhor se encaixa no atual cenário nacional”, completou o futuro presidente.

Questionado sobre a carta que os governadores enviaram ao futuro governo com reivindicações, Bolsonaro disse que ainda não teve tempo de estudá-la. “A carta dos governadores ainda não tive a oportunidade de estudar, juntamente com o Paulo Guedes. Li, mas não estudei com o Paulo Guedes ainda para dar uma resposta aos senhores”, afirmou o presidente eleito, na última resposta antes de encerrar uma breve entrevista dada após a reunião.

Fonte: Metrópoles

 

Ver mais

É Destaque

Primo de Aécio recebeu propina em caixas de sabão, diz empresário

Publicado

dia

Waldir Rocha Pena disse em depoimento que repassou dinheiro vivo para Frederico Pacheco, que negou a acusação

Rafaela Felicciano/Metrópoles

Em depoimento, o empresário Waldir Rocha Pena – dono de um supermercado em Belo Horizonte (MG) usado como base pela JBS para pagamento de propina a políticos – afirmou que entregou dinheiro a um primo do senador Aécio Neves (PSDB-MG), Frederico Pacheco, e a um ex-assessor do senador Zezé Perrella (MDB-MG), Mendherson Souza.

As informações sigilosas foram obtidas e divulgadas pelo jornal O Globo. De acordo com a reportagem, as entregas foram feitas em caixas de sabão em pó. Os citados negam as acusações.

As informações corroboram a delação da JBS e constituem nova prova de recebimento de propina por parte dos respectivos políticos. O depoimento de Waldir Rocha Pena foi feito à Receita Federal e enviado à Procuradoria-Geral da República (PGR), a quem cabe investigar Aécio e Perrella no caso, informou o jornal carioca.

As informações foram compartilhadas ainda com a Polícia Federal de Minas Gerais e usadas na deflagração da Operação Capitu, responsável por investigar corrupção no Ministério da Agricultura. Durante a ação, o dono da JBS, Joesley Batista, e outros envolvidos no caso, foram presos temporariamente.

Em sua delação premiada, o ex-diretor da J&F Ricardo Saud relatou que operacionalizou repasses para Aécio Neves por meio de operações financeiras com um supermercado na capital mineira e a consequente entrega em dinheiro para Frederico. Na delação, Saud revelou ter repassado cerca de R$ 4 milhões para o tucano.

 

Ver mais

É Destaque

Bolsonaro diz que decisão sobre médicos cubanos é humanitária

Publicado

dia

O presidente eleito afirmou que os médicos cubanos estão sendo submetidos “praticamente a uma situação de escravidão” no Brasil

Mias Médicos: Bolsonaro afirmou que vai conceder asilo aos médicos cubanos que quiserem viver no país

O Conselho Federal de Medicina (CFM) se manifestou sobre o anúncio do governo de Cuba de retirada de seus profissionais do Programa Mais Médicos. O CFM afirma que o Brasil conta com médicos formados em número suficiente para atender às demandas da população.

“Para estimular a fixação dos médicos brasileiros em áreas distantes e de difícil provimento, o governo deve prever a criação de uma carreira de Estado para o médico, com a obrigação dos gestores de oferecerem o suporte para sua atuação, assim como remuneração adequada”, diz o conselho em nota.

O texto ressalta que cabe ao governo oferecer aos médicos brasileiros condições adequadas para atender a população. Infraestrutura de trabalho, apoio de equipe multidisciplinar, acesso a exames e a uma rede de referência para encaminhamento de casos mais graves são os itens apontados pelo CFM que o governo precisa garantir para os profissionais brasileiros desempenharem suas funções.

O Ministério da Saúde anunciou nesta quarta-feira (14) que vai lançar um edital nos próximos dias para médicos brasileiros que queiram ocupar as vagas que serão deixadas pelos profissionais cubanos que integram o programa Mais Médicos, que atende população que vive em áreas carentes e periferias. Segundo o ministério, 8.332 vagas são ocupadas por esses profissionais.

As autoridades cubanas afirmaram que seus profissionais deixarão o programa por discordarem de exigências feitas pelo novo governo, como a revalidação dos diplomas.

Sem a necessidade de passarem pela validação de diplomas no país, conforme decidiu em 2017 o Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente eleito Jair Bolsonaro também afirma que “não há comprovação” de que sejam, de fato, médicos, e questionou a aptidão dos cubanos.

“Se esses médicos fossem bons profissionais, estariam ocupando o quadro de médicos que atendiam o governo Dilma no passado, e não é dessa forma. Vocês mesmos, eu duvido quem queira ser atendido pelos cubanos, porque não temos qualquer comprovação de que eles são médicos. Se fizer o Revalida, salário integral e poder trazer a família, eu topo continuar com o programa”, declarou.

Indagado sobre se concederia asilo aos médicos cubanos que pedirem, Bolsonaro disse que sim. “Se eu for presidente e o cubano quiser pedir asilo aqui, vai ter”, afirmou. “Temos que dar o asilo às pessoas que queiram, não podemos continuar ameaçando como foram ameaçados pelo governo passado”, completou.

Bolsonaro também voltou a criticar o que considera “desumanidades” no Mais Médicos, como a manutenção de familiares dos médicos em Cuba e o envio de parte dos salários ao país caribenho.

Fonte: Portal Veja

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade