Nossa rede

Ciência

Bebês ‘made in China’

Publicado

dia

A notícia de que um biólogo chinês teria criado os primeiros humanos com DNA modificado em laboratório reacende o debate sobre os limites éticos da ciência

“Sinto a forte responsabilidade de não só chegar primeiro, mas também de estabelecer um exemplo. A sociedade decidirá o que fazer a seguir.” Assim o biólogo chinês He Jiankui apresentou ao mundo, em entrevista exclusiva concedida à agência noticiosa americana Associated Press, na segunda-feira 25, a desconcertante história das bebês gêmeas apelidadas de Lula e Nana — não se conhecem ainda os verdadeiros nomes das meninas. Caso seu relato seja verdadeiro, as irmãs seriam os primeiros seres humanos nascidos com o DNA modificado em laboratório. O cientista alega que, para alcançar a suposta proeza, utilizou a técnica conhecida como Crispr-Cas9 para manipular os genes dos embriões nas plaquetas (veja os detalhes no quadro abaixo). O objetivo da manipulação teria sido desativar o gene CCR5, responsável por produzir uma proteína que deixa o organismo vulnerável ao HIV, o vírus da aids. Assim, teoricamente, os bebês, cujo pai é soropositivo, seriam imunes à doença. Jiankui esclareceu que a técnica teve 100% de sucesso em uma das gêmeas e êxito parcial na outra — esta, portanto, ainda poderia contrair o HIV ao longo da vida.

 

A notícia foi recebida com críticas, muitas críticas, pela comunidade científica internacional — em especial pelas questões éticas que o procedimento do biólogo chinês levanta. A edição de embriões humanos é proibida, por exemplo, nos Estados Unidos e no Brasil. Mesmo na China, onde não é ilegal, o trabalho de He Jiankui foi atacado. Em uma carta aberta que circula on-line, mais de 100 cientistas — a maioria em atividade no país asiático — repudiaram o anunciado feito do colega: “A ética biomédica para essa suposta pesquisa existe apenas no nome. Fazer pesquisas diretamente em humanos só pode ser caracterizado como loucura. A caixa de Pandora foi aberta”, observou o grupo. “Talvez ainda tenhamos um resto de esperança para fechá-la antes que seja tarde demais”, completaram os especialistas. Raros foram os pesquisadores que apoiaram o biólogo chinês. Um deles, George Church, geneticista da Universidade Harvard (EUA), declarou: “Creio que seja justificável (o uso da técnica Crispr-Cas9) para combater HIV, uma imensa e crescente ameaça à saúde pública”.

Outro senão que alarmou os cientistas ao redor do planeta foi o modo como He Jiankui procedeu do ponto de vista acadêmico. O chinês, é verdade, descreveu todo o processo de seu experimento, mas sem tê-lo exposto à avaliação de colegas ou de revistas científicas, como seria de praxe. Em razão disso, por enquanto, tudo o que se tem como certificado do êxito da experiência são suas palavras. De acordo com o biólogo, a manipulação genética foi feita durante a fertilização em laboratório. He Jiankui conta que primeiramente isolou um espermatozoide e depois inseminou um óvulo. Em seguida, editou quimicamente o embrião. No total, teriam sido realizadas seis tentativas de implante de embriões no ventre materno até que a gestação vingasse.

Cientistas que analisaram os ainda parcos documentos apresentados por He Jiankui avaliam que, na hipótese de o biólogo estar dizendo a verdade, são imprevisíveis os efeitos colaterais nos bebês com DNA modificado. A manipulação do gene CCR5 pode, por exemplo, deixar as gêmeas muito suscetíveis à morte por uma simples gripe. Para o biomédico Kiran Musunuru, da Universidade da Pensilvânia (EUA), a prática foi “inescrupulosa, uma experiência com seres humanos indefensável em termos éticos”. Segundo sua análise, no caso da bebê que ainda continuou vulnerável ao HIV, “na verdade haveria quase nada a ser ganho e ela estaria sendo exposta a toda sorte de risco à saúde”.

A técnica Crispr-Cas9 foi desenvolvida, em 2012, pela microbióloga francesa Emmanuelle Charpentier e pela bioquímica americana Jennifer Doudna. O método foi testado em humanos adultos pela primeira vez em 2016, quando pesquisadores da Universidade Sichuan, na China, inseriram células modificadas em um paciente com câncer de pulmão com o objetivo de aprimorar a defesa do organismo contra o tumor. Os resultados, inconclusivos, foram então publicados na revista inglesa Nature. Um ano depois, em 2017, cientistas da Universidade de Saúde e Ciência do Oregon (EUA) editaram um embrião humano para evitar uma mutação hereditária que implicaria em problemas cardíacos. Em ambos os casos, entretanto, não houve inseminação. O suposto passo além de He Jiankui teria sido realizar a concepção e promover o nascimento dos bebês. Assim, ao contrário do que ocorre quando a manipulação é realizada em genes de adultos, as características modificadas nas crianças — sejam elas benéficas ou não — poderiam, no futuro, ser transmitidas a seus herdeiros.

A veracidade dos resultados alardeados por He Jiankui foi amplamente questionada. Disse o geneticista catarinense Ciro Martinhago, doutor em genética reprodutiva e dono do laboratório Chromosome: “Há muitos outros exemplos de feitos aparentemente grandiosos que foram falsificados. Vale lembrar que, em 2005, Hwang Woo-suk, professor de veterinária da Universidade de Seul, anunciou que havia produzido os primeiros humanos clonados e extraído deles células-tronco. Pouco tempo depois, descobriu-se que era tudo mentira”. Diante da avalanche de dúvidas mundo afora, o biólogo chinês revelou, na quarta 28, durante a II Conferência de Edição de Genoma Humano, na Universidade de Hong Kong, que uma segunda gestação com embriões igualmente editados está em curso na China. Ele garantiu ainda ter enviado um artigo com o estudo para a avaliação de uma revista científica, cujo título não informou.

O que dificulta sobremaneira a checagem das informações do biólogo chinês é que os experimentos teriam sido realizados em uma empresa privada — de propriedade do próprio He Jiankui, que desde fevereiro se encontra licenciado, sem remuneração, de suas funções como professor na Universidade de Ciência e Tecnologia do Sul da China. Caso os resultados se confirmem, a próxima e inexorável etapa do processo será a promoção de um debate público acerca da pertinência de experimentações semelhantes com seres humanos.

Nesse ponto, a história tende a se repetir. Na área genética, dois casos servem de referência. Em 1978, ano em que nasceu, na Inglaterra, a menina Louise Brown, o primeiro bebê de proveta da história, o prodígio, realizado pelo médico Robert Edwards (1925-2013), foi classificado como “abominação moral” por boa parcela da comunidade científica. Havia, na época, receio em relação aos efeitos colaterais para a criança — Louise hoje tem 40 anos. Com o tempo, verificou-se que a técnica trazia muito mais benefícios. Ela se popularizou e Edwards ganhou o Nobel em 2010. No caso da clonagem, apresentada ao planeta em 1996 com a ovelha Dolly, o próprio criador, o escocês Ian Wilmut, se mostrou contrário ao uso do método em humanos. Após avaliações técnicas de universidades e de especialistas da ONU, chegou-se ao consenso de que a clonagem de pessoas é antiética e imoral — e, hoje, até a usualmente permissiva China proíbe o procedimento. Em tese, a edição de bebês permitiria o combate a doenças, mas também a escolha de dotes que atenderiam, por exemplo, a interesses de eugenistas. E sabemos no que dá a ideia de uma raça supostamente pura e perfeita. Fonte-Portal Veja

 

Comentário

Ciência

Cientistas descobrem ecossistema gigante vivendo embaixo da terra

Publicado

dia

Existem bilhões de organismos que vivem a 5 mil metros abaixo de nós. Saiba porque isso importa

. (NASA/Divulgação)

São Paulo — Após dez anos de estudo, uma equipe de pesquisadores do mundo todo anunciou a descoberta de um ecossistema com o dobro do tamanho de todos os oceanos do planeta. Composta majoritariamente por micro-organismos, a biosfera subterrânea tem mais diversidade que a Amazônia e as Ilhas Galápagos.

O grupo de 1.200 cientistas de 52 países que integram o Deep Carbon Observatory estima que o ecossistema possui entre 15 bilhões e 23 bilhões de toneladas de micro-organismos e que está localizado entre a crosta e o núcleo da Terra. Vivendo sob condições adversas — calor extremo, baixa nutrição, ausência de luz e pressão intensa —, os micro-organismos habitam o espaço subterrâneo há milhares de anos.

“É como encontrar todo um novo reservatório de vida na Terra”, disse Karen Lloyd, professora associada da Universidade do Tennessee, ao jornal britânico The Guardian. “Estamos descobrindo novos tipos de vida o tempo todo. Muito da vida está dentro da Terra e não em cima dela”.

Uma nova forma de existência

Para o estudo, a equipe retirou amostras de poços perfurados a mais de 5 km de profundidade e construiu um modelo do que seria o ecossistema descoberto. Os resultados sugerem que 70% das bactérias e arqueas (seres vivos semelhantes morfologicamente às bactérias) que existem hoje no planeta estejam no subsolo. A hipótese é de esses organismos tenham se movido muito pouco, despendendo menos energia do que se supunha, durante toda sua vida.

“Nós, humanos, nos orientamos para processos relativamente rápidos — ciclos diurnos baseados no sol ou ciclos lunares baseados na lua —, mas esses organismos fazem parte de ciclos lentos e persistentes em escalas de tempo geológicas”, afirma Rick Colwell, um microbiólogo da Universidade de Oregon.

A descoberta abre caminhos para as respostas de uma série de questionamentos feitos pelos cientistas, que querem saber qual é a real temperatura limite para a existência de vida (atualmente é de 122 graus Celsius), se ela surge das profundezas do planeta ou da superfície e o que o processo pode revelar sobre a evolução da vida na Terra. Fonte: Portal Exame.

Ver mais

Ciência

Estudo mostra que galinha atual é símbolo do impacto do homem na natureza

Publicado

dia

“Produzimos uma nova forma de animal em décadas, quando geralmente são necessários milhões de anos”, diz pesquisadora

Animais: existem 23 bilhões de galinhas no mundo, o triplo de todas as espécies de aves selvagens (Rodolfo Buhrer/Reuters)

O ser humano alterou completamente a morfologia das galinhas de criação em apenas algumas décadas, algo que se manifesta em corpos enormes, patas deformadas ou corações enfraquecidos, afirma um estudo publicado na revista Royal Society Open Science.

“A galinha de criação moderna é irreconhecível em comparação com seus ancestrais ou seus congêneres selvagens”, explica à AFP Carys Bennett, da Universidade de Leicester, na Inglaterra, coautora da pesquisa, que destaca “o esqueleto superdimensionado, uma composição química dos ossos e uma genética distintas”.

Oriundo do sudeste asiático, a animal foi domesticado há quase 8.000 anos, mas foi apenas a partir dos anos 1950, com a busca por ritmos de crescimento mais elevados, que começaram a formar uma nova espécie morfológica, aponta o estudo.

“Bastaram algumas décadas para produzir uma nova forma de animal, quando geralmente são necessários milhões de anos”, afirmou Jan Zalasiewicz, também da Universidade de Leicester e coautor do estudo.

Apreciada por sua carne e seus ovos, a galinha é a carne mais consumida do mundo na atualidade: Hoje, o mundo tem 23 bilhões. “A massa total de galinhas domésticas é o triplo de todas as espécies de aves selvagens reunidas”, destaca Carys Bennett.

Embora alimentem boa parte da humanidade, as galinhas de criação também representam um bom exemplo da forma como nós modificamos os organismos vivos que se desenvolvem na Terra e “um marcador potencial do Antropoceno”, o período atual, marcado pela influência do homem nos processos terrestres, destacam os pesquisadores.

“Uma evolução trágica se consideramos as consequências para estas aves”, afirma Carys Bennett. Fonte: Portal Exame

 

Ver mais

Ciência

Este hábito simples pode aumentar seu QI em até 23%

Publicado

dia

Relacionada ao grau de plasticidade do cérebro, a inteligência fluida e o QI pode aumentar com a mente descansada

. (Sxc.hu/Reprodução)

São Paulo – A atividade cerebral tem relação direta com a maneira como aprendemos e desenvolvemos a capacidade da mente. É fácil perceber que, quando estamos de “cabeça cheia”, em geral ao fim do dia, é mais difícil realizar funções que exijam um esforço mental maior, como aprender algo novo ou conversar sobre temas complexos. A solução intuitiva, diminuir a atividade cerebral, é mais simples do que parece e traz consigo vários outros ganhos.

A inteligência fluida – aquela que não trata sobre “o quanto” sabemos, mas sobre a capacidade que temos de ser criativos e resolver problemas – não pode ser melhorada apenas com o aprendizado de coisas novas. Por estar relacionada ao grau de plasticidade do cérebro, a inteligência fluida e, consequentemente, o QIdas pessoas, pode aumentar à medida que a mente esteja descansada. Por isso, o método mais indicado e que é cada vez mais falado quando o assunto é aumento do conforto cotidiano é a meditação.

Meditar acalma o cérebro e melhora a concentração

Um estudo conduzido pela Associação de Psicofisiologia Aplicada e Biofeedback mostrou que a meditação profunda, capaz de alterar e diminuir a frequência das ondas cerebrais, podem aumentar o ganho médio no QI em até 23%. Isso acontece porque, quando se encontra em baixa atividade, o cérebro consegue aumentar a capacidade de se reorganizar, tornando-se mais suscetível ao aprendizado, à criatividade e à concentração.

Além disso, melhorias significativas na memória, cognição e redução dos níveis de estresse foram percebidos em um segundo estudo publicado em 2010, como mostra o site Inc. Após quatro dias de meditação diária de 20 minutos, os participantes já demonstravam ter sua capacidade cerebral aumentada.

De acordo com o New England Journal of Medicine, para obter os benefícios da meditação citados aqui, é necessário um período mínimo de 12 a 15 minutos, ressaltando que o importante não é a duração, mas a regularidade. Fonte: Portal Exame

 

 

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade