Nossa rede

Brasília

Às vésperas das eleições, GDF abre 20 leitos do Hospital da Criança

Publicado

dia

Mas apenas 10% do total previsto no Bloco 2 estão funcionando por enquanto. Unidade é uma das vitrines da campanha de Rollemberg

TONY WISTON/AGÊNCIA BRASÍLIA

A quatro dias das eleições, o Governo do Distrito Federal (GDF) abriu 20 leitos de internação do Bloco 2 do Hospital da Criança de Brasília José de Alencar (HCB), que representam apenas 10% da capacidade. Como está em campanha, o governador do Distrito Federal e candidato à reeleição ao Palácio do Buriti, Rodrigo Rollemberg (PSB), não compareceu ao evento.

A inauguração nesta quarta-feira (3/10) ocorre três meses após a entrega da obra do Bloco 2. Na área de saúde, o Hospital da Criança, especializado em tratamento de câncer, é uma das principais vitrines da campanha do governador Rollemberg. É sempre citado pelo socialista como sendo modelo de atendimento, assim como o Instituto Hospital de Base (IHB), motivo de crítica dos adversários.

Questionado sobre o o GDF não ter esperado para abrir os leitos depois das eleições, o secretário de Casa Civil, Sérgio Sampaio, disse que o Executivo tinha que cumprir etapas. “Queríamos ter feito há mais tempo. Mas existem fases necessárias, desde a entrega das instalações físicas até o funcionamento efetivo. Este é um legado que deixamos para a sociedade do DF”, destacou.

O Bloco 2 do Hospital da Criança tem dois pavimentos erguidos em uma área de 22 mil metros quadros, 67 consultórios ambulatoriais, 202 leitos, centros cirúrgico e de diagnóstico, laboratórios de análise clínica e hematologia, unidade administrativa, área de apoio e um centro de ensino e pesquisa.

“Esse é um hospital de excelência que nasceu de um sonho da sociedade civil e passou a ser um sucesso a partir do modelo de gestão escolhido. Entendemos que seria necessário ampliar o sonho e saímos de um hospital de 18 leitos para 202”, comemorou Sampaio.

Mas o funcionamento pleno ainda demora. Pelo cronograma da Secretaria de Saúde, até novembro deste ano, devem ser abertos mais 100 leitos, que serão transferidos do Instituto Hospital de Base (IHB) para o Hospital da Criança. Em dezembro, a previsão é de outros 50. Para o ano que vem, todos os 202 estarão sendo utilizados pelos pacientes, segundo estima o governo.

“Começamos os testes para que houvesse total segurança e, nessa terça-feira (2), já atendemos os primeiros pacientes”, disse o secretário de Saúde, Humberto Fonseca.

A construção do novo bloco é resultado de uma parceria do GDF com a Organização Mundial da Família (OMF). O Executivo local investiu 106,7 milhões na extensão do hospital que trata crianças com câncer e hemopatias e contou ainda com um aporte de US$ 10,5 milhões da OMF.

O contrato foi assinado em 2012. Em abril deste ano, a inauguração esteve ameaçada por causa da restrição da Justiça à continuidade do Instituto do Câncer Infantil e Pediatria Especializada (Icipe) na unidade de saúde.

Em declarações públicas na ocasião, o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) chegou a classificar a saída do Icipe como uma “tragédia” que colocava em xeque o funcionamento da nova ala. Isso devido à dificuldade de contratar pediatras para a rede pública. “Cheguei a ficar aflito porque não conseguia entender como um hospital gerido tão bem foi questionado por um corporativismo que não pensa no interesse público. Mas nunca desanimei”, disse, em 4 de julho, durante a inauguração do novo bloco.

A Justiça, porém, decidiu manter o Icipe no Hospital da Criança. E o governo conseguiu, dessa forma, inaugurar o Bloco 2 em julho, antes da restrição eleitoral. Por ser de especialidades, a unidade não atende emergências – os pacientes chegam encaminhados pelas Unidades Básicas de Saúde (UBS).

Fonte: Metrópoles
Comentário

Política BSB

O Pires da Nova Política

Publicado

dia

Transição bem-sucedida

Sergio Moro em entrevista ao Fantástico (Reprodução/TV Globo)

No último governo da ditatura militar de 64, sempre que o presidente João Figueiredo via sua autoridade contestada ameaçava chamar o Pires. No caso, o ministro do Exército, o general Walter Pires. Nem o Pires salvou Figueiredo do desfecho melancólico de deixar o Palácio do Planalto pela porta dos fundos.

No primeiro governo civil da chamada Nova República, vez por outra o presidente José Sarney também ameaçava chamar o Pires. O ministro do Exército à época atendia pelo nome de Leônidas Pires Gonçalves. Serviu a Sarney com lealdade, e ao contrário de Walter, jamais pensou em colaborar para que o tempo político se fechasse.

O Pires do governo do capitão, mas não só dele é Sérgio Moro, juiz até um dia desses, ministro da Justiça e da Segurança Pública desde então. Bolsonaro chamou Moro para investigar o laranjal do PSL, o partido da Nova Política. O presidente do Senado chamou Moro para descobrir quem tentou fraudar a recente eleição naquela casa.

Moro é mais seletivo do que os outros Pires. É bem verdade que Bolsonaro não lhe pediu para apurar os rolos de Onyx Lorenzoni, duas vezes envolvido com dinheiro de caixa dois. Mas provocado sobre o assunto, Moro foi logo dizendo que Onyx já pedira perdão. Logo, ele não tinha por que investigá-lo.

Os rolos de Queiroz e de Flávio Bolsonaro? Moro não viu razão para se preocupar com eles. Quebrou a cara quem duvidou que Moro fosse capaz de fazer com sucesso a transição entre o judiciário e a política.

Fonte Veja

 

Ver mais

Política BSB

Preferida dos Bolsonaro rejeita críticas a Carlos: ‘É minha inspiração’

Publicado

dia

Alana Passos (PSL) segue os passos de Carlos

Carlos e Alana Passos: amizade (reprodução/Reprodução)

Única parlamentar do Rio com livre acesso à família Bolsonaro, a deputada estadual Alana Passos (PSL) diz que o estilo pitbull de Carlos Bolsonaro (PSC) é a grande inspiração de seu mandato.

Nem a confusão em que Carlos se meteu nos últimos dias, ao fritar publicamente o ministro Gustavo Bebianno, assusta a deputada.

“Tenho enorme admiração. Vejo a postura dele como de proteção, antes do Jair ser o presidente, é o pai dele”, diz.

“Carlos tem uma conversa direta, sem intermediários, com seus eleitores. É nele que me inspiro na hora de conversar com os meus”, afirma.

Desde o início do mandato, Alana, que frequenta a casa de Jair Bolsonaro, mantém contato com o presidente.

“Bolsonaro tem me dado suporte, por exemplo, no projeto para implantar escolas militares no Rio”, diz.

Fonte Veja

 

Ver mais

Política BSB

Reunião com a Globo pode ter sido estopim para Bolsonaro fritar Bebianno

Publicado

dia

Bolsonaro se sente traído por Bebianno

Bebianno e Bolsonaro: amizade desfeita (Marcos Corrêa/PR)

Uma das razões para a irritação exagerada de Jair Bolsonaro com o  ministro da Secretaria Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, é um profundo sentimento de traição.

Como Bebianno sustenta, os dois, de fato, trocaram áudios nos últimos dias.

Num deles, Bolsonaro dá uma bronca em seu ministro porque ele marcou uma reunião com o vice-presidente de Relações Institucionais do Grupo Globo, Paulo Tonet Camargo, no Palácio do Planalto.

No áudio, Bolsonaro diz: “Como você coloca nossos inimigos dentro de casa?”

Bebianno vinha atuando para abrir um canal de diálogo com a emissora. A relação entre Bolsonaro e a Globo está muito estremecida desde o escândalo das movimentações suspeitas feitas por assessores de Flávio Bolsonaro.

Bolsonaro achou exagerada a maneira como a emissora se comportou com relação ao caso.

Ver o auxiliar se movimentar para abrir esse canal com “os inimigos” ajudou a colocar lenha na fogueira em que Bolsonaro queimou Bebianno em público.

Evidentemente, não é algo razoável. Mas o “capitão” já demonstrou que o equilíbrio não é uma de suas qualidades.

Fonte Veja

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade