Nossa rede

Tecnologia

Aplicativo de astrologia oferece leituras sob demanda para millennials

Publicado

dia

Mercado de serviços místicos e psíquicos é avaliado em mais de US$ 2 bilhões, segundo pesquisa da Ibis World.

(Reprodução/Getty Images)

Caso você não esteja em sintonia com as estrelas, a Sanctuary Ventures, uma empresa de mídia digital que se dedica a prestar serviços místicos para millennials, quer mudar isso. A quarta-feira, 20 de março, marca o começo do ano-novo astrológico e o lançamento do novo aplicativo de leitura astrológica da Sanctuary. Ele oferece horóscopos diários e inéditas leituras ao vivo e sob demanda com astrólogos profissionais e planeja se expandir para o mercado de comércio eletrônico (com cartas de tarô, cristais, feixes de sálvia e incensos).

Para leitores de certa idade, a pergunta “qual é o seu signo?” evoca imagens de sedutores de camisa aberta dançando em uma discoteca.

Mas, como tudo na vida é cíclico, muitos millennials e integrantes da geração Z gravitam em direção à pseudociência, transformando a pergunta a respeito de qual é o seu signo solar (Áries, Libra etc.) mais uma vez em tema genérico de discussão e alimentando o florescente mercado de serviços místicos e psíquicos, avaliado em mais de US$ 2 bilhões, segundo pesquisa de mercado de 2018 da Ibis World.

O aplicativo da Sanctuary aproveita o sucesso da empresa com seu robô astrólogo para o Facebook Messenger, mas agora expande suas ofertas além dos horóscopos diários gratuitos, permitindo que os usuários façam upgrade para assinaturas mensal (US$ 19,99) ou anual (US$ 199,99) que dão acesso a leituras feitas ao vivo por bate-papo com uma equipe de astrólogos profissionais liderada pela astróloga residente Aliza Kelly.

Os assinantes podem ter acesso a uma leitura astrológica por bate-papo ao vivo uma vez por semana, e cada leitura adicional custa US$ 19,99. (No fechamento desta edição, ainda havia uma opção semanal de US$ 3,99 anunciada na App Store, mas representantes da empresa afirmam que ela será removida.)

“A astrologia é uma prática muito antiga que existe há séculos”, diz o cofundador e CEO da Sanctuary, Ross Clark, que acrescenta que o tradicional ponto de entrada no espaço eram os jornais diários e revistas, ou as leituras feitas presencialmente ou por telefone. A Sanctuary pretende inverter o modelo de acesso recriando a experiência como um formato de bate-papo individual ao vivo por texto, com frases mais curtas e mais fáceis de digerir (leituras de 15 a 20 minutos).

“As mensagens de texto são a linguagem dos millennials e dos jovens de hoje, por isso realmente queríamos aproveitar isso”, diz Clark. “Além de ser a linguagem com a qual eles estão mais familiarizados, esse meio nos permite oferecer uma experiência a qualquer momento, em qualquer lugar. O mecanismo baseado em texto também oferece um filtro se você estiver apenas fazendo testes ou se talvez estiver relutando em fazer esse tipo de coisa pessoalmente ou pelo telefone, por isso há um camada que dá segurança às pessoas.”

Segundo Clark, as leituras pagas são o produto monetizável central do aplicativo e as mercadorias oferecidas por meio da internet, o passo seguinte.

Fonte Exame

 

Comentário

Tecnologia

Inscrições para o Fies estão abertas; veja como fazer pela internet

Publicado

dia

Estudantes de universidades particulares já podem solicitar o financiamento estudantil para o segundo semestre de 2019

Estudantes do ensino superior já podem se inscrever para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) do segundo semestre de 2019. O cadastro para o programa de financiamento de cursos superiores pode ser feito pela internet.

O Fies ajuda estudantes de baixa renda a pagarem cursos de graduação em instituições privadas. São duas modalidades: a Fies, que oferece financiamento a juro zero para estudantes com renda per capita familiar de até três salários mínimos; e o P-Fies, que oferece empréstimo a juros baixos para estudantes com renda mensal familiar per capita de até cinco salários mínimos.

A seleção do Fies é feita com base no Enem: quem se candidatar a um dos 150 mil contratos que serão liberados pelo Ministério da Educação (MEC) precisa ter realizado o exame nacional a partir de 2010, com nota mínima de 450 pontos e sem ter zerado a redação.

As inscrições podem ser feitas pela página do Fies no site do MEC. O estudante precisa entrar com CPF, data de nascimento e o código de verificação que aparece na tela para seguir com o cadastro.

As inscrições vão de 25 de junho até 1º de julho, com a pré-seleção prevista para ser divulgada no dia 9 de julho; seguida da contratação entre 10 e 12 de julho. Confira o edital do Fies para mais detalhes.

 

Ver mais

Tecnologia

Aplicativo usa Inteligência Artificial para remover humanos das fotos

Publicado

dia

“Finalmente, você pode tirar uma selfie sem você”, diz criador do aplicativo

“Finalmente, você pode tirar uma selfie sem você”, diz criador do aplicativo

O aplicativo “Bye Bye Camera” foi criado para dispositivos iOS por Damjanski, um artista que mora em Nova York, e mais dois amigos, sob o conceito de um “mundo pós humano”. O que isso significa? O app utiliza Inteligência Artificial (IA) para retirar pessoas das fotos e cobrir a ausência delas.

“Uma piada que sempre fazemos é: ‘finalmente, você pode tirar uma selfie sem você'”, disse Damjanski ao The Verge.

Reprodução

Reprodução

Foto: Comparação antes e depois feita pelo The Verge

O aplicativo custa US $2,99 na App Store (cerca de R$11,50) e, apesar de interessante, não funciona de maneira perfeita. Ele é lento e remove humanos com muita bagunça, deixando para trás uma mancha de pixels. Se você quiser fazer um trabalho decente, use o Photoshop, mas se sua intenção for experimentar uma nova tecnologia Inteligência Artificial (IA), o Bye Bye Camera é uma opção interessante

De qualquer modo, o artista diz que a intenção do app é não ser perfeito mesmo. “Eu realmente gosto quando ele erra”, diz ele. “Eu sou como uma criança pequena – eu tenho fotografado o tempo todo. E quando funciona, é ótimo; quando isso não acontece, também é engraçado”.

O software por trás do trabalho do aplicativo é bastante simples. Ele usa um algoritmo de detecção de objetos de código aberto chamado YOLOpara identificar pessoas (abreviação de “You Only Look Once”) e uma combinação de sistemas de IA para preencher sua ausência.

Damjanski não entra em detalhes sobre este último, mas não é uma técnica incomum, considerando que a NVIDIA criou diversas ferramentas que montam paisagens e cenários a partir de desenhos dos usuários. A técnica é chamada de ‘reconhecimento de conteúdo’.

Por enquanto o aplicativo funciona apenas para diversão, mas quem sabe no futuro essa tecnologia IA desenvolvida por Damjanski e seus amigos não possa ter mais funcionalidades. Sabemos que essas tecnologias costumam desenvolver-se muito rápido.

Se você não quiser usá-lo nas pessoas, ele funciona muito bem com obras de arte. Quanto ao aspecto “pós-humano”, Damjanski admite que isso é, principalmente, uma piada irônica. O aplicativo foi inspirado por ameaças que a nossa espécie sofre atualmente, como mudanças climáticas e coisas do gênero.

“Estamos pensando em um futuro onde a humanidade não estará mais por perto”, diz ele. “Uma das coisas que eu realmente gosto é que o aplicativo tira os humanos, mas mantém suas sombras.”

Fonte: The Verge

Ver mais

Tecnologia

Após confusão com a Huawei, FedEx processa governo dos EUA por impor regras de transporte

Publicado

dia

Em uma declaração, a FedEx reclamou das implicações disso, e alega que ‘ela é uma empresa de transporte, não uma agência de aplicação da lei’

A empresa de entregas FedEx está processando o Departamento de Comércio dos EUA por exigir que a empresa imponha proibições de exportação, fazendo com que produtos considerados “arriscados” devam ser recusados. Em uma declaração, a FedEx reclamou das implicações disso, e alega que “ela é uma empresa de transporte, não uma agência de aplicação da lei”.

A FedEx está tentando transformar em inconstitucional a ideia do Departamento de Comércio em penalizar a empresa caso ela envie produtos que pareçam arriscados. Outro detalhe da lei é que a empresa deve ter total conhecimento sobre os itens que estão transportando. Caso eles desrespeitem a imposição, eles podem sofrer com penalidades legais

O Secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross, discordou da interpretação da FedEx sobre a lei. O regulamento, disse ele, apenas diz que as operadoras como a FedEx “não podem enviar conscientemente itens que são proibidos pelos controles de exportação”.

O interessante a se observar nessa história, é que a empresa se recusou a enviar um telefone Huawei sob alegação de que não queria problemas com o governo dos EUA, mesmo que as sanções de Trump especifiquem a exportação de tecnologia para a empresa, e não restrições de uso.

O Governo colocou diversas restrições às empresas norte-americanas que trabalham diretamente com a Huawei, em parte por causa da guerra comercial contra a China e, em parte, por causa de supostas ameaças de segurança, envolvendo espionagem via infraestrutura de telecomunicações.

Como foi dito, não há nenhuma proibição de transportar produtos da Huawei, mas a FedEx argumenta que, de acordo com os reguladores atuais, seus funcionários poderão cometer erros para evitar problemas legais, que é o que pode ter acontecidocom o caso do smartphone devolvido pela empresa.

Via: The Verge

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade