Nossa rede

Espaço Mulher

3 tipos de máscaras faciais para deixar sua pele radiante

Publicado

dia

Chame as amigas para testar as diferentes funções do produto!

(Piotr Marcinski/Getty Images)

Seja mista, seca ou oleosa todo tipo de pele precisa de atenção e as máscaras faciais são uma ótima opção para inserir na rotina de cuidados. Além de serem práticas, elas nutrem e revitalizam a pele proporcionando um tratamento intensivo graças à maior concentração de ativos e existem opções para atender todos os tipos de bolso. Confira!

Limpeza

A febre das máscaras começou com a versão de carvão ativado, que remove cravos e purifica a pele. Hoje, porém, a variedade de ativos é enorme. Tem de argila, água termal, chá-verde… Todas vão muito além da limpeza. “Entre os benefícios, destaca-se o controle da oleosidade e do aumento do brilho ao longo do dia”, explica a dermatologista Valéria Marcondes, de São Paulo.

As opções em creme formam uma camada grossa na pele e, depois de secas, devem ser puxadas delicadamente para obter o efeito de peeling ou enxaguadas com água. As de tecido, mais práticas, fazem menos sujeira na hora de aplicar e remover e têm a vantagem de não agredir tanto o rosto. Use qualquer uma das versões uma vez por semana, após a limpeza comum, respeitando o tempo de ação indicado pelo fabricante.

Hidratantes

Estas máscaras são as mais democráticas, pois beneficiam todos os tipos de pele. Geralmente contêm ácido hialurônico, peptídeos e óleos nutritivos. “Esses ingredientes ajudam a manter a umidade na superfície do rosto, dando sensação imediata de maciez”, diz Valéria. As fórmulas ainda podem ser enriquecidas com aloe vera e prebióticos, que acalmam a vermelhidão da pele sensível, com rosácea ou que sofreu com a exposição ao sol.

“Como têm alta concentração de agentes e ficam bastante tempo em contato com a pele, apresentam melhor resultado que os demais produtos de hidratação”, explica a cosmetóloga Sônia Corazza, de São Paulo. A indicação de uso é semanal.

Antissinais

As opções voltadas para combater as marcas do tempo não substituem os produtos de tratamento diário, mas agem como um boost, promovendo cuidado intensivo. “As de efeito lifting servem também para dar uma levantada na expressão antes de uma festa, por exemplo, já que proporcionam resultado imediato“, afirma Valéria.

Essa categoria engloba as de ação tensora (procure por colágeno e peptídeos na lista de ingredientes), clareadora (com vitamina C e ácidos como linoleico ou glicólico) e preenchedora (com ácido hialurônico, principalmente). “Após a aplicação, faça uma breve massagem com as mãos para aproveitar ao máximo os ativos. Não enxágue”, recomenda Sônia. Use uma ou duas vezes por semana ou conforme indicação médica.

Escolha a sua:

(Reprodução/Divulgação)

  1. Máscara Dá-lhe-Lama!, Ricca, R$ 14,90*
  2. Máscara Carvão Ativado e Silício, Pharmapele, R$ 13*
  3. Máscara Mel Nutritivo, Kiss New York, R$ 8,99*
  4. Moisture Recovery, Klasmē, R$ 20*
  5. Máscara Pele Radiante, Beauty 4 Fun, R$ 9,90*
  6. Génifique Hydrogel Melting, Lancôme, R$ 399* (kit com quatro unidades)
  7. Preços pesquisados em dezembro/2018; sujeitos à alteração. Fonte: Cláudia

Comentário

Espaço Mulher

Toxina botulínica pode ser usada em rugas, cicatrizes e diminuição de suor

Publicado

dia

Ela vendo sendo utilizada há 30 anos para tratar rugas de expressão, melhorando o envelhecimento cutâneo

A toxina botulínica vendo sendo utilizada há 30 anos para tratar rugas de expressão, melhorando o envelhecimento cutâneo. A toxina botulínica neutraliza a ação da acetilcolina, que é um neuromodulador e relaxa a musculatura diminuindo a força das rugas de expressão. A aplicação é feita de forma superficial sem efeitos colaterais importantes.

A toxina botulínica também é usada para o tratamento da hiperidrose e, quando aplicada nas axilas, diminui a quantidade de suor por sete a oito meses.

No 14º World Congress of Cosmetic Dermatology – Lima 2019, foi enfatizado o potencial da toxina botulínica para o tratamento de alterações dermatológicas como rugas de expressão, excesso de suor, rosácea, hidrosadenite, desidrose, herpes simples, cicatrizes hipertróficas e queloides.

No caso de qualquer trauma na pele, como um corte cirúrgico, a toxina pode ser utilizada ao redor do mesmo para evitar a tensão excessiva no local. Além disso, a toxina botulínica pode ser aplicada nas cicatrizes espessas, vermelhas e doloridas, que são chamadas hipertróficas. A toxina botulínica pode ser injetada com agulhas delicadas dentro da cicatriz para diminuir a inflamação e a fibrose e, dessa forma, melhorar a aparência da mesma. São utilizadas cerca de 1 a 2 unidades de toxina botulínica para cada centímetro quadrado da cicatriz. Os resultados aparecem por volta de 15 dias após esta aplicação.

Esse tratamento pode ser realizado a cada 15 dias, de duas a quatro sessões para diminuir o tamanho das cicatrizes hipertróficas e também para o tratamento de queloides. A injeção da toxina botulínica nas cicatrizes é ligeiramente dolorosa.

O mecanismo de ação envolvido no tratamento das cicatrizes com toxina botulínica ainda não é totalmente esclarecido. A ação dessa substância é bastante ampla e age em receptores neuro-hormonais, modulando a inflamação. Também há referências de melhora do eritema da rosácea quando tratada com toxina botulínica.

A equipe da dra. Denise Steiner publicou um trabalho utilizando 10 unidades de cada lado do rosto de toxina botulínica para tratamento do flushing, com melhora significativa.

Enumeramos mais uma utilização interessante do uso da toxina botulínica para tratamento de cicatrizes hipertróficas e queloides.

Ver mais

Espaço Mulher

Pílula anticoncepcional masculina significa liberdade para as mulheres?

Publicado

dia

A previsão de comercialização da pílula é para daqui dez anos, em 2029

As mulheres são as que mais sentem as consequências dos métodos contraceptivos. São elas que normalmente põem a própria saúde em risco ingerindo pílulas, levando injeções ou instalando chips anticoncepcionais no corpo. Essa realidade pode mudar em um futuro não tão distante.

No final do mês de março, a Sociedade de Endocrinologia dos Estados Unidos informou que uma nova pílula anticoncepcional passou por testes e obteve resultados positivos. Dessa vez, o público alvo não são as mulheres, mas os homens!

O novo medicamento oral, chamado 11-beta-MNTDC, foi divulgado durante reunião anual. A pílula é composta de testosterona modificada com uma combinação entre hormônio masculino, o andrógeno, e feminino, a progesterona.

Apesar de serem desenvolvidas para sistemas reprodutivos diferentes, a pílula masculina e a feminina funcionam de formas semelhantes. Priscila Lima, ginecologista da Clínica Vivitá, explicou à CLAUDIA que em ambos os medicamentos há o uso de hormônios que bloqueiam a hipófise, inibindo nas mulheres a ovulação e nos homens a espermatogênese.

As tentativas anteriores de desenvolver uma pílula para homens foram barradas por apresentarem efeitos colaterais graves. Então por que, afinal, a pílula feminina, que também pode acarretar problemas de saúde como a trombose, foi aprovada e ainda circula comercialmente?

Priscila conta que, durante a fase de testes da pílula feminina, 5 mil pessoas foram submetidas à experimentação e o risco de trombose não foi tão grande a ponto de barrar a liberação do anticoncepcional.

“Em pacientes saudáveis, há o risco de trombose, mas não é um risco tão alto a ponto de contra-indicar a pílula”, aponta a ginecologista. “Quando há a pressão alta, diabetes ou no caso de pacientes com mais de 40 anos, aumenta-se um pouco o risco de problemas cardiovasculares e trombose.”

O estudo

Christina Wang, principal pesquisadora e uma das diretoras do Centro de Ciência Clínica do Instituto de Pesquisa Biomédica de Los Angeles (LA BioMed), explica que a pílula é feita com o hormônio feminino para inibir a produção de espermatozoide. A combinação com o hormônio masculino serve para não diminuir a libido.

Nos testes, 40 homens tomaram o medicamento. Dez homens tomaram placebos (pílulas sem efeito); 14 tomaram pílulas com 200mg e 16 tomaram pílulas com 400mg da substância; todos fizeram uso de um comprimido ao dia, por 28 dias contínuos.

Ao final do estudo, os exames de sangue mostraram que o nível de testosterona de quem tomou o anticoncepcional diminuiu a níveis que não permitiam a produção de espermatozoide, mas sem causar insuficiência androgênica.

Entretanto, ainda são necessários pesquisas mais longas para confirmar a efetividade do medicamento. Provando-se eficaz, a droga é finalmente submetida a testes com casais sexualmente ativos. A previsão de comercialização da pílula é para daqui dez anos, em 2029.

 (Robert Kneschke / EyeEm/Getty Images)

Como funciona a pílula anticoncepcional masculina?

Flávio Trigo, presidente da Sociedade Brasileira de Urologia, afirma que, toda vez que se toma essa combinação de hormônio masculino, existe uma inibição da produção do espermatozoide.

O médico explica que a hipófise, glândula localizada na base do cérebro que tem a função de regular o trabalho dos testículos, nos homens, libera o LH – hormônio relacionado à fertilidade – e estimula a produção da testosterona.

“Quando eu dou alguma substância que inibe a produção do LH, eu não consigo inibir só a sua produção, eu também diminuo a produção de SSH, responsável pelos espermatozoides”, detalha o urologista. “Então, eu mexo em um sistema em que a pessoa se torna temporariamente infértil”.

Tentativas anteriores: alto risco à saúde

Não é a primeira vez que se tenta desenvolver um medicamento contraceptivo para os homens. Nas tentativas anteriores, os estudos foram barrados por terem apresentado níveis colaterais graves.

Alex Meller, urologista da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), conta que, anteriormente, os contraceptivos eram criados à base de progesterona. “Por se tratar de um hormônio feminino, havia a perda de libido”, explica. “Ela inibe a produção de espermatozoide, atingindo o seu objetivo; mas, consequentemente, prejudica a libido e a virilidade em um todo. Então estes estudos foram abandonados.”

Como saída, a testosterona começou a ser combinada com o hormônio feminino para tentar diminuir os efeitos colaterais. Porém, os testes continuaram mostrando riscos à saúde. “Além das questões sexuais, apareceram sintomas como aumento de peso e aumento de colesterol”, explica o urologista. “Então, o problema de aprovação destes métodos para o uso comercial foram as altas taxas de efeitos colaterais.”

 (Paul Bradbury/Getty Images)

Nova tentativa, menos efeitos colaterais

Na nova pílula desenvolvida nos Estados Unidos, a combinação de testosterona modificada (a nandrolona) para ter efeitos de hormônio masculino e de progesterona foi a solução para atenuar as decorrências do uso dos anticoncepcionais masculinos. Com isso, é esperado que a droga, que combina duas ações hormonais em uma, diminua a produção de espermatozoides sem afetar a libido.

Durante o teste realizado no LA BioMed, alguns participantes perceberam efeitos colaterais leves, como acne e dor de cabeça. Já cinco tiveram uma tênue diminuição no desejo sexual e outros dois descreveram disfunção erétil leve, mas sem diminuir a atividade sexual.

Há o perigo de infertilidade irreversível?

 (Carol Yepes/Getty Images)

Para ambas as pílulas, a masculina e a feminina, Priscila Lima afirma que não há risco de infertilidade. “A vantagem da pílula é que ela é reversível”, argumenta. “Ela produz infertilidade no tempo de uso, ou seja, é temporário. Depois de parar de usar ainda demora alguns meses para o organismo voltar ao normal, mas volta”, garante.

“Neste último estudo eles viram que a produção de espermatozoides foi diminuída, mas seu uso é seguro e reversível, interfere na infertilidade do homem temporariamente”, completa a ginecologista.

E no futuro? Será que as mulheres vão poder parar de tomar o anticoncepcional e os homens é que vão adotar o método contraceptivo?

Segundo a ginecologista, em uma pesquisa feita com 9 mil homens, dos que mantinham uma relação estável, mais da metade concordou que adotaria métodos contraceptivos caso fosse desejo da parceira parar de tomar pílula. “Dessa forma, acredito que a pílula masculina vai ser um método utilizado, mas em maior quantidade entre homens em relacionamento estável”, opina.

Ver mais

Espaço Mulher

7 inspirações de unha bailarina

Publicado

dia

A novidade é perfeita para quem está em busca de algo diferente

Para quem gosta de unhas, sempre tem alguma novidade. Já foi a época de unhas redondas, quadradas e agora é a vez da unha bailarina.

A tendência é um formato que pode ser usado no dia a dia e que deixa as mãos muito delicadas. É um modelo de unha que já era muito conhecido lá fora e que chegou no Brasil para ficar.

O nome da unha foi inspirado nos sapatinhos de bailarina, que possuem as pontas afuniladas e quadradas. O design dessa unha tem a ponta dos dedos achatada e quadrada. A única exigência para aderir ao modelo é deixar as unhas um pouco mais longas.

Curtiu a ideia? Então confira 7 inspirações da unha bailarina:

 (@onfleek.br/Instagram)

 (@dicasdeunhas_br/Instagram)

 (@elisataninaildesign/Instagram)

 (@onfleek.br/Instagram)

 (@luandreacabral/Instagram)

 (@mila_unhas_maniepedi/Instagram)

 (@studiosmodest/Instagram)

Ver mais
Publicidade

Escolha o assunto

Publicidade