Nossa rede

Tecnologia

Apple libera iOS 12 para iPhones e iPads

Publicado

dia

Atualização promete dar mais velocidade a aparelhos mais antigos

O iOS 12, sistema operacional da Apple, foi liberado para os smartphones (iPhones) e tablets (iPads) nesta segunda-feira. O objetivo é dar mais velocidade para os aparelhos da empresa, especialmente os mais antigos, com os iPhones 5S e 6 e o iPad Air.

iOS 12 permite gerenciar aplicativos com mais velocidade (//Divulgação)

iOS 12 permite gerenciar aplicativos com mais velocidade

O novo sistema operacional promete dar 70% a mais de velocidade para acessar a câmera e 50% a mais para acessar ao teclado. Mesmo com atividade intensa, ou seja, diversas ferramentas usadas ao mesmo tempo, o iOS 12 abre aplicativos duas vezes mais rápido do que o iOS 11.

 iOS dá mais facilidade para criação de emojis

iOS dá mais facilidade para criação de emojis (//Divulgação)

O FaceTime, aplicativo de conversas do sistema agora permite que até 32 pessoas conversem por áudio e vídeo ao mesmo tempo. O iOS 12 também dá maior facilidade para criação de emojis pessoais, com a imagem do usuário. O FaceTime também traz novos animojis (emojis com animação) e efeitos de câmera.

iOS 12 permite que até 32 pessoas usem o FaceTime ao mesmo tempo. (//Divulgação)

iOS 12 permite que até 32 pessoas usem o FaceTime ao mesmo tempo.

O sistema também oferece o ARKit 2, uma evolução de aplicativo para realidade aumentada que pode ser compartilhada com outros usuários. O novo compartilhamento de fotos sugere o envio dessas imagens com outros usuários, presentes nelas, por reconhecimento facial. O sistema de ajuda dos equipamentos, SIRI, une sua rotina e sugere atalhos em sua tela principal.

Veja quais aparelhos estão disponíveis para o novo iOS 12:

Smartphones

  • iPhone XS
  • iPhone XS Max
  • iPhone XR
  • iPhone X
  • iPhone 8
  • iPhone 8 Plus
  • iPhone 7
  • iPhone 7 Plus
  • iPhone 6s
  • iPhone 6s Plus
  • iPhone 6
  • iPhone 6 Plus
  • iPhone SE
  • iPhone 5s

Tablets

  • iPad Pro de 12,9 polegadas (2ª geração)
  • iPad Pro de 12,9 polegadas (1ª geração)
  • iPad Pro de 10,5 polegadas
  • iPad Pro de 9,7 polegadas
  • iPad (6ª geração)
  • iPad (5ª geração)
  • iPad Air 2
  • iPad Air
  • iPad mini 4
  • iPad mini 3
  • iPad mini 2

iPods

  • iPod touch (6ª geração)

Comentário

Tecnologia

Qual o próximo passo do Facebook com inteligência artificial?

Publicado

dia

Laboratório de pesquisas da empresa realiza estudos há cinco anos e prevê máquinas que aprendem sozinhas

. (Reprodução/Getty Images)

São Paulo — O Facebook cada vez mais deixa de se basear apenas na manutenção da rede social que deu origem a uma das maiores empresas de tecnologia do século. Além de apostar em outras plataformas de interação, como o Instagram e o WhatsApp, a companhia tem investido alto nas tecnologias “do futuro”. Um dos maiores exemplos disso é o seu Laboratório de Inteligência Artificial (FAIR), que completa cinco anos neste mês, como lembra uma reportagem do site TechCrunch.

O local funciona como um centro de pesquisa, tem oito unidades pelo mundo e pretende estar na linha de frente das próximas iniciativas da empresa fundada por Mark Zuckerberg. E seus futuros projetos incluem até mesmo fazer com que máquinas criem algum bom senso.

Pesquisa, comunidade e pensamento a longo prazo

A criação do FAIR, no final de 2013, foi um marco na história do Facebook. Acostumada a focar em projetos de curto prazo (até seis meses para a conclusão), a empresa entendeu que precisava de um lugar onde fosse permitido criar, testar e avaliar as ideias sem pressão por resultados rápidos. Além disso, os trabalhos de pesquisa costumam ser publicados como artigos científicos, beneficiando toda a comunidade de pesquisadores de inteligência artificial pelo mundo. Uma linha do tempo com as contribuições foi publicada pelo Knightlab, laboratório de jornalismo da Universidade Northwestern, em comemoração aos cinco anos do laboratório.

Porém, como tudo no Vale do Silício, existe uma verdadeira corrida entre as empresas sobre o domínio e lançamento das tecnologias mais recentes e inovadoras. Assim, a separação entre o FAIR e a área de Aprendizado de Máquina Aplicado (AML) do Facebook é o que garante a paz da equipe, na visão do cientista chefe de inteligência artificial do Facebook, Yann LeCun. Para ele, a medida é o que dá ao grupo “enorme margem de manobra para realmente pensar a longo prazo”, conforme explicou ao TechCrunch.

A estratégia de operação do FAIR parece ter agradado os líderes do Facebook, já que o grupo se expandiu e hoje tem laboratórios em Menlo Park, Nova York, Paris, Montreal, Tel Aviv, Seattle, Pittsburgh e Londres. Parcerias com universidades também têm sido um ponto forte da iniciativa.

Assistentes virtuais, imagens e auto-aprendizado

Para LeCun, uma das maiores tendências na qual a equipe aposta é a melhoria das respostas que as interações com as máquinas darão aos usuários. “Tivemos esse projeto que é um sistema de perguntas e respostas que basicamente pode responder a qualquer questão se as informações estiverem em algum lugar na Wikipédia. Porém, ainda não é possível tirar dúvidas realmente complicadas, que exigem a extração de informações de vários artigos da Wikipédia e referências cruzadas”, disse o cientista ao TechCrunch.

Essas ideias poderão ser aproveitadas no próprio assistente do Facebook, lançado recentemente. O laboratório da empresa inclusive pretende aprimorar a capacidade de suas máquinas aprenderem sozinhas, sem supervisão de um ser humano. Segundo LeCun, o FAIR já utiliza técnicas que permitem às máquinas traduzir textos entre idiomas para os quais elas não foram treinadas inicialmente. “O grande objetivo que estamos almejando é essa ideia de aprendizado auto-supervisionado — fazer com que as máquinas aprendam mais como humanos e animais e exigindo que elas tenham algum tipo de bom senso.”

Evolução do sistema de computação visual do Facebook (2012-2017) (Facebook/Reprodução)

Outra área na qual o FAIR tem investido é o aprendizado de máquina relacionado à leitura de imagens. A equipe aposta no progresso da compreensão contextual das máquinas, e LeCun afirma que elas deverão ficar cada vez mais precisas. “Você verá sistemas que podem não apenas reconhecer o objeto principal em uma imagem, mas basicamente delinear todos os objetos e fornecer uma descrição textual do que está acontecendo na imagem, uma espécie de compreensão diferente e mais abstrata do que está acontecendo”, explica. Fonte: Portal Exame

 

Ver mais

Tecnologia

Lenovo anuncia smartphone com 12 GB de RAM e tela deslizante

Publicado

dia

Aparelho é mais um que deixa o famigerado “notch” de lado, indicando uma tendência que as fabricantes devem abraçar em 2019

Só tela: sem um “notch”, display do Z5 Pro GT ocupa mais de 95% da frente do aparelho, segundo a empresa (Lenovo/Divulgação)

São Paulo — A chinesa Lenovo mostrou nesta terça-feira (18) que, pelo jeito, 10 GB de memória RAM não são o limite para um smartphone. Em um evento realizado em Pequim, na China, a empresa revelou seu novo modelo Z5 Pro GT, que carrega 12 GB de RAM — que o colocam no topo da lista de celulares com mais memória no mercado. O aparelho também é mais um a ter tela deslizante, uma das soluções que as fabricantes de celular têm adotado para não ter que recorrer ao famigerado entalhe (o “notch”) no alto dos displays.

O aparelho da Lenovo também é o segundo modelo anunciado no mundo que virá equipado com o novo Snapdragon 855 da Qualcomm — o primeiro revelado é um smartphone ainda sem nome da OnePlus. Além de ser mais potente do que o atual 845, o chip dá aos aparelhos suporte a redes 5G. Não ficou claro, no entanto, se esse será o caso do novo celular. O modelo terá ainda 512 GB de armazenamento, câmera dupla na traseira (16 e 24 MP), entrada de fone de ouvido e bateria de 3350 mAh.

Fora a quantidade enorme de memória RAM e o processador, o aspecto mais curioso do dispositivo é a tela deslizante de 6,39 polegadas e resolução Full HD+. A tecnologia é similar à usada no Find X, da também chinesa Oppo, e no Mi Mix 3, da Xiaomi: a câmera frontal fica escondida atrás do display, que desliza sempre que ela precisa ser usada — seja para tirar uma foto ou para desbloquear o aparelho por reconhecimento facial. Não há nenhuma interferência visual sobre a tela, que parece ser “mais infinita” e ocupa cerca de 95% da frente do aparelho, de acordo com as contas da fabricante.

O fim dos “notches”?

Mesmo que seja um tanto quanto complexa (é uma solução que interfere na mecânica do aparelho, afinal), a ideia é uma alternativa interessante para o questionável “notch”. O entalhe nas telas foi popularizado em 2017 pelo iPhone X e adotado em massa pelas fabricantes de aparelhos com Android neste ano. A própria Lenovo recorreu a um em seu modelo Z5, assim como fizeram Motorola (com o One), Asus (com o Zenfone 5), LG (com o G7 e o V40) e tantas outras fabricantes chinesas.

Algumas empresas, como Oppo e Xiaomi, já testaram um entalhe menor, em forma de gota. Mas das grandes empresas do setor, apenas a Samsung se manteve longe dessa tendência. Só que a empresa sul-coreana está tentando lançar uma própria neste final de 2018: a do “furo” na tela. A solução Inifnity-O é usada no recém-anunciado Galaxy A8s e consiste em basicamente incluir um pequeno orifício no canto do display, onde fica a câmera frontal.

Não ficou claro se outros aparelhos da empresa, como o futuro Galaxy S10, terão um visual parecido. Mas a chinesa Huawei — ainda que não por influência da Samsung — fez algo similar no Nova 4, revelado nesta semana, e incluiu um sensor de 24 megapixels no “buraco”.

Fabricantes, como a Asus, já disseram em conversas com jornalistas que o “notch” é só uma questão de limitação técnica. As empresas o adotaram massivamente porque não sabiam como contorná-lo. Pelos avanços mostrados nestes aparelhos recentes, essa história deve mudar em 2019, que é quando chegam ao mercado os três novos aparelhos.

O Samsung Galaxy A8s ainda não tem preço definido, mas o Huawei Nova 4 custará a partir de 490 dólares e o Z5 Pro GT com 12 GB de RAM sairá por 650 dólares. Ainda não há previsão de chegada de nenhum dos modelos ao Brasil. Fonte: Portal Exame

 

Ver mais

Tecnologia

Drone de Stanford pode levantar 40 vezes seu próprio peso

Publicado

dia

Corpo de insetos e répteis inspirou engenheiros de Stanford

. (Stanford University/Reprodução)

São Paulo – A principal utilidade dos drones atualmente é a capacidade de realizar filmagens aéreas. Porém, várias funções são estudadas para aumentar as possibilidades de uso dos veículos aéreos não tripulados, como no setor agrícola. Buscando dar mais interação aos dispositivos, pesquisadores da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, desenvolveram drones que podem se aderir em superfícies e levantar objetos que são 40 vezes o seu próprio peso.

Chamados de robôs “FlyCroTugs”, por serem pequenos, voadores e rebocadores, os drones modificados pela equipe de engenharia de Stanford em parceria com a Escola Politécnica de Lausana, na Suíça, têm adaptações que os permitem ancorar em superfícies lisas ou ásperas, além de uma versatilidade que os tornam úteis em diversas situações.

“O que fizemos até agora foi aprovar um conceito que diz ‘sim, você pode ter veículos aéreos pequenos que podem interagir vigorosamente com o mundo ao se ancorar e rebocar [objetos]. Então, se você está passando por um terremoto ou explosão e quer algo que possa ir rapidamente até um prédio, entrar, olhar ao redor, mas também talvez tirar um pedaço de detrito do caminho, ou desobstruir alguma coisa. E para isso, agora ele precisa se ancorar e puxar com força” explica Mark Cutkosky, um dos coordenadores da pesquisa.

Inspiração na natureza

Os engenheiros que desenvolveram o FlyCroTug dizem ter se inspirado na natureza para adaptar os drones. A maneira como alguns animais conseguem permanecer grudados em superfícies e empurrar ou carregar pesos muito maiores que seus corpos orientou a equipe na busca das soluções para seu desafio.

Um dos seres estudados foi a vespa, que costuma analisar o peso de suas presas para saber qual decisão tomar. “Vespas podem voar rapidamente para um pedaço de comida, e então, se a coisa é pesada demais para levar, elas a arrastam pelo chão. Então isso foi uma espécie de inspiração inicial para a abordagem que tomamos”, disse Cutkosky na página de imprensa da Universidade.

Já em relação à capacidade dos drones de se aderir às superfícies, os pesquisadores encontraram respostas no corpo das lagartixas e no de alguns insetos. Em superfícies lisas, os drones se ancoram com adesivos que não grudam, mas que imitam as estruturas dos dedos das lagartixas para criar forças intermoleculares capazes de mantê-los parados. Em superfícies ásperas, cada FlyCroTug possui 32 micro-espinhas semelhantes a anzóis para se manterem fixados.

Os drones modificados já podem abrir portas, escalar ruínas para monitorar o ambiente e levantar garrafas com água. Agora, a equipe pretende aprimorar o controle autônomo e a logística de administrar vários drones voando ao mesmo tempo.

Veja a seguir o vídeo de divulgação do FlyCroTug (legendas geradas automaticamente):

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade