Nossa rede

Aconteceu

Após tumulto em Pacaraima, 1.200 venezuelanos deixaram o Brasil

Publicado

dia

Posto de recepção, onde são realizados os procedimentos de controle de passaporte e vacinação, chegou a ser fechado para garantir a segurança do pessoal interno

Após os tumultos ocorridos neste sábado, 18, em Pacaraima (RR), na fronteira do Brasil com a Venezuela, perto de 1.200 imigrantes venezuelanos deixaram o País, informou neste domingo, 19, ao Estado o comandante da base local da Operação Acolhida, coronel Hilel Zanatta. O posto de recepção, onde são realizados os procedimentos de controle de passaporte e vacinação, chegou a ser fechado entre às 11h00 do sábado e às 8h00 de domingo, para garantir a segurança do pessoal interno.

“Calculamos que foram cerca de 1.200 pessoas”, informou o coronel Hilel Zanatta. Esse número se refere aos 500 venezuelanos que estavam no posto de recepção e mais os 400, que pelo fluxo normal, chegariam ao País ao longo da tarde. Além desses, há perto de 300 imigrantes que viviam nas ruas de Pacaraima e, por questão de segurança, cruzaram a fronteira de volta.

Brazilians burn the belongings of Venezuelan people, as they block a street near the border with Venezuela at the Pacaraima border control point, Roraima state, Brazil August 18, 2018. Picture taken August 18, 2018. REUTERS/Mauricio Castillo

Parte dessas pessoas que cruzaram a fronteira, porém, já retornou ao Brasil na manhã deste domingo. “A situação está se normalizando”, disse o coronel. “O fluxo está um pouco menor em relação aos demais dias, mas a recepção e a triagem estão funcionando normalmente.” Ele explicou que muitas das pessoas que passam pela fronteira estão com passagem comprada para outros países, como Argentina, Chile e Paraguai. Outras não solicitam a acolhida na fronteira porque já têm contato em outros pontos do Brasil.

A cidade de Pacaraima registrou tumultos após uma manifestação resultar em atos de agressão e destruição de acampamentos de venezuelanos que vivem na cidade. Bombas caseiras foram jogadas em praças e nos abrigos improvisados nas ruas.  Alguns imigrantes foram expulsos e deixados do outro lado da fronteira, enquanto seus pertences foram queimados. Eles reagiram e uma confusão generalizada foi formada.

A revolta começou após um assalto a um dos moradores da cidade, o comerciante Raimundo Nonato de Oliveira, de 55 anos. Ele teve a casa invadida e foi espancado durante um assalto que teria sido praticado por quatro venezuelanos. Atingido na cabeça, o homem foi levado para uma hospital da capital, Boa Vista, por causa dos ferimentos.

Residents of the Brazilian border town of Pacaraima burn tyres and belongings of Venezuelans immigrants after attacking their two main makeshift camps, leading them to cross the border back into their home country on August 18, 2018. – Brazil will send troops to its border with Venezuela on Monday after residents of Pacaraima drove out Venezuelan immigrants from their improvised camps, amid growing regional tensions. Tens of thousands of Venezuelans have crossed the border into Brazil over the past three years as they seek to escape the economic, political and social crisis gripping their country. (Photo by Isac DANTES / AFP)

Medidas

Em nota, a chancelaria da Venezuela informou neste domingo, 19, que instruiu o pessoal de seu consulado em Boa Vista (RR) a deslocar-se “de imediato” para Pacaraima, para velar pela integridade dos cidadãos venezuelanos na zona. Ela informa, também, haver entrado em contato com o Ministério das Relações Exteriores do Brasil “a fim de solicitar as garantias correspondentes aos nacionais venezuelanos e tomar as medidas de resguardo e segurança de suas famílias e pertences.”

O presidente Michel Temer convocou para a manhã deste domingo uma reunião no Palácio da Alvorada para discutir a situação na fronteira com a Venezuela. O governo pretende enviar 60 homens da Força Nacional de Segurança para o local. Eles deverão seguir nesta segunda-feira, 20, mas já estão de sobreaviso.

Em nota, o governo federal afirmou repudiar “atos de vandalismo e violência contra qualquer cidadão, independentemente da sua nacionalidade”. De acordo com Jungmann, “a situação é tensa, mas se estabilizou e está sob controle”.

Fonte: Estadão

Comentário

Aconteceu

Administrador e delegado prende usuários de drogas em praças do DF

Publicado

dia

Imagens postadas por Fernando Fernandes em suas redes sociais causaram polêmica. Parte da população aprova, outra minoria critica a atitude

Atual administrador de Ceilândia, o delegado e deputado distrital Fernando Fernandes tem sido alvo de polêmica na internet desde o início de 2019. Nas redes sociais, ele costuma publicar imagens nas quais aparece realizando flagrantes em usuários de drogas e apreensão de entorpecentes na região administrativa.

Em uma abordagem que realizou em uma praça próxima ao Centro de Ensino Médio 3, em Ceilândia Sul, na última semana, Fernandes dividiu a opinião dos usuários das redes sociais e gerou debate. Muitos gostaram e elogiaram o administrador, mas outros o criticaram por prender usuários com apenas um cigarro de maconha.

Segundo o delegado, diversos espaços da região administrativa estão sendo revitalizados desde o início de janeiro e, de lá para cá, pelo menos 10 abordagens foram realizadas por ele na cidade.

“Como delegado, a população conhece a nossa atuação e a lei nos permite que, mesmo afastado (da Polícia Civil), qualquer pessoa pode agir em uma situação de flagrante. Eu, como delegado, não poderia me eximir dessa responsabilidade”, explicou.

WhatsApp Image 2019-02-18 at 10.58.29

“São ações apenas de flagrante. Não há investigação. A própria comunidade pede a nossa atuação e eu não posso permitir que situações como essa aconteçam. Pedimos o apoio da Polícia Civil e a PM para conduzir os usuários até a delegacia”, acrescentou.

Nas redes sociais, Fernandes também comentou o episódio. Veja o post abaixo:

Tenho 25 anos de polícia. Tenho orgulho da minha profissão. Muitos que criticam a prisão de usuários de drogas não conhecem a realidade da Ceilândia e o anseio da população para melhorar a cidade. Todos usavam maconha em frente a uma escola pública, que fica ao lado do meu gabinete. Criticar é fácil, mas fazer pelo próximo é complicado. Agradeço todas as pessoas que me apoiam diariamente no duro trabalho de melhorar a cidade que nasci e cresci. Ao longo da minha carreira, grandes grupos criminosos foram presos e pararam de ameaçar o cidadão de bem. Muitos não sabem, mas tenho mais de dez ameaças de morte. E mesmo com o crime me perseguindo, nunca abaixei a cabeça e fui amedrontado. Sempre fui forte para fazer o trabalho que me propus: ser policial. Esta reportagem do Fantástico mostra uma operação de combate ao abuso sexual. Nesta ocorrência, criminosos usavam drogas para entorpecer mulheres e depois as abusavam sexualmente.

Posted by Delegado Fernando Fernandes on Thursday, February 14, 2019

 

Ver mais

Aconteceu

DF: pit bull solta de coleira, ataca e mata shih tzu

Publicado

dia

Pit bull foi encontrado morto um dia após ter atacado o cachorrinho de menor porte. O caso é investigado pela 31ª DP

Pitbull Dog, Photo took in Heredia Costa Rica

Um cão da raça shih tzu morreu após ser atacado por um pit bull em Planaltina, no Distrito Federal. De acordo com a Polícia Civil (PCDF), o animal estava sem focinheira e se soltou da coleira que o prendia em uma barra de ferro. O ataque ocorreu na sexta-feira (15/2) e é investigado pela 31ª Delegacia de Polícia (Planaltina).

Segundo testemunhas, a proprietária do pit bull era negligente com o animal e chegou a ser alertada diversas vezes por populares sobre a fragilidade da coleira usada para prendê-lo. Aos policiais, a dona do cão, identificada como B.V.O pela corporação, disse que o seu “cachorro se enfureceu, se soltou e foi em direção ao cão de pequeno porte”.

Ainda em depoimento, a mulher acrescentou que, após o episódio do ataque, resolveu “doar o animal para uma pessoa que mora próximo a sua casa”. O pit bull foi encontrado morto com perfurações pelo corpo um dia após o incidente.

TV GLOBO/Reprodução

Shih tzu foi atacado em Planaltina e morreu

 

Ver mais

Aconteceu

DF: de chinelos, homem dirigia van pirata com 40 pessoas

Publicado

dia

O condutor foi parado pela Polícia Militar na DF-463, próximo a São Sebastião, e assinou Termo Circunstanciado

A Polícia Militar flagrou um motorista de van pirata dirigindo com chinelo, o que é proibido por lei, e o dobro da capacidade de passageiros. No momento da abordagem, ocorrida por volta das 8h desta sexta-feira (15/2) na DF-463, próximo a São Sebastião, o veículo estava ocupado por 40 pessoas.

Após o flagrante com pelo menos quatro irregularidades — excesso de passageiros, falta do cinto de segurança, de autorização para fazer o transporte e uso de calçado inadequado –, os policiais lavraram um Termo Circunstanciado pelo crime de exercício irregular da profissão.

O motorista foi notificado pelo excesso de passageiros, falta do uso do cinto de segurança e dirigir com chinelos. A última infração está elencada no artigo 252 do Código de Trânsito Brasileiro, que prevê multa de R$ 85,13, mais quatro pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade